Greve nos portos não afectará Ponta Delgada

porto ponta delgada1A greve dos estivadores prevista para vários portos a nível nacional não afectará o porto de Ponta Delgada - garantiu ao nosso jornal fonte do Sindicato dos Trabalhadores Portuários do Grupo Oriental. 

Conforme foi noticiado, os estivadores convocaram uma greve de 24 horas a partir das 8 horas de 27 Julho nos portos de Lisboa, Setúbal, Sines, Figueira da Foz, Leixões, Caniçal, Ponta Delgada e Praia da Vitória, até às 8 hras de 28 de Julho, contra “a crescente proliferação de práticas anti-sindicais nos diversos portos portugueses, revestindo-se estas de extrema gravidade no porto de Leixões, permanecendo ainda graves no porto do Caniçal”.

Fonte da Direcção do Sindicato dos Trabalhadores Portuários do Grupo Oriental esclareceu ao “Diário dos Açores” que entre os mais de 30 estivadores desta estrutura sindical, apenas dois se desfiliaram e passaram a fazer parte do SEAL (Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística), pelo que, “mesmo que aderem à greve, não terá qualquer consequência no porto de Ponta Delgada”.

De acordo com a mesma fonte, toda a actividade no porto de Ponta Delgada “está garantida”, uma vez que aquele sindicato mantém o mesmo acordo com a Portos dos Açores, “vivendo-se uma paz social na empresa há vários anos”.

 

Porto de Lisboa afectado

 

A propósito desta greve, ontem a Associação dos Operadores do Porto de Lisboa declarou sem efeito o acordo feito com o Sindicato dos Estivadores devido à greve marcada para o final do mês, que penalizará o porto da capital.

Em comunicado, a Associação de Operadores do Porto de Lisboa acusa de “desrespeito” o Sindicato Nacional dos Estivadores por ter marcado uma greve para 27 Julho para a maioria dos portos nacionais, depois do acordo alcançado no final de Junho, que inclui aumentos salariais.

“Para a convocação desta greve, o sindicato apresenta motivos que não envolvem o Porto de Lisboa, não deixando, contudo, de o penalizar directamente com a greve”, refere a Associação dos Operadores do Porto de Lisboa (AOPL).

Em 28 de Junho, a Associação dos Operadores do Porto de Lisboa e o Sindicato dos Estivadores chegaram a um pré-acordo de actualização salarial, que prevê a actualização de todas as cláusulas pecuniárias em 4%, com retroactividade em 1 de Janeiro de 2018, e uma actualização adicional de 1,5% a partir de Janeiro de 2019.

Com este acordo, entretanto já ratificado por estes trabalhadores do Porto de Lisboa em plenário, os estivadores cancelaram três semanas de greve ao trabalho suplementar.

A direcção da AOPL considera “incompreensível que um acordo importante para todos seja quebrado pelo sindicato duas semanas depois de ter sido aprovado”.

Os operadores dizem que por considerarem que “a paz social é importante para garantir o sucesso do Porto de Lisboa” é que fizeram um “esforço financeiro” para fazer o acordo de Junho e evitar três semanas de greve, pelo que a “atitude de marcar uma greve de 24 horas para dia 27 de Julho mostra um total desrespeito pelo acordo alcançado, desvalorizando o esforço de todos os que trabalharam para o atingir”.

A denúncia do acordo foi comunicada ontem por carta ao Sindicato dos Estivadores, diz a AOPL.

Aquele sindicato, de âmbito nacional, em comunicado divulgado, acusa as empresas portuárias dos portos abrangidos pela greve de comportamentos que configuram diferentes tipos de “assédio moral, desde perseguição a coacção, desde suborno à discriminação, desde as ameaças de despedimento à chantagem salarial”, e que visam colocar uns trabalhadores contra outros e evitar a sua sindicalização.

Greve na Ryanair leva a cancelamento de voos de e para Portugal

ryanair-aircraft-9A companhia aérea Ryanair vai cancelar 300 dos 2400 voos diários entre 25 e 26 de Julho. 

Segundo avançou a transportadora aérea ‘low cost’, em comunicado, o cancelamento vai servir para minimizar os efeitos da paralisação anunciada por parte de alguns tripulantes de cabine em Portugal, Espanha e Bélgica.

Vão ser afectados cerca de 12% dos passageiros que iriam viajar com a Ryanair na quarta e quinta-feira da próxima semana. Os visados podem remarcar ou solicitar voos alternativos num intervalo de sete dias antes ou após os dias 25 e 26, ou solicitar o reembolso total do valor dos seus voos.

A companhia já avisou por SMS quase 50 mil passageiros com voos de ida ou volta para Portugal, Espanha e Bélgica. 

Os cancelamentos irão envolver até 50 dos mais de 180 voos diários operados pela Ryanair de/para Portugal, que representam 27%, até 200 voos diários de/para Espanha, até 50 voos diários de/para a Bélgica, e até 300 dos mais de 2.400 voos diários operados pela Ryanair por toda a Europa, avisou a empresa no mesmo comunicado.

 

Greves são “injustificáveis”, diz director de marketing da Ryanair

 

“Considerando que os tripulantes de cabine da Ryanair auferem salários excelentes – até 40.000 euros por ano (em países com elevado índice de desemprego jovem) – horários líderes de indústria (14 dias de folga por mês), óptimas comissões por vendas, subsídio de uniforme e baixa de doença paga, estas greves são completamente injustificadas e apenas resultarão em perturbações a férias de famílias, beneficiando as companhias aéreas concorrentes em Portugal, Espanha e Bélgica”, afirmou Kenny Jacobs, director de marketing da Ryanair, citado no comunicado.

“A Ryanair pede as mais sinceras desculpas aos clientes afectados por estas perturbações, as quais tentámos a todo o custo evitar”, lamenta Kenny Jacobs. A companhia garante que “todos os passageiros afetados já foram contactados por email ou SMS esta quarta-feira de manhã e terão os seus voos remarcados ou reembolsados.”

Governo lança debate sobre problemática das dependências

rui luis debate dependenciasO Secretário Regional da Saúde desafiou as entidades parceiras e a comunidade a reflectirem sobre a problemática das dependências e a encontrarem respostas diferenciadas.

“A nossa intenção é ter uma visão territorial deste fenómeno, não tomar decisões que sejam iguais para todos porque os fenómenos são diferentes em cada um dos territórios”, afirmou Rui Luís, que falava Terça-feira, em Angra do Heroísmo, na abertura do primeiro da série de Encontros sobre Práticas em Intervenção em Comportamentos Aditivos e Dependências.

Nesta iniciativa, aberta à comunidade, participaram entidades que desenvolvem acções no âmbito da prevenção e tratamento dos comportamentos aditivos.

O titular da pasta da Saúde salientou que este encontro surge no seguimento do Estudo sobre Comportamentos Aditivos que está a ser realizado por uma equipa de investigadores da Universidade dos Açores.

“Queremos perceber quais são os factores, por um lado, que levam, sobretudo os jovens, a entrar nesta vertente das dependências, mas também perceber quais são os factores de protecção que a própria sociedade tem para ajudar a resolver o problema”, frisou Rui Luís.

O estudo, que já concluiu a fase de inquérito, abrangeu cerca de 16 mil jovens de todo arquipélago, desde o 3.º Ciclo ao Secundário.

Rui Luís referiu que, além das medidas diferenciadas que resultarão da estratégia delineada por este diagnóstico por ilha, existem acções já em curso transversais à Região, apontando como exemplos o Plano de Acção para a Redução dos Problemas Ligados ao Álcool e o projecto Domicílios e Carros sem Fumo.

“Não podemos esquecer a redução dos riscos para aqueles que consomem, mas há também que fazer um trabalho de prevenção junto dos mais jovens através da introdução de hábitos de vida saudáveis”, afirmou o Secretário Regional.

Parcerias são a trave-mestra do apoio social prestado aos açorianos, afirma Vasco Cordeiro

Vasco Cordeiro - cozinha sta casa GraciosaO Presidente do Governo destacou ontem as parcerias com as Instituições Particulares de Solidariedade Social e Misericórdias dos Açores, que garantem aos açorianos perto de 700 valências em toda a Região, e defendeu que as instituições também devem, cada vez mais, reforçar as parcerias entre si.

“Cada vez mais, com as dinâmicas das sociedades modernas, interessa que sejamos capazes de abrir caminho neste domínio de parcerias entre as instituições particulares de solidariedade social”, afirmou Vasco Cordeiro.

O Presidente do Governo falava na inauguração da nova cozinha da Santa Casa da Misericórdia de Santa Cruz da Graciosa, um investimento de cerca de 800 mil euros que serve não só o Serviço de Apoio Domiciliário, mas também as restantes valências existentes na instituição, como a creche, o jardim-de-infância, o centro de actividades ocupacionais e o lar de idosos.

Este caminho de reforço das parcerias entre as instituições, afirmou Vasco Cordeiro, “tem uma parte que pode ser impulsionada pelo Governo”, mas prende-se, naturalmente, com a motivação e com o interesse da parte das próprias instituições.

“É fundamental para a optimização de recursos, mas também para o aumento da oferta existente na Região. O investimento que uma instituição faz pode, perfeitamente, servir para acomodar as necessidades de outra instituição. Um investimento que o Governo dos Açores apoia numa instituição pode, naturalmente, servir para utentes de outra instituição”, sublinhou.

De acordo com Vasco Cordeiro, esse é um trabalho que, tendo uma componente essencial da parte da intervenção pública, passa, assim, pela disponibilidade e pela vontade das instituições privadas, cabendo ao Governo incentivar este processo, que resultará em benefício de todos.

No segundo dia da visita estatutária à ilha Graciosa, o Presidente do Governo salientou também as parcerias existentes entre o Executivo e as Misericórdias e Instituições Particulares de Solidariedade Social, que permitem disponibilizar cerca de 700 valências nos Açores, com vista à concretização do objectivo comum de servir os açorianos.

“Nós não conseguiríamos, enquanto Governo e enquanto Região, desenvolver estas políticas sociais sem formar parcerias com as Santas Casas da Misericórdias e com as outras Instituições Particulares de Solidariedade Social que, na prossecução dos seus próprios objectivos, convergem para o objectivo último e comum que é servir”, destacou.

Relativamente à nova cozinha da Santa Casa da Misericórdia de Santa Cruz da Graciosa, Vasco Cordeiro considerou que se trata de um investimento que se enquadra na aposta que tem sido concretizada desde a primeira hora ao nível das políticas sociais, e que passa por “apoiar aqueles que, entre nós, estão numa situação que necessitam de um maior apoio”.

Nesse sentido, referiu que, na atual legislatura, o investimento na construção e remodelação de equipamentos sociais nas áreas da infância e juventude, idosos e família e comunidade, ascenderá a cerca de 40 milhões de euros. 

Governo anuncia Programa Regional para as Alterações Climáticas

conselho de governo ambienteO Governo Regional dos Açores anunciou ontem uma proposta de Decreto Legislativo Regional que cria o Programa Regional para as Alterações Climáticas (PRAC), documento que Vasco Cordeiro reputa de “fundamental para preparar a Região em vários sectores, face a uma realidade cada vez mais presente e que tem implicações na vida diária dos açorianos”.

É uma das decisões tomadas no Conselho do Governo sobre Ambiente, que esteve reunido ontem nas Furnas e cujas deliberações foram apresentadas pelo Presidente do Governo.

Diz o executivo que “as alterações climáticas são um dos maiores desafios com que a Humanidade se depara no século XXI, tendo os seus impactes a capacidade de fazer reverter décadas de desenvolvimento, com efeitos especialmente gravosos nos territórios insulares e dispersos, como é o caso dos Açores”. Entre as várias deliberações, foi anunciado “o alargamento da rede de monitorização automática do nível das massas de água superficiais a todas as 23 lagoas dos Açores (actualmente, a rede abrange 15 lagoas) e a instalação de uma rede de monitorização automática quantitativa das massas de água subterrâneas; A criação, por parte das entidades gestoras dos sistemas de abastecimento, de reservatórios para armazenamento de água para garantir a disponibilidade deste bem, sem sobrecarga dos recursos naturais, em períodos de escassez”.

Foi ainda decidido proceder à elaboração da Estratégia Açoriana para a Energia 2030 e a proposta de Estratégia para a Implementação da Mobilidade Eléctrica nos Açores. 

Foram aprovados dois Decretos Regulamentares Regionais que procedem à primeira alteração dos Planos de Ordenamento das Bacias Hidrográficas da Lagoa das Sete Cidades e da Lagoa das Furnas.

Foi também aprovada uma Resolução que determina a elaboração do Plano de Acção para a Conservação da Reserva Natural da Lagoa do Fogo, visando a conservação de habitats naturais e de espécies que aí ocorrem e o estabelecimento de regras de acesso e fruição da área protegida.

Foi igualmente aprovada uma proposta de Decreto Legislativo Regional que cria um regime de protecção e classificação das cavidades vulcânicas dos Açores.

Entre outras medidas, “de forma a estimular ainda mais este impulso cívico da sociedade açoriana, o Conselho do Governo aprovou uma proposta de Decreto Legislativo Regional que altera a composição e o funcionamento do Conselho Regional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável (CRADS)”.

O Conselho do Governo criou os prémios “Espírito Verde”, “com o objectivo de evidenciar o compromisso com o ambiente e a sustentabilidade e premiar empresas, instituições e personalidades que se distingam pelas boas práticas ambientais, bem como na investigação, activismo, voluntariado ou mecenato ambientais”. 

Os prémios serão atribuídos, anualmente, a partir de 2019, em várias categorias. “Responsabilidade do presente e oportunidade de futuro”, foi o mote com que o governo realizou nas Furnas este Conselho de Governo sobre Ambiente.