Campeonato Nacional de Trauma e de Desencarceramento traz prestígio aos Açores

rui luis campeonato traumaO Secretário Regional da Saúde destacou ontem o prestígio e a visibilidade que o Campeonato Nacional de Trauma e de Desencarceramento, que decorre na Praia da Vitória de 17 a 19 de Maio.

“Trata-se de uma prova de alto nível de competição, que vai mobilizar 25 equipas de todo o país, que, ao darem o seu melhor, acabam por aprofundar técnicas e competências no socorro prestado à vítima”, afirmou Rui Luís, que falava a apresentação do evento, na Praia da Vitoria.

Este encontro, que conta com a presença de 16 equipas de Trauma, entre as quais quatro açorianas, e nove equipas de Desencarceramento, envolvendo um total de cerca de três centenas de pessoas, permitirá o apuramento das equipas que concorrem ao Campeonato do Mundo do Trauma, a disputar em Setembro, em França.

“É uma honra para a Região poder ser palco desta prova, organizada pela Associação Nacional de Salvamento e Desencarceramento e pela Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários da Praia da Vitória, com a colaboração do Serviço Regional de Protecção Civil e Bombeiros dos Açores”, salientou Rui Luís.

Para o responsável pela pasta da Protecção Civil, este evento é reflexo do investimento que tem sido realizado na formação aos corpos de bombeiros dos Açores e dos resultados que têm sido alcançados, a nível nacional e internacional, pelas equipas açorianas.

“Lembro, a título de exemplo, os resultados obtidos pela equipa de Trauma da Associação de Bombeiros Voluntários da Praia da Vitória, que foi campeã do Mundo em 2017, na Roménia, e vice-campeã do Mundo em 2018, numa competição realizada na África do Sul”, destacou.

Rui Luís sublinhou ainda a oportunidade que os participantes nestas provas têm de avaliar técnicas e de utilizar as ferramentas utilizadas em situações reais de salvamento.

Durante os dois dias de competição estará também disponível uma exposição com equipamentos, ferramentas e fardamentos inovadores utilizados pelas corporações de bombeiros.

Previsão aponta para crescimento do Turismo em Março

grafico turismo marçoSegundo o Indicador de Turismo-Açores, uma previsão do SREA divulgada todos os meses, as dormidas na Hotelaria Tradicional, no Turismo no Espaço Rural e no Alojamento Local durante o mês de Março de 2019 terão sido aproximadamente 159 mil. 

Os gráficos apresentam o número de dormidas registadas (em milhares) nos meses de Janeiro, Fevereiro e Março de 2019, e respectivos meses homólogos, nos diversos tipos de alojamento turístico.

O IT de Março de 2019 estima uma manutenção da tendência de crescimento do número de dormidas verificada em meses anteriores.

“BocAge” em cena no Teatro Ribeiragrandense

Teatro RibeiragrandenseAs actrizes Rita Ribeiro, Sandra José e Alexandra Pato apresentam, no dia 18 de Maio, no Teatro Ribeiragrandense, a partir das 21.30 horas, “BocAge – O mais honesto homem para se amar…”, um espectáculo que se torna num canal artístico para dar a conhecer a obra de um poeta português.

Nasceu com a vontade irreverente do grito pelas verdades escondidas na poesia e pela homenagem que deve ser feita, neste caso, a Bocage. Não se fechará nas portas de um só poeta, mas este foi o escolhido para o seu nascimento. Aqui as bocas agem, como a de Bocage agiu. Três mulheres, gritando as suas verdades ao mundo, numa viagem entre épocas que bem podiam ser a mesma. Tudo encaixa, tudo continua fácil de perceber e, apenas o olhar com as que as vemos, nos dará as diferentes formas de ler Bocage. Neste espectáculo as actrizes dão a cara às verdades e, ao som de música ao vivo, o evento torna-se mutável. Uma tasca, um salão transformado em adega, um restaurante ou um bar que reúna o espaço necessário para três atrizes e um piano poderem festejar as palavras de BocAge.

 

Filme de Diogo Morgado gravado nos Açores estreia hoje

solumO actor Diogo Morgado estreia hoje, 1 de Maio, em várias salas de cinema do continente e ilhas filme “Solum”, que foi rodado em cinco ilhas dos Açores.

Trata-se de um thriller realizado por Diogo Morgado e filmado em São Miguel, Terceira, Faial, Pico e Flores. A história passa-se numa ilha exótica e desabitada que é usada para um programa de ‘reality tv’ de sobrevivência chamado Solum. Os oito concorrentes são deixados neste ambiente inóspito e isolado, levando consigo apenas o que é estritamente necessário para a sua sobrevivência. O último a desistir vence o concurso.

Na teoria, tudo deveria acabar bem mas durante a prova de sobrevivência vão acontecendo várias peripécias aos concorrentes que chegam a atingir níveis de saturação e ansiedade enormes e que, por vezes, os levam a querer desistir. A morte de uma das personagens, Sarah, em condições misteriosas e depois de ter dado sinais de querer desistir é o início de uma série de situações dramáticas e de suspense “que deixam o espectador colado à cadeira e a imaginar o que vai acontecer”. Cada um dos concorrentes mostra como vai sobreviver a esta aventura numa ilha deserta e inóspita mas com paisagens de fazer cortar a respiração. Liam tem apenas um propósito, acabar com a competição, Carol começa a ter sonhos de uma outra realidade, Paul sabe a verdade, sabe o que, de facto, se está a passar. Sobreviver não é mais um show é uma realidade misteriosa.

Integram o elenco do filme os actores Catarina Mira, Darwin Shaw, Gonzalo Ramos, Francisco Froes, Cláudia Semedo, Maria Botelho Moniz, Luis Lourenço e Anna Ludmilla, além do próprio Diogo Morgado.

Divulgados online centenas de documentos com dados pessoais de passageiros da Atlânticoline

Gilberto mariano - barcoCentenas de documentos com informações pessoais de passageiros da Atlanticoline foram divulgadas online, segundo noticiou a RTP/Açores.

De acordo o canal público de televisão regional, os ficheiros continham imagens de cartões de cidadão de familiares e utilizadores dos navios da empresa de transporte marítimo, e revelavam dados pessoais também de menores, a par de comprovativos de pagamento e acordos judiciais.

Num comunicado enviado às redacções, a empresa esclarece que, “após tomar conhecimento da referida vulnerabilidade informática, esta foi imediatamente eliminada, através da supressão do referido endereço e da informação contida no mesmo”.

“De imediato foram dados os passos necessários para, sem demora, proceder à avaliação do sucedido, nomeadamente no que diz respeito à origem da partilha ilegítima do acesso do referido endereço que permitia a consulta à informação privada”, lê-se no texto.

A Atlânticoline explica, igualmente, que abriu um inquérito interno para apurar as causas da divulgação ilegítima dos dados.

Segundo a empresa, a situação foi comunicada à empresa consultora que presta serviço à Atlânticoline no acompanhamento do sistema de protecção de dados pessoais, implementado nos termos da Lei, sendo que a situação será também comunicada à Comissão Nacional de Protecção de Dados.

“Paralelamente serão implementadas todas as medidas que se mostrem adequadas para impedir futuras situações idênticas”, conclui a Atlânticoline, no mesmo esclarecimento.

O PSD/Açores reagiu, ontem, ao ocorrido, afirmando que os dados pessoais dos açorianos “não estão seguros” nas mãos do Governo Regional, tendo considerado que a “divulgação ilegal” na Internet de cópias de cartões de cidadão de passageiros da Atlânticoline, incluindo menores, “não pode passar impune”.

“Este é o terceiro caso, só nos últimos dois anos, de divulgação ilegal de dados pessoais de açorianos na Internet feita por entidades públicas regionais. Esta situação não pode passar impune”, disseram os social-democratas.

Os parlamentares do PSD/Açores salientaram que “é alarmante que surja outro caso de idêntica gravidade” aos ocorridos em 2017, aquando da divulgação na Internet dos dados pessoais de 230 mil utentes do Serviço Regional de Saúde e da exposição pública de informação pessoal de crianças de uma escola do ensino básico na ilha Terceira.

“Se a divulgação na Internet de cópias de cartões de cidadão de passageiros adultos da Atlânticoline já é muito grave, consideramos gravíssimo que também sejam expostos dados pessoais de menores”, sublinharam.

Os deputados lembraram que “a utilização indevida de dados pessoais é crime” e defenderam que “a culpa não pode voltar a morrer solteira, como acontece com tudo em que o Governo Regional esteja envolvido”.

“Nos anteriores casos de divulgação ilegal de informação pessoal, feitos por entidades públicas regionais, a culpa morreu solteira. Não aceitamos que o Governo Regional volte a menosprezar uma flagrante violação de dados pessoais. Tem que haver consequências políticas desta situação”, frisaram.

Nesse sentido, o Grupo Parlamentar do PSD/Açores vai requerer a audição parlamentar, com carácter de urgência, da Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas e do conselho de administração da Atlânticoline.

Os deputados social-democratas pretendem que a tutela e os responsáveis da empresa pública prestem explicações na Comissão de Economia sobre este caso.