Santa Casa da Misericórdia de Santo António compra o terreno para futura Aldeia Social

Na próxima sexta-feira, 14 de Outubro, terá lugar a assinatura da escritura de compra de um terreno por parte da Santa Casa da Misericórdia de Santo António da Lagoa à Diocese de Angra e com o objectivo que nele se venha a implementar o projecto da Aldeia Social. A assinatura desta escritura será outourgada pelo Provedor da Misericordia, Sr. João Manuel Moniz de Sousa e pelo Iconomo, Padre Adriano Manuel Torres Borges, e terá lugar pelas 11h00, na Sede Honorifica desta instituição, sita ao Convento dos Franciscanos, na freguesia de Santa Cruz e contará com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Lagoa, para além dos membros da Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Santo António e dos Presidentes da Assembleia Geral e Conselho Fiscal.
Trata-se de um terreno localizado na freguesia de Santa Cruz e que se destina à construção e implementação da futura Aldeia Social, que se assume como um projecto de grande importância para o Concelho de Lagoa pela agregação de diversas infra-estruturas que darão respostas ao nível social e sobretudo visando colmatar serviços que o Concelho de Lagoa não dispõe até à data.
Neste momento, na casa que o referido terreno alberga, já está a funcionar desde Setembro do corrente ano o Banco Alimentar no Concelho de Lagoa, mas nos cerca de 22 000 m2 de área disponível, a intenção é que neles se venham a implementar, de imediato, uma horta comunitária e posteriormente um CAO (Centro de Actividades Ocupacionais), uma Unidade de Cuidados Geriatricos e uma creche. O primeiro  equipamento, há muito aguardado, trata-se de uma resposta de grande necessidade para o Concelho de Lagoa, pois é o único que não possui uma valência dessa natureza. Existe cerca de uma centena de famílias a aguardar por vaga nos equipamentos dessa natureza existentes na Ilha, mas sem capacidade para responder a todas as situações.

Lar de Idosos da Lagoa com inovador sistema de monitorização informático
A Santa Casa da Misericórdia de Santo António também é destaque pela aquisição de um inovador sistema de monitorização informático para o seu Lar de Idosos que permitirá saber, em tempo real, toda a informação referente aos cuidados prestados aos residentes, as tarefas realizadas pelos funcionários da valência e demais rotinas desenvolvidas neste Lar de Idosos.
Este equipamento permitirá uma maior celeridade nos procedimentos adoptados, representando uma real poupança em termos de tempo e de papel e possibilitando que a qualquer momento se possa ter conhecimento de um determinado dado.
Foi também desenvolvido um programa de segurança que também se revela de grande utilidade para os Residentes, pois permitirá alertar com antecipação possíveis incidentes com os idosos, por via de um dispositivo que detecta se o utente ultrapassar um determinado perímetro de segurança no Lar.

Seminário internacional reúne especialistas na FLAD

Um dos principais desafios para a sustentabilidade dos oceanos é conseguir que os cidadãos sejam agentes activos e comprometidos com a defesa, preservação e gestão destes recursos. É este o mote do seminário internacional “Sustentabilidade no século XXI: o poder do diálogo”, que decorre a 13 e 14 de Outubro, na Fundação Luso-Americana (FLAD), com o objectivo de encontrar novas formas de motivar e envolver a comunidade, gerando mais e melhores resultados.
A liderar o debate estará um conjunto de especialistas nacionais e internacionais, como Mário Ruivo, que exerceu inúmeros cargos e funções relacionadas com o Mar, incluindo ser membro da Comissão Estratégica dos Oceanos, Ricardo Serrão Santos, director do Departamento de Oceanografia e Pescas e presidente do IMAR, Stephen Olsen, director do Centro de Recursos Costeiros da Universidade de Rhode Island, ou Karl Bruckmeier, da Gothenburg University, School of Global Studies, Suécia, que vão também abordar questões incontornáveis ligadas ao futuro e à gestão dos oceanos, e à importância do diálogo entre os agentes internacionais. Como gerar o envolvimento das partes? Como motivar o compromisso e potenciar sinergias? Como assegurar a continuidade de parcerias e potenciar os seus resultados?
No decorrer do seminário serão igualmente apresentados os resultados e experiências desenvolvidas pelo programa MARGov, no âmbito da promoção, mobilização e capacitação das várias partes interessadas da Área Marinha Protegida Luiz Saldanha, ao longo dos últimos três anos.

A entrada é livre, mediante inscrição através do email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. .

Homem detido por furtar artigo de higiene de 3,99€

psp_cracha_grande_180_180A PSP anunciou, ontem, através do relatório de actividade policial, que na passada quarta-feira, em Ponta Delgada foi detido, um homem, de 30 anos de idade, após ser surpreendido em flagrante, a furtar artigo de higiene (desodorizante, avaliado em 3,99 euros), não fazendo menção de pagar o mesmo, tendo sido entregue a esta Policia, sob detenção pela gerente do estabelecimento comercial/supermercado. Foi ainda detido, um homem, de 35 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com uma TAS de 2.94g/l.
Foi realizada operação de fiscalização rodoviária “STOP”, em Ponta Delgada, na qual foram fiscalizados 33 veículos e detectadas 3 infracções de natureza contra-ordenacional, por falta de documentos.
Foi ainda detido, um homem, de 35 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com uma TAS de 2.94g/l. Foram detidos, dois homens, de 19 e 23 anos de idade, por condução de veículo automóvel, sem habilitação legal. Foi detido, um homem, de 52 anos de idade, por condução automóvel, sem habilitação legal (Carta caducada há mais de 2 anos).
Foi também detido em flagrante delito, um homem, de 22 anos, por tentativa de furto Posto de Combustível Repsol.
Na Povoação foi detido um homem, de 40 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com uma TAS de 1.77g/l.
No mesmo dia na Madalena do Pico foi realizada operação de fiscalização rodoviária “RADAR”, na qual foram submetidos ao controlo de velocidade 373 veículos, sendo detectadas 31 infrações de natureza contraordenacional por excesso de velocidade, em concreto, 18 Leves, 11 Graves e 2 Muito Graves.
Na sequência de averiguações desenvolvidas, relacionadas com a prática do crime de ofensas à integridade física praticado em no dia 4 de Outubro, na freguesia das Bandeiras, concelho da Madalena, ilha do Pico, contra homem de 36 anos de idade, com recurso a arma de fogo, foi detido homem de 32 anos de idade, por posse de arma de fogo (caçadeira) em virtude de não ser possuidor de licença de uso e porte de arma.
Na Praia da Vitória foi detido na sequência de um acidente de viação, um homem, de 39 anos de idade, por condução de um motociclo, sob a influência de álcool, com uma TAS de 2.16 G/L. Em Angra do Heroísmo foi detido, um homem, de 37 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sem habilitação legal.
Em Angra foi também detida, uma mulher, de 34 anos de idade, por ter sido intercetada no interior de apartamento camarário, do qual se apropriou ilegitimamente através de arrombamento. Foi efetuada uma operação de fiscalização de trânsito, tendo sido fiscalizados 30 veículos e detectadas 6 infrações de natureza contra-ordenacional, nomeadamente por, falta de inspecção periódica; falta de cinto de segurança; condução fazendo uso do telemóvel; transposição de linha contínua.
No âmbito do programa especial «ESCOLA SEGURA», e no decurso de um patrulhamento apeado, foi detido um homem, de 17 anos de idade, por posse de 32 doses de Haxixe.
Em termos de sinistralidade rodoviária ocorreram 13 acidentes de viação, dos quais resultaram 01 ferido ligeiro e danos materiais.

RTP -A: PS defende que o Governo de Lisboa deve ouvir os açorianos e recuar na redução da emissão

bertoO líder parlamentar do PS/Açores desafiou, esta segunda-feira, o Governo da República a voltar atrás na decisão de reduzir a emissão da RTP/Açores, alegando que essa é a vontade manifestada pela maioria dos açorianos e a posição política aprovada recentemente na Assembleia Legislativa.
“O ónus está, assim, totalmente do lado do ministro Miguel Relvas. Ou respeita os açorianos e deixa cair a decisão de reduzir a quatro horas diárias a RTP/Açores, ou mantém a sua posição e desrespeita a Assembleia Legislativa e a opinião dos açorianos, manifestada nas variadas formas nos últimos meses”, afirmou Berto Messias.
O Presidente da bancada socialista falava em Ponta Delgada, no âmbito de um fórum sobre o serviço público de rádio e televisão nos Açores, que contou com a participação de José Lourenço, do Conselho de Opinião da RTP, e de Rosa Nunes, autor de um estudo sobre esta matéria.
Berto Messias recordou que o PS/Açores, com outros partidos, apresentou uma Resolução já aprovada que deixou clara a posição dos representantes dos açorianos sobre esta matéria, que prevê que seja o Estado a financiar, integralmente, o serviço público de rádio e televisão nas ilhas.
“Se o Governo da República persistir na sua opção descabida de reduzir a emissão da RTP/Açores e de despedir trabalhadores de forma cega, terá a perfeita noção que estará a fazer orelhas moucas do que defendem os açorianos, através dos partidos que os representam no Parlamento”, afirmou Berto Messias.
Segundo Berto Messias, o PS/Açores tem uma posição muito clara: “os açorianos têm direito a ter um serviço público de rádio e televisão financiado, integralmente, pelo Estado. Não é uma benesse, é um direito igual ao que as Regiões de Portugal continental têm”.
“Deste princípio não abdicaremos e lutaremos até ao último momento. No Parlamento e fora dele”, garantiu Berto Messias, ao salientar que os “açorianos estão ao lado da RTP/Açores nesta luta, desde as mais variadas instituições representativas de classes profissionais, passando pelas autarquias, pelos partidos políticos, até à comunidade emigrante”.
Depois de salientar o papel dos representantes dos trabalhadores na defesa do serviço público, Berto Messias alertou, ainda, que a ameaça que paira sobre a RTP/Açores “não se compadece com soluções propostas para 2013”.
O futuro da RTP/Açores vai ser decidido em breve. Depois de tomada a decisão, será muito difícil revertê-la e a conjuntura actual e toda a intoxicação mediática que lhe está inerente, podem sustentar este tipo de decisões junto da opinião pública nacional, disse.
O deputado socialista criticou, também, que não se pode dizer, numa conferência de imprensa, que se tem uma solução, mas que só se aplica caso se vença as eleições, uma vez que a “sobrevivência da RTP/Açores não pode ser um mero instrumento de propaganda partidária para se conseguir votos em eleições regionais”.
“Em 2013, com o ministro Miguel Relvas, a RTP/Açores já estaria reduzida à humilhante condição de quatro horas diárias, lembrando os velhos tempos da televisão a preto e branco do século passado, quando estamos, actualmente, na era da comunicação, da informação e da interactividade”, concluiu Berto Messias.
é considerado feriado não oficial em toda a ilha, com tolerância de ponto concedida nas escolas e ao funcionalismo público.
Na quarta-feira, também a toirada de corda reúne muitas pessoas na freguesia, seja visitando antigos amigos, reconhecendo rostos com mais de 40 anos de intervalo, ou apenas para ver os toiros. Este ano ligeiramente prejudicada por jogar o Benfica…
Mas o elemento emocional e espiritual continua a ser o mais importante e significativo para as pessoas, como se presenciou após o fim da procissão de Domingo, onde centenas cantaram a Glória, ao som das sete magníficas filarmónicas presentes.
A incrível sensação de partilha, de pertença a uma comunidade, sendo ou não serretense, a um conjunto de pessoas que têm problemas, alegrias e emoções como nós, foi de facto o clímax espiritual destes dias.

Marinha está nos Açores para dar segurança, ajudar os locais e não só...

ContraAlmirante-Antnio-CalA Marinha Portuguesa encontra-se há décadas nos Açores para prestar segurança aos Açorianos nas mais variadas vertentes. Desde a presença de uma corveta permanente, que tantas vidas tem salvo em alto mar, até à Polícia Marítima que, quer em terra ou no mar, fiscalizam os barcos de pesca que actuam fora da sua área, assim como embarcações suspeitas. Também o Instituto de Socorros a Náufragos, o Comando da Zona Marítima dos Açores (CZMA), as capitanias, os dezanove faróis existentes no Arquipélago, são apenas algumas das áreas que o
Contra-Almirante António Calado, todos os dias, tem que lidar e dar resposta às mais diversas solicitações. E apesar da redução de pessoal efectivo de meio milhar de elementos que terão que abandonar a Armada Portuguesa até 2014, que o Governo já impôs, António Calado não fica preocupado, até como o próprio diz, “os Açores não serão afectados nós estamos preparados para trabalhar em qualquer situação, e com os meios disponíveis”.
“A Marinha está nos Açores para ajudar tudo e todos, nomeadamente os açorianos para quem deixo uma palavra de apreço dado o reconhecimento que têm demonstrado pela nossa actividade”, referiu o Contra-Almirante António Maria Mendes Calado.
Com pouco tempo de presença nos Açores, António Calado tem sobre a sua alçada variados postos de grande responsabilidade, nomeadamente e no que diz respeito em matéria operacional, tem a segurança marítima, vigilância e fiscalização dos espaços marítimos, exercício da autoridade Estado, presença naval junto das populações e apoio humanitário em caso de catástrofe. O responsável máximo da Marinha nos Açores tem ainda a seu cargo o Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo (MRCC), o Departamento Marítimo dos Açores (DMA) e os Comandos Locais e Regional da Policia Marítima (CRPMA). Aliás, de referir que todas as ilhas contam com policia marítima e até o Corvo tem um elemento desta força policial.
E com tanta responsabilidade, o Contra-Almirante apenas conta com 346 elementos em todas as ilhas, sendo que sensivelmente dez por cento deste efectivo estão colocados nos dezanove faróis existentes nas nove ilhas. Só em S. Miguel existem cinco faróis, localizados na Ferraria, Cintrão, Arnel, Ponta Garça e Santa Clara. Apesar da escassez de elementos, o nosso interlocutor referiu à nossa reportagem, que o efectivo não é, de facto, numeroso, “mas nós na Marinha aprendemos a saber lidar o melhor possível com os meios que temos aos nosso alcance. E é isso que temos vindo a fazer, desde que estou nos Açores, e ao longo da minha vida de militar. Rentabilizar os meios é o nosso objectivo e tudo tem vindo a funcionar no seu melhor...”, porque segundo o Contra-Almirante António Calado, a sua equipa que está concentrada, na sua maioria, em Ponta Delgada, é um conjunto motivado, preparado e formado com elevada qualidade. “E é assim que eles desenvolvem o seu trabalho de forma eficiente e eficaz e os oficiais que trabalham comigo, aqui no Comando Zona, e não só, são leais à farda que envergam, o que acaba por me colocar num papel potenciador desta equipa. O motivador de mecanismos de trabalho eficiente, eficaz e potenciador dos meios para que cada um consiga cumprir a missão nos Açores de forma tranquila”.
Mas o mar é o grande objectivo destes militares que conjugam esforços para que nada falhe. Nas duas salas de comunicações existentes no CZMA toda a atenção é pouca. Entre oficiais, sargentos e outros militares com patentes inferiores, ninguém é menor no seu trabalho, já que os olhos estão sempre em atenção redobrada para os alertas que podem surgir, a qualquer momento, de pedidos de socorro de embarcações. A este propósito, António Calado classifica a área que cobrem de “gigantesca”. E com algum orgulho apontou para o número de salvamentos efectuados apenas a embarcações de mar, onde desde 1994, foram resgatadas 1854 pessoas. Aliás estes números estão em constante alteração, porque é contínuo os pedidos de apoio de embarcações à Marinha para ajuda e salvamento. De registar que para além da zona limite do CMZA, a Marinha Portuguesa tem sido solicitada pelos EUA,  a participar em salvamentos, e não foram tão poucos quanto isso. E tudo isto pode ser constatado num grande mapa, onde cada salvamento, está registado com um ponto de referência.

Bom relacionamento com
a Força Aérea

O relacionamento entre a Marinha e a Força Aérea, segundo o nosso interlocutor, tem sido das melhores, pois só assim “conseguimos em cooperação excelentes resultados”. António Calado referiu que o reforço dos meios aéreos na Base n. 4, dos novos aviões e dos helicópteros H101, vieram trazer outra dinâmica na busca e salvamento.
Porque como se sabe, as corvetas da Marinha, apesar de rondarem os quarenta anos de vida, deslocam-se em mar, com as limitações de velocidade. A título de exemplo, a Marinha nos Açores cobre uma aérea de mar 18 vezes superior ao território do Continente. Ora, um salvamento em mar pode levar entre 2 a 3 dias se a corveta estiver num extremo (ao largo de Santa Maria) e necessitar de atravessar toda a sua área de cobertura. Neste caso, e como os helicópteros H101 não têm capacidade para percorrer toda esta distância, parte primeiro a corveta e no seu regresso, o meio aéreo vai ao seu encontro para acelerar o salvamento. E assim se tem salvo muitos tripulantes de embarcações. Mas, se por acaso for necessário reforçar os meios, por exemplo por catástrofe natural, como aconteceu recentemente na Madeira, “a Marinha está preparada para actuar, rapidamente, como aconteceu. Esperemos que uma situação destas nunca aconteça por cá”.

Rádio Naval da Horta
vai ser desmantelada

O último rádio naval disperso pelo Arquipélago é o que se situa na Horta, mas que vai ser desmantelado, fixando-se todas as comunicações no Comando, em Ponta Delgada. Este desmantelamento, segundo o Contra-Almirante, não vai trazer qualquer situação de perigo para a Marinha e seus efectivos, uma vez que todas as comunicações ficam centradas num só local. Está previsto o desmantelamento dentro de um a dois anos. A este propósito, António Calado referiu que o desmantelamento da antena na Horta está relacionado com a modernização dos meios de comunicação nos Açores.
De referir que os dois grandes centros de comunicações são no Alfeite (Lisboa) e nos Açores. Mas a preocupação com as comunicações é constante e daí que António Calado referiu que “estamos a modernizar em todas as ilhas a rede de VHF, para que cada vez mais, as comunicações entre mar e terra sejam as melhores”.

Polícia Marítima com
actividade intensa

O corpo da polícia marítima nos Açores conta com sete dezenas de elementos, distribuídos pelas nove ilhas, e fazem o policiamento de curta distância que pode ir até às 50 a 60 milhas. E só no ano de 2010, a actividade fiscalizadora da policia marítima teve 693 intervenções, sendo que detectou 171 infracções. Mas esta força policial também intervém noutras situações, tais como o salvamento. A titulo de exemplo, na Ilha de Santa Maria não existe o Instituto de Socorros a Náufragos (INS), estando a polícia marítima qualificada para fazer o salvamento.

“Uma palavra de apreço aos
Nadadores Salvadores”

Perante vários milhões de visitas às praias do Continente e não só, António Calado não deixou passar em branco o trabalho dos quatro mil nadadores salvadores. Para eles, enviou uma palavra de apreço pelo excelente trabalho que têm desenvolvido, já que este é também um organismo tutelado pela Marinha. “Este ano apenas tivemos onze mortes.
São menos que nos anos anteriores e isso deve-se por força de uma grande capacidade dos nadadores salvadores. Claro que não deveria acontecer nenhuma, mas por vezes o não cumprimento das regras leva a este tipo de acidente”.