Sindicato diz que a Hifly falhou o primeiro voo com o A330 da SATA para Toronto

sata aviões pdl 2O Sindicato do Pessoal de Voo denunciou ontem aquilo a que considera “negócio ruidoso” a entrega do A330 da SATA à Hifly, revelando que, “ainda ontem, esta empresa que foi contratada para efectuar os voos para Toronto, porque supostamente tinha aviões suficientes para substituir o nosso A330 em caso de avaria”, não aconteceu, porque “o avião da Hifly que iria realizar o Ponta Delgada/Toronto avariou e teve que ser o A330 “ainda” da SATA, que tinha programada a ida para manutenção no Brasil, a efectuar esse mesmo voo, porque a Hifly não tinha aviões para substituir o seu A340”.

“O que irá acontecer se deixarmos o destino dos passageiros Açorianos nas mãos de uma empresa que na primeira avaria não conseguiu cumprir com o contrato a que se propôs e desmontando o argumento que a SATA alega para “vender” o negócio do A330 ao povo Açoriano: “a única diferença é que passamos a ter assegurada esta operação ao longo do ano, porque se o aparelho tiver alguma avaria a própria HiFly encarrega-se de o substituir de imediato?”, questiona o sindicato.

“Relembramos que o A330 está há apenas dois anos na frota da SATA e não teve avarias que condicionassem a operação. Talvez o Presidente da SATA esteja a confundir aeronaves e julgue que o A330 é o “velhinho” A310; esse sim teve inúmeras avarias nos últimos dois anos, mas que o Eng.º Paulo Menezes teimosamente quis que continuasse na frota da SATA Internacional.

Afinal, quem ganha com este negócio? A SATA não é com certeza!”, afirma a nota sindical enviada ao nosso jornal.

“Quanto às acusações que o Presidente da SATA faz ao Sindicato, ao dizer que queremos enganar as pessoas, ficámos estupefactos com as declarações do Eng.º Paulo Menezes onde afirma que o A321 NEO realizou um voo “promocional” de 8 horas e 45 minutos.

Queremos esclarecer que esse voo foi ímpar, tendo sido operado pela companhia Islandesa de baixo custo “WOW Air”, que, numa manobra de marketing e com apenas 40 passageiros a bordo e ter sido feito “com terra à vista”, a fim de possibilitar que o avião conseguisse ter mais autonomia, realizou o voo de Keflavik para Los Angeles”, prossegue a nota, explicando que “nos voos para a América do Norte, o A321NEO da SATA é obrigado a sobrevoar o Atlântico Norte, onde não existem o mesmo número de aeroportos alternantes, o que condiciona o número de horas máximas de voo”.

O sindicato acusa ainda “a opção do Eng.º Paulo Menezes em não tratar de igual modo todas as ilhas do arquipélago, inclusive diminuindo o número de voos de e para determinadas ilhas, bem como não acautelar as necessidades específicas de cada ilha, já deveria ter sido o bastante para haver uma tomada de posição do Governo”.

O sindicato informa também que já reuniu com a secretária dos Transportes para falar destes assuntos e que aguarda resposta para um encontro com o Presidente do Governo.

Novo avião da SATA fará Praia e Frankfurt

aeroporto PDLlO novo avião da SATA, o segundo A321 NEO, chegou ontem a Ponta Delgada, depois de receber a certificação em Lisboa.

O novo aparelho junta-se a outro que a SATA já tinha recebido da Airbus no início do ano.

Será mais uma nova aeronave a operar nas rotas do grupo, nomeadamente entre Ponta Delgada e Lisboa e também para Providence e Boston.

Entretanto,  Azores Airlines comunicou aos sistemas globais de reservas uma actualização do seu programa de exploração, em que inclui o novo Airbus A321 NEO a fazer alguns voos este Verão entre Ponta Delgada e Praia, Cabo Verde, e Frankfurt, Alemanha, logo no início de Junho.

A informação da companhia indica que terá o A321 NEO a fazer os voos Ponta Delgada - Praia, substituindo o A320, nos voos às sextas-feiras.

A companhia tem programado dois voos por semana nessa rota entre 1 de Junho e 28 de Setembro, com um voo também às segundas-feiras em A320.

Para a rota Ponta Delgada - Frankfurt, entre 7 de Junho e 28 de Setembro, a informação indica que tem programado três voos por semana, um dos quais, às quintas-feiras, em A321neo.

Os outros dois voos, às terças e Domingos, serão em Airbus A320.

Ponta Delgada é a quinta cidade mais hospitaleira de Portugal

ponta delgada - avenidaPonta Delgada é a 5ª cidade mais hospitaleira de Portugal num ranking das 10 mais hospitaleiras elaborado pela Airbnb.

Funchal, Aljezur e Vila Nova de Gaia são as primeiras três cidades com melhor índice de hospitalidade na Airbnb em Portugal, de acordo com o ranking de 2018 divulgado pelo portal de alojamento local. 

A lista refere-se às localidades em que os anfitriões recebem melhores avaliações por parte dos hóspedes que reservam alojamento através desta plataforma.

A quarta cidade é Ericeira, seguindo a Ponta Delgada, Sintra, Lagos, Braga, Cascais e Aveiro. 

“As plataformas como a Airbnb tornam possível que neste tipo de cidades exista também uma oferta de alojamento diferente da tradicional, que atrai visitantes de qualidade e permite que os benefícios do turismo tenham um marcado impacto local, tanto para os anfitriões como para os comerciantes dessas zonas”, refere a empresa em comunicado.

 

Açores com maior potencial de crescimento

 

Um estudo do Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT) mediu a relação entre residentes e turistas em várias cidades europeias e concluiu que as duas maiores cidades portuguesas, Lisbo e Porto, estão a chegar um ponto de saturação.

O presidente do IPDT, Jorge Costa, diz que é preciso estudar formas de desenvolver esta actividade noutras regiões do país.

Neste relatório, a apresentar no Fórum de Turismo, os Açores são a região com maior potencial de crescimento. 

Entretanto, o presidente do Turismo de Portugal (TP), Luís Araújo, reafirmou ontem a importância de se fazer um trabalho conjunto para que o crescimento registado no sector do turismo se alastre a todo o território.

Na sessão de abertura da 13.ª edição do Fórum de Turismo Internacional (FIT), a preocupação de espalhar o sucesso turístico a todos os territórios do país foi um ponto assente nos discursos dos responsáveis pelo turismo, com o presidente do TP a destacar o Centro, Alentejo e Açores como as regiões com maior crescimento.

“Este crescimento tem que estar em todo o território. Há um trabalho conjunto que tem de ser desenvolvido, no ‘cycling’ e ‘walking’, criação de roteiros e multidestinos. Há que ter um conceito de multidestinos e pensarmos que é isso que nos vai permitir vender mais. É preciso que exista inovação em produto e serviço em todas as regiões e uma coordenação em todos os atores do turismo. O sucesso pode ser mais capitalizado se tivermos todos coordenados, na venda, qualidade de oferta e aposta em novos segmentos e mercados”, defendeu.

Cerca de 3.500 turistas de cruzeiros hoje em Ponta Delgada

riviera 2Abril é o mês de excelência para turismo de cruzeiros no mar dos Açores, estando previstas, como já noticiámos, 48 escalas para desembarque de cerca de 70 mil turistas.

Hoje chegam a Ponta Delgada dois navios: o Koningsdam e, pela primeira vez, o Rivieira.

O Koningsdam, navio almirante da Holland America Line,  que tem como madrinha nada mais nada menos que a rainha da Holanda, Máxima, está a efectuar uma viagem transatlântica entre Fort Lauderdale e Civitavecchia, viagem esta que inclui ainda a já mencionada visita a Ponta Delgada, onde os 2500 passageiros vão ter oportunidade de desfrutar, à semelhança de ontem na Praia da Vitória, de uma escala ‘full day’.

A título de curiosidade, gostaríamos de salientar que o navio holandês passa a estar associado ao facto de ser, à data, o maior navio de cruzeiros que já atracou na ilha Terceira, numa escala de turismo.

Também hoje, destaque especial para a estreia absoluta nos mares açorianos do referenciado Riviera, navio da premium Oceania Cruises. 

Este paquete está a realizar a travessia atlântica entre Miami e Barcelona e visita a capital micaelense com 920 passageiros e 760 tripulantes.

Entrou ao serviço em Julho de 2012, após ter sido construído nos estaleiros Fincantieri, em Génova. 

Como dados técnicos mais relevantes salientamos os 239 metros de comprimento, 32,2 metros de boca, 7,4 metros de calado e 66 mil toneladas de arqueação bruta, podendo transportar, na sua lotação máxima, 1250 hóspedes com 800 tripulantes. 

Disponibiliza 11 decks para passageiros, com um total de 625 cabines.

O primeiro navio previsto chegar a Ponta Delgada será o Koningsdam, que, em virtude do aumento da agitação marítima, deve atracar no Terminal de Cruzeiros das Portas do Mar passados 15 minutos da meia-noite. 

Por seu turno, o estreante Riviera está apontado para as 7 horas.

Ambos tem largada prevista para as 18 horas do mesmo dia. 

 

Todas as ilhas dos Açores sob aviso amarelo devido ao vento e agitação marítima

mau tempo avenidaO Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) emitiu um aviso devido à previsão de uma depressão centrada a norte do arquipélago que deverá provocar “um aumento da intensidade do vento e da agitação marítima em todas as ilhas”, estando, por isso, todas as ilhas sob aviso amarelo. 

No Grupo Oriental, o aviso amarelo é referente a agitação marítima “no período entre as 00h00 de sexta-feira, 6 de Abril, e as 00h00 de sábado, 7 de Abril”, prevendo-se a ocorrência de ondas de noroeste de seis metros

Para as ilhas do Grupo Central, o IPMA emitiu um aviso amarelo devido ao vento, entre as 03h00 e as 15h00 de hoje, prevendo-se que a direcção do vento seja de “oeste, rodando para noroeste”.

Quanto à agitação marítima, nas mesmas ilhas, estão previstas ondas de seis a sete metros entre as 03h00 de hoje e as 15h00 de amanhã.

Por sua vez, o Grupo Ocidental estará sob aviso amarelo devido ao vento, entre as 00h00 e as 12h00 de hoje, , com direcção de oeste, rodando para noroeste, e, entre as 00h00 de hoje e as 12h00 de amanhã, devido a agitação marítima, estando previstas ondas de seis a sete metros.

O Serviço Regional de Protecção Civil e Bombeiros dos Açores recomendou, neste sentido,  que sejam tomadas medidas de autoprotecção, como a consolidação de telhados, portas e janelas, corte ou poda de árvores próximas em risco de queda, guardar objectos soltos nos jardins, fechar bem as janelas e persianas, reforçar as amarrações das embarcações ou mudar para local seguro, ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas, afastar-se de áreas baixas junto à costa, não praticar actividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos ou passeios à beira mar, e estar atento às indicações da Protecção Civil e das Forças de Segurança.