Região avança, de imediato, para a construção de novo navio para substituir a embarcação

mestre simão encalhadoA Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas anunciou ontem, em Ponta Delgada, que a Região vai avançar, de imediato, para a construção de um novo navio destinado a substituir o ‘Mestre Simão’.

“A Administração da Atlânticoline, com a concordância do Governo dos Açores, optou por promover, de imediato, a construção de uma nova embarcação, similar àquela que agora foi dada como perdida”, revelou Ana Cunha, numa conferência de imprensa conjunta com o Presidente do Conselho de Administração da Atlânticoline, Carlos Faias.

Não foram ainda apuradas as causas do acidente, mas de qualquer forma a Atlânticoline irá receber 9,2 milhões de euros pela perda total do navio.

O valor da indemnização, adiantou Carlos Faias, será aplicado na compra de um novo barco, que se prevê que possa estar a desempenhar as funções do ‘Mestre Simão’ no último trimestre de 2019.

A titular da pasta dos Transportes sublinhou que “ninguém esperava este infortúnio, naturalmente”, assegurando que “tudo está a ser feito para devolver ao ‘Triângulo’, tão rápido quanto possível, a normalidade do transporte marítimo de passageiros e viaturas”.

“Contamos com a compreensão de todos os que utilizam este serviço, pois fica a certeza, e deixo-vos a certeza, que tudo está a ser feito para que volte a ser, o mais rapidamente possível, como era antes”, acrescentou.

A Secretária Regional lembrou que o Governo dos Açores tem estado ao lado da Atlânticoline “desde o início, e está ao corrente de todos os desenvolvimentos”.

Ana Cunha quis também “enaltecer, novamente, a coragem, a abnegação e o profissionalismo, não só do mestre do navio, bem como de toda a sua tripulação, na evacuação dos 61 passageiros que seguiam a bordo do ‘Mestre Simão’, na manhã do dia 6 de Janeiro”.

“Para o Governo dos Açores, seja qual for o cenário, em primeiro lugar, e acima de tudo, está a salvaguarda das vidas humanas que estiveram envolvidas neste acidente e, portanto, nunca será demais mencionar e enaltecer a forma como decorreu todo o processo de evacuação dos passageiros. A todos eles, e a todas as entidades envolvidas, mais uma vez, o nosso obrigado”, frisou.

A Secretária Regional salientou que, nas últimas semanas, “as autoridades, os peritos e as várias entidades técnicas têm estado a desenvolver o seu trabalho, com vista à retirada do combustível, outros poluentes e até materiais que estavam a bordo do navio ‘Mestre Simão’, de forma a evitar qualquer foco de poluição passível de causar danos na zona do Porto da Madalena, na zona envolvente, ou seja, na zona onde o ‘Mestre Simão’ encalhou”.

A par disso, foi também desenvolvida por essas entidades, nomeadamente pelas seguradoras, um trabalho de avaliação do estado do navio, e uma ponderação dos passos seguintes, sendo que “nessa avaliação, as seguradoras concluíram que não é viável recuperar o ‘Mestre Simão’, tendo-o dado como perdido”.

Ryanair anuncia rota directa entre Manchester de Ponta Delgada

ryanair-aircraft-9A Ryanair anunciou ontem que irá reforçar a sua oferta no aeroporto de Manchester com três aeronaves adicionais para o horário de pico no Verão de 2018 (de Junho a Setembro).

Assim, a companhia agregou 10 novas rotas de Verão, onde está contemplada uma rota directa entre Manchester e Ponta Delgada que faz assim parte de um pacote de dez cidades - nas quais se incluem Agadir, Almeria, Barcelona, Belfast, Cagliari, Palermo, Porto, Rhodes e Veneza.

A companhia deu conta também, que irá disponibilizar, já a partir de hoje, 300 mil lugares extras para um total de 57 rotas que ajudarão a transportar 4,9 milhões de clientes este ano.

Para celebrar a expansão de Verão, a Ryanair tem disponíveis lugares para estas rotas por apenas 19,99 euros para reservas até a meia-noite do Domingo (28 de Janeiro) para viagens até Abril.

 

SATA alerta passageiros para greve nos dias 1 e 2 de Junho

sata2A transportadora aérea açoriana SATA alerta os passageiros para o pré-aviso de greve, a 1 e 2 de Junho, e informou da possibilidade de alteração da viagem ou do reembolso da mesma.

 “Na sequência do pré-aviso de greve, efectuado pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, para os dias 1 e 2 de Junho, dos tripulantes de cabine da Azores Airlines e SATA Air Açores, o grupo SATA informa que todos os passageiros com voos nestas datas poderão alterar a sua viagem ou pedir o reembolso do seu bilhete, sem custos adicionais, junto dos canais de venda habituais”, refere a empresa numa mensagem enviada aos passageiros.

Na mesma mensagem, a transportadora aérea dá conta dos voos incluídos nos serviços mínimos para aquelas datas.

No caso da SATA Internacional, que assegura as ligações aéreas de e para fora do arquipélago, estão garantidos os voos com origem em Lisboa e destino em Santa Maria e Horta, e o respectivo regresso à capital, a 1 de Junho. 

No dia seguinte, estão contempladas nos serviços mínimos as ligações Lisboa-Horta e Horta-Lisboa.

Já na SATA Air Açores, responsável pelos voos inter-ilhas, nos dois dias de paralisação estão garantidos voos nas nove ilhas do arquipélago.

Fonte da SATA aconselhou os passareiros “a verificarem se os seus voos estão ou não assegurados nos serviços mínimos e caso não estejam podem passar o voo para outro dia, antes ou depois do período de greve”.

“Além disso, permitimos o reembolso da passagem, caso não a queiram fazer”, acrescentou a mesma fonte, realçando que “poderá haver voos que se realizem embora não estejam incluídos nos serviços mínimos”.

A 21 de Abril, o sindicato, que já tinha marcado greve para 1 e 2 de Maio, que cumpriu, estendeu a paralisação para 1 e 2 de Junho.

Na quinta-feira da semana passada, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil anunciou que iria manter o pré-aviso de greve de Junho, uma vez que as negociações desse dia com a administração da SATA foram “inconclusivas”.

Tripulantes de cabine da Azores Airlines e da SATA Air Açores paralisaram durante os dias 1 e 2 de Maio, tendo a greve deixado em terra mais de 1.300 passageiros, com o sindicato a afirmar que se registou uma adesão de 100%, número diferente do avançado pelo grupo SATA (66,9%).

Sindicatos dos trabalhadores dos CTT marcam nova greve

CttOs principais sindicatos representantes dos trabalhadores dos CTT convocaram uma nova greve geral para o dia 23 de Fevereiro.

A paralisação, que foi convocada pelo SNTCT, SINDETELCO e SINCOR, a que se juntou também o SINTTAV, será a terceira greve geral em dois meses, depois da última a 21 e 22 de Dezembro. 

“É para todos claro que os CTT têm de aumentar o número de trabalhadores, de giros e de estações actualmente existentes. E não, como anunciaram, fechar estações e despedir trabalhadores”, lê-se no comunicado enviado pelo SNTCT - Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Comunicações. Os CTT têm actualmente cerca de 12 mil trabalhadores,e têm um plano de reestruturação que prevê a saída de 800 pessoas nos próximos três anos.

Os quatro sindicatos, explica José Oliveira, dirigente do SNTCT, consideram que o único caminho para salvar os Correios é o da exigência da reversão total da privatização dos CTT, e lembra que já existe uma petição nesse sentido entregue na Assembleia da República. 

A greve de 23 de Fevereiro, adianta, é também contra “a destruição paulatina dos CTT”, contra os “despedimento sejam eles encapotados ou não” e contra ao encerramento das estações e a redução de giros dos carteiros. “O Governo tem que assumir as suas responsabilidades no sentido de salvaguardar a rede pública postal e para que o serviço postal universal volte a ser prestado com qualidade às populações e empresas”, diz o comunicado.

Recorde-se que, nos Açores, no âmbito da reestruturação da empresa, foi anunciado o encerramento de um balcão dos CTT em Ponta Delgada, na zona da Calheta. Uma medida que tem gerado muita contestação junto da população, que inclusive já promoveu uma manifestação à porta daquela estação de correios, contra o seu fecho.

Metro era peta

A notícia que publicámos na edição de ontem sobre a construção de um metro em Ponta Delgada era a nossa tradicional peta de 1 de Abril.
Apesar do exagero das informações, houve muita gente que acreditou.
A ideia e o desenho foram da autoria do nosso colaborador João Sardinha.