Alojamento Local teve aumento de 79% em Abril

Alojamento local - placaNos Açores, no mês de Abril, o alojamento local registou 71,7 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo de 79,6%, revelou ontem o SREA.

De Janeiro a Abril de 2019, no alojamento local registaram-se 164,1 mil dormidas, valor superior em 66,3% ao registado em igual período de 2018.

De Janeiro a Abril, os residentes em Portugal atingiram cerca de 74,9 mil dormidas, correspondendo a um acréscimo homólogo de 59,2%; os residentes no estrangeiro atingiram 89,2 mil dormidas, registando um aumento em termos homólogos de 72,7%.

 

48 mil hóspedes até Abril

 

Neste período registaram-se 48,3 mil hóspedes, apresentando uma taxa de variação positiva de 70,8% relativamente ao mesmo período de 2018. 

De Janeiro a Abril a ilha de S. Miguel com 122,3 mil dormidas concentrou 74,5% do total das dormidas, seguindo-se a Terceira com 16,9 mil dormidas (10,3%), o Faial com 10,4 mil dormidas (6,3%) e o Pico com 7,4 mil dormidas (4,5%).

 

Inquérito começou em 2014

 

O SREA esclarece que o inquérito ao alojamento local foi realizado entre 2014 e 2017 pela DR do Turismo. 

Em 2018, a recolha foi realizada em conjunto pelo SREA e pela DRT, tendo sido transferida gradualmente para o SREA. Os dados com referência ao mês de Outubro e seguintes são integralmente recolhidos pelo SREA, resultando num aumento significativo da taxa de resposta. 

De Janeiro a Abril de 2019, a taxa de resposta alcançou os 95%, pelo que uma análise comparativa dos apuramentos de 2019 com os de 2018 terá que ter sempre isso em atenção, pelo motivo de neste inquérito não haver tratamento de não respostas. 

 

Turismo também cresceu no país

 

O sector do alojamento turístico (hotelaria (hotéis, hotéis-apartamentos, apartamentos turísticos, aldeamentos turísticos, pousadas e quintas da Madeira), alojamento local com 10 ou mais camas - de acordo com o limiar estatístico previsto no Regulamento UE 692/2011 - e turismo no espaço rural/de habitação) registou 2,3 milhões de hóspedes e 5,8 milhões de dormidas em Abril de 2019, correspondendo a variações de +9,1% e +9,5%, respectivamente (+4,2% e +0,7% em Março, pela mesma ordem). 

Segundo revelou ontem o INE, as dormidas de residentes cresceram 16,0% (+5,1% em Março) e as de não residentes aumentaram 7,1% (-0,9% no mês anterior), neste último caso reflectindo sobretudo a variação de turistas oriundos de Espanha.

Em Abril de 2019, a estada média (2,57 noites) cresceu 0,4% (+5,1% nos residentes e -1,1% nos não residentes).

A taxa líquida de ocupação-cama (48,7%) aumentou 1,9 p.p. em abril (-1,4 p.p. em Março).

Os proveitos aceleraram, tendo no total apresentado um crescimento de 9,6% (+3,7% em março) e atingido 331,5 milhões de euros. 

Os proveitos de aposento (245,0 milhões de euros) cresceram 10,3% (+1,9% em Março).

Estes resultados foram influenciados pelo efeito do período de férias associado à Páscoa, que este ano ocorreu em meados de Abril, enquanto no ano anterior teve influência repartida entre Março e Abril.

A mesma situação verificou-se nos Açores.

Crescimento de 27% nas dormidas em todas as unidades turísticas

cama hotelNos Açores, no mês de Abril, no conjunto dos estabelecimentos hoteleiros, turismo no espaço rural e alojamento local, as dormidas atingiram 242,4 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo de 27,0%, anunciou ontem o SREA.

De Janeiro a Abril de 2019, no conjunto dos estabelecimentos hoteleiros (hotéis, hotéis-apartamentos, apartamentos turísticos e pousadas), do turismo no espaço rural e do alojamento local da Região Autónoma dos Açores registaram-se 610,8 mil dormidas, valor superior em 17,4% ao registado em igual período de 2018.

 

Mais residentes que estrangeiros

 

De Janeiro a Abril, os residentes em Portugal atingiram cerca de 338,7 mil dormidas, correspondendo a um acréscimo homólogo de 21,6%; os residentes no estrangeiro atingiram 272,1 mil dormidas, registando um aumento em termos homólogos de 12,6%.

Neste período registaram-se 202,7 mil hóspedes, apresentando uma taxa de variação positiva de 15,9% relativamente ao mesmo período de 2018.

No país, em Abril, as dormidas registaram um acréscimo em termos homólogos de 9,5% e de Janeiro a Abril de 2019 apresentaram uma variação homóloga positiva de 3,9%.

 

Terceira e Santa Maria em contraciclo

 

Em termos de variações homólogas acumuladas, de Janeiro a Abril, as ilhas da Graciosa, de São Miguel, das Flores, do Pico, do Faial e de São Jorge apresentaram variações homólogas positivas, respectivamente de, 35,1%, 26,3%, 23,1%, 17,1%, 11,3% e 11,1%. 

As ilhas de Santa Maria e da Terceira, apresentaram variações homólogas negativas, respectivamente de, 19,6% e 11,5%.

A ilha de S. Miguel com 449,9 mil dormidas concentrou 73,7% do total das dormidas, seguindo-se a Terceira com 86,3 mil dormidas (14,1%), o Faial com 30,0 mil dormidas (4,9%) e o Pico com 18,9 mil dormidas (3,1%). 

 

Crescimento de 12,7% nos hotéis

 

Na Região Autónoma dos Açores, no mês de Abril, os estabelecimentos hoteleiros registaram 166,7 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo de 12,7%. 

As dormidas dos residentes em Portugal aumentaram 17,5% e as dormidas dos residentes no estrangeiro registaram um acréscimo de 7,4%.

Os proveitos totais atingiram 8,1 milhões de euros e os proveitos de aposento 5,9 milhões de euros, correspondendo a variações homólogas positivas, respectivamente, de 16,9% e de 17,2%. 

De Janeiro a Abril de 2019, nos estabelecimentos hoteleiros da Região Autónoma dos Açores (hotéis, hotéis-apartamentos, apartamentos turísticos e pousadas) registaram-se 438,3 mil dormidas, valor superior em 5,4% ao registado em igual período de 2018.

De Janeiro a Abril, os residentes em Portugal atingiram cerca de 261,4 mil dormidas, correspondendo a um acréscimo homólogo de 13,6%; os residentes no estrangeiro atingiram 176,9 mil dormidas, registando uma diminuição em termos homólogos de 4,7%.

Neste período registaram-se 152,2 mil hóspedes, apresentando uma taxa de variação positiva de 5,0% relativamente ao mesmo período de 2018.

No país, em Abril na hotelaria, as dormidas registaram um acréscimo em termos homólogos de 8,0% e de Janeiro a Abril de 2019 apresentaram uma variação homóloga positiva de 3,1%. 

De Janeiro a Abril, os residentes em Portugal atingiram cerca de 261,4 mil dormidas (59,6% do total) e os residentes no estrangeiro 176,9 mil (40,4% do total).

 

Mercado dos EUA e Canadá cresce

 

De Janeiro a Abril, o mercado norte-americano (EUA e Canadá) com cerca de 52,9 milhares de dormidas representou 12,1% das dormidas totais e 29,9% das dormidas dos não residentes, apresentando uma variação homóloga acumulada de 16,0%. 

O mercado alemão com cerca de 44,0 milhares concentrou 10,0% do total das dormidas, representou por outro lado, 24,9% das dormidas dos não residentes em Portugal e registou uma variação homóloga acumulada negativa de 5,5%.

Em termos de variações homólogas acumuladas, de Janeiro a Abril, as ilhas que apresentaram variações homólogas positivas foram as ilhas da Graciosa, de São Miguel e do Pico, com variações respectivamente de, 34,6%, 13,3% e 5,6%.

As ilhas do Corvo, de Santa Maria, da Terceira, de São Jorge, do Faial e das Flores, apresentaram variações negativas respectivamente de, 37,2%, 28,1%, 16,8%, 7,9%, 3,5% e 3,0%.

A ilha de S. Miguel com 322,5 mil dormidas concentrou 73,6% do total das dormidas, seguindo-se a Terceira com 68,8 mil dormidas (15,7%) e o Faial com 18,7 mil dormidas (4,3%). 

 

Estada média aumentou

 

Em Abril, a taxa de ocupação-cama atingiu 52,5%, valor superior em 3,8 p.p. em relação ao mês homólogo do ano anterior. A taxa de ocupação-cama no país atingiu 48,7%. A taxa de ocupação-quarto no mês de Abril atingiu 60,0%.

A estada média foi de 3,07 noites, tendo registado um aumento de 5,9% em relação a Abril de 2018. No país a estada média foi de 2,67 noites. 

 

Turistas já deixaram cerca de 20 milhões de euros

 

Os proveitos totais nos estabelecimentos hoteleiros, de Janeiro a Abril de 2019, atingiram 19,8 milhões de euros, tendo os proveitos de aposento atingido, no mesmo período, 13,8 milhões de euros. 

Estes valores correspondem a variações homólogas positivas de 10,0% e de 9,1%, respectivamente; para o total do país em igual período, os proveitos totais e os de aposento apresentaram variações homólogas positivas de 6,1% e de 5,2%, respectivamente.

Em Abril, os proveitos totais e os proveitos de aposento apresentaram variações homólogas positivas, respectivamente de, 16,9% e 17,2%. Para o total do país, as variações foram respectivamente, de 8,2% e de 8,6%.

As ilhas de São Miguel, Terceira e Faial foram as que maior peso tiveram nos proveitos totais, respectivamente com 76,7%, 12,3% e 4,5%. Em Abril, o rendimento médio por quarto disponível (Revenue Per Available Room) foi de 39,7 euros, apresentando uma variação homóloga positiva de 12,8%. 

De Janeiro a Abril, o RevPAR foi de 24,0 euros, apresentando uma variação homóloga positiva de 5,5%.

No país, o RevPAR de Abril e em termos acumulados foram respectivamente de 46,2 euros e de 33,5 euros.

Em Abril, o rendimento médio por quarto utilizado (Average Daily Rate) foi de 66,2 euros. 

 

 

Compras e levantamentos em multibanco sobem

Multibanco caixaAs compras realizadas por intermédio de terminais TPA atingiram em Maio de 2019, nos Açores, um montante de 98,5 milhões de euros, verificando-se acréscimo homólogo de 13,9%. Destes, cerca de 88,0 milhões de euros são de compras efectuadas com cartões de bancos nacionais (um acréscimo homólogo de 12,2%) e cerca de 10,5 milhões de euros dizem respeito a compras efectuadas com cartões de bancos internacionais, o que representa uma variação homóloga positiva de 30,1%. Os levantamentos em caixas ATM atingiram um montante total de 53,9 milhões de euros, um acréscimo homólogo de 2,0%. Destes, cerca de 50,0 milhões de euros são de levantamentos nacionais, o que representa uma variação homóloga positiva de 1,8% e cerca de 3,9 milhões de euros dizem respeito a levantamentos internacionais, o que representa uma variação homóloga igualmente positiva de 4,5%. A nível nacional, os levantamentos totalizaram 2.591,6 milhões de euros, verificando-se um acréscimo homólogo de 2,1%.

Estão a desembarcar menos passageiros estrangeiros nos aeroportos dos Açores

movimento passageiros maio 19

No passado mês de Maio desembarcaram nos aeroportos dos Açores 149.572 passageiros, um aumento de 5,5% face ao mesmo mês de 2018. 

Com efeito, segundo revelou ontem o SREA, os passageiros desembarcados com origem noutras regiões do território nacional atingiram 71.585, apresentando uma variação homóloga positiva de 11,6%, e os com origem no estrangeiro foram 16.793, originando um decréscimo homólogo de 5,5%.

Nos últimos três meses, desembarcaram nos aeroportos dos Açores, mais 7,1% de passageiros que em igual período de 2018, enquanto que nos últimos 6 meses, verificou-se, igualmente, uma variação homóloga positiva, de 6,1%.

 A ilha com maior número de passageiros desembarcados no mês de Maio foi a de São Miguel, com 88.217, seguida da Terceira com 31.740 e do Faial com 11.059. 

A ilha que apresentou maior crescimento homólogo mensal foi a da Terceira, com 10,6%, seguindo-se a de Santa Maria com 7,5%, Faial (7,3%) e São Miguel com 5,0%. 

Em sentido inverso, as ilhas do Pico, São Jorge e Corvo registaram decréscimos mensais homólogos no desembarque de passageiros de 7,0%, 3,1% e 2,4%, respectivamente.

A ilha que apresentou maior variação homóloga positiva nos últimos 3 meses foi a do Faial com 11,1%, seguida da Terceira com 10,3%. 

Quanto ao acumulado dos últimos 6 meses, a ilha que verificou maior variação homóloga positiva foi igualmente a do Faial com 10,8%, seguida das Flores (7,1%), São Miguel (6,4%), Graciosa (6,2%) e Terceira com 5,5%.

País Basco e Açores parceiros no desenvolvimento da fileira da madeira

João Ponte com comitiva do País BascoUma comitiva do País Basco iniciou ontem uma visita aos Açores com o objectivo de avaliar as potencialidades da floresta açoriana, nomeadamente em relação à Criptoméria Japónica, tendo em vista a sua introdução no País Basco e, por essa via, apostar na diversificação florestal.

O vice-conselheiro da Agricultura, Pesca e Política Alimentar daquela Comunidade Autónoma localizada no norte de Espanha esteve reunido esta Terça-feira com o Secretário Regional da Agricultura e Florestas, João Ponte, tendo manifestado a intenção de estabelecer uma parceria de colaboração, ao nível da cedência de sementes, apoio técnico e transmissão de conhecimentos. 

“Esta ligação que agora se inicia contribuirá, certamente, para que os Açores consigam ampliar a divulgação da madeira de criptoméria, abrir novos mercados e beneficiar do avanço tecnológico que existe no País Basco na fileira da madeira”, considerou João Ponte, citado em nota divulgada pelo executivo açoriano.

O governante açoriano frisou que os bons resultados obtidos com a gestão da floresta nos Açores constituem um exemplo a seguir e despertam interesse noutras regiões sobre o desenvolvimento da floresta de criptoméria da Região, salientando que é um aspecto positivo que o Governo dos Açores valoriza e resulta do trabalho que tem vindo a ser feita na floresta no arquipélago.

“A importância da fileira da madeira nos Açores está em contínuo crescimento, quer em termos económicos, de exportação, mas também ao nível da gestão sustentável dos recursos, e que agora começa a despertar o interesse de outras regiões, como é o caso do País Basco”, salientou João Ponte, no final da reunião com o vice-conselheiro basco, que decorreu na Reserva Florestal de Recreio do Pinhal da Paz.

O Governo dos Açores iniciou em 2014 um processo de renovação florestal nas áreas sob sua responsabilidade, através da selecção de áreas para corte e da definição de um conjunto de operações e normativos a atender na sua exploração.

Estas opções, que se consubstanciam num Plano de Gestão Florestal e que levam ao reordenamento florestal das áreas exploradas, visam também o rejuvenescimento da floresta pública açoriana, com respeito pelos valores naturais que lhe estão associados e tendo o cuidado de minimizar os impactos muitas vezes associados a este tipo de acções. 

O governante destacou ainda a crescente importância da exportação de madeira nos Açores, revelando que, no ano passado, foram exportados cerca de 5.000 metros cúbicos de madeira, principalmente para os EUA, mas também para novos mercados, como o Paquistão e Marrocos.

Além do encontro com o Secretário Regional da Agricultura e Florestas, a comitiva do País Basco irá visitar áreas de corte, rearborização e reordenamento florestal, bem como uma serração de madeira na ilha de São Miguel.

 

Concluída proposta de regime jurídico de polícia florestal

 

À margem da reunião, João Ponte avançou também já estar concluída a proposta de regime jurídico para regular a actividade de polícia florestal.

Segundo o Executivo açoriano, a proposta está a aguardar agendamento para apreciação em Conselho do Governo e será remetida à Assembleia Legislativa, logo após a sua aprovação.

O Secretário Regional destacou que a regulação do exercício das funções de polícia florestal comporta aspectos complexos e sensíveis, como seja o poder de autoridade, o uso da força e o porte de arma, que exigiram muita reflexão e ponderação jurídica.

A carreira profissional de guarda florestal foi iniciada no arquipélago na década de 50 do século XX, dispondo actualmente a Região de mais de meia centena de guardas florestais, profissionais que dispõem de uma cada vez maior formação teórica e prática. Recentemente foram admitidos 14 novos guardas florestais na região.

Sobre o facto de o PSD ter avançado, recentemente, que iria apresentar na Assembleia Legislativa um projecto de decreto legislativo regional para criar um regime jurídico da actividade de polícia florestal, o Secretário Regional afirmou que o Executivo “aguarda com expectativa o conteúdo do projecto do PSD e está, naturalmente, disponível para acolher contributos no sentido de melhorar a proposta do Governo”, de forma a ter nos Açores “o melhor regime jurídico possível”.