Açores vão ter plano de acção para desenvolvimento da apicultura

apiculturaO Secretário Regional da Agricultura e Florestas anunciou ontem que os Açores vão ter, até ao Verão, um plano de acção para a apicultura, um documento orientador e definidor de medidas com vista ao desenvolvimento de médio e longo prazo deste sector agrícola.

“Era importante ter um documento orientador e que defina um conjunto de medidas com vista ao desenvolvimento do sector no médio e longo prazo”, afirmou João Ponte, à margem da visita a uma exploração apícola no concelho de Ponta Delgada, em São Miguel.

O Secretário Regional adiantou que este plano apícola vai identificar um conjunto de aspectos a melhorar, contribuindo para uma maior valorização do mel que se produz nos Açores, para o aumento da produção e para a conquista de mais consumidores.

João Ponte salientou ainda que o plano, que está a ser elaborado por técnicos da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas e parceiros do sector, deverá incidir sobre quatro grandes objectivos, nomeadamente a sanidade, o acompanhamento técnico, o fortalecimento do associativismo e a comercialização, com vista a tornar o sector mais atractivo e rentável.

A estes objectivos vão corresponder acções concretas, que passarão pelo reforço dos mecanismos de controlo sanitário, promoção de mais acções de formação, desenvolvimento de apoios para a criação de associações ou sessões apícolas nas associações existentes na Região e reforço da visibilidade do mel dos Açores classificado como Denominação de Origem Protegida (DOP).

João Ponte afirmou que a apicultura desempenha um papel muito importante para o sector agrícola, seja pelo contributo das abelhas enquanto polinizadoras naturais, o que contribui para aumentar a rentabilidade das explorações, mas também na polinização de outras plantas, preservando-as e, consequentemente, dando um contributo para o equilíbrio do ecossistema e a manutenção da biodiversidade.

Nos Açores existem actualmente cerca de quatro centenas de apicultores, 742 apiários e quase 6.000 colmeias.

O Secretário Regional referiu que se tem registado nos últimos anos um crescimento muito acentuado do número de apicultores e apiários no arquipélago, bem como uma evolução da qualidade do mel produzido.

Por outro lado, afirmou que, logo que o plano esteja concluído, irá proceder à revisão do Decreto Legislativo Regional, n.º 24/2007/A, dada a necessidade de o adequar à realidade actual e tornar o sector apícola ainda mais atractivo.