Hospital do Divino Espírito Santo recebe seminário sobre Cuidados Paliativos

Hospital PDL2

O auditório do Hospital do Divino Espírito Santo (HDES) irá receber no próximo dia 25 de Janeiro, pelas 09h00, o Seminário INPALIN Açores: Integração de Cuidados Paliativos e Intensivos.

Conforme explica o responsável pela organização, Marco Mendonça, “no seio da missão da Unidade de Cuidados Paliativos (UCP) do HDES, temos procurado dar uma resposta efectiva às necessidades dos doentes em situação de doença grave, incurável e avançada, bem como às suas famílias. Também, como unidade de referência na especialidade, fomentamos o desenvolvimento de cuidados mais ajustados e mais próximos de toda a população da Região Autónoma dos Açores através da sensibilização e formação dos profissionais saúde e população em geral”.

Neste sentido, avançou o enfermeiro, “promovemos uma parceria entre o HDES (Unidades de Cuidados Paliativos, Intensivos e Intermédios), Unidade de Saúde da Ilha de São Miguel (Equipa Comunitária de Suporte em Cuidados Paliativos) e o Instituto de Bioética da Universidade Católica Portuguesa, com o objectivo de organizar vários eventos formativos, com destaque para o Seminário INPALIN Açores dedicado à integração dos cuidados paliativos e intensivos para cerca de 180 profissionais”.

A sessão de abertura deste seminário contará com a presença do Secretário Regional da Saúde, do Presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, dos Presidentes dos Conselhos de Administração do HDES e da USISM, e o Enfermeiro Responsável pela UCP. Os trabalhos, que decorrerão ao longo do dia, contarão ainda com a presença do Director Regional da Saúde e de vários prelectores a nível nacional e internacional, bem como, do HDES e da USISM. 

Para além dos painéis dedicados à integração dos cuidados paliativos e intensivos, a organização destaca também  a apresentação da Equipa de Apoio Psicossocial do HDES, no âmbito do Programa Atenção integral para pessoas com doença avançada da Fundação Bancária “la Caixa” que decorrerá pelas 16h15 do mesmo dia.

Serão ainda levados a cabo um Curso Intensivo em Ética de Fim de Vida de 22 a 24 de Janeiro e um Curso Básico de Cuidados Paliativos de 28 a 30 de Janeiro.

Venda de cimento aumentou 20% nos últimos cinco anos

oferta cimentoNos últimos cinco anos (2014 a 2018) foram vendidos, nos Açores, 602 mil tonelada de cimento, sendo o ano de 2017, com 140 mil, o ano em que ocorreu o maior volume de vendas, revela o SREA num estudo publicado oferta cimento 2ontem.

A venda de cimento aumentou 20,3%, nesse período, tendo a oferta crescido 11,5% (Quadro 1).

Pela observação do gráfico, evolução trimestral das vendas de cimento nos últimos cinco anos, é possível verificar que, do 1º trimestre de 2014 até ao 4º trimestre de 2016, as vendas trimestrais não ultrapassavam as 30 mil toneladas, e que durante 2017 e os primeiros três trimestres de 2018 se situaram acima desse valor.

Assim, o comportamento nos últimos 20 trimestres pode ser descrito como uma relativa estabilidade nos primeiros doze, destacando-se uma subida no 1º trimestre de 2017, com um ligeiro decréscimo no quarto trimestre desse ano, uma retoma das vendas logo no trimestre seguinte e uma descida nos últimos trimestres de 2018.

Relativamente à origem do cimento, desde 2014 o cimento tem sido tendencialmente produzido localmente pela Cimentaçor – Cimentos dos Açores, Lda, em detrimento da sua aquisição ao exterior da Região Autónoma dos Açores.

Federação das Pescas dos Açores quer ser parceira na discussão da legislação que regula a pesca lúdica

pescaA Federação das Pescas dos Açores (FPA), veio ontem a público congratular-se com o facto do Governo Regional estar a avançar com um conjunto de medidas que imponham regras à pesca lúdica, praticada nos Açores.

Em comunicado, a FPA recorda que “sempre incentivou o cumprimento de medidas que promovam a sustentabilidade do nosso Mar, como por exemplo, o estabelecimento de tamanhos mínimos de captura ou a implementação de Áreas Marinhas Protegidas”.

Neste sentido, a FPA considera “muito importante, a medida de redução do número de atuns capturados pelas embarcações de pesca lúdica”, contudo, reforça que “esta medida deve ser alargada a outras espécies”.

A FPA entende, por outro lado, que “estas medidas devem ser discutidas, em conjunto, connosco, com o Governo Regional e com a Associação Regional de Pesca Lúdica dos Açores, para que seja possível chegar a um acordo que sirva os interesses de todas as partes”.

A Federação das Pescas dos Açores considera ser necessário haver um aumento das medidas que permitam o efectivo combate à economia paralela, seja através da fiscalização às embarcações licenciadas e não licenciadas, bem como através de alterações à lei, ou outros meios. Por este motivo, a FPA considera fundamental que se tenha um conhecimento real da quantidade de embarcações licenciadas e não licenciadas de pesca lúdica, da quantidade de pescadores que podem estar afectos a estas e o número de saídas do porto que as embarcações podem efectuar.

Terceira Tech Island vai criar mais 400 empregos até fim de 2020

sergio avilaO Governo Regional estima a criação de mais de 400 postos de trabalho até ao final do próximo ano no âmbito do projecto Terceira Tech Island, que irão compensar 

O vice-presidente do executivo afirmou que um ano após o início da implementação do projecto, “os resultados superam, em muito, as melhores expectativas”, pelo que importa agora reforçar a formação para satisfazer a necessidade de centenas de novos programadores por parte das empresas que já se instalaram ou que o pretendem fazer no ‘hub’ tecnológico da Praia da Vitória.

O titular das pastas do Emprego e da Competitividade Empresarial salientou que, face a esta realidade e à estimativa de criação de mais de 400 postos de trabalho até ao final do próximo ano, “compensando assim, na totalidade, a redução de emprego directo da Base das Lajes” devido à redução da presença militar dos EUA, colocam-se novos desafios.

“O grande desafio para a consolidação do Terceira Tech Island é a necessidade de reforçar e aumentar o ritmo de formação de programadores para corresponder às necessidades e procura crescente das empresas e, nesse sentido, vamos triplicar este ano o plano de formação, assegurando a entrada no mercado de trabalho de mais 160 programadores”, anunciou Sérgio Ávila, acrescentando que o quarto curso de formação em Programação Java e Java Scrip terá início segunda-feira, 28 de Janeiro, e que já estão abertas as inscrições para os próximos dois cursos de formação em Programação, para mais 126 formandos.

 “Atraímos e captamos empresas que pretendem criar, até ao final do próximo ano, mais de 400 novos empregos, estáveis, qualificados e muito bem remunerados, agora falta apenas conseguir mobilizar os açorianos para aproveitarem esta oportunidade de emprego e formação, aceitando o desafio de ingressar numa nova área de formação e assegurar, assim, um novo desafio profissional, uma nova carreira com muito futuro”, sublinhou.

O vice-presidente salientou que a “formação intensiva inicial de quatro meses é gratuita, sendo disponibilizado alojamento para quem se deslocar de outra ilha, podendo inscrever-se todos os que tenham alguns conhecimentos básicos de programação e muita vontade de aprender e de agarrar esta oportunidade e uma nova carreira profissional, independentemente do seu nível ou área de formação ou qualificação académica”.

 O projecto Terceira Tech Island consiste na criação de um ‘hub’ tecnológico na Praia da Vitoria, na área da programação e produção de software, para prestação de serviços, criado pela identificação da existência de necessidades do mercado global no âmbito das TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) e da oportunidade de instalar novas actividades económicas que substituíssem as derivadas da Base das Lajes.

Abertas as candidaturas das IPSS a apoios da autarquia

camara PDLEstão abertas as candidaturas aos apoios da Câmara Municipal às instituições particulares de solidariedade social (IPSS) do concelho de Ponta Delgada.

Os apoios, que têm por base o regulamento de 2014, publicado no portal do Município, destinam-se a contribuir para a prossecução dos objectivos e funcionamento das IPSS do concelho.

Segundo anunciou a autarquia, as candidaturas estão abertas até 31 de Março e, à semelhança do que tem acontecido nos últimos anos, as instituições podem candidatar-se aos apoios através dos serviços da Divisão de Desenvolvimento Social da Autarquia.

O documento que  regula a atribuição destes apoios municipais às IPSS do concelho de Ponta Delgada facilita os procedimentos administrativos e agiliza os processos, conferindo uma maior organização e permitindo, ao mesmo tempo, um maior controlo sobre as diferentes fases de atribuição destes benefícios e, consequentemente, maior transparência e condições de rigor e isenção.

Com a criação do regulamento em apreço, ficaram estabelecidas as regras no que respeita à atribuição dos apoios que abrangem instituições que desenvolvem actividade nas vertentes de terceira idade, infância, cidadãos portadores de deficiência, saúde, imigrantes ou grupos minoritários, família e reinserção social e juventude. Por outras palavras, explica a autarquia, esta ajuda financeira visa promover o bem-estar social, estabelecendo condições que garantem “um apoio aos estratos sociais mais desfavorecidos, directamente ou em colaboração com instituições particulares de solidariedade social”.

Os apoios em causa “são parte integrante das verbas inscritas no orçamento do município e a sua atribuição pode ser feita na modalidade de subsídio ou por protocolo de desenvolvimento, de relevante interesse municipal, com valor a ser determinado pela autarquia”.

Podem candidatar-se aos apoios, as instituições detentoras do estatuto de IPSS, que possuam sede ou desenvolvam a sua actividade no concelho de Ponta Delgada e que tenham a sua situação fiscal e contributiva regularizada perante o Estado.

As candidaturas serão, posteriormente, analisadas por técnicos da Câmara Municipal, e terão em conta as necessidades da comunidade e a intervenção continuada nas áreas prioritárias de inserção social e comunitária.