Valor da pesca já ultrapassou os 24 milhões de euros do ano passado

pesca

A pesca de várias espécies no mar dos Açores, nas categorias de demersais, pelágicos e moluscos diminuiu este ano, até Novembro, mas o valor do pescado aumentou, tendo já ultrapassado o registado em período homólogo do ano passado.

Analisando os dados do SREA, é possível constatar que o valor da pesca descarregada nos portos dos Açores atingiu em Novembro 27.291,8 mil euros, quando no mesmo período do ano passado tinha sido 24.439,9 mil euros.

Apenas as ilhas de Graciosa e S. Jorge registam quedas no valor acumulado deste ano, em relação ao ano passado, enquanto que as restantes ilhas apresentam crescimentos, como o caso de S. Miguel, que passou de 11.778,2 mil euros no ano passado para 13.139,4 mil euros este ano.

 

Queda do goraz, aumento da lagosta

 

Este aumento dos valores este ano confirma a tendência do aumento dos preços do peixe vendido em lota e também ao público.

Há quem perspective, para 2018, um aumento de preços ainda maior, devido à cada vez menor captura das principais espécies do mar açoriano e à cada vez maior procura de peixe por parte do turismo na restauração local.

No quadro que publicamos ao lado é possível constatar a queda dos demersais este ano (-18,3%), dos pelágicos (-17,1%) e dos moluscos (-7,8%).

Goraz, cherne, peixão, abrótea, alfoncim, rocaz, congro e raia são apenas algumas das espécies que sofreram quedas este ano, enquanto se registam crescimentos na captura de boca negra, veja, imperador, pargo, garoupa, juliana e peixe porco, para além de outras espécies.

 

Mais lapas e menos cavaco

 

Nos pelágicos, registam-se as maiores quedas no atum patudo, no chicharro, na cavala e na serra, enquanto que os maiores aumentos registam-se no lírio (que duplicou em relação ao ano passado), bonito e encharéu. Nos moluscos, destaque para o crescimento na captura de lapas e ameijoas e para a queda da lula. Os crustáceos foram a única categoria que cresceu este ano, com destaque para a captura da lagosta, que ultrapassou os 150%, a sapateira e a craca, enquanto que diminuiu a captura de cavaco e camarão.