Livro sobre desastre aéreo em Santa Maria com versão inglesa e novas entrevistas a peritos

Livro Francisco Cunha - versão inglesaO livro “IDN 1851 – O Desastre Aéreo de Santa Maria”, da autoria de Francisco Cunha, sobre aquele que foi o maior acidente de aviação em Portugal, já está disponível em versão inglesa.

Para já, a obra em inglês estará apenas disponível em versão digital, no portal Amazon.com, estando também a edição portuguesa disponível para aquisição no mesmo site, em formato Kindle.

Segundo é avançado em comunicado, a par da tradução e adaptações normais para uma versão em inglês, o livro contém ainda algumas actualizações, tais como novas entrevistas com Jim Krieger, perito em Controlo de Tráfego Aéreo, Richard Marquise, agente especial do FBI, e os peritos em Factores Humanos Malcom Brenner e Barry Strauch, tendo este último tomado parte na investigação ao acidente como representante do NTSB americano. 

Presentemente, o autor está a reunir informação para um novo livro, sobre outro acidente aéreo ocorrido nos Açores. 

A obra, cuja versão original foi lançada em Setembro de 2016, parte dos eventos de 08 de Fevereiro de 1989, quando o voo 1851 da companhia “charter” americana Independent Air se despenhou no Pico Alto enquanto preparava a aterragem em Vila do Porto, perdendo a vida todos os 144 ocupantes, a maioria turistas italianos que iam de férias para a República Dominicana.

Dedicando grande parte do seu conteúdo a uma investigação às causas do desastre, o autor contou com acesso ao inquérito oficial e a colaboração do seu responsável, o engenheiro José Rocha e Cunha, a par do contributo de outros peritos, notavelmente o comandante John Cox (presença regular no programa “Mayday” da National Geographic) e o engenheiro Frank Taylor, do britânico AAIB - Aircraft Accident Investigation Branch.  

Com recurso a documentos oficiais – alguns inéditos - ilustrações técnicas, mapas, entrevistas e fotos, Francisco Cunha explica, “num texto fluido, conciso e completo”, os motivos que levaram ao acidente, culminando numa reconstituição dos momentos decisivos que ditaram a tragédia. 

Nascido em Ponta Delgada, Francisco Cunha tem 32 anos e é licenciado em Comunicação Social. 

Desde 2007 colaborou com os jornais Açoriano Oriental, Correio dos Açores, Atlântico Expresso, Expresso das Nove e nas revistas Açorianíssima e Açores, incluindo ainda o seu currículo trabalhos em sites estrangeiros dedicados ao desporto motorizado.

 

Rede Mini Bus transportou mais passageiros em 2018

Minibus - 2015A rede de Mini Bus de Ponta Delgada registou, no ano passado, um movimento de 1.026.771 passageiros, mais 6% do que no ano anterior, revelou ontem a câmara municipal. 

Segundo salienta a autarquia, este serviço de transporte, que já existe há 16 anos, cobre “praticamente toda a área urbana da cidade”, contando com quatro linhas e com um “número crescente de utentes”. 

“As linhas B e C contabilizam o maior número de passageiros, assumindo um peso na ordem dos 74%, relativamente ao total de passageiros transportados”, adianta o município.

Os utilizadores da rede de Mini Bus dispõem de passes semanais e mensais, com um tarifário social para idosos, estudantes e activos profissionais, que representam em 2018 24% do número total de passageiros.

Aberto novo concurso para construção de navio “ro-ro” para os Açores

Gilberto mariano - barcoFoi ontem publicado, em Diário da república, o anúncio do novo concurso para a concepção e construção de um navio ‘ro-ro’ para a Região Autónoma dos Açores, pelo preço base de 48 milhões de euros e um prazo de execução de 580 dias. A embarcação terá capacidade para 650 passageiros e 150 viaturas. 

O concurso limitado por prévia qualificação desenvolve-se em duas fases, sendo que a primeira corresponde à fase de apresentação de candidaturas e de qualificação dos candidatos segundo os requisitos mínimos de capacidade técnica e financeira definidos no programa do concurso.

Os candidatos qualificados passam à segunda fase do procedimento, onde serão convidados a apresentar a proposta técnica e comercial, cujo mérito será avaliado à luz de diversos fatores que integram o critério de adjudicação, igualmente definidos no programa do concurso.

O júri do concurso é presidido por José Manuel Monteiro da Silva, Juiz Conselheiro do Tribunal de Contas, jubilado, licenciado em Economia pela Universidade Técnica de Lisboa, mestre e doutor pela Universidade da Pennsylvania, nos EUA.

Os vogais efectivos são Luis Filipe Melo, Director Regional dos Transportes, Manuel Ventura, professor no Departamento de Engenharia Mecânica, Área de Engenharia e Arquitectura Naval, do Instituto Superior Técnico (IST), João Frade, Capitão da Marinha Mercante, professor adjunto na Escola Superior Náutica Infante D. Henrique (ENIDH), e José Augusto de Sousa Gomes, Coordenador da Estrutura de Implementação do Plano Integrado dos Transportes (EIPIT).

O concurso foi autorizado pela Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2018, de 13 de Novembro, na sequência da anulação do anterior procedimento, do qual não resultou qualquer adjudicação por exclusão de todas as propostas apresentadas.

Para o executivo açoriano, “a construção e operação de um navio adaptado às condições meteorológicas e oceanográficas mais frequentes nos mares dos Açores e às infraestruturas portuárias existentes na Região é o culminar de uma estratégia que tem vindo a ser preparada nas últimas décadas, de grande importância para a mobilidade interna e o fomento do mercado interno e, consequentemente, para a coesão económica e territorial do arquipélago”.

“Além disso, pelas suas características e capacidades, este navio poderá constituir um relevante meio operacional em operações de emergência e catástrofe, não existindo na Região nenhum outro meio com a mesma capacidade de evacuação de pessoas e de mobilização de meios e equipamentos para acudir as populações, tornando mais eficaz a resposta em situações de emergência”, lê-se em nota do governo regional.

A fase de apresentação de candidaturas está aberta durante os próximos 30 dias. A entidade adjudicante deverá tomar, depois deste período, a decisão de qualificação dos candidatos no prazo máximo de 60 dias úteis.

Criança com dificuldades cardio-respiratórias transportada de São Miguel para Lisboa

transporte criança doente

A Força Aérea foi activada, na noite da passada Quarta-feira, dia 9 de Janeiro, para efectuar o transporte de uma criança com dificuldades cardio-respiratórias, dos Açores para o continente. 

Conforme se pode ler na nota enviada às redacções, este envolvida nesta operação uma aeronave Falcon 50, da Esquadra 504 – ‘Linces’, que se  descolou do Aeródromo de Trânsito N.º 1 (Portela), pelas 19h00, com destino a Ponta Delgada, ilha de São Miguel.

A mesma nota dá conta que o regresso a Lisboa aconteceu pelas 23h40, tendo a criança sido transferida para uma equipa de transporte inter-hospitalar pediátrico do INEM.

Esta é a segunda missão de transporte de longa distância que os ‘Linces’ efectuam em dois dias, isto porque - como refere o comunicado - Terça-feira - o Falcon 50 tinha transportado um paciente, de 34 anos, do Faial para Lisboa.

Escalas de cruzeiros estreia este ano com a chegada hoje do Columbus

columbus 1O movimento de navios de cruzeiros em Ponta Delgada em 2019  inicia-se já hoje com a escala no terminal de cruzeiros das Portas do Mar do COLUMBUS, navio almirante da conhecida operadora britânica Cruise & Maritime Voyages. 

Esta passagem em Ponta Delgada faz parte de um “World cruise” de 120 noites, que levará aquele paquete diversos portos, principalmente asiáticos, da Nova Zelandia e Austrália, terminando este longo itinerário na cidade de Londrees a 5 de Maio.

Construido em 1988 nos estaleiros de Chantiers de L´Atlantique, em Saint Nazare com Fair Majesty, para a Sitmar Cruises, nunca chegou a navegar com aquele nome, tendo passado no ano seguinte para a Princess Cruises, sendo renomeado Star Princess. 

Entre 1997 e 2003 operou sob a sigla P&O com o nome de Arcadia. 

Nesse ano passou a neavegar sob o emblema da Ocean Village, uma nova operadora entretanto nascida e onde se manteve até ao encerramento das operações da mesma em 2010. 

Transferido para a Autrália nesse ano, passou a navegar sob o nome de Pacific Pearl, até 2017, quando foi adquirido pelo actual operador.

Possui 63.524 toneladas de arqueação bruta, sendo as suas dimensões de 245,6 metros de comprimento, 32 metros de boca e um calado de 8,2 metros. 

As suas áreas publicas estão espalhadas ao longo dos 11 decks que o mesmo disponibiliza. 

Em ocupação normal tem capacidade de alojar 1.660 passageiros, sendo a sua tripulação composta por 514 elementos. 

Os 1.205 passageiros e 620 tripulantes que se encontram a bordo, são aguardados pelas 07h00 de hoje e deverão permanecer na ilha até cerca das 20h00, altura prevista para navegar rumo a Barbados.

 

Azores Cruise Club/Para Diário dos Açores