Desafios das alterações climáticas inspiram próxima edição das Sanjoaninas

sanjoaninas 4Sob o tema “Angra nas Asas de um Sonho”, as Sanjoaninas 2020 decorrerão na cidade Património Mundial de 19 a 28 de Junho. Nesta edição, Angra do Heroísmo irá ao encontro do desafio lançado pelas Nações Unidas, dedicando as festas concelhias à problemática das alterações climáticas.

“Em 2020, as festividades levarão os angrenses e visitantes a um futuro de sonho, onde o Planeta Terra apresentará uma relação harmoniosa entre a actividade humana e os ecossistemas terrestre e aquático, em contraponto com a destruição ambiental a que hoje se assiste”, revela a autarquia de Angra do Heroísmo, que apresentou o cartaz das festas que traduz “o desejo de Angra um dia, ser assim: um lugar onde o Homem viva lado-a-lado em plena harmonia com o meio natural”.

Segundo a mesma fonte, o cortejo de abertura das Sanjoaninas será outra vertente onde o tema será tratado, com “uma analogia à mitologia grega, lembrando a lenda de Ícaro que, preso na ilha de Creta, viu o seu pai construir-lhe umas asas de penas coladas com cera, mas sob o aviso de não voar demasiado perto do sol para que a cola não derrete-se. Extasiado pela liberdade do voo, Ícaro aproximou-se em demasia do astro, o que lhe derreteu as asas, levando à sua queda e morte no mar Egeu. Tal como Ícaro, a ambição humana, insaciável, pode ser responsável pelo fim da humanidade”, escreve o município. 

“O cortejo de abertura representará uma viagem pelo nosso planeta, em que estarão identificadas a vida no mar, na terra e no ar. Em cada um dos ecossistemas, será explorada, num primeiro momento, a vertente do belo e da natureza intocada e, num segundo instante, os efeitos nefastos da passagem do Homem”, salienta a organização. 

A mensagem a transmitir é que “não há um ‘Planeta B’ e que devemos cuidar desta nossa «casa global». Esta ideia será transmitida pelos carros alegóricos e uma série de intérpretes das artes performativas, música, circo, dança, entre outros, e que, a par com o Séquito Real, darão vida ao desfile de abertura, que se pretende marcante do ponto de vista estético e ético, respeitando os princípios e valores a que faz apelo”.

De 19 a 28 de Junho de 2020, as Sanjoaninas prometem trazer à cidade de Angra do Heroísmo desfiles temáticos, concertos, marchas populares, desporto, gastronomia, exposições, tauromaquia e muito mais. Junte-se às festividades e partilhe uma consciência mais verde e azul para um futuro de sonho.

 

Sinfonietta de Ponta Delgada e António Rosado no Teatro Micaelense

teatro micaelense grande

A Sinfonietta de Ponta Delgada, agrupamento tutelado pela Quadrivium - Associação Artística, irá apresentar-se em concerto no Teatro Micaelense. Este concerto, que terá a direcção musical do maestro francês Jean-Sébastien Béreau, tem data marcada para o dia 15 de Fevereiro, às 21h30, e contará também com a participação do pianista António Rosado, um dos mais proeminentes músicos do panorama musical português da actualidade. 

O concerto conta com o apoio da Direcção-Geral das Artes, da Direcção Regional da Cultura dos Açores e da Câmara Municipal de Ponta Delgada.

Festival Walk&Talk regressa em Julho para a sua décima edição

festival walk e talkO Walk&Talk – Festival de Artes regressa de 9 a 19 de Julho a São Miguel nos Açores e para assinalar a 10ª edição propõe refletir sobre os impactos da actividade artística na criação e reinvenção de espaços públicos. 

O evento realiza-se na ilha de São Miguel com um programa organizado em torno de cinco circuitos temáticos: Circuito Ilha, Circuito Exposições, Circuito Residências, Circuito Performativo e Circuito Conhecimento. “Circuitos distintos que se intersectam para valorizar a criação artística contemporânea, apresentar projectos de instalação, exposição, performance, vídeo, música, arquitectura e design, e actividades como conversas, visitas-guiadas, oficinas e workshops”, avança a organização.

Para assinalar a 10ª edição, a Direcção artística do festival, formada por Jesse James e Sofia Carolina Botelho, propõe como ponto-de-partida para o programa de curadoria que estão a desenvolver para o Circuito Ilha, mapear e reflectir sobre os impactos da atividade artística na criação, expansão ou reinvenção de espaços públicos. Este circuito envolve a criação de trabalhos site-specific em diferentes locais, espaços públicos e ao ar livre de São Miguel e é a área de programação que em 2011 iniciou o projecto Walk&Talk.

Além dos trabalhos que darão forma ao Circuito Ilha, a maioria dos projectos apresentados no festival são inéditos e criados por artistas que participam ao longo do ano no Programa de Residências Artísticas Walk&Talk. Abbas Akhavan, Alex Farrar, Alice dos Reis, Catarina Miranda, Danny Bracken, Flávio Rodrigues, Joana Franco, Luísa Salvador, Mané Pacheco, Margarida Fragueiro e a dupla Sofia Caetano & Elliot Sheedy, são os artistas actualmente em residência e alguns deles vão apresentar novos trabalhos na edição de 2020. A este grupo juntam-se artistas nomeados pela curadora Ana Cristina Cachola, que aceitou o convite para coordenar o Circuito Exposições, que voltará a ocupar vários espaços da cidade de Ponta Delgada, os designers e artesãos convidados pelo curador Miguel Flor a criarem objectos de artesanato contemporâneo no âmbito da RARA – Residências de Artesanato da Região dos Açores e os artistas vencedores das Open Call 2020.

Entre as actividades que estão a ser preparadas, destacam-se no Circuito do Conhecimento a Summer School e o Programa de Voluntariado, que vão voltar a acolher estudantes da região, entre eles um novo grupo de jovens terceirenses que viajam para São Miguel com o apoio da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, e durante o festival terão a oportunidade de contactar com artistas e curadores, de desenvolver a sua literacia artística e capacidades de produção que poderão aplicar em futuros percursos profissionais na área cultural.

A organização avança que até dia 28 de Fevereiro encontram-se abertas três Open Call para artistas e jornalistas que desejem participar no festival.

Festival Tremor 2020 reúne mais 20 nomes no alinhamento de concertos

festival tremor

São mais vinte nomes aqueles que se juntam agora ao alinhamento de concertos e clubbing do Tremor deste ano. Do funaná dos Ferro Gaita, até à linguagem audiovisual de Push 1 stop & Wiklow, passando pelos cruzamentos de géneros de Anna Meredith, 33EMYBW e Ko Shin Moon, as reflexões para violino de Samuel Martins Coelho e o regresso a Portugal de Warmduscher e do brasileiro GIO (Giovani Cidreira), começa a ganhar formato final a proposta de música para o festival açoriano.

Nos nomes nacionais, adicionam-se ainda Gonzo e os açorianos Luís Gil Bettencourt e Mário Raposo (AV Cactus Sessões).

No universo do clubbing, escolha a propor diversas viagens ao tropicalismo e psicadelia mundial com La Flama Blanca, Instituto Fonográfico Tropical, DJ Fitz, a dupla Milhafre e Gaivota e Goldfish, Good in Da’Hood e Huntz Huntz. 

Os novos nomes juntam-se aos já anunciados Lena D’Água, Solar Corona, Angélica Salvi, Conferência Inferno, The Dirty Coal Train, Juana Molina, Kathryn Joseph, Föllakzoid, Gabber Modus Operandi, Larry Gus, MadMadMad, MC Yallah & Debmaster, Pelada, RomeroMartín, Sessa, Vanishing Twin, Lil Kyra e In Peccatvm.

Os bilhetes para a sétima edição do Tremor já se encontram à venda na BOL, FNAC, Worten, CTT e La Bamba Bazar Store, em Ponta Delgada, por 50 euros. O festival anunciará nas próximas semanas a programação para as residências artísticas, exposições e criações especiais.

A ter lugar entre os dias 31 de Março e 4 de Abril, o festival açoriano volta a ter como ponto central a ilha de São Miguel, propondo uma experiência que, ao longo de 5 dias, integra concertos em salas e natureza, residências artísticas, performances surpresa e o diálogo entre artistas locais e convidados, música e outras formas de arte. O Tremor anunciará mais nomes nos próximos meses. 

Vox Cordis encerra digressão de Ano Novo nas Sete Cidades

coro vox cordis

O coro da Vox Cordis – Associação Musical leva a efeito, no próximo dia 11 de Janeiro, pelas 20h30, na igreja de São Nicolau, na freguesia das Sete Cidades, o seu último concerto deste novo ano. Será mais um concerto englobado na sua digressão de Ano Novo, desta vez na freguesia das Sete Cidades e que tem lugar na sequência de um convite da Junta de Freguesia.

Este concerto, de entrada livre, conta com a actuação do coro da Vox Cordis, acompanhado por violino, viola, violoncelo e teclado, sob a direcção musical de Odilardo Rodrigues e terá como repertório diversos temas musicais, nomeadamente: “Angel Song”; “Angel we have heard om high”; “Away in a manger”; “Come to my heart”; “Do varão nasceu a vara”; “Eu hei-de dar ao Menino”; “Follow that star”; “For unto us a Child is born”; “Gloria in excelsis”; “Jingle bells”; “Look at the world”; “Natal de Évora”; “Sing Gloria, sing Noel” e “Somewhere in my memory”. 

De salientar que a Vox Cordis é uma associação musical, sem fins lucrativos, com sede em Ponta Delgada, constituída no dia 25 de Março de 2002 e declarada de utilidade pública, desde 2007.

O seu coro é composto por jovens e adultos e a associação desenvolve formação musical, vocal e coral, desde os escalões etários dos 3 aos 6 - “Semifusas”, e dos 6 aos 14 anos - “Semicolcheias”, tendo já realizado diversos concertos e actuações, nomeadamente temáticos a generalistas ou de época e clássicos.