Turismo açoriano ainda não recuperou da crise de 2010

turistas1Os Açores viram aumentar o número de dormidas na hotelaria no mês de Julho, mas este é um dado muito pouco animador. Primeiro porque os 6,7% são na realidade uma das recuperações mais baixas do país, e depois porque na totalidade de Janeiro a Julho representa uma subida de apenas 0,52%, claramente a recuperação mais baixa do país – a média nacional foi de 8,9%.
Este dado é ainda mais acentuado, quando se tem em conta que no período de Janeiro a Julho, o ano de 2010 foi o pior desde pelo menos 2007, pelo que esta subida significa na realidade uma mexida muito ténue em relação à crise do ano passado: 582 mil dormidas, quando em 2010 tinham sido 579, mas em 2009 cerca de 590 mil, e nos anos anteriores acima dos 500 mil (em 2007 foram mesmo 669 mil dormidas).

Proveitos baixos

Por outro lado, boa parte desse aumento poder-se-á ter devido a um abaixamento significativo dos proveitos dos hoteleiros. Neste período, os hoteleiros viram os proveitos totais baixarem 4,6%, o que foi caso único no país (em todas as regiões os proveitos aumentaram). O resultado é que os proveitos, que atingiram neste período os 26 milhões de euros, são o valor mais baixo desde 2007 (quando foi de 30 milhões de euros) e está abaixo dos cerca de 27 milhões registados nos anos de crise de 2009 e 2010.

Residentes a baixar

Cerca de 47% das dormidas neste período foram da responsabilidade dos residentes – nacionais e açorianos, onde se incluem o que é chamado de “falso turismo”, nomeadamente as originadas em deslocações profissionais, desportivas internas ou escolares. Em Julho, como de costume, regista-se um abaixamento significativo no peso destas dormidas no total. Mas este ano parece haver um recuo ainda mais acentuado, com os residentes a serem responsáveis por 33,4% das dormidas, quando no ano passado baixaram, mas apenas para os 39%. A realidade é que em termos absolutos houve uma diminuição significativa das dormidas dos residentes em Julho, que passaram de cerca de 58 mil para 53 mil. Não é bom sinal.