Hotel Marina Atlântico assina acordo para contribuir para redução de resíduos urbanos

Hotel Marina Atlântico - grupo bensaudeO Hotel Marina Atlântico, do Grupo Bensaude, assinou na semana passada, um acordo no âmbito do projecto europeu UrBan Waste, que visa a implementação de estratégias urbanas para a gestão de resíduos nas cidades turísticas.

Entre os objectivos do projecto, destacam-se a promoção e estruturação de um quadro participativo dos stakeholders para a elaboração de políticas na gestão de resíduos e o desenvolvimento de estratégias política eco-inovadoras para a gestão de resíduos urbanos.

Desta forma, com a assinatura do acordo, o Hotel Marina Atlântico comprometeu-se a substituir produtos descartáveis na unidade hoteleira e proceder à tradução e disseminação das instruções de separação dos resíduos noutras línguas.

O projecto UrBan Waste decorrerá até 2019 e envolve as principais partes interessadas na prevenção e gestão de resíduos, gerando cadeia de valor no sector do turismo, pretendendo desenvolver uma prevenção de resíduos eco-inovadora, bem como estratégias de gestão em cidades com altos índices de turismo, de modo a  reduzir a produção de resíduos urbanos e de melhorar a gestão dos resíduos municipais”. Estão envolvidas no projecto 11 cidades-piloto e regiões europeias, nomeadamente Copenhaga, Florença, Santander, Nice, Dubrovnik, Cavala, Siracusa, Nicósia, Tenerife, Lisboa e Ponta Delgada. As duas cidades portuguesas serão os pilares das actividades de implementação e demonstração. Estas cidades estarão, também, envolvidas na estrutura participativa sob a forma do Plano de Mobilização e Aprendizagem Mútua para a prevenção e gestão de resíduos nas cidades turísticas.

Recorde-se que o Hotel Marina Atlântico é certificado ambientalmente de acordo com a Norma NP EN ISO 14001 e registado no sistema comunitário de Ecogestão e auditoria (EMAS).

Ponta Delgada leva especialistas de várias áreas à BTL para promover concelho

ponta delgada floresO concelho de Ponta Delgada vai apresentar-se na BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa 2018, de 28 de Fevereiro a 4 de Março, no Stand da AMISM – Associação de Municípios da Ilha de São Miguel, com oito oradores convidados, especialistas em diferentes áreas.

A 1 de Março, pelas 15h00, no Pavilhão 2 da BTL, José Manuel Bolieiro, Presidente da Câmara Municipal do maior concelho dos Açores, bem como da AMISM, irá dar as boas-vindas e apresentar o Stand, que acolhe as várias câmaras municipais de São Miguel. 

Segundo avançou o município, a participação de Ponta Delgada pretende dar a conhecer a operadores turísticos e aos visitantes em geral a realidade do concelho aos níveis do turismo, natureza, vulcanologia, história, cultura, o património paisagístico, o termal e o marítimo.

Neste sentido, os oradores, convidados pela Câmara Municipal, vão apresentar Ponta Delgada segundo a sua perspectiva, de acordo com as suas experiências científico-profissionais.

É com esta atitude que Cátia Chaves, directora comercial da empresa de Animação turística “Picos de Aventura”, apresenta a 28 de Fevereiro, pelas 14h00, a palestra denominada “Picos de Aventura”, onde irá indicar as atividades promovidas e os projectos futuros desta empresa sediada em Ponta Delgada.

Já às 15h00, do mesmo dia, Isabel Albergaria, professora auxiliar da Universidade dos Açores, no Departamento de História, Filosofia e Artes – FCSH e responsável por diversas unidades curriculares no âmbito da história da arte e do património cultural, irá apresentar “as paisagens e os jardins históricos de Ponta Delgada como recurso para o turismo cultural”.

A encerrar o dia 28 de Fevereiro, pelas 16h00, e a dar início às apresentações do dia 1 de Março, pelas 12h00, estará Gerbrand Michielsen, guia e fundador da empresa especializada em observação de aves nos Açores, “Gerbybirding”, com “uma viagem pela vida selvagem no concelho de Ponta Delgada”.

No dia 2 de Fevereiro, pelas 13h00, o Historiador José de Almeida Mello, promete prender a atenção de todos os presentes com a palestra “Olhares sobre a Cidade: Segredos, Legados e História”.

Neste mesmo dia, pelas 16h00, Nuno Pereira, do Observatório Vulcanológico e Geotérmico dos Açores, também vai partilhar um pouco do seu conhecimento, falando sobre as “Maravilhas Geológicas: Caldeiras das Sete Cidades, Serra Devassa, Complexo Vulcânico dos Picos”.

Já para falar de “Cetáceos, uma relação secular”, pelas 18h00, do dia 2 de Março e pelas 13h00, no dia 3 de Março, estará no Stand da AMISM, Rui Rodrigues, sócio e diretor da empresa “Futurismo”. Rui Rodrigues teve desde sempre uma vida ligada ao mar e é conhecido por participar em várias iniciativas ligadas à proteção dos cetáceos e a regulação da sua observação. 

A encerrar o dia 2 de Março, está a apresentação de Hélder Fialho, vogal do conselho de administração da maior casa de espetáculos dos Açores, intitulada de “Coliseu Micaelense – A História de um Século”.

As apresentações dos convidados da Câmara Municipal de Ponta Delgada para a BTL 2018, terminam com as intervenções de Délia Cordeiro, directora executiva da empresa Termas da Ferraria, a 3 de Março, pelas 16h00 e a 4 de Março, pelas 15h00. Durante estes dias, os visitantes vão também ter a oportunidade de desfrutar de alguns momentos de degustação de produtos regionais, nas chamadas “Happy Hour”. 

Empresários reiteram necessidade de investir em infraestruturas nas zonas de maior fluxo turístico

lagoa sete cidadesA Comissão Especializada do Turismo (CET) da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada reuniu no passado dia 4 de Janeiro para fazer um balanço do sector em 2017 e perspectivar a sua evolução em 2018. 

Os empresários ligados ao sector do turismo apontaram ainda aspectos “prioritários e estruturantes” a corrigir.

“A Comissão entende que é indispensável corrigir um conjunto de aspectos, com relevância para a melhoria da qualidade do destino e para a sua competitividade. Muitos dos referidos aspectos são prioritários e estruturantes, não podendo continuar a ser adiados, sob pena de se comprometer o futuro do sector”, refere a comissão numa nota enviada à comunicação social.

A CET defende, neste sentido, uma “aposta clara” e uma “forte intervenção pública na área da qualificação dos recursos humanos tendo em consideração a natureza da formação”, a par da “realização urgente de investimento em infraestruturas nos locais de maior afluxo de turismo (Lagoas do Fogo, Sete Cidades e Furnas, bem como Ferraria etc) e definição dos modelos de gestão”.

A CET defende ainda a necessidade de “direccionar a promoção e incentivos para combater a sazonalidade, potenciando-se recursos naturais disponíveis, designadamente o termalismo, o golfe, etc”.

Por outro lado, os empresários defendem ainda a “reestruturação da SATA Internacional” e o “reforço operacional da SATA Air Açores, de forma a dar melhor resposta com ligações interilhas mais frequentes e mais competitivas. Neste contexto, o papel da transportadora é muito relevante, pois é um instrumento poderoso para alargar os benefícios do turismo às ilhas mais pequenas”, refere a CET no mesmo comunicado.

Além disso, os emrpesários defendem ainda a realização de dois inquéritos anuais de satisfação dos turistas, um na época baixa e ou na época alta, bem como a disponibilização dos resultados em “tempo útil”.

Na mesma reunião, a CET fez um balanço positivo do ano que se passou, mas apontou também os aspectos negativos de 2017.

“A Comissão considerou que 2017 foi um ano globalmente positivo para o sector, tendo nomeadamente em consideração a continuação do crescimento significativo verificado nas diversas actividades ligadas ao sector, fruto da conjuntura económica nacional e internacional e da boa imagem geral que os Açores têm vindo a construir”, lê-se na mesma nota.

Sobre o lado negativo de 2017 para o turismo nos Açores, os empresários apontam a saída da companhia aérea de baixo custo EasyJet do mercado açoriano, a par da “instabilidade verificada na SATA Internacional e a limitação da oferta da SATA Air Açores”.

Na área dos recursos humanos, a CET refere que “continuou sem ter apoios para a formação de activos, com especial relevo nas áreas da hotelaria e restauração. Igualmente verificada falta de activos qualificados no mercado”.

Os empresários apontam ainda a “existência de custos de contexto crescentes (energia, carga fiscal, burocracia etc) e a falta de informação estatística (contas satélite do sector, inquéritos à satisfação dos turistas e consumo etc)”.

Quanto a 2018, a comissão perspectivou que “será globalmente um ano positivo para o sector, prevendo a continuação da sua evolução no sentido de um crescimento sustentado”.

“Esta perspectiva fundamenta-se essencialmente num conjunto de indicadores e de intenções, como é o caso dos transportes aéreos, em que se prevê o aumento da oferta de algumas companhias, que já se encontram a operar na Região, bem como de outras que vão iniciar a sua operação e ainda outras que manifestaram a intenção de o fazer. Igualmente se salienta é a intenção de ser dada continuidade à política regional, que vem sendo seguida, de abertura e de estímulo ao sector, que se espera em intensidade adequada”, lê-se no documento.

 

Segurança dos visitantes é “principal preocupação” do Executivo nas intervenções na Caldeira Velha

Caldeira velha - foto gacsA Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo garantiu ontem que a qualidade e a segurança dos visitantes é a principal preocupação do Governo dos Açores relativamente ao Monumento Natural da Caldeira Velha, razão pela qual assume, desde ontem, a sua gestão.

“A nossa preocupação na questão das infraestruturas é aproveitar estas três semanas em que iremos encerrar o espaço para fazermos adaptações ao novo modelo de gestão que pretendemos implementar aqui, mas também assegurar a sua qualidade, fruto das derrocadas que tivemos” no mês de Dezembro, afirmou Marta Guerreiro, em declarações aos jornalistas no final de uma visita ao espaço.

“Há um conjunto de intervenções que já estão a decorrer”, frisou a governante, salientando que “hoje é o primeiro dia de trabalhos” para que, a 9 de fevereiro, o Monumento Natural da Caldeira Velha, no concelho da Ribeira Grande, possa reabrir com todas as condições de visitação.

A Secretária Regional destacou, entre as intervenções a decorrer no imediato, a limpeza e a impermeabilização do fundo dos tanques de banho, a construção de um terceiro tanque, a instalação de mais vestiários e cacifos, bem como o controlo da flora invasora e a retirada de árvores de grande porte em zonas de risco.

Marta Guerreiro sublinhou a questão dos recursos humanos, enquanto “preocupação importante e que tem sido veiculada de forma menos clara” pela autarquia da Ribeira Grande.

“Contrariamente àquilo que a Câmara Municipal da Ribeira Grande tem vindo a dizer sobre a preocupação acerca dos trabalhadores, agora sim, vamos terminar com a relação de precariedade que existia neste local e passar a ter relações de trabalho bem definidas e com remunerações condignas”, assegurou a Secretária Regional.

Na semana passada terminou o período de entrega de candidaturas para a contratação de oito funcionários, aos quais se juntam três trabalhadores da Azorina, estando, nesta fase, a decorrer a sua avaliação, com realização de entrevistas na próxima semana, permitindo que, na data da reabertura do espaço, todos os colaboradores estejam já em funções.

Relativamente ao modelo de gestão, Marta Guerreiro reforçou a importância de existência de limitações de acessos, com uma carga máxima, em simultâneo, de 250 visitantes e um limite de duas horas para a visitação, controlada por “um sistema automático na entrada que permitirá também, numa segunda fase, disponibilizar esta informação através do site dos parques naturais”.

Quanto às alterações das condições de acesso, a titular da pasta do Ambiente adiantou que será implementada uma diferenciação dos preços pagos entre a mera visita e o uso dos tanques para banho.

O horário será diferenciado entre dois períodos, nomeadamente, de 1 de Abril a 31 de Outubro, das 09h00 às 21h00, e de 1 de Novembro a 31 de Março, das 09h30 às 17h30.

Marta Guerreiro realçou ainda o trabalho que tem sido desenvolvido pela Azorina no que diz respeito à educação ambiental através dos Centros Ambientais, que tem resultado num “aumento crescente de visitantes, que é assinalável”, ao mesmo tempo que se trata de uma “empresa sólida, com uma autonomia financeira acima dos 50% e com resultados operacionais positivos e, perfeitamente, alinhados com o objecto social da empresa”.

São Miguel acolhe a décima quarta Convenção Bestravel

lagoa sete cidadesA Bestravel, rede que conta já com 50 agências de viagens, anunciou ontem que vai realizar a sua 14ª Convenção na ilha de São Miguel, de 2 a 4 de Fevereiro.

Em São Miguel, a 14ª Convenção Bestravel vai ter lugar no Azor Hotel, unidade hoteleira de cinco estrelas em Ponta Delgada, que pertence ao Grupo DHM e é membro da Design Hotels – Boutique & Luxury Design Hotel Collection.

O programa não foi ainda anunciado, mas a Bestravel adianta que este será um momento em que se reunirá “toda a família Bestravel”, bem como todos aqueles que apoiaram a rede ao longo deste ano.

Como vem sendo habitual, a Convenção Bestravel irá aliar os momentos de convívio “entre colegas da rede e os nossos principais parceiros”, à análise e debate dos “principais temas que marcarão o próximo ano e os muitos e novos desafios que juntos enfrentaremos nos próximos meses”, indica a rede Bestravel em nota à nossa redacção.