Desemprego aumenta nos Açores e é a segunda região com mais desempregados

quadro desemprego nov 18Em contraciclo com a média nacional 

No 3.º trimestre de 2018, a taxa de desemprego foi superior à média nacional em quatro regiões do país: Região Autónoma da Madeira (8,9%), Região Autónoma dos Açores (8,7%), Norte (7,2%) e Área Metropolitana de Lisboa (7,1%) - anunciou ontem o INE.

Abaixo da média nacional, situaram-se as taxas de desemprego do Alentejo (6,6%), do Centro (5,4%) e do Algarve (5,0%).

Em relação ao trimestre anterior, a taxa de desemprego manteve-se inalterada na região Norte, aumentou na Região Autónoma da Madeira (0,6 p.p.), na Região Autónoma dos Açores (0,5 p.p.) e no Centro (0,1 p.p.) e diminuiu na Área Metropolitana de Lisboa (0,1 p.p.), no Algarve e no Alentejo (0,3 p.p., em ambas as regiões). 

Em relação ao trimestre homólogo, a taxa de desemprego desemprego rafael 2diminuiu em todas as regiões, excepto na Região Autónoma dos Açores (onde aumentou 0,5 p.p.).

Os três maiores decréscimos ocorreram na Área Metropolitana de Lisboa (2,3 p.p.), no Norte (2,1 p.p.) e no Centro (1,4 p.p.), revela ainda o INE. 

Por sua vez, o Serviço Regional de Estatística dos Açores (SREA), prefere destacar que, relativamente ao trimestre homólogo: 

desemprego rafael 1- A população activa aumentou 1,1% (mais 1.312 activos)

- A população empregada cresceu 0,5% (mais 542 empregos)

- A taxa de desemprego teve um acréscimo de 0,5 pontos percentuais. 

Neste trimestre, a população desempregada nos Açores, estima-se em 10.804 indivíduos, mais 769 desempregados que no trimestre homólogo e 782 na comparação com o trimestre anterior.

 

A leitura do Vice-Presidente do governo 

 

O Vice-Presidente do Governo destacou os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) ontem divulgados, referentes ao terceiro trimestre de 2018, que refletem o maior número de empregados dos últimos 10 anos e a maior população activa de sempre nos Açores.

“Efectivamente, existem neste momento 112.893 açorianos empregados, que é o valor mais elevado do emprego dos últimos 10 anos”, afirmou Sérgio Ávila, acrescentando que, em relação ao trimestre anterior, “foram criados mais 737 postos de trabalho” e que “há mais 542 açorianos empregados” do que há um ano.

O titular da pasta do Emprego colocou também em evidência o “enorme aumento” da população activa.

“A população activa nos Açores tem actualmente o valor mais elevado de sempre, ou seja, nunca houve tantos Açorianos no mercado de trabalho”, disse Sérgio Ávila, frisando que, mesmo assim, “não foi suficiente para absorver a totalidade das pessoas que pretenderam entrar no mercado de trabalho”.

“Esta situação é um sinal de dinamismo que se verifica na economia açoriana, sendo que se consegue, cumulativamente, criar cada vez mais emprego, mas também cada vez mais pessoas pretendem entrar no mercado de trabalho”, sublinhou.

De acordo com os dados do INE, no último trimestre entraram no mercado de trabalho 1.521 pessoas, número superior à criação de emprego líquido, no valor de 787, o que fez com que, neste momento, existam 782 açorianos que, tendo entrado no último trimestre no mercado de trabalho, não foi possível absorver, tendo resultado no aumento da taxa de desemprego, ao mesmo tempo que se verificou o crescimento do emprego, afirma o comunicado governamental.

Para além de manifestar satisfação pela estratégia seguida pelo Governo dos Açores, o Vice-Presidente defendeu que “é preciso reforçar os esforços para criar ainda mais emprego”.

“O desafio que se coloca no futuro é o de reforçar ainda mais a capacidade que temos tido de criar emprego para que os açorianos que agora pretendem entrar no mercado de trabalho tenham a mesma resposta que 112.893 açorianos já têm neste momento”, afirmou Sérgio Ávila, adiantando que, em pouco mais de 20 anos, a população activa aumentou mais de 30 mil açorianos. 

 

A leitura do PSD-Açores

 

O deputado do PSD/Açores António Vasco Viveiros afirmou ontem que o aumento da taxa de desemprego no arquipélago “desmente o discurso irrealista” do governo regional, dado que a diferença da Região em relação ao país “se está a agravar”.

Segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) relativos ao terceiro trimestre de 2018, a taxa de desemprego nos Açores aumentou de 8,2% para 8,7%, enquanto que a média nacional permaneceu nos 6,7%.

Ainda de acordo com o INE, em relação ao trimestre homólogo, os Açores foram a única região do país em que a taxa de desemprego aumentou, continuado a ter a segunda mais elevada taxa do país.

“O aumento do desemprego nos Açores desmente o discurso irrealista do governo regional do Partido Socialista e confirma, infelizmente, a tendência de agravamento da diferença dos Açores em relação ao país, que se tem vindo a acentuar desde o segundo trimestre de 2017”, disse António Vasco Viveiros.

Para o deputado do PSD/Açores, “o problema do desemprego tem que ser encarado com realismo e não com propaganda, como tem sido prática do governo regional e do Partido Socialista”.

O parlamentar social-democrata lembrou ainda que a diferença entre a Região e o país, em matéria de desemprego, “só não é mais grave porque o número de trabalhadores em programas ocupacionais nos Açores, na proporção da sua população, é quase três vezes maior do que a nível nacional”.

(Gráficos: Rafael Cota)