Secretaria da Agricultura garante que alface dos Açores não tem risco para saúde pública

alfacesDa Secretaria Regional da Agricultura e Pescas recebemos ontem a seguinte nota:

“Face à notícia publicada no passado sábado, pelo jornal Diário dos Açores, com o título “Alfaces dos Açores com pesticida em infração”, entende o Governo Regional dos Açores esclarecer o seguinte:

1.      No âmbito do Plano de Controlo de Resíduos de Pesticidas em produtos de origem não animal, implementado nos Açores desde 2006, têm sido colhidas várias amostras de produtos de origem regional, nacional e/ou importadas com o objetivo de se avaliar o cumprimento dos requisitos legais em vigor;

2.      No ano de 2016, foram colhidas 52 amostras de diferentes produtos e origens e apenas foi detetado uma infração numa amostra de alface;

3.      De imediato foi solicitada à DGAV uma análise de estimativa de risco para o consumidor, tendo esta concluído que “O valor obtido na estimativa de risco para os grupos de consumidores potencialmente expostos, é indicativa de que não estamos perante uma situação de risco para a saúde dos consumidores”;

4.      Acresce que o pesticida em questão (Formetanato) é autorizado para aplicar no cultivo das alfaces;

5.      Foi comunicado ao produtor este incumprimento e foi-lhe dada a devido assistência técnica;

6.      Em 2017 o mesmo produtor voltou a ser abrangido no plano de controlo de resíduos de pesticidas, não tendo sido detetada qualquer infração;

7.      Face ao exposto, concluiu-se que não há risco para a saúde dos consumidores adquirir alfaces ou outros produtos hortícolas produzidos nos Açores.

8.      O facto de ter sido detetada, em 2016, o uso indevido na prática agrícola do pesticida em questão, revela que as entidades públicas estão a cumprir o seu papel fiscalizador e de controlo sobre o modo como são produzidos os produtos hortícolas e outros bens alimentares nos Açores.

9.      Importa, por fim, corrigir a notícia quando diz que o relatório oficial é da DGVA, quando o correto seria dizer que é da DGAV – Direção Geral de Alimentação e Veterinária.

 

NOTA DE REDACÇÃO

O pretenso “esclarecimento” da Secretaria Regional da Agricultura não adianta nada em relação à notícia que publicamos, factualmente, da Direcção Geral de Alimentação e Veterinária. Quando muito, a nota devia ser enviada à própria DGAV, que ainda vai dando conta aos cidadãos dos resultados destes controlos nos produtos, ao contrário dos serviços oficiais de cá, que pouco ou nada publicam, deixando os cidadãos no mais completo desconhecimento sobre o que se faz.

A única correcção que a Secretaria Regional encontrou na nossa notícia foi naquele preciosismo da DGVA, que deveria ser DGAV!

Já agora, aproveitando o preciosismo, a nota da Secretaria também está errada em relação ao título da nossa notícia: não escrevemos “Alfaces dos Açores...”, mas sim “Alface dos Açores...”.