Governo fez a “maior reforma viária da história da Autonomia” diz José Contente

jose-contente-alraO Governo Regional levou a cabo, na última década, a maior reforma viária da história da Autonomia, sublinhou ontem o Secretário Regional da Ciência, Tecnologia e Equipamentos.
José Contente referiu que o Governo se “orgulha deste feito, mas sobretudo o que ele representa, que é a garantia das melhores acessibilidades terrestres, mais segurança, e desenvolvimento, os açorianos podem deslocar-se com mais facilidade dentro de cada ilha”.
O governante, que falava após a visita às obras da empreitada de beneficiação de 17 quilómetros de estradas regionais, relembrou que, ao nível da reforma viária, a ilha das Flores “representa um caso especial, porque começamos do zero e agora temos uma boa rede viária”.
José Contente afirmou que no início da governação de Carlos César “a ilha das Flores nem tinha um metro de asfalto betuminoso”. Actualmente a rede viária da ilha está praticamente reabilitada na totalidade, fica apenas a faltar a beneficiação de um troço de nove quilómetros, que ainda está em boas condições, entre os Ferros Velhos e Ponta Delgada. Este será, portanto, o próximo troço a ser intervencionado para que a totalidade das estradas da ilha fiquem em boas condições, respeitando todos os critérios de segurança, conforto e modernidade.
O Governo Regional está a concluir a empreitada de reabilitação de 17 quilómetros, um investimento superior a quatro milhões de euros e que representa, “não só a grande reforma viária feita nesta Região, mas sobretudo na ilha das Flores”, acrescentou o Secretário Regional.
José Contente frisou que foi feito um grande esforço de investimento porque “houve uma vontade política inequívoca de resolver um problema da rede viária das Flores, que era a pior dos Açores”, que hoje em dia está reabilitada, modernizada, com qualidade, e garante a segurança rodoviária, “a par do que acontece nas outras ilhas.”

Governo “já melhorou as condições de mais de 80 famílias nas Flores e Corvo”– Ana Paula Marques

ana-paula-marquesO Governo Regional “já melhorou as condições habitacionais de mais de 80 famílias, nas ilhas das Flores e Corvo, um investimento superior a dois milhões de euros”, informa nota de imprensa veiculada pelo Gabinete de Apoio à Comunicação Social (GaCS).
Os apoios foram atribuídos através dos programas de aquisição e construção de habitação, reabilitação e requalificação de habitações degradadas, tendo sido ainda apoiadas rendas habitacionais.
A informação foi avançada ontem pela Secretária Regional do Trabalho e Solidariedade Social, Ana Paula Marques, após uma vista às obras de reabilitação e requalificação das habitações na freguesia da Fajãzinha, no concelho das Lajes, nas Flores.
Das 12 habitações a reabilitar, nove já se encontram concluídas, estando as restantes três em fase de requalificação.
Segundo a governante, as obras de reabilitação, que estão a ser geridas pela Cáritas da ilha das Flores, têm decorrido a “bom ritmo e a maioria das famílias afectadas já retomou a normalidade das suas vidas.”
Paralelamente,  também na Fajãzinha, o Governo já adquiriu uma das duas habitações situadas em zona de risco, estando em fase de conclusão a aquisição da restante.

Feteiras já têm centro de dia para idosos

 idosos-feteirasOs idosos das Feteiras têm desde domingo um espaço próprio para conviverem e ocuparem os seus tempos livres. O Centro de Dia de Idosos foi domingo, numa cerimónia presidida por Berta Cabral e que contou com a presença de dezenas de idosos da freguesia.
Na altura, a Presidente da Câmara de Ponta Delgada destacou a importância da ocupação e do convívio entre os idosos para combater a solidão, sublinhando que a abertura do centro de dia das Feteiras acontece precisamente no Ano Europeu do Envelhecimento Activo “e isso é que o pretendemos para os nossos idosos, que sejam activos, que ocupem o seu tempo”.
O Centro de Dia das Feteiras é o décimo que a Câmara de Ponta Delgada apoia e acompanha de forma mais permanente. Santa Clara, Matriz, Pilar, Ajuda, Remédios, Santa Bárbara, São Vicente, Arrifes e Covoada são os restantes.
Depois de algumas obras levadas a cabo pela autarquia, o espaço que alberga o Centro de Dia, cedido pela Associação Recreativa e Cultural das Feteiras, vai servir agora para que os idosos das Feteiras possam conviver entre si, promovendo e participando em actividades que visam estimular o contacto social e até mesmo combater a solidão, como referiu Berta Cabral, para quem o convívio entre as pessoas, sobretudo os idosos, é extremamente importante.
“Em alturas difíceis como a que vivemos, em que os recursos financeiros  são insuficientes, temos que dar uma maior atenção a quem mais precisa, nomeadamente aos nossos idosos, para que possam ter uma mais vida feliz e, sobretudo, mais activa. Os Centros de Dia que a Câmara de Ponta Delgada apoia e acompanha permanentemente têm essa função” - acentuou.
Berta Cabral fez questão de referir que a dinamização dos centros de dia para idosos só é possível graças aos presidentes de Junta, aos serviços da Divisão de Acção Social da autarquia e às associações que se predispõem a trabalhar voluntariamente.
“Só com a parceira, a entreajuda e a optimização de recursos conseguimos fazer o que temos feito em prol das crianças, dos jovens, das famílias e dos idosos. Com o nosso trabalho tentamos criar uma sociedade mais justa e mais adequada aos tempos que correm, em que os valores humanos têm de se sobrepor aos bens materiais” - disse.

SATA rejeita acusações feitas pelo CDS-PP sobre custo das passagens aéreas

 sata-dashA transportadora aérea SATA rejeitou as acusações do líder regional do CDS-PP sobre o custo das passagens nas ligações dos Açores com o exterior, frisando que já disponibiliza tarifas promocionais para residentes isentas da taxa de combustível.
“A SATA recorda que já tem tarifas promocionais para os residentes nos Açores isentas da taxa de combustível, nomeadamente as tarifas de 88,5 euros, 99,5 euros e 145 euros”, refere a transportadora aérea num comunicado enviado à Lusa.
O documento surge depois de Artur Lima, presidente do CDS-PP nos Açores, ter acusado a SATA de não querer realizar voos de baixo custo entre o arquipélago e o continente, defendendo que o poderia fazer se fosse abolida a taxa de combustível nas tarifas de residente e aumentado o número de lugares disponíveis em tarifas promocionais.
Ainda relativamente à taxa de combustível, a SATA recorda que “decidiu não aplicar” o último aumento preconizado pelo Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC)
Neste comunicado, a SATA rejeita também os valores apontados por Artur Lima como sendo os que foram disponibilizados pela transportadora aérea para as ligações Porto/Copenhaga e Porto/Munique, frisando que, além de estarem errados, eram “tarifas promocionais com uma data de validade muito curta” e visavam promover o lançamento das duas rotas.
Assim, segundo a SATA, o valor da viagem Porto/Copenhaga/Porto era de 103,22 euros e o da viagem Porto/Munique/Porto era de 125,56 euros e não, como referiu Artur Lima, de 12 euros e de 35 euros, apontando apenas a viagem num sentido e sem taxa de combustível.
A SATA contestou ainda a acusação de que não está a fomentar a coesão social e territorial entre as ilhas dos Açores e entre o arquipélago e o exterior, frisando que este ano vai disponibilizar “a maior conetividade de sempre entre os Açores e o mundo”.

Empreendimentos da TRADICAMPO recebem o galardão GREEN KEY

 Os empreendimentos de Turismo em Espaço Rural da TRADICAMPO, Casa da Fonte, Casa da Talha e Casas do Pátio, localizados no Nordeste, em S. Miguel, acabam de ser distinguidos com o galardão internacional GREEN KEY em reconhecimento pelas suas boas práticas ambientais.
THE GREEN KEY é um programa internacional de Educação para o Desenvolvimento Sustentável que, promove a implementação de novas formas de encarar a gestão e a utilização de estabelecimentos turísticos, desenvolve o conceito de turismo sustentável, procurando contribuir para uma nova consciência individual e colectiva.
Desde o seu início a TRADICAMPO incorporou no desenvolvimento do seu projecto, de forma consistente, os requisitos inerentes a uma actividade turística responsável e sustentável, estendendo esse conceito ao seu funcionamento diário.
A atribuição do galardão GREEN KEY é, assim, encarada como uma responsabilidade acrescida e como um estímulo ao aperfeiçoamento do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido.