Criada a Cooperativa de Pesca Açoriana

pescaA Federação das Pescas dos Açores anunciou a criação, esta Quinta-feira, da  Cooperativa de Pesca Açoriana (CPA). 

O principal objectivo da cooperativa passa por “garantir a manutenção das competências atribuídas à Espada Pescas, depois de, recentemente ter sido anunciado que esta será extinta”, explica a Federação das Pescas dos Açores, em comunicado.

Segundo a mesma fonte, a Federação das Pescas dos Açores, vai propor ao Governo Regional a integração de activos da empresa Espada Pesca nesta nova cooperativa, “para que se evite a perda de muito do trabalho já realizado”.

A CPA, através da cooperação e entre ajuda dos seus 10 cooperantes, “visa satisfazer as necessidades dos associados, particularmente em áreas relacionadas com a valorização e comercialização dos produtos da pesca, e em especial, fomentar os princípios e práticas do cooperativismo”.

A cooperativa, que terá o estatuto de Organização de Produtores de Pesca, pretende participar “de forma pró-activa na gestão quotidiana das pescas e desempenhar um papel essencial na execução da política comum das pescas e na organização comum dos mercados”. 

Pretende ainda “orientar os produtores para uma pesca mais sustentável, nomeadamente através da gestão colectiva das actividades dos seus membros, adequando a oferta à procura e criando valor acrescentado”. Realizar campanhas de promoção, participar em feiras e eventos, nacionais e internacionais, promover e valorizar o Pescado dos Açores, são algumas das actividades previstas.

 

Venda de produtos para fora da Região e investimento externo aumentam nos Açores

porto4O Vice-presidente do Governo destacou a evolução positiva que se tem registado no saldo da balança comercial dos Açores, indicador que traduz a diferença entre exportações e importações de bens e serviços, devido ao aumento das vendas de produtos para fora da Região ocorrido em 2017, que registou uma nova subida no primeiro trimestre deste ano, assim como a subida de intenções de investimento externo no arquipélago.

“Nos Açores, depois de, em 2017, a nossa balança externa ter melhorado o seu saldo em 34%, no primeiro trimestre deste ano houve um acréscimo de melhoria do nosso saldo da balança comercial de mais 45%”, comparativamente ao mesmo período do ano passado, frisou Sérgio Ávila, que falava, em Ponta Delgada, num encontro com empresários das Canárias.

O titular da pasta da Competitividade Empresarial acrescentou que, se se associar a esta significativa evolução o crescimento de 22% registado no último ano por parte das empresas aderentes da Marca Açores e a subida de vendas dos principais sectores com capacidade exportadora, comprova-se que a Região está “a crescer muito em termos da melhoria da balança comercial”.

De acordo com os mais recentes indicadores estatísticos, o comércio com o exterior registou no primeiro trimestre deste ano aumentos de 3,1% na venda de produtos lácteos, de 16,4% na venda de conservas, de 5,2% na venda de peixe e de 11,2% na venda de carne bovina, face aos primeiros três meses do ano passado.

Para o governante, esta evolução registada não esgota a capacidade e o potencial de crescimento exportador da Região, salientando, a propósito da missão empresarial Açores-Canárias que visita esta semana o arquipélago, promovida pelo Governo dos Açores, que há mercados a conquistar.

“Conquista-se atraindo, [neste caso], empresas das Canárias, que são empresas importadoras, como vamos fazer nestes três dias”, criando canais de contactos, de distribuição e de venda, afirmou Sérgio Ávila.

Para potenciar este objectivo, o Vice-Presidente salientou ainda que, através do sistema de incentivos à internacionalização, foi criado um apoio de até 90 por cento dos custos com o envio de produtos regionais até ao destino final.

Além de mais esta oportunidade para estabelecer novos negócios que representa a visita de empresários das Canárias aos Açores, Sérgio Ávila acrescentou que esta missão também apresenta a possibilidade de captar ainda mais investimento externo para a Região.

“Neste momento, o Governo dos Açores, através da Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores – SDEA, está a acompanhar 37 projectos de investimento externo na Região que poderão representar um potencial de mais de 135 milhões de euros de investimento externo na Região”, frisou.

O governante salientou que a dinâmica de aumento de novos negócios e projectos tem sido estimulada, entre outros factores, pela aposta na promoção e valorização nacional e internacional dos produtos e serviços regionais e pela criação de um sistema de incentivos à exportação e investimento nos Açores mais favorável do que no resto do país e estados ou regiões da Europa.

A missão empresarial Açores-Canárias, que se realiza até 26 de Maio, envolve uma dezena de empresários e surge no âmbito da estratégia de fomento à exportação promovida pelo Governo dos Açores e na sequência da visita, em Setembro de 2017, do Presidente do Governo das Canárias, Fernando Clavijo Batlle, aos Açores.

Esta missão empresarial inclui visitas a empresas locais, visando conhecer ‘in loco’ a origem dos produtos e os seus métodos de produção e fabrico, bem como a realização de reuniões B2B (business to business), ou seja, reuniões presenciais, com representantes de cerca de três dezenas de empresas de várias ilhas dos Açores.

Jovens açorianos campeões nas profissões

World-SkillsA representação dos Açores no 43.º Campeonato Nacional das Profissões - Skills Portugal, que decorreu em Beja, conquistou oito medalhas, três de ouro e cinco de prata, nas 40 profissões a concurso, mantendo um nível de resultados que o ensino profissional dos Açores já alcançou nas participações em concursos nacionais e internacionais.

Ana Filipa Carolas Coelho, da Escola Profissional da Praia da Vitória, conquistou a medalha de ouro em Cozinha, Paulo Alexandre Lourenço Ferreira, da ENTA - Escola de Novas Tecnologias dos Açores, venceu em Gestão de Redes Informáticas, e Fernando Cabral Cruz Nunes, também da ENTA, alcançou a medalha de ouro em Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Empresariais. As medalhas de prata foram conquistadas pelos jovens Hugo Miguel Pacheco Leandro, da EPROSEC, em Contabilidade, Emanuel Viveiros Corrêa, em Eletricidade, e André Araújo Arruda, em Eletrónica, ambos da Escola Profissional de Capelas. José Pedro Ferreira Franco, da ENTA, conquistou a medalha de prata em Gestão de Redes Informáticas, e Leandro Manuel Machado Correia, da Escola Profissional da Praia da Vitória, obteve o 2.º lugar em Serviço de Mesa e Bar. Os jovens Açorianos que obtiveram as medalhas de ouro neste concurso em que participaram mais de 350 concorrentes, 300 jurados e outros técnicos e formadores, são candidatos a participar nos campeonatos Europeu (EuroSkills) e Mundial (WorldSkills) das Profissões.

Açores e Madeira preparam safra de atum para este ano

AtumO Director Regional das Pescas afirmou que a próxima safra de atum das embarcações açorianas que operam na Madeira “está a ser preparada com todo o cuidado” para que todas as questões logísticas sejam “devidamente asseguradas”.

Luís Rodrigues, que falava Quarta-feira, no Machico, à margem de uma reunião com o Director Regional das Pescas do Governo da Madeira e com representantes da Associação de Produtores de Atum e Similares dos Açores (APASA), destacou a importância desta pescaria para o rendimento dos pescadores açorianos.

O Director Regional lembrou que a safra de atum das embarcações açorianas que operam em águas madeirenses rendeu 8,5 milhões de euros em 2017, acrescentando que para este ano está prevista a deslocação de cerca de duas dezenas de atuneiros à Madeira.

Um dos principais objectivos deste encontro foi garantir que as questões relacionadas com o abastecimento de combustível, a capacidade de conservação e de armazenamento, bem como a venda e o escoamento do atum, “são devidamente asseguradas”, frisou Luís Rodrigues.

O Director Regional destacou “o bom relacionamento e a cooperação” entre as duas regiões autónomas em matéria das pescas, lembrando que o Governo da Madeira autorizou no ano passado que mais barcos açorianos pudessem pescar atum em águas madeirenses.

No âmbito do protocolo entre os Governos dos Açores e da Madeira, atuneiros açorianos podem pescar em águas madeirenses, sendo que as embarcações da Madeira que se dedicam à pesca de atum e de peixe espada preto também podem pescar em águas açorianas.

Na reunião realizada Quarta-feira na Madeira, Luís Rodrigues apontou a necessidade de apostar na formação dos pescadores no que respeita a práticas de manuseamento a bordo como “uma forma de valorizar ainda mais o atum e atingir segmentos mais altos do mercado”.

A aquacultura foi outro tema debatido neste encontro, tendo o Director Regional defendido que, “agora que esta indústria está a arrancar nos Açores, é importante aproveitar a experiência da Madeira” nesta matéria.

Luís Rodrigues referiu ainda que as Direcções Regionais das Pescas dos Açores e da Madeira pretendem acompanhar e implementar um conjunto de iniciativas orientadas para a diversificação da actividade da pesca, recorrendo ao projecto ORFISH.

Este projecto, que envolve as Regiões Ultraperiféricas da União Europeia, resulta de decisão estratégica para a sustentabilidade no âmbito da nova Política Comum de Pescas.

Esta reunião contou com a presença de duas dezenas de armadores açorianos.

Câmara de Lagoa apresenta projectos a desenvolver no âmbito das Smart Cities

A Presidente da Câmara Municipal de Lagoa, Cristina Calisto, destaca vários projectos que a autarquia quer realizar no âmbito do projecto Lagoa Smart Cities. 

 Qualificar o atendimento dos serviços públicos e a disponibilização online dos mesmos (webservices), quer no portal da autarquia quer através de aplicação móvel, bem como potenciar a conectividade e ciberinclusão, nomeadamente através da disponibilização de wi-fi em espaços públicos e a qualificação dos espaços TIC serão uma das prioridades da autarquia no âmbito deste projecto.

 De acordo com a autarquia, “visa-se, de um modo global, uma administração e serviço público mais eficiente e eficaz, portanto mais inteligente em todas as suas dimensões, potenciando a qualidade de vida dos seus munícipes, bem como a competitividade e inovação empresarial”.

lagoaO projecto Lagoa Smart City inclui também a aposta no turismo electrónico, nomeadamente através da conectividade e interactividade, com vista à promoção e potenciação do turismo, com recurso às TIC, considerando este um dos vectores motrizes de desenvolvimento sócio-económico.

 A sustentabilidade ambiental é também um dos desígnios de Lagoa Smart City, com especial enfoque no domínio da eficiência energética, sendo que se encontra em desenvolvimento o plano para a sua promoção e implementação nos edifícios e espaços públicos do município, bem como no domínio da mobilidade sustentável, tendo sido já adquiridos pelo município dois veículos eléctricos, no âmbito do projecto Lagoa Smart City.

 No âmbito cultural, a autarquia destaca a disponibilização de conteúdos online e serviços interactivos com vista a divulgar as diversas actividades culturais, bem como o património cultural e museológico do concelho, designadamente visitas interactivas em museus, implementação da solução electrónica para gestão de museus e biblioteca municipal, e colocação de totens com QR code.