Produtos regionais presentes na Feira Internacional de Cabo Verde à procura de novos negócios

abacaxiLacticínios, licores, compotas, conservas e águas são alguns dos produtos dos Açores que estarão em exposição na Feira Internacional de Cabo Verde, numa montra de produtos regionais que pretende “consolidar a posição açoriana” neste mercado lusófono.
“O mercado de Cabo Verde tem interesse para os Açores e, tal como outros mercados externos, figura na lista das prioridades para a expansão dos negócios dos Açores”, afirmou Mário Fortuna, presidente da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada (CCIPD), em declarações à Lusa.
Os Açores vão estar presentes na Feira Internacional de Cabo Verde, que decorre entre 16 e 20 de Novembro no Mindelo, na ilha de S. Vicente, integrados na representação nacional organizada pela Associação Industrial Portuguesa (AIP), dispondo de um ‘stand’.
Mário Fortuna salientou que o mercado cabo-verdiano, “embora de reduzida dimensão, é atractivo para os produtos regionais e configura algumas possibilidades”, destacando que já existem produtos açorianos à venda naquele arquipélago africano de língua portuguesa, como “lacticínios, licores e produtos de tabaco”.
“Esperamos expandir para outros produtos alimentares, que podem com alguma facilidade ser introduzidos no mercado de Cabo Verde”, salientou, acrescentando que o arquipélago pode “funcionar como plataforma para outros mercados do Norte de África”, ainda que isso “dependa da iniciativa de cabo-verdianos ou de empresas”. Na Feira Internacional de Cabo Verde, além dos contactos de negócios, haverá espaço para a degustação de produtos açorianos num espaço onde a região estará também representada com chá, pimentas e vinhos. O presidente da CCIPD revelou ainda que, paralelamente a esta mostra, um grupo de empresários e empresas dos Açores desloca-se a Cabo Verde, numa organização da Agência para Promoção do Investimento dos Açores (APIA), para “promover os produtos açorianos no exterior, estabelecer contactos de negócios e participar na feira”. Mário Fortuna destacou os acordos e projectos conjuntos que existem entre as câmaras de comércio dos Açores e de Cabo Verde, materializados “em acções de formação ou através da presença açoriana nas feiras”, como é o caso deste certame, onde os Açores estão desde 2000.

Em 2012 executivo promete aposta em ambulâncias SIV com reforço na formação e qualificação das tripulações

No próximo ano, a Proposta de Plano e Orçamento prevê a atribuição de 70 milhões de euros à Secretaria Regional da Ciência, Tecnologia e Equipamentos, repartidos pelas direcções regionais e Serviço Regional de Protecção Civil.
Ao nível da Protecção Civil, o Governo Regional dos Açores vai apostar nas chamadas ambulâncias SIV – Suporte Imediato de Vida, que dispõem de uma tripulação constituída por um enfermeiro e um técnico de ambulância de emergência. A ambulância SIV, ao nível dos recursos técnicos, dispõe de equipamento de suporte básico de vida - material de avaliação e estabilização, nas vertentes de trauma e doença súbita, desfibrilhador automático externo e ainda de um monitor-desfibrilhador e diversos fármacos.
O Secretário Regional da Ciência, Tecnologia e Equipamentos sublinhou ontem que “vamos avançar já para a experiência piloto”, coordenada por um médico do Serviço Regional de Saúde, que irá dirigir a colocação de enfermeiros nas ambulâncias de Angra do Heroísmo e Ponta Delgada. “O objectivo é estender as ambulâncias SIV às restantes cidades do arquipélago em 2012 e este projecto que vai qualificar e melhorar o socorro a quem precisa”, sublinhou o governante.
José Contente, que falava após as audições das Comissões de Assuntos Sociais e Política Geral sobre a proposta de Plano e Orçamento para 2012, acrescentou que ao nível da Ciência e Tecnologia, “vamos continuar a apostar na investigação e desenvolvimento em contexto empresarial”.
O governante realçou o grande enfoque dado aos projectos de investigação ligados às empresas. “Neste momento há um novo regulamento que até permite que haja investigadores dentro de empresas para analisarem e encontrarem soluções científicas que visem a melhoria da capacidade empresarial”, disse José Contente.
Ao nível das infra-estruturas rodoviárias, o Secretário Regional confirmou que a reabilitação das estradas regionais vai continuar em cada uma das nove ilhas. No caso das Flores, este departamento governamental irá concluir uma grande empreitada, a reabilitação de 17 quilómetros de estradas regionais, e nas restantes ilhas irão ser executadas novas empreitadas “para aumentarmos a percentagem, que já é muito elevada, de intervenções na rede viária regional, que já ultrapassou os 80 por cento, o que demonstra que temos já boas acessibilidades terrestres”, referiu.
No quadro dos transportes terrestres, o objectivo é manter a aposta na melhoria do serviço público de transporte colectivo de passageiros em todas as ilhas. Além da renovação da frota, dos contratos especiais de prestação de serviços contratualizadas nas ilhas das Flores e Santa Maria, da introdução do passe social em S. Miguel e Terceira e que será extensível a outras ilhas. José Contente reafirma a aposta num sistema mais moderno e eficaz de informação aos passageiros, com a colocação de painéis interactivos, como acontece já na ilha Terceira.
Referindo-se a outros projectos da tutela, o Secretário Regional destacou o projecto de Fibra Óptica e Redes de Nova Geração, garantindo que irá interpelar a PT e o Governo da República para conhecer o cronograma da execução deste projecto.

Associação LGBT Pride Azores é “um projecto para uma comunidade assumidamente diferente”

Terry-Costa2Terry Costa é um jovem com raizes na ilha do Pico mas que durante alguns anos esteve radicado no Canadá. Aos 30 anos de idade e após o contacto com uma realidade muito diferente a que estava habituado a viver decidiu dar corpo e conteúdo a um projecto associativo designado prideAZORES.com.
Presentemente com mais de 200 associados na rede social do Facebook os responsáveis pelo projecto Pride Azores traçaram uma missão com lema e objectivos onde todos os comentários e sugestões são bem vindas.
A Associação LGBT Pride Azores tem como missão, apoiar a população lésbica, gay, bissexual e transgénero (LGBT) nas nove ilhas dos Açores, através de programas educativos, sociais e culturais. O grande lema é educar, libertar e celebrar.

PrideAZORES

O grupo PRIDE AZORES teve início na rede social Facebook a 28 de Junho 2011, dia de aniversário do Rebelião de Stonewall e está correntemente a formar uma equipa de executivos de várias ilhas dos Açores. Poderá conhecer o projecto através do site: www.prideazores.com ainda esclarecer as suas dúvidas através do email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. .

Conhecer a realidade das 9 ilhas

Depois de um mês de viagens por várias ilhas, o coordenador revela-se uma pessoa contente de ver a participação em números altos. Neste momento a PRIDEAZORES já tem amigas e amigos LGBT assim como simpatizantes que se mostraram dispostos a avançar com os objectivos de Pride Azores. De S. Miguel à Terceira, Pico, Faial e S. Jorge e até algumas intervenções das Flores, Graciosa e Santa Maria. Apenas ainda não houve contacto directo com alguém da ilha do Corvo, mas esperam que aconteça em breve. Assume mesmo “Sempre em frente... o movimento começou...”
A PrideAzores tem como preocupação central preservar os direitos humanos e lutar para que os mesmos sejam respeitados. Terry Costa assume mesmo que “ A associação é para educar e alertar e celebrar.” Presentemente, refere, que “neste momento já temos um grupo aberta na ilha da terceira mesmo com 5 pessoas que conseguem chegar a algum lugar, tem sido uma pessoa aqui e aqui nas outras ilhas. Neste momento, estamos a começar a atingir a comunidade aqui em São Miguel no Pico estou eu a colaborar com algumas coisas.”
Terry Costa comunga da opinião de que o facto de sermos ilhéus e de toda a gente se conhecer é difícil assumir a sua orientação sexual, o nosso interlocutor refere mesmo que “ é verdade e isso acho que é o maior problema porque no fim do dia somos nós próprios que temos de colocar porque é a sociedade estamos. Eu próprio conheço muitas pessoas que estão em cargos de poder e têm carreiras muito boas aqui e podiam ajudar muito mais mas são essas próprias pessoas que não conseguem se assumir publicamente e é isso que não ajuda na causa que trabalhamos.”
Em apenas três meses de existência Terry Costa revela que os maiores obstáculos são conseguir o apoio de livre vontade e as pessoas assumirem quem são. Como futura associação de apoio legalmente formadas poderão a vir a trabalhar com outras associações e explicar realmente o conceito de sexualidade a todos sem preconceitos. Terry Costa garante que “com a experiência nos 3 meses de trabalho é que talvez vamos conseguir mais com a juventude. Já existe grupos de jovens a trabalhar, temos maior apoio dos grupos jovens e da juventude até porque os jovens conseguem dar a cara melhor do que os adultos, mas o que gostávamos de ver era as varias gerações trabalhar em conjunto porque em termos de comunidade LGB nos Açores existe desde os jovens ate à Terceira Idade

Manifestação de
Direitos Humanos

Um dos objectivos da PRIDEAzores é realizar nos Açores uma manifestação dos direitos humanos, Terry Costa refere mesmo que “um dos grandes objectivos, um dos objectivos grandiosos seria, sim, uma marcha em que os vários grupos de direitos humanos e de LGB participasse numa praça publica nos Açores em que os diversos grupos se encontram cá e se conseguisse uma festa, mas antes de chegar a esse ponto, têm-se muito trabalho pela frente. Em termos de trabalhar nas escolas e lutar contra a homofobia pretendemos ter um projecto que faremos com os nossos colegas do continente, já existe material disposto a que queremos formar alguns dos nossos jovens, de escola em escola isto no âmbito da educação e também temos de alertar para questões históricas, tais como,  saber o que é a nossa história através de pessoas que queiram falar porque temos história em todos os cantos

Casamento Gay

Confrontámos Terry Costa com o facto de este tipo de associação num meio que defende e muito os valores, cultura, as nossas tradições se o mesmo admitia que o sexo deixaria de ser tabu e a homofobia também através da PrideAzores, o nosso interlocutor assumiu que “o sexo nunca deixara de ser tabu, em termos da homofobia temos é de trabalhar na área da educação porque as novas gerações mesmo  muitos dos adolescentes não entendem muito bem que é crime, é crime e a homofobia no fim do dia mata e temos de ter cuidado com as coisas que estão nas escolas e claro que os Açores não ficam de fora. Verifique-se que em termos de suicídio de jovens que tem a ver com a sua sexualidade só que não se fala publicamente muito sobre isso nos Açores.”
No que se refere ao casamento Gay nos Açores Terry Costa assume que “conheço meia dúzia. E se conheço meia dúzia têm de existir mais. O primeiro casamento foi um casamento gay de 2 homens nos Açores e eles fazem parte da PrideAzores e querem ajudar muito  para que a associação se forme e querem muito dar um grande apoio”
Em jeito de conclusão, Terry Costa refere que “ necessitámos mais apoio da própria comunidade e especialmente os nosso colegas profissionais que trabalham sejam em departamentos do governo, na comunicação social, ou na educação estas são as pessoas que podem fazer muito mais, mais depressa do que aquelas que não trabalham nesses meios.”
O nosso interlocutor defende mesmo que “só a ideia de se assumirem ajudava tanto em termos de si próprias, as suas famílias já mudava tanto em termos da visibilidade LGBT”.
Neste momento, a PrideAzores está em termos de formação, Terry Costa  defende que “temos de formar. É o que precisamos é claro que o trabalho todo que  é necessário e que seria fantásticos é se conseguíssemos um apoio directo e uma coordenação governamental porque existe estas coisas, nomeadamente, Direcção Geral da saúde, Juventude, Igualdade e Oportunidades existem vários departamentos em que se podia trabalhar directamente e como existe tantos coordenadores de tanta coisa, com certeza que existe muito trabalho em que nos podem ajudar em prol da comunidade LGBT e da PrideAzores”, conclui.

RTP-A vai ganhar “autonomia administrativa”

rtp-aores.2A RTP vai garantir no Orçamento do Estado para 2012 “um valor de provisões para rescisão que, atendendo ao custo médio e ‘pay back’ dos processos anteriores, permita financiar rescisões com 250/300 trabalhadores”, diz a síntese do plano de reestruturação da empresa. Nesse documento, afirma-se que “a redução de efetivos decorrerá da elaboração de projetos concretos de reestruturação para cada domínio de ineficiência identificado, a levar a cabo a partir da aprovação deste Plano de Sustentabilidade” e acrescenta-se que, “em paralelo com a elaboração desses projetos de reestruturação, a empresa deverá abrir um novo programa de rescisões amigáveis”.
“Para além da alienação de um canal generalista até final de 2012”, a RTP irá autonomizar “os serviços técnicos de produção/distribuição e os serviços de media regionais da Madeira e dos Açores cedendo uma parte do capital destas estruturas”, consagra ainda o documento.  O plano desenhado pelo conselho de administração da RTP afirma ainda o aproveitamento de “todas as formas de organização das sinergias com a Agência Lusa, designadamente na área das Delegações e Correspondentes e na área dos Serviços Partilhados”.

Plano e Orçamento para 2012 “reflectem as prioridades do Governo na actual conjuntura”

contasAs propostas de Plano e de Orçamento da Região para 2012 “reflectem as prioridades do Governo dos Açores na actual conjuntura externa” ao arquipélago.
A opinião é do Vice-Presidente do Governo, que foi ouvido ontem à tarde, na Horta, pelas Comissões de Economia e de Política Geral da Assembleia Legislativa sobre as propostas do Plano Regional Anual e do Orçamento para 2012.
Segundo explicou Sérgio Ávila, tal irá implicar “um reforço significativo do apoio às famílias e às empresas” açorianas, já que o Governo pretende canalizar cada vez mais para esse fim os recursos disponíveis.
Como exemplos dessa opção pelas famílias, o governante destacou as medidas no âmbito do aumento do complemento de pensão, do complemento do abono de família, dos apoios em termos de creches e jardins-de-infância, bem como o aumento do complemento da remuneração complementar para as pessoas que têm menor rendimento.
Por outro lado, acrescentou Sérgio Ávila, estas medidas irão ser acompanhadas com um reforço muito significativo do Fundo de Compensação Social e também dos fundos de apoio às empresas.
O Vice-Presidente do Governo sublinhou ainda que, mesmo num cenário restritivo, no próximo ano será possível, muito por força da redução das despesas de funcionamento em 34 milhões de euros, assegurar mais apoio social e mais apoio às empresas, bem como reforçar significativamente as verbas destinadas ao Serviço Regional de Saúde.

Plano de investimentos aposta nos jovens

O Secretário Regional da Presidência declarou, ontem, que as propostas do Plano e Orçamento para 2012 para a área da Juventude “têm de ser lidas em função do contexto económico e financeiro que se vive e que tem características recessivas que obriga à correcção de alguns desequilíbrios orçamentais e macroeconómicos”, cujo impacto, conforme acrescentou, “se repercute, quer no montante global, quer também nos vários sectores”.
André Bradford  explicou aos parlamentares regionais as propostas do Governo dos Açores para ao ano 2012.
O governante destacou como “grande desafio para o próximo ano, a conjugação das medidas de consolidação orçamental mantendo uma agenda de apoio ao desenvolvimento e investimento de acordo com as orientações genéricas de médio prazo, embora adaptadas ao contexto”.
André Bradford explicou que o plano de investimentos para a área da juventude, globalmente, “tem um valor relativamente mais reduzido o que representa um decréscimo de cerca de sete por cento”, embora desdramatize este facto considerando que “se se fizer uma análise da legislatura, verifica-se que se mantém o valor médio de investimento anual”.
Os investimentos do Governo dos Açores na área da Juventude, considerando os valores para o próximo ano e a evolução que tem sido feita desde o início da legislatura, de acordo com o responsável, “no próximo ano, que marca o fim desta, o Governo dos Açores investirá na juventude açoriana mais recursos financeiros do que o fez no primeiro ano”.
Uma das grandes linhas de acção para a Política de Juventude do Governo dos Açores, conforme destacou André Bradford, consubstancia-se no “incremento significativo dos meios financeiros dedicados à iniciativa jovem, considerados como impulsionadores da sua actividade, quer individualmente ou através das suas associações”, sublinhando que isso representa uma “clara concentração de recursos porque é isso que esperam os agentes que trabalham na política de juventude”.
Bradford enfatizou o apoio às actividades do associativismo juvenil, declarando que “não faltará apoio” .

Mais Lidas nos últimos 3 dias

Greve na SATA a partir de Junho?
terça, 21 maio 2019, 00:00
Produção de electricidade sobe a pique
quarta, 22 maio 2019, 00:00