Governo apela à colaboração dos caçadores para recolha de amostras de coelho-bravo

Coelho BravoA Directora Regional dos Recursos Florestais apelou à colaboração dos caçadores para a recolha de amostras de coelho-bravo que terá lugar Domingo, 3 de Dezembro, na ilha de S. Miguel, dando continuidade ao estudo sobre a evolução da Doença Hemorrágica Viral (DHV2) nos Açores.

“Agradecemos, desde já, a todos aqueles que, no interesse comum em preservar as espécies que se podem caçar nos Açores, se disponibilizem a colaborar em mais esta acção, que se considera essencial para uma gestão cinegética que se pretende cuidada e ajustada à realidade regional”, afirmou Anabela Isidoro.

Esta acção, implementada pela Direcção Regional dos Recursos Florestais, conta com a colaboração do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto (CIBIO-UP) e já decorreu nos últimos dias nas ilhas Graciosa e Terceira.

No âmbito desta iniciativa, está prevista a recolha de amostras em animais recém-abatidos, para que, através de análises específicas, se possa continuar a avaliar a existência de uma resposta imunitária adaptativa do coelho-bravo à DHV2.

Nesse sentido, Anabela Isidoro salientou que, desde 2015, que se procede à recolha de amostras de coelho-bravo abatidos durante a caça, para que seja possível dar continuidade ao estudo sobre a forma como aquela doença está a afectar as populações de coelho-bravo no arquipélago.

A Directora Regional adiantou que, de acordo com os resultados das amostras recolhidas há um ano, cerca de 70% das populações de coelho-bravo na Terceira e 40% em São Miguel e na Graciosa já adquiriram imunidade contra a nova variante do vírus da Doença Hemorrágica Viral, frisando, no entanto, que é necessário dar continuidade ao estudo e acompanhar a sua evolução.

A colaboração dos caçadores é determinante para o sucesso desta acção, pelo que se apela à sua comparência nos locais estabelecidos para a recolha de amostras de coelho-bravo, cuja localização pode ser consultada na página da Direcção Regional dos Recursos Florestais, no endereço electrónico http://drrf.azores.gov.pt.

A nova variante do vírus da Doença Hemorrágica Viral, identificada em França em 2010 e que em 2012/13 desencadeou um surto no continente português, com uma elevada taxa de mortalidade, chegou aos Açores em Novembro de 2014, tendo sido a Graciosa a primeira ilha a ser afectada.