Açores vão evoluir como “produto alternativo” no turismo de natureza

grafico dormidasA Cushman & Wakefield, uma das maiores empresas imobiliárias dos EUA, com sede em Chicago, classifica os Açores como uma das regiões de Portugal que irão evoluir como “produto alternativo” no turismo de natureza.

Num estudo que efectuou sobre o sector em Portugal, intitulado “Mercado Hoteleiro em Portugal 2017”, aquela empresa aponta, entre as principais “tendências” de evolução do sector turístico em Portugal, a “qualificação do produto”, com um aumento da oferta que “tenderá a concentrar-se em unidades de categoria superior”, e o “crescimento de produtos alternativos” de natureza (nos Açores e Serra Algarvia), de surf (nas costa Oeste, Norte de Lisboa, Alentejana e Vicentina), e de novos destinos de ‘sol & praia’ (em Tróia e na Costa Alentejana) e de natureza cultural (em Évora, Coimbra, Aveiro, Guimarães e Braga).

De acordo com o estudo, nos últimos 10 anos o sector turístico passou por um conjunto de mudanças estratégicas que perfilou Portugal como um destino amplamente diversificado.

 

Açores: destino de natureza

 

“Ao longo da última década a concentração maioritária da oferta em “Destinos, Sol & Praia” estendeu-se a um leque de produtos especializados em segmentos diferenciados, como são a cultura, natureza, lazer e gastronomia”, lê-se no documento a que o nosso jornal teve acesso.

A Cushman & Wakfield destaca “as cidades de Lisboa e Porto (destinos de lazer e cultura), bem como os Açores (destino de natureza), desempenharam um papel crucial neste processo de diversificação de produto, tendo sido precisamente as regiões que maior evolução registaram em termos de procura”.