PS quer mais esclarecimentos sobre denúncias de derrapagens na RTP/Açores

rtp - microfoneO PS/Açores afirmou aguardar por mais esclarecimentos sobre as denúncias de derrapagens na RTP/Açores.

“As explicações que aqui hoje [ontem] foram dadas, não nos levam a tirar qualquer conclusão, não se sabendo se houve uma derrapagem, uma antecipação de custos, uma má previsão ou um mau planeamento, até porque a Sra. Directora da RTP/Açores não estava na posse dos dados referentes aos programas que teriam causado essa derrapagem”, afirmou  o socialista Pedro Moura. 

O deputado do Grupo Parlamentar do PS/Açores falava à saída da audição da directora do Centro Regional dos Açores da RTP, Lorina Amaral, que foi ouvida, com carácter de urgência, a pedido do PS/Açores na Comissão de Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho (CAPAT). “O Grupo Parlamentar do Partido Socialista segue atentamente a atividade da RTP e RDP/Açores e ficámos preocupados com notícias que foram divulgadas pela subcomissão de trabalhadores sobre uma eventual derrapagem e as consequências que iria ter”. Durante a audição, que ocorreu ontem na delegação da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores em Angra do Heroísmo, os deputados afirmaram que aguardam por mais respostas: “A situação terá de ser muito bem esclarecida, até porque o papel da televisão e da rádio nos Açores é fundamental e não se compadece com situações que podem transparecer alguma falta de planeamento”, afirmou Pedro Moura. O socialista referiu também a “necessidade do reforço da cobertura das ilhas onde não há delegações da RTP, necessidade que se mantém, embora a Sra. Directora da RTP/Açores esteja satisfeita com a situação”, referiu.

Livre apresenta movimento Primavera Europeia em plenário

livre partidoO partido Livre vai realizar amanhã, 21 de Julho, um plenário em Ponta Delgada, às 16h00, no Auditório da Junta de Freguesia de Santa Clara. 

No encontro será feita a apresentação do Movimento Primavera Europeia, que defende a democratização da União Europeia.

“Nos últimos meses, o Livre tem construído o movimento europeu Primavera Europeia, com partidos e movimentos de vários países com quem partilhamos a luta pela democratização da União Europeia”, conta o partido em comunicado. 

Nas próximas duas semanas,  o Livre irá organizar, em várias cidades do país, plenários sobre a Primavera Europeia, onde além de perguntas e respostas sobre este movimento, irá discutir “que Europa queremos”.

“Estamos a menos de um ano das eleições europeias. A Europa atravessa um período assustador, com o surgimento de movimentos extremistas que nos remetem para os tempos mais negros da nossa história recente. É sobretudo nestas alturas que é necessário agir e não perder a esperança, aliando-nos a democratas e progressistas por todo o continente. Acreditamos que a Europa é aquilo que fizermos dela”, sublinha o partido, no mesmo comunicado. 

O Livre frisa ainda a necessidade de “procurar aliados que tenham objectivos comuns e que partilhem a luta pela democratização da União Europeia”. 

 

PS/Ribeira Grande exige solução da autarquia para resolver contaminação da praia do Monte Verde

Praia do Monte VerdeO Partido Socialista da Ribeira Grande manifesta a sua preocupação sobre a falta de soluções para o grave problema de contaminação microbiológica da praia do Monte Verde, por parte do Executivo camarário do PSD, liderado por Alexandre Gaudêncio.

“Em causa está o ambiente e a saúde pública, sendo este um problema recorrente na Ribeira Grande e que deriva da contaminação fecal das linhas de água que desaguam no Monte Verde”, afirmou o recém-eleito Secretário Coordenador da Concelhia do PS da Ribeira Grande, Emanuel Furtado.

“O Partido Socialista da Ribeira Grande denuncia a falta de vontade e a desistência da Câmara Municipal em resolver este problema, alertando, ainda, que a Estação de Tratamento de Águas Residuais Compacta (ETAR) já devia estar instalada em 2014, mas passados quatro anos, nada foi feito”, acrescenta Emanuel Furtado.

O PS/Ribeira Grande realça, ainda, que Alexandre Gaudêncio, na campanha eleitoral de 2013, prometeu resolver este problema, mas, após cinco anos, não cumpriu a promessa feita e colocou na gaveta um projecto estrutural de melhoramento e modernização do saneamento na cidade feito pelo Partido Socialista, que asseguraria uma praia mais segura para os ribeiragrandenses e para os turistas que visitam o concelho.

“Desafiamos Alexandre Gaudêncio a recentrar as prioridades camarárias em resolver os problemas de saúde pública, em vez de dedicar a promover eventos, apostando no investimento estrutural que resolva este grave problema, que prejudica seriamente quem vive na Ribeira Grande e contribui, ainda, de forma bastante significativa, para uma imagem muito negativa do concelho para quem nos visita.

Não consideramos ser esta a forma de “virar a cidade para o mar”, muito menos de promover a Ribeira Grande como capital do surf, não esquecendo ainda o perigo que a situação actual comporta também para a zona balnear das Poças, muito próxima da praia do Monte Verde, que acolhe centenas de pessoas todos os dias”, acrescentou o Secretário Coordenador de Concelhia.

Exames nacionais vão ter horário próprio nos Açores

alunosO deputado do PSD/Açores na Assembleia da República, António Ventura, congratulou-se com a aprovação - ocorrida Quarta feira - do projecto social democrata que vai alterar a hora de realização dos exames nacionais nos Açores, criando um horário próprio para a Região.

Segundo o parlamentar, “era mais que justa a alteração da hora dos exames nacionais nos Açores, passando das 8h30 para as 9h30, de forma a que os alunos os realizem em boas condições de saúde, naquela que era uma reivindicação antiga, que finalmente vai ser uma realidade breve”, afirmou.

António Ventura recorda que, “para que um aluno açoriano esteja às 8h30 no exame, com a obrigação de se apresentar meia hora antes, ou seja, pelas 8 horas, em algumas ilhas teria que acordar pelas 5 horas da manhã para conseguir estar atempadamente na escola”, disse.

“A falta de regularidade de transportes públicos, e a sua inexistência tão cedo, dificulta a mobilidade dos alunos até à escola”, relembra o deputado.

“Esta alteração da hora dos exames nacionais assume, igualmente, uma condição de respeito do Estado pelos Açores e pela sua Autonomia, porque também reconhece a insularidade e a condição arquipelágica da Região. Uma condição que se eterniza na dispersão, distância e dimensão”, concluiu António Ventura.

PS diz-se “preocupado” com as contas da SATA

sataaa“As contas da SATA relativas ao ano de 2017 merecem toda a atenção do Partido Socialista dos Açores, são prejuízos elevados com os quais não podemos naturalmente estar felizes e que nos preocupam”, assim começa uma nota do Grupo Parlamentar do PS enviada aos jornais.

“Temos consciência que o ano foi muito atípico, por diversas razões, como por exemplo, as consequências de greves “por tempo indeterminado”, a saída da frota dos 310 e a subida do preço dos combustíveis”, prossegue a nota, acrescentando que “nesta contabilidade, também, não podemos ignorar os incidentes que ocorreram com diversas aeronaves e que, em determinado momento, implicaram a imobilização de 4 aeronaves, uma das quais fretada pela companhia Açoriana. Importa realçar ainda que a SATA concorre num mercado mais agressivo que, infelizmente, também se reproduz nos resultados alcançados”.

“É por percebermos a gravidade dos prejuízos que vemos com satisfação que o Governo dos Açores e a própria SATA tomaram um conjunto de medidas, no âmbito da sua competência, para resolver esta situação. Por um lado, conforme foi anunciado, haverá um aumento de capital da empresa e, por outro lado, está a decorrer um processo de alienação parcial da Azores Airlines, o que permitirá que a empresa seja dotada de novas capacidades operacionais e de competências necessárias para ultrapassar os enormes desafios que temos pela frente. A empresa também já tomou um conjunto de medidas no sentido de promover uma reestruturação interna onde se destaca, por exemplo, a entrada ao serviço da nova frota A321”, sublinha o PS.

“Os deputados do Partido Socialista dos Açores garantem, na medida das suas possibilidades, que vão acompanhar e contribuir para que a SATA ultrapasse estas dificuldades. No entanto, os deputados socialistas recusam desvalorizar a situação, entrando em ataques pessoalizados e partidários, ao Presidente do Partido, sem qualquer fundamento, e que em nada servem os Açores e os açorianos, muito menos a SATA”, conclui a nota socialista.

 

PSD do Faial exige mudança nos transportes aéreos

 

O PSD do Faial considerou ontem essencial uma mudança nas políticas de transporte aéreo nos Açores, de forma a garantir uma melhoria da acessibilidade àquela ilha.

Em comunicado, o PSD/Faial admite que este é um assunto pelo qual tem vindo a debater-se e que já há muito que consideravam que a “Administração da SATA era, em conjunto com a orientação política do Governo Regional, um sério obstáculo à melhoria das acessibilidades aéreas à ilha”.

A propósito da nomeação de António Teixeira para a Presidência do Conselho de Administração da SATA e da esperada recomposição daquele órgão, os sociais-democratas consideraram que, “além de mudar as pessoas, o Governo deve mudar as políticas de transporte aéreo, de forma a prestar um serviço que corresponda às necessidades do Faial, da sua população e da economia local”.

O Vice-presidente do PSD/Faial, Eduardo Pereira, lembrou que os deputados regionais do partido já tinham manifestado desagrado pela recondução do anterior Presidente da companhia aérea, Paulo Menezes, e que tanto os representantes do PSD no Conselho de Ilha do Faial como a oposição na Câmara da Horta contestaram as “opções da Administração da SATA e do Governo Regional, exigindo um melhor serviço da companhia aérea regional ao Faial e aos faialenses”.

Esta é uma questão que diz unir “toda a sociedade civil da ilha”, já que às reivindicações dos sociais democratas se juntaram às da Câmara do Comércio e Indústria da Horta, bem como a duas manifestações populares em frente à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores.

Eduardo Pereira ressalva que os trabalhadores da transportadora aérea, “apesar das dificuldades geradas por uma má gestão e políticas erradas, procuram minimizar os danos causados a passageiros e empresários, dando todos os dias o melhor de si. Esse é, certamente, um valioso capital para o futuro da companhia aérea regional”.