Bispo de Angra diz que a partir de Belém se põe em marcha uma nova sociedade

Bispo de AngraO Bispo de Angra pediu a todos os cristãos que “não tenham medo” e optem pela construção de um caminho de justiça, de amor e de paz, “fora dos jogos de poder que dominam o mundo”, durante a homília da Eucaristia de Natal, na noite de Natal, na Sé de Angra, refere um artigo publicado no Portal da Diocese.
“A partir de Belém põe-se em marcha uma nova sociedade não dominada pelo apego aos bens materiais, necessários, mas que não se podem tornar a única finalidade da vida humana. O Mistério do Natal é o outro reverso da medalha, na história da humanidade. O Deus, feito homem, segue o caminho do amor gratuito e solidário, fora dos jogos de poder que dominam o mundo”, disse o Prelado Diocesano.
D. António de Sousa Braga apelou, por isso, à simplicidade e à verdadeira solidariedade com espírito de sacrifício, tal como Jesus que nasceu, se fez homem e morreu na cruz por amor.
O “seu caminho é também o nosso”, referiu o Bispo lembrando que “no meio de toda esta crise, podemos e devemos esperar dias melhores, mas isso não acontecerá sem o nosso sacrifício, sem o nosso empenho e entrega, sem a sobriedade de vida, que torna possível a partilha e entreajuda, a justiça e a equidade”.
Para que esta “entrega” seja genuína tem de haver fé “pura e sem falsos apoios”, acrescenta D. António de Sousa Braga porque “só assim começa a aparecer o verdadeiro rosto do Deus da Bíblia: um Deus que interpela, que incomoda e que desafia. Que não responde, pergunta. Que não soluciona, põe em conflito. Que não facilita, dificulta. Não explica, complica. Não gera crianças, faz adultos.”
Para o Bispo de Angra este é “o verdadeiro Deus libertador”, que “nos arranca das nossas inseguranças, ignorâncias e injustiças, não fugindo delas, mas enfrentando-as e superando-as”.
É este o exemplo do caminho que qualquer cristão deve seguir, exorta o Bispo de Angra, sobretudo numa altura de grande “aflição” em, que a “grande crise nos domina”.“Que caminho procuramos e seguimos? Não há outro caminho para a realização da Promessa de Deus. Por isso, não tenhamos medo da grande crise, que estamos a atravessar. Temos é de a assumir e enfrentar, realizando as mudanças necessárias, para seguirmos o caminho, inaugurado em Belém pelo Filho de Deus, feito Homem”.
O Bispo de Angra lembrou, ainda, que as crises devem ser encaradas como “momentos oportunos de mudança”, o que faz deste momento particular da história da humanidade, “um momento de graça, conclui.

Três pessoas resgatadas do mar em naufrágio

marTrês tripulantes de duas embarcações foram resgatados do mar nos Açores no domingo, depois de um dos barcos ter dado o alerta de afundamento e de o segundo ter seguido em seu auxílio, informou ontem a Marinha.
De acordo com um comunicado divulgado à imprensa, a embarcação “In-Consciência”, registada em Angra do Heroísmo e com oito metros de comprimentos, começou a afundar-se a uma milha náutica a sul da linha entre o ilhéu das Cabras e o Monte Brasil, na ilha Terceira, com duas pessoas a bordo.
Segundo a agência Lusa, a “Severa”, que “seguia em seu auxílio, acabou também por ficar em dificuldade”.
O alerta foi dado pelas 07:00 locais (08:00 em Lisboa) e foi mobilizada uma lancha salva-vidas do Instituto de Socorros a Náufragos, mas uma terceira embarcação que navegava na zona, denominada “Abismo”, antecipou-se na recolha dos três tripulantes, portugueses e com idades entre os 30 e 40 anos.
Os três náufragos receberam tratamento hospitalar em Angra do Heroísmo por apresentarem indícios de hipotermia, mas já tiveram alta e estão “bem de saúde”.
A “Severa” foi entretanto rebocada e a “In-Consciência”, que se afundou, não constitui, segundo a Marinha, perigo para a navegação.
No momento do acidente, o vento soprava moderado de sudoeste e a ondulação, de noroeste, era de três metros, refere ainda o comunicado.

“Rabiscos da minha Ilha” para apoiar todos os que são portadores de deficiência visual

Rabiscos da minha ilhaÉ lançado no dia 20, pelas 19h00 no Hotel Marina Atlântico, em Ponta Delgada, o livro “Rabiscos da minha Ilha”, com desenhos da autoria de Paulo Brilhante e texto da jornalista Carmen Ventura. Esta iniciativa tem como objetivo “apoiar todos os indivíduos portadores de deficiência visual na busca de ganhos sociais ao nível da sua autonomia e acessibilidade aos recursos existentes” e todas as importâncias recolhidas com a sua venda reverterão a favor da ACAPO - Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal – Delegação dos Açores.
O livro será apresentado pelo deputado José Andrade, que tem vasta obra publicada sobre Ponta Delgada e o prefácio é da autoria do Arqtº António Eduardo Soares de Sousa. A obra inclui um CD Audio, dado os elevados custos para a produção de um livro com o texto escrito em braille. A opção passou pela realização de um CD com a voz de Bárbara Moniz a relatar as palavras escritas de Carmen Ventura, numa iniciativa que conta com o apoio da RTP-Açores, através do trabalho do técnico de som de Jorge Santos.
A iniciativa assume-se como “uma aposta forte na sensibilização da comunidade para as questões inerentes à igualdade de oportunidades para todos os cidadãos”. O registo dos desenhos apresentados no livro é feito em “diários gráficos” pelo autor “in situ”, pela cidade onde habita, pelos sítios por onde viaja, registando diretamente o que observa num determinado tempo e lugar, usando qualquer tipo de técnica e de forma despretensiosa. Pelo seu lado, Carmen Ventura fala dos desenhos que observa inseridos no livro. Carmen e Paulo deixam, agora, à imaginação de cada leitor o vaguear pelos “rabiscos”, pelas cores, pelas envolvências onde ambos se deixaram possuir pela ilha que amam – sabendo em simultâneo que estão a apoiar a causa dos invisuais.
Paulo Vicente Brilhante nasceu em Agosto de 1972, na cidade de Nampula, Moçambique e vive em Ponta Delgada. Em Janeiro de 2013 apresentou  nos Paços do Concelho da Câmara Municipal de Ponta Delgada a sua primeira exposição, intitulada “Ponta Delgada – Sob um olhar urbano”. Em Julho de 2013 expôs “Esboçando Lagoa...um rabisco de cada vez” no Centro Social e Paroquial de Santa Cruz. Em Outubro de 2013 expôs no Museu Vivo do Franciscanismo, a propósito do “Dia Nacional dos Bens Culturais da Igreja”
Carmen Ventura nasceu em 1965 e iniciou-se no Jornalismo no “Correio dos Açores”. Mais tarde ingressou na RTP- Açores (Antena 1 Açores) onde é jornalista. Foi diretora do Semanário “Jornal das Ilhas”. É licenciada em Serviço Social pela Universidade dos Açores. Tem vários trabalhos publicados em revistas e lançou recentemente, numa iniciativa da Câmara de Ponta Delgada, o guia “Alma Bretã”, sobre a freguesia da Ajuda da Bretanha, em São Miguel.

Governo alarga Programa de Apoio à Revitalização das Lojas dos Centros Urbanos

Pessoas na rua - PDLO Governo Regional decidiu introduzir algumas alterações ao Programa de Apoio à Revitalização das Lojas dos Centros Urbanos - LOJA+, de forma a torná-lo “mais abrangente e operacional”.
De acordo com nota de imprensa emitida pelo Gabinete de Apoio à Comunicação Social (GaCS), as alterações, publicadas ontem em Jornal Oficial, “ampliam as tipologias de espaços comerciais e actividades consideradas elegíveis e clarificam o processo de candidatura e respectivo formulário”.
O programa LOJA+ foi criado pelo Governo Regional com o objectivo de “imprimir uma nova dinâmica aos centros urbanos, revitalizar o tecido empresarial e recuperar o património edificado, apoiando a instalação de novos estabelecimentos comerciais nos centros urbanos e requalificando os espaços devolutos do comércio tradicional”.
São abrangidos por este programa os estabelecimentos comerciais localizados nos centros urbanos da Região que se encontrem devolutos e onde serão desenvolvidas actividades nos sectores de comércio e serviços, incidindo os apoios no arrendamento do estabelecimento comercial e/ou na requalificação do espaço comercial.
As candidaturas poderão ser apresentadas na SDEA–Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores, nos Serviços de Ilha da ice-Presidência do Governo ou, ainda, via Internet, no sítio www.investinazores.com, onde está disponível o modelo de formulário.

Detida mulher por violência doméstica

PSP3A Polícia de Segurança Pública (PSP) deteve este domingo, através da Esquadra de Trânsito da Divisão de Ponta Delgada, uma mulher, pelo crime de violência doméstica.
Segundo o relatório de actividade policial, relativo ao fim-se-semana de 13 a 15 de Dezembro, foi ainda detido um homem, de 36 anos de idade, por condução de veículo automóvel, sem habilitação legal. O mesmo aconteceu com um homem de 24 anos, que conduzia um ciclomotor também sem carta.
De acordo com a mesma fonte, a PSP deteve um homem, de 29 anos de idade, pelo furto de gasóleo, em instalações industriais.
Foi igualmente detida uma mulher, de 29 anos de idade, por conduzir sob a influência de álcool, com uma TAS de 1.26 g/l, e um homem, de 38 anos de idade, pelo mesmo motivo, apresentando uma TAS de 2.09 g/l.
Em Ponta Delgada, a polícia deteve, por violência doméstica, um homem de 45 anos de idade, após ter agredido uma mulher, com a qual mantém uma relação análoga à de cônjuge.
Já no âmbito de actuação da Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial, no domingo foi detido um homem, de 38 anos de idade, por posse de arma proibida.
Em Rabo de Peixem a PSP deteve, por violência doméstica, um homem de 26 anos de idade, após ter agredido a cônjuge no interior da residência.
Na Ribeira Grande, foram detidos três homens, pela condução de veículo automóvel, sob a influência de álcool. Os condutores apresentavam TAS de 1.21, 1.97 e 1.31 g/l.
Pelo mesmo motivo, a PSP prendeu um homem, de 32 anos de idade, na Maia, que conduzia com uma TAS de 1.38 g/l.
Quanto à sinistralidade rodoviária, a PSP registou a ocorrência de 26 acidentes de viação nos Açores, de 13 a 15 de Dezembro, dos quais resultaram dois feridos ligeiros e danos materiais.