“Estamos a viver uma altura bastante interessante na arte açoriana”

joao miguel e beatriz“Código Postal 9500 - Três Residentes Artistas: Beatriz Brum, João Miguel Ramos e Sara Rocha Silva”, é assim que se intitula a exposição destes três jovens artistas, que é inaugurada hoje, pelas 18h30m, na Galeria do Centro Municipal de Cultura de Ponta Delgada. O “Diário dos Açores” falou com os três artistas, que nos explicam a sua obra.

 

 “Código Postal 9500 - Três residentes artistas: Beatriz Brum, João Miguel Ramos e Sara Rocha Silva” é uma exposição com trabalhos individuais dos três ou trabalhos conjuntos? Desvendem um pouco a exposição...

A exposição “Código Postal 9500 - Três residentes artistas: Beatriz Brum, João Miguel Ramos e Sara Rocha Silva”, é um projecto pensado pela Maria José Cavaco, que parte de uma referência ao conto de Joseph Conrad, O plantador de Malata - em que se associa o correio postal ao sítio onde  acabamos por permanecer mais tempo - para mostrar o trabalho de jovens artistas que estão ou estiveram recentemente a viver e produzir no território (São Miguel). 

Trata-se de uma exposição feita a partir de uma selecção de obras dos três artistas, portanto, são obras individuais, mas que no espaço estão pensadas para “dialogarem” umas com as outras, tendo em conta as características específicas de cada trabalho.

 

Como surgiu este trio? Já se conheciam? Utilizam todos os mesmos métodos e as mesmas formas na criação ou cada um tem visões diferentes da arte?

Nós já nos conhecíamos, mas a Sara foi a primeira a contactar a Câmara e perceber se havia possibilidade de lá expor. 

Quando a Câmara Municipal de Ponta Delgada recebeu a sua proposta, achou desafiante ter não um mas um pequeno grupo de jovens artistas. 

A Beatriz e o João partilhavam atelier e numa das aberturas informais que organizam, Maria José Cavaco ficou a conhecer melhor o trabalho deste dois artistas.  

A pintura será base do trabalho dos três artistas, sendo que cada um trata essa técnica de uma forma muito particular e distinta. 

 

O estado da arte entre nós, na região, vai bem e recomenda-se ou é uma parte esquecida da cultura açoriana?

As mudanças são muitas e notórias. Penso que podemos considerar que estamos a viver uma altura bastante interessante. Novas dinâmicas começam a surgir, isso nota-se pelos espaços que têm vindo a abrir e por oportunidades, como esta, que a  Câmara Municipal de Ponta Delgada nos possibilita. 

 

A vossa arte também é intervenção ou apenas uma demonstração do talento?

Espera-se que toda a arte contemporânea tenha um carácter interventivo. 

É importante perceber o que compreendemos por intervenção,  se intervenção for “intervir” na vida do espectador de alguma forma, fazendo-o questionar ou simplesmente contemplar a obra, podemos considerar que as obras apresentadas vão ser de carácter interventivo. 

É logo de inicio demarcada uma certa posição que, com um carácter interventivo, enquadra esta exposição e que se foca na questão de mostrar trabalho de artistas açorianos nos Açores.

 

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

“Renovação dos cabos submarinos será um investimento de 100M€ e infraestruturas devem ser partilhadas pelos vários operadores”

joao cadete de matosO Presidente da ANACOM, João Cadete Matos, defendeu ontem, na ilha das Flores, o investimento em cabos submarinos e a partilha de infraestruturas pelos vários operadores como soluções para os problemas das comunicações nas regiões autónomas.

“Aquilo que a ANACOM tem vindo a pugnar, e em relação aos Açores e à Madeira é fulcral, é o investimento na renovação dos cabos submarinos, que tem de ser feito nos próximos anos, e que o Governo inscreveu como estratégico no Orçamento do Estado para o próximo ano”, afirmou o Presidente da Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), depois de se ter reunido com os presidentes das duas câmaras municipais da ilha.

João Cadete Matos explicou que a deslocação ao ponto mais ocidental da Europa visou identificar “o estado das comunicações da ilha das Flores, uma das zonas mais remotas do território nacional e em que é possível identificar a importância que têm as comunicações para o desenvolvimento de toda a Região Autónoma dos Açores”.

O Presidente da ANACOM adiantou que há “ainda zonas da ilha que têm uma cobertura de rede móvel inexistente”.

“Mesmo junto aqui, à sede de concelho, em Santa Cruz das Flores, existe parte da população que não tem nenhuma rede móvel e, portanto, essa é uma das prioridades, que a rede móvel esteja disponível em todo o território, assim como internet também”, já que “há várias partes da ilha que não têm redes de banda larga e redes de alta velocidade”, esclareceu.

A solução passa pelo investimento nos cabos submarinos, uma medida prevista no Orçamento do Estado para 2019 e cujas estimativas apontam para um “valor global do investimento de cerca de 100 milhões de euros”, afirmou o Presidente da ANACOM, acrescentando que “o projecto deveria estar concluído, em termos do estudo das soluções, nos próximos dois anos”.

“O que é importante, neste momento, é encontrar um modelo de negócio que, seja com investimento público, seja com investimento privado, consiga desenvolver uma solução de cabos submarinos virada para o futuro, que permita dar esta resposta às necessidades das populações, em termos de conectividade, mas que também possa ter outras mais-valias” como “a protecção sísmica”, acrescentou João Cadete Matos.

Outra das soluções defendidas pela ANACOM é uma maior partilha das infraestruturas existentes, nomeadamente das antenas, através do desenvolvimento do ‘roaming’ nacional, que permita a “qualquer cidadão nacional ligar-se a qualquer antena de qualquer operador, não apenas às antenas do seu operador, para que no fundo beneficie da mesma situação de que beneficiam os turistas estrangeiros”.

“Esta, aliás, foi uma recomendação do grupo de trabalho, promovido pela ANACOM, que tratou das consequências dos incêndios em Portugal, em que participaram todos os operadores”, observou o Presidente da Autoridade.

Segundo João Cadete Matos, os presidentes das câmaras de Santa Cruz das Flores e Lajes das Flores sinalizaram a importância do desenvolvimento do serviço de Correios, atendendo a que os Açores são uma das regiões do país que mais recorre ao comércio electrónico e que, portanto, depende muito do serviço de correio postal.

Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres celebra 60 anos

Santuário Santo CristoNo próximo dia 28 de Outubro, pelas 15h00, arranca o programa celebrativo do 60º aniversário da elevação da Igreja de Nossa Senhora da Esperança a Santuário diocesano, no dia 22 de Abril de 1958.

O primeiro orador, que proferirá a sua conferência a partir das 15h00, é o padre Carlos Cabecinhas, reitor do Santuário de Fátima, que falará sobre “Santuários: escolas de oração”.

Esta será a primeira de quatro conferências que se estenderão ao longo do próximo ano, que também viverá um simpósio de dois dias sobre a religiosidade popular, centrada no Culto do Espírito Santo e do Senhor Santo Cristo e que reunirá especialistas de várias áreas de saber.

O objectivo deste programa festivo é promover o culto e fazer as pessoas a repensarem a sua fé à luz de Cristo, afirma o reitor do Santuário, cónego Adriano Borges.

A segunda conferência tem lugar em Vila Franca do Campo e será proferida pelo padre Alexandre Palma, docente da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa. Falará sobre “Jesus, Ecce Homo”.

No dia 19 de Março, o padre José da Silva Lima, de Coimbra, falará sobre o “Santuário, arte de cuidar”. A última conferência será protagonizada por D. Carlos Azevedo, do Conselho Pontifício para a Cultura e debruçar-se-á sobre o tema “Viver em Cristo: pleno humanismo de santidade”. Será no dia 12 de Julho, último dia do Simpósio que abordará a temática da religiosidade popular, centrada nos cultos ao Espírito Santo e ao Senhor Santo Cristo dos Milagres.

“O Espírito Santo e também o Santo Cristo têm uma presença em todas as ilhas e por isso falar sobre eles é falar também um pouco de nós”, afirmou o cónego Adriano Borges, em declarações ao Igreja Açores .

O programa festivo do Santuário conta ainda com a festa dos Espinhos, no dia 23 de Março e, no dia 22 de Abril, será celebrada uma Missa de acção de graças pelo 60º aniversário da criação deste Santuário diocesano.

No dia 24 de Maio realiza-se o primeiro Encontro de Reitores dos Santuários Diocesanos dos Açores, que precede o fim-de-semana da festividade maior deste lugar de culto em Ponta Delgada

O culto ao Senhor Santo Cristo dos Milagres foi impulsionado a partir dos séculos XVII e XVIII, dentro dos princípios adoptados pela Igreja Católica no Concílio de Trento, no sentido da defesa da importância do culto e da veneração de imagens, um dos princípios de divergência em relação à Reforma protestante.

Na actualidade, aquando das festas em honra do Senhor Santo Cristo, uma multidão acorre ao Campo de São Francisco e ao Convento da Esperança para viver e celebrar uma das maiores manifestações de devoção, fé e respeito. Além de se prestar homenagem à imagem do Senhor, são pagas as promessas feitas.

Ao longo do restante do ano, a imagem encontra-se guardada numa capela do convento, localizada em frente e em sentido oposto ao altar-mor da igreja, separada da nave por um gradeamento.

As festas do Senhor Santo Cristo realizam-se no quinto Domingo a seguir à Páscoa e são as maiores festas religiosas dos Açores, atraindo milhares de peregrinos que durante o fim-de-semana percorrem as ruas de Ponta Delgada.

PJ detém mulher suspeita de fomentar prostituição de filha menor na Terceira

praia da vitóriaA Polícia Judiciária (PJ), através do Departamento de Investigação Criminal de Ponta Delgada, no âmbito de uma investigação titulada pelo Ministério Público da Praia da Vitória, identificou e deteve uma mulher de 35 anos de idade, por fortes indícios da presumível prática do crime de lenocínio de menores na sua forma agravada. Conforme se pode ler na nota da PJ, “os factos criminosos, que ocorreram na ilha Terceira, tiveram o seu início em 2015, quando a vítima tinha então 14 anos de idade, e perduraram pelos dois anos seguintes”.

A mesma nota dá conta que “a suspeita, a troco do recebimento de verbas em dinheiro, fomentava a prostituição da vítima, que é sua filha, levando-a a práticas regulares de natureza sexual com um homem de 58 anos, o qual foi também identificado, constituído e interrogado como arguido, por suspeitas da prática do crime de recurso à prostituição de menores”.

A detida, foi presente a primeiro interrogatório judicial para aplicação de medidas de coacção tidas por adequadas.

STAL Açores reivindica melhores salários

Funcionários públicosO STAL Açores emitiu ontem um comunicado reivindicando melhores salários e actualização da remuneração complementar nos Açores.

Os trabalhadores acusam o Governo da República de não cumprir com as promessas e solidarizam-se com as propostas reivindicativas apresentadas a nível nacional, nomeadamente a eliminação de todas as formas de precariedade na Administração Pública e a abertura de procedimentos concursais que garantam o princípio de que, para necessidades permanentes, corresponde um vínculo efectivo.

“Na Região, para além de um custo de vida agravado pela insularidade, os trabalhadores açorianos auferem um rendimento médio substancialmente inferior aos seus congéneres continentais. Os baixos salários praticados nos Açores relacionam-se intimamente com o aumento das situações de pobreza e de exclusão social”, lê-se na nota enviada ao nosso jornal.

 

Recuperação do poder de compra

 

“A recuperação do poder de compra dos trabalhadores açorianos não é apenas justa como será também mais um estímulo à reactivação da economia regional, com efeitos positivos e imediatos em todas as ilhas dos Açores”, acrescenta.

“A remuneração complementar não é alvo de qualquer atualização desde 2012 e desde 2009 as remunerações base dos funcionários públicos também não são actualizadas. A aprovação e aplicação da Remuneração Complementar Regional é uma importante conquista dos trabalhadores açorianos, que deve ser respeitada e devidamente valorizada, porque tem contribuído para repor justiça salarial”, afirma o STAL.

Neste sentido, “urge proceder ao seu aumento na devida proporção da diferença salarial entre o continente e os Açores. O STAL não só reafirma as suas exigências como valoriza as lutas em curso que têm vindo a decorrer e se unirão na greve nacional dos sindicatos da FCSAP no próximo dia 26 de outubro”, lê-se ainda na nota, que conclui afirmando que o “ STAL exige respeito pelos trabalhadores, estando segura que no próximo dia 26 será dado o sinal de que o tempo é agora: é urgente valorizar salários e carreiras, respeitar e dignificar os trabalhadores e os serviços públicos.