Estação costeira da Porto de Abrigo regista recorde de chamadas em Julho e Agosto

pescadoresA estação costeira da Porto de Abrigo recebeu 4.037 chamadas de embarcações este ano, até Agosto. Os dados, avançados ontem pela entidade, traduzem-se num aumento face a 2017, registando-se “recordes” de chamadas em Julho e Agosto.

“Entre os meses de Janeiro e Agosto de 2018 a Estação Costeira Porto de Abrigo registou 4.037 chamadas em contactos mar/terra, terra/mar, e entre embarcações, tendo se verificado um aumento 25% na utilização do serviço de comunicações da Estação Costeira, relativamente a igual período de 2017”, indica a Porto de Abrigo, em comunicado.

A Porto de Abrigo refere que se registaram “recordes na utilização mensal nos meses de Julho e Agosto correspondendo ao período da actividade intensa da pesca polivalente e da pesca do atum”.

Segundo aponta, é o sector da pesca o “grande responsável pelo aumento de utilização nas comunicações marítimas em VHF/HF por parte de todos os segmentos da frota registada nos Açores e na Madeira e, nestas particularmente da pesca costeira”. A Estação Costeira realiza diariamente avisos autónomos na previsão do tempo, a par de avisos mensais sobre a evolução na captura das espécies com quota atribuída, e tem participado em acções de sensibilização ambientais e segurança a bordo, da iniciativa do Governo Regional dos Açores.

Mais de 2.700 cidadãos já votaram no 1.º Orçamento Participativo da Região

pessoas em Ponta Delgada1O período de votação das propostas finalistas do 1.º Orçamento Participativo dos Açores (OP Açores), que decorre até 30 de Setembro, está a registar uma “elevada participação” dos açorianos, tendo já votado mais de 2.700 cidadãos, revelou ontem o governo regional.

“O alto nível de adesão tem-se verificado em todas as fases de implementação desta iniciativa promovida pelo Governo dos Açores, com a apresentação de 324 ideias, de que resultaram as 154 propostas agora a votação”, adianta uma nota do GaCS.

Entre as ideias de investimento que estão a votação, 34 são na Terceira, 26 em São Miguel, 23 em São Jorge, 17 no Pico, 14 na Graciosa, 13 em Santa Maria, 12 nas Flores, 11 no Faial e quatro no Corvo.

No total, são 59 projectos na área da Juventude, 40 no Turismo, 28 relativas à Inclusão Social e 27 na área do Ambiente, sendo que serão executadas, no mínimo, 18 propostas, duas em cada ilha do arquipélago.

Cada cidadão tem direito a um voto, podendo votar online ou por SMS gratuito. Em qualquer uma das formas de votação, será necessário indicar os números e letras do Cartão de Cidadão ou do Bilhete de Identidade.

Furacão Helene deverá chegar aos Açores com menor intensidade e em tempestade tropical

furacão heleneO Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA) anunciou ontem que às 9 horas dos Açores o centro do furacão Helene localizava-se a 2250 km a SSW dos Açores. 

O ciclone está a deslocar-se para NNW a cerca de 20 km/h, devendo a sua trajectória ter inflectido para norte no decorrer do dia de ontem.

Um posterior desvio da sua trajectória em direcção a noroeste bem como um aumento da sua velocidade de deslocamento, é ainda previsto para o final da semana. 

Assim, existe a possibilidade que a sua trajectória intersecte a região dos Açores que inclui os Grupos Ocidental e Central a partir de sábado (15 de Setembro).

O ciclone era, às 9 horas de ontem, classificado como furacão de categoria 2, com vento máximo de 150 km/h. 

É provável que a sua intensidade diminua devido ao seu deslocamento para águas mais frias e, nas próximas 36 horas, se torne tempestade tropical. 

 

Vários furacões em Setembro no Atlântico

 

A actividade dos furacões neste ano de 2018 está parecida com a de 2006: ou seja, um Agosto muito fraco de furacões e tempestade, mas um Setembro muito agitado. 

Agosto de 2018 foi o mais fraco de actividade ciclónica desde 1997. 

Pelos arquivos do Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, na sigla em inglês),  em Agosto de 2006 tivemos  as tempestades tropicais Chris e Debby e um furacão, Ernesto, que actuou entre 24 de Agosto e 1 de Setembro.

Em Agosto de 2018 tivemos as tempestades tropicais Debby e Ernesto e o furacão Florence, que conta na lista de Agosto, pois começou a ser registado em 30 de Agosto.

Mas Setembro de 2018 começou muito agitado e em apenas em 10 dias, além de Florence, já se formaram mais três furacões: Gordon, Helene e Isaac. 

Estes dois últimos foram registado no dia 7 de Setembro e tiveram rápida intensificação.

 

Os nomes dos furacões

 

A relação de nomes para os ciclones tropicais do Atlântico foi criada em 1953 pelo Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos e o seu padrão tem sido usado em outras regiões do mundo.

Actualmente, estas listas são mantidas e actualizadas pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), agência da ONU baseada em Genebra, na Suíça. 

As listas dos furacões de cada ano são organizadas por ordem alfabética, alternando nomes masculinos e femininos e os nomes de tempestades são diferentes para cada região.

A temporada de furacões e tempestades de 2017 no Atlântico passou por Arlene, Bret, Cindy, Don, Emily, Franklin, Gert e Harvey até chegar a Irma, Jose e Katia - duas tempestades que se tornaram furacões e chegaram à região logo de seguida.

No leste do Pacífico, no entanto, os nomes foram Adrian, Beatriz, Calvin, Dora, Eugene, Fernanda, Greg, Hilary, Irwin, Jova e Kenneth.

As listas são recicladas a cada seis anos, o que significaria que, em 2023, Harvey ou Irma poderão aparecer novamente.

Executivo dá 30 dias à autarquia para “reformular” obras no estádio da Ribeira Grande

Campo municipal RGA Direcção Regional da Cultura anunciou ontem que apresentou à Câmara Municipal da Ribeira Grande uma solução alternativa para a viabilização da construção de uma obra no Estádio Municipal.

Após o embargo da obra em construção, localizada em área de protecção a imóvel classificado sem o parecer prévio favorável do órgão competente em matéria de cultura, a Direcção Regional da Cultura (DRC), em parecer agora emitido, “determina que o projecto em causa deve ser reformulado”.

Segundo indicou ontem o Executivo, em comunicado publicado no site do Gabinete de Apoio à Comunicação Social, a DRC definiu um prazo de 30 dias para que sejam executados os trabalhos necessários a uma solução merecedora de parecer favorável, findo os quais será proposta a demolição da construção ilegal. 

A obra, da responsabilidade da Câmara Municipal da Ribeira Grande, está a ser executada na zona de protecção a um imóvel classificado de interesse público, a “Antiga Fábrica do Álcool da Ribeira Grande”, cujas zonas de protecção, como servidões administrativas, estão sujeitas, de acordo com a lei, ao parecer vinculativo da DRC.

A obra em questão refere-se à construção de novos balneários naquele equipamento desportivo. “A Direcção Regional da Cultura, através de uma atitude pedagógica, tem procurando junto dos diferentes intervenientes, sempre que possível, e de forma célere, conciliar os diversos interesses, no cumprimento cabal da lei”, refere a mesma nota.

 

Autarquia ribeiragrandense “estranha” actuação do Governo

 

A autarquia ribeiragrandense, por sua vez, revelou “estranhar” o comunicado emitido pelo Executivo. “A Câmara Municipal da Ribeira Grande foi confrontada, hoje [ontem], com uma nota publicada no site do Governo Regional dos Açores, emitida através do Gabinete de Apoio à Comunicação Social”, começa por referir o município, numa nota de imprensa, emitida ontem.

A autarquia, presidida pelo social democrata Alexandre Gaudêncio, salienta que “forneceu todos os elementos solicitados pela Direcção Regional da Cultura”, após ter sido notificada sobre o embargo da obra em causa.

“A Câmara Municipal da Ribeira Grande estranha que, até ao momento, não tenha recebido qualquer resposta aos documentos solicitados e enviados”, lê-se. O município acrescenta “estranhar ainda que a Governo Regional dos Açores, através da Direcção Regional da Cultura, tenha optado por dar prioridade a informar primeiro a comunicação social em detrimento de responder à autarquia”. 

Associação do Alojamento Local dos Açores presta esclarecimentos em todas as ilhas

Alojamento local - placaDurante os meses de Setembro e Outubro a ALA - Associação de Alojamento Local dos Açores realizará em todas as ilhas dos Açores sessões de apresentação e esclarecimentos das suas actividades e objectivos.

De acordo com a ALA, “tratar-se-à de uma acção focada na proximidade e aberta a todos os titulares e gestores do AL, associados e não associados, assim como da população em geral”.

Terá também o intuito de incentivar o diálogo, centrado-o em novas ideias e soluções para a resolução dos anseios e preocupações do sector do Alojamento Local de cada ilha.

As referidas sessões contarão com a presença do Presidente Rui Correia, assim como dos membros dos Comités Consultivos de ilha.