Governo inicia hoje visita de trabalho a todos os concelhos de São Miguel

Vasco Cordeiro3O Governo dos Açores inicia hoje uma visita de trabalho de três dias a São Miguel, onde o Presidente do Executivo, Vasco Cordeiro, vai, entre outros pontos da agenda, inaugurar e visitar vários investimentos nas áreas económicas e sociais nesta ilha.

Esta iniciativa surge na sequência da decisão de Vasco Cordeiro de efectuar visitas de trabalho de todo o Governo às ilhas do Faial, Terceira e São Miguel, as primeiras duas realizadas recentemente.

Ao início da manhã de hoje, o Presidente do Governo visita o sistema de ultrassons instalado na Lagoa Verde das Sete Cidades, no âmbito do trabalho de combate à eutrofização, seguindo-se visitas ao terreno, na freguesia de São Vicente Ferreira, onde serão construídas habitações em regime de custos controlados, e às obras que estão a decorrer no porto comercial de Ponta Delgada.

Na tarde deste primeiro dia, Vasco Cordeiro preside à cerimónia de lançamento da primeira pedra do Centro de Actividades Ocupacionais da Associação Seara do Trigo, um investimento de mais de 1,2 milhões de euros, e recebe ainda, em audiência, a Associação de Municípios da Ilha de São Miguel - AMISM, terminando este primeiro dia com a reunião do Governo dos Açores com o Conselho de Ilha.

Amanhã, segundo dia desta visita de trabalho, o Presidente do Governo inaugura a obra de remodelação da Unidade de Saúde da Maia, no concelho da Ribeira Grande, e visita as obras que estão a decorrer na Grota da Cancela, concelho do Nordeste, um investimento significativo na ordem dos 2,3 milhões de euros, a que se segue a assinatura de protocolos no âmbito da mobilidade eléctrica com as Câmaras Municipais de Ponta Delgada, Ribeira Grande, Lagoa, Vila Franca do Campo, Povoação e do Nordeste.

Durante a tarde deste dia, já no concelho da Povoação, o Presidente do Governo preside à inauguração da obra de beneficiação do Caminho Rural da Queimada, que serve directamente mais de duas dezenas de agricultores, inaugurando depois a ampliação e remodelação da creche e jardim-de-infância da Fundação Maria Isabel do Carmo Medeiros.

Na manhã do último dia, Vasco Cordeiro preside, em Vila Franca do Campo, à sessão de abertura da conferência “Conhecer o Mar dos Açores”, no âmbito do Dia Nacional do Mar, visitando depois o Centro de Engorda e Acabamento de Bovinos da Cooperativa União Agrícola, na Lagoa.

O Presidente do Executivo açoriano preside ainda, durante a tarde de Sexta-feira, à cerimónia de autorização de apoios à habitação nos concelhos de Ponta Delgada, Lagoa, Ribeira Grande e Vila Franca do Campo e à inauguração do Centro de Alojamento Temporário e Apoio aos Sem-Abrigo, na cidade de Ponta Delgada, que representou um investimento de cerca de quatro milhões de euros.

O programa desta visita de trabalho inclui ainda reuniões dos Secretários Regionais com diversas entidades de São Miguel, visitas a empreendimentos e a investimentos nas diversas áreas da governação, além de dois momentos em que os membros do Executivo estarão disponíveis para receber os micaelenses que pretendam colocar-lhes directamente as suas questões, que terão lugar Quarta-feira, na Ribeira Grande, e Quinta-feira, na Povoação.

Governo acompanha avaliação das propostas para a instalação de porto espacial em Santa Maria

Lugar de Malbusca- Local previsto Mini Foguetões 2A Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia, através da EMA-Espaço, está a acompanhar os trabalhos de análise da documentação apresentada pelos 14 consórcios internacionais que submeteram propostas no âmbito do processo de consulta internacional para a instalação de um porto espacial na ilha de Santa Maria.

Os trabalhos, que arrancaram esta semana, estão a ser levados a cabo pelo painel de peritos da Comissão Internacional de Alto Nível para o Programa Internacional do Atlântico para o Lançamento de Satélites, coordenada por Jean Jacques Dordain, antigo Director-Geral da Agência Espacial Europeia (ESA).

Para o Secretário Regional da Ciência e Tecnologia, a inclusão de empresas nacionais nos consórcios apresentados “é muito significativa” e representa “uma enorme mais-valia, não só no âmbito da criação de valor, mas também no desenvolvimento e capacitação de recursos humanos”.

Gui Menezes referiu que o processo que agora se inicia é “o culminar da primeira fase do programa”, que terminou a 31 de Outubro, e através do qual foi solicitado às empresas que se manifestassem, “caso tivessem interesse em garantir a possível integração num projecto que, a ser aprovado, possa permitir o desenvolvimento e a operação de uma nova geração de serviços de lançamento de satélites para o Espaço, a partir dos Açores”.  

O Secretário Regional salientou que as manifestações de interesse apresentadas “integram não só soluções inovadoras, mas também outros produtos e serviços de engenharia de sistemas e software que podem, efectivamente, vir a completar grande parte da cadeia de processos associados ao acesso ao Espaço com microlançadores”.

No final dos trabalhos de avaliação, e caso se verifiquem as condições necessárias, a Comissão Internacional de Alto Nível para o Programa Internacional do Atlântico para o Lançamento de Satélites vai recomendar uma lista de candidatos a convidar para, eventualmente, participarem na segunda fase deste programa.

As políticas de direita do Governo dos Açores mostram a verdadeira face ideológica do PS, diz António Lima

antónio lima BE assembleiaNa XI Convenção Nacional do Bloco de Esquerda, António Lima – que foi reeleito como membro da Mesa Nacional, o órgão máximo do partido entre Convenções – alertou para a verdadeira matriz ideológica do PS, que nos Açores, onde governa há 22 anos, quase sempre com maioria absoluta, implementa medidas de direita, dando como exemplo os sectores dos Transportes, Educação e Saúde, em que os grandes interesses económicos privados são beneficiados, em detrimento dos serviços públicos.

Discursando na XI Convenção Nacional do BE, António Lima ressalvou que vem de uma Região “que há 22 anos é governada pelo Partido Socialista, a esmagadora maioria do tempo em maioria absoluta. E à medida da nossa economia e da nossa demografia, diariamente deparamo-nos com a verdadeira face ideológica do PS”. Para o bloquista, “as estatísticas não mentem: Os Açores são a região do País com maior desequilíbrio na distribuição da riqueza; onde para já 49% da empresa eléctrica é privada; onde o PS pretende privatizar 49% da SATA e o único Porto de águas profundas, na Praia da Vitória, pode ser fonte de rendimento e lucro e por isso mesmo está em curso a sua concessão para depauperar os açorianos e açorianas e encher os bolsos à Partex ou outro qualquer”.

António Lima considerou ainda que “numa região que tem os piores índices de abandono escolar do país o dinheiro público é usado para financiar colégios privados; quando faltam médicos de família e as listas de espera para cirurgia e especialidades são gigantes, oferece-se dinheiro público para construir um Hospital privado, disse adiantando que “é este o PS/Açores que é dado por António Costa como exemplo de governação para gáudio de Carlos César.

Conhecemos a verdadeira matriz do Partido socialista, por isso percebemos que o PS tudo fará para sair deste condicionamento à esquerda na república”.

PSD acusa Governo de “insultar” os açorianos no processo de privatização da SATA

SATA - Azores AirlinesA Secretária-geral do PSD/Açores afirmou que as “mentiras” do Governo Regional sobre o processo de privatização da SATA Internacional constituem um “insulto ao povo açoriano”, tendo acusado Vasco Cordeiro de ser “o responsável máximo por esta fraude política”.

“O processo de privatização da SATA Internacional é uma fraude política. O Governo Regional e o Partido Socialista mentiram aos açorianos. O Governo Regional e o Partido Socialista encenaram uma farsa sobre uma ‘inadvertida’ fuga de informação. O Governo Regional e o Partido Socialista voltaram a cometer um acto de gestão danosa na SATA. Isto é um insulto ao povo açoriano”, afirmou Sabrina Coutinho Furtado.

A dirigente social democrata falava à margem de uma reunião da Comissão Política Regional do Partido, convocada de urgência após ser tornado público que, afinal, a Loftleidir Icelandic não chegou a apresentar qualquer proposta formal para a compra de 49% do capital social da SATA Internacional.

“O Governo mentiu aos açorianos porque não há, nem nunca houve, nenhuma proposta concreta para a compra de 49 por cento do capital da SATA Internacional. O Governo andou mais de 100 dias a fingir que havia uma proposta concreta para a compra da SATA Internacional. Nunca houve proposta. Nunca houve negócio.”, disse.

Sabrina Coutinho Furtado salientou que o processo de privatização “deveria ter sido anulado imediatamente no mês de Julho, por falta de propostas concretas”, mas que o Governo “preferiu fazer uma encenação durante quatro meses”.

“No mês passado, a Secretária Regional dos Transportes chegou ao ponto de prestar falsas declarações à comissão parlamentar de inquérito – o que pode configurar crime – quando disse que havia uma proposta vinculativa. Mentiu. Isto é um insulto ao povo açoriano”, frisou.

Segundo a Secretária-geral do PSD/Açores, o Presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro, “é o responsável máximo pela fraude política que foi o processo de privatização da SATA Internacional”.

“Só há uma conclusão possível a tirar disto tudo: Nos Açores já não há Governo. Há apenas um bando de amigos que se encobrem uns aos outros”, afirmou.

A dirigente social democrata sublinhou que o Governo socialista “voltou a prejudicar a SATA”, tendo sido este caso “mais um dos actos de gestão danosa que a governação do PS cometeu na SATA”.

“É importante que os açorianos saibam que a administração da SATA entregou as quatro aeronaves Dash Q400 [que fazem as ligações inter-ilhas] a um banco em troca da obtenção de financiamento. É importante que os açorianos saibam que a SATA paga 12 milhões de euros de renda por ano pelo A330 ‘Cachalote’, que, segundo a administração, agora já não serve”, apontou.

Para Sabrina Coutinho Furtado, “tudo isto, citando o senhor Presidente do Governo, é que é um ‘caso de polícia’”.

A Secretária-Geral do PSD/Açores considerou que o Governo Regional e o Partido Socialista “encenaram uma farsa sobre uma suposta fuga de informação para desviar as atenções do que realmente importa: nunca houve uma proposta concreta para compra da SATA Internacional”.

“A senhora Presidente da Assembleia Legislativa abriu um inquérito à suposta fuga de informação antes desta acontecer. Os documentos só foram tornados públicos às 20h00 de Quinta-feira, no Telejornal da RTP/Açores. Mas às 17h44 do mesmo dia a senhora Presidente da Assembleia já estava a anunciar a abertura de um inquérito”, lembrou.

Segundo a dirigente social democrata, está-se perante “uma farsa da responsabilidade da Presidente da Assembleia, manipulada pelo Partido Socialista”.

Sabrina Coutinho Furtado acrescentou que a Comissão Política Regional dos social democratas “manifesta a sua absoluta confiança no Presidente da Comissão de Inquérito e nos deputados do PSD que a integram”.

 

PS diz que acusações são mal fundamentadas

 

Perante estas declarações, o PS já veio a público considerar que o comunicado  do PSD revela “dolo político puro, ou seja, são feitas acusações mal fundamentadas, são feitas críticas sem nenhum tipo de justificação, sabendo o PSD de informação que não disse saber e que contradiz muito daquilo que é dito no comunicado”, reagiu assim André Bradford.

O líder parlamentar e Vice-presidente do Partido Socialista dos Açores repudiou “profundamente” o tom e a linguagem utilizados pelo PSD no seu comunicado, afirmando que o PS não se revê nessa forma de fazer política: “o insulto fácil e a crítica gratuita não são propícios a um diálogo construtivo do ponto de vista democrático e se esta é a tão auto proclamada nova forma de fazer política, nós mantemo-nos na forma clássica”. Bradford explicou que  “o respeito e um registo de civilidade na forma como os adversários se tratam” são princípios básicos dos quais os socialistas não se irão demarcar.

Quanto ao assunto do comunicado emitido, André Bradford defendeu que não houve qualquer tipo de encenação e “o PSD sabe muito bem disso”, isto porque a “senhora Presidente da Assembleia, que é acusada de ser a responsável de uma suposta encenação desta fuga de informação, contactou os líderes dos grupos e representações parlamentares na Terça-feira da semana passada dizendo que se tinha apercebido que houvera uma documentação confidencial que dera entrada na Assembleia e que tinha tido, por parte dos serviços, um tratamento desadequado e que, por esse motivo decidira instaurar um inquérito interno”, explicou. O líder parlamentar afirmou ainda que “todos os partidos souberam disso na Terça-feira, portanto, o PSD também soube”. Posteriormente, continuou André Bradford, “depois do gabinete da senhora Presidente ter sido várias vezes contactado por órgãos de comunicação social no sentido de a questionar sobre esses documentos, a mesma voltou a contactar todos os líderes parlamentares a dar conta de que iria emitir um comunicado com nota pública daquilo que tinha decidido na Terça-feira e que os partidos já sabiam”, esclareceu.

Perante estes factos, o líder parlamentar da bancada socialista está seguro de que o PSD “sem dizer aquilo que sabe aos açorianos”, montou um “ataque pessoal” a Ana Luís acusando-a de ser responsável por uma encenação política.

“Mas há mais: é aceitável, do ponto de vista democrático e político, que o PSD não concorde e não se reveja com o desfecho que teve o processo de privatização da SATA, outra coisa diferente é querer, com esta bateria de criticas infundadas, esconder um outro problema que é o de que houve uma fuga de informação, houve a passagem de dentro de uma comissão parlamentar de inquérito, que é presidida pelo PSD, de um documento que era confidencial e que passou para a comunicação social”, afirmou André Bradford. Para o líder dos parlamentares socialistas, é “curioso” que o PSD não ache grave que tenha havido uma fuga de informação, mas que ache logo que essa fuga tenha sido promovida pela Presidente da Assembleia Legislativa dos Açores”.

“Há aqui um tom, uma linguagem e uma irresponsabilidade com os quais nós não podemos compactuar e se é essa a marca da nova maneira de fazer política que traz este novo PSD, pois preocupa-nos bastante que assim seja”, concluiu.

CDS quer conhecer gestão de recursos humanos do Serviço Regional de Saúde

artur limaO CDS Açores questionou o Governo Regional sobre a gestão de recursos humanos do Serviço Regional de Saúde. 

Considerando o Serviço Regional de Saúde “um conjunto articulado e coordenado de entidades prestadoras de cuidados de saúde”, para o líder do partido, Artur Lima, “o seu grande desafio é garantir a todos os cidadãos o acesso aos cuidados de saúde de forma equitativa, com garantias de qualidade e de sustentabilidade”. 

Segundo o Presidente do CDS Açores, “o maior activo do Serviço Regional de Saúde são os seus recursos humanos”, pelo que “a definição de políticas de gestão de recursos humanos que se traduzam numa efectiva resposta às necessidades dos açorianos é condição fundamental para a prossecução dos objectivos do Serviço Regional de Saúde”. 

Em consequência, o Grupo Parlamentar do CDS pretende saber o número de médicos previstos e o número de médicos existentes, por especialidade, no quadro de cada hospital, bem como o número de médicos de medicina geral e familiar por concelho. 

Além disso, o CDS quer aind conhecer as especialidades onde a Região tem idoneidade formativa e onde decorre a formação, a par do “número de enfermeiros por hospital, por centro de saúde e por tipologia de contrato, o quadro de técnicos de diagnóstico e terapêutica, por profissão, por hospital e por centro de saúde, o número de psicólogos, nutricionistas e assistentes sociais por hospital, por centro de saúde e por tipologia de contrato, bem como a constituição e provisão dos quadros de assistentes operacionais e assistentes técnicos por hospital, por centro de saúde e por tipologia de contrato”. 

Para o líder do CDS, “este é um primeiro passo para que se possa aferir da racionalidade da gestão dos recursos humanos na área da saúde regional, de forma a proceder-se à sua adequação e suprimir as carências identificadas”.