Curso de Iniciação à Fotografia Digital para Jovens, com José Franco em Ponta Delgada

 fotografiaCom o avançar do Verão, os jovens começam a ficar cansados de estar de férias, com saudades dos colegas e com vontade de se ocuparem. Nada melhor para acabar o verão, mesmo antes de começar as aulas, do que fazer uma formação lúdica em fotografia.
A AFAA – Associação de Fotógrafos Amadores dos Açores, que tem como objectivo principal elevar o nível fotográfico no Arquipélago, irá, uma vez mais, promover um Curso de Iniciação à Fotografia Digital, com o Fotógrafo José Franco, em Ponta Delgada, para jovens de todas as idades.
O curso terá uma carga horária de 63 horas, em horário laboral, e decorrerá na Casa da Vida Associativa, na Cidade de Ponta Delgada entre 3 e 14 de Setembro, das 9.00 às 12:00 e das 14:30 às 17:30 horas.
No que se refere a custos da formação:
· Sócios da AFAA com quotas em dia – 40 €
· Não sócios da AFAA – 50 €
O controlo da imagem é, no século XXI, transversal a toda a sociedade e poderá ser uma mais-valia no curriculum do seu filho. Inscreva-o!
A AFAA lança o apelo “Jovem, se o teu avô gosta de fotografia, trá-lo contigo. Todos são bem-vindos.”
O programa e o horário do curso podem ser consultados aqui:
http://dl.dropbox.com/u/17516723/Hor%C3%A1rio%20e%20programa%20-%20Campo%20de%20F%C3%A9rias.pdf

Festival da Povoação 2012 já arrancou e traz consigo muita música, animação e juventude

POVOAAOO Festival da Povoação 2012 arrancou ontem na Vila da Povoação e decorre até amanhã.
Este Festival de Verão é um evento organizado pela Associação de Juventude do Concelho da Povoação, pelo que durante toda esta semana a Vila da Povoação será palco de inúmeras actividades culturais e desportivas para todas as idades e para todos os gostos.
Podem sempre seguir as novidades deste Festival através do Facebook (https://www.facebook.com/festival.povoacao) ou para quem tiver MEO através no canal MEO Canal nº 106538.
O Festival da Povoação enquanto festival, só foi possível com a ajuda de muitos parceiros. Este ano a proposta da organização irá manter os mesmos padrões, aumentando o número de actuações. Este ano estão previstas 15 actuações durante os 3 dias de Festival. Sendo, 9 actuações de produção Regional ou Local, 3 artistas de nome nacional e uma banda vinda do Canada.
Klepht, Dj Poppy, Diego Miranda, Starlight, Tributo aos Pearl Jam, Crossfaith, Oceanus, 4 play, Vencedor do Concurso Rock Play, Graça Prata, a e os Dj´s Luis Pessoa,  Daz, Davelook e James B compõem o cartaz do Festival da Povoação, edição de 2012.
O preço dos bilhetes variam: 4,50€/dia ou em alternativa 6,50€ o bilhete geral para os dois dias. Além do panorama cultural, haverá muitas actividades desportivas e de lazer a decorrerdurante o dia, com o apoio da Associação Cultural e Desportiva de Nossa Senhora dos Remédios.

Ponta Delgada acolhe amanhã primeira Marcha de Orgulho LGBTS

portas da cidadeA cidade de Ponta Delgada vai acolher amanhã a Marcha de Orgulho LGBTS. Às 17h decorrerá a congregação e preparação nas Portas da Cidade de Ponta Delgada. A manifestação inicia-se às 18h entre as Portas da Cidade até às Portas do Mar. Pelas 19h decorrerá uma apresentação cultural no palco Tentorium das Portas do Mar com a realização da “FESTA PRIDE” com a participação de Alexandra Boga (cantora/viola da terra), André Moniz (dançarino), Catarina Fernandes (performer), DF (cantor), Nuno Martins (cantor), Suelly Pluma (transformista), The Boys Gone Wild (dance performance) e personagens de Vitor Oliveira (Make-Up Artist). À meia-noite decorrerá uma “After Party “no H2O De acordo com a organização a Associação LGBT Pride Azores apresenta os padrinhos e madrinha da primeira Marcha de Orgulho LGBTS a acontecer dia 1 de setembro na cidade de Ponta Delgada nos Açores Neste primeiro ano, com grande orgulho que a associação apresenta 3 pessoas em distinção. A madrinha regional é a Judite Canha Fernandes da CIPA. O padrinho nacional é o grande activista Antonio Serzedelo da OPUS Gay. E, como padrinho internacional o luso-descendente Chris Frederick que vem da Pride de Nova Iorque. “Convidamos todos os açorianos indivíduos e associações, assim como os turistas que estão nas nossas ilhas, para se juntarem no sábado dia 1 de setembro na primeira Marcha de Orgulho LGBTS. Não necessita de ser lésbica, gay, bissexual ou transgénero para participar; o S na sigla LGBTS significa simpatizante, e apenas com simpatizantes podemos mostrar que a nossa sociedade está a mudar não só nas leis mas também nas mentalidades para com a igualdade para todos,” adiciona o presidente da Pride Azores, Terry Costa. A Marcha de Orgulho LGBTS faz parte do festival cultural e educativo, Festival Pride Azores, que decorre até 2 de Setembro na ilha de S. Miguel. Pride Azores Recorde-se que a Associação LGBT Pride Azores foi fundada em Dezembro 2011 e recebeu Prémio PROJECTO INOVADOR 2011 da desanove.pt A Associação tem por finalidade o apoio e integração social da população lésbica, gay, bissexual e transgénero (LGBT) e das suas famílias na Região Autónoma dos Açores, através de programas educativos, sociais e culturais. O lema da Associação é educar, libertar e celebrar. Para a realização dos seus objectivos, a Associação desenvolverá as seguintes actividades: a) Realizar projectos que combatam a homofobia, bifobia e a transfobia, assim como, a ignorância e os preconceitos acerca da diversidade sexual; b) Acolher grupos de interesse temáticos ou locais e promover a criação de comunidade; c) Produzir materiais informativos e de apoio, bem como outras publicações e apoiar a realização de estudos no âmbito dos objectivos da Associação; d) Disponibilizar serviços de apoio e aconselhamento à população LGBT, como grupos de auto-ajuda e informação; e) Realizar encontros e conferências de assuntos LGBT em diversas localidades do arquipélago; f) Fazer trabalho de promoção e protecção da saúde das pessoas LGBT; g) Dar apoio e informação a famílias com pessoas LGBT, nomeadamente através da promoção de actividades lúdicas, educativas e sociais adequadas; h) Colaborar com organizações e redes regionais, nacionais e internacionais cuja intervenção se relacione com os objectivos desta Associação; i) Divulgar e responder aos meios de comunicação social sobre assuntos LGBT; j) Produzir anualmente a Marcha de Orgulho LGBTS e Arraial numa localidade dos Açores. LGBTS = lésbica, gay, bissexual, transgénero e simpatizante.

*Com texto de apoio

Casa do Povo da Ribeira Grande promove eventos de abertura das Festas da Matriz

 ribeira grandeO Grupo Folclórico da Casa do Povo da Ribeira Grande irá abrir as Festas do Sagrado Coração de Jesus, hoje, com uma exibição no Largo da Cascata pelas 20h30, seguindo-se também a exibição do Grupo Folclórico Ilha Verde que se prontificou a participar no evento. Para além das exibições dos grupos, as pessoas poderão ainda assistir à actuação musical do grupo “Nova Dupla”, pelas 22h30. Em tempos de dificuldades económicas, a cooperação entre Instituições é sempre uma forma de minimizar os encargos com estas festividades religiosas, manifestações culturais imprescindíveis à vivência humana, uma vez que são elo de união e de identificação entre quem partilha das mesmas convicções religiosas. Esta foi a filosofia que levou a Casa do Povo da Ribeira Grande a apoiar as festividades, de modo a abrilhantá-las com os meios de que dispunha e dentro das suas possibilidades. O Gesto vem dar Corpo à máxima que rege a Direcção, a de que juntos se consegue fazer sempre mais e melhor!

Faleceu a poetisa micaelense Adriana Bessone

 

Na madrugada de ontem faleceu, na Figueira da Foz, onde há vários anos residia, a professora e poetisa Adriana Bessone Pereira, viúva do Dr. José Maria Couto, também nosso conterrâneo.
Nasceu em Ponta Delgada em 31 de Janeiro de 1932, cursando o nosso Liceu e a Escola do Magistério Primário de Ponta Delgada.
Leccionou durante cinco anos em escolas deste distrito; e, para acompanhar seu marido rumou a Coimbra, fixando-se anos mais tarde na Figueira da Foz, onde cresceu a sua família, hoje constituída por filhos e netos.
Profissionalizou-se, depois no Ensino Técnico, como professora adjunta do 8º grupo; e obteve também o curso de Ciências Pedagógicas, na Universidade de Coimbra.
Sempre ávida de saber, estudou francês na Universidade de Besançon; e passou a leccionar, com reconhecida competência, as disciplinas de Português / Francês em Ponta Delgada, em Tomar e, finalmente, na Figueira da Foz.
Esteve também ligada às Acções de Formação de Professores, com vista ao estágio dos docentes e ainda tomou parte na equipa que leccionou uma experiência pedagógica, dos 3º e 4º anos, experimentais.
Esteve praticamente na docência durante 37 anos, numa carreira que pelo seu saber, experiência e relacionamento com alunos e colegas lhe granjearam sempre os maiores elogios e amizades.
Quando aluna do nosso Liceu, cultivou a poesia, sobretudo mo soneto, sendo assídua colaboradora do jornal académico «Arco Íris», o que a tornou, desde muito nova, conhecida e respeitada por professores e colegas, na antevisão de que seria uma personalidade que viria a distinguir-se no campo das letras, qualidades que manteve e se afirmou pela vida fora através da colaboração que continuou a dar a jornais e revistas quer literárias, quer pedagógicas.
Cultivou ainda o teatro, intervindo em muitos dos espectáculos que a academia Musical promovia no Ginásio do Liceu, destacando-se a sua actuação no que assinalou o centenário daquele estabelecimento de ensino.
Visitava, sobretudo no verão esta sua terra, onde gostava de rever os amigos, pois era uma pessoa de conversação interessante e, por vezes até jocosa, qualidade que muitos anos antes já transmitira nas muitas gazetilhas que publicou no jornal « Açores», em despique com o conhecido ALÁ (António de Lima Araújo), então seu vizinho na Rua Coronel Chaves.
Recebeu vários prémios literários pela sua participação em eventos realizados, quer nos Açores, quer no continente.
Em Setembro de 2006 recebeu, dos seus conterrâneos e amigos, a consagração a que muito merecia pelo percurso poético e literário que desenvolvera durante anos, ao apresentar no Centro de Cultura Municipal o livro «POEMAS DE ÁGUA», numa edição do Instituto Cultural de Ponta Delgada.
A apresentadora foi um outro grande valor das letras açorianas, também recentemente desaparecido – Ana Maria Moniz da Ponte Neto de Viveiros, que, como lhe era tão habitual, numa brilhante prosa poética, traçou o perfil da autora, bem como as correntes poéticas que tinha seguido ao longo de todo o seu percurso literário, pois o livro retratava a personalidade de Adriana Bessone ao longo da sua vida « quando o tempo tinha sabor dourado e verde, sem rasto de sombra no horizonte»; ou apontava «a sua dor e a sua saudade numa fase muito triste da sua vida, quando perdeu o marido» ou ainda « na reflexão de vários estados de alma , alegres ou tristes, conforme o segredo das musas».
Adriana Bessone era descendente duma Família que muito se distinguiu no campo da investigação histórica, da escultura e da música.
 Com a sua morte, aos 80 anos, deixa um vazio nas letras açorianas, pois apesar de bastante doente, aparentava sempre um espírito jovial, pronta para novas tarefas no campo da poesia e da literatura de investigação.
O seu funeral realiza-se hoje, ao princípio da tarde para o cemitério da Figueira da Foz, a terra que adoptou como sua e onde também repousa seu marido.