Bolieiro defende que poder local deve estar sempre associado às comemorações do dia da Liberdade

Bolieiro - Arco 8José Manuel Bolieiro defendeu ontem que o Poder Local  tem de estar sempre associado às comemorações do Dia da Liberdade (25 de abril de 1974), como sempre fez a Câmara Municipal de Ponta Delgada porque esta é uma data que nunca pode passar despercebida, nem nunca deverá ser esquecida.
De acordo com uma nota da autarquia, o presidente do Município de Ponta Delgada falava na conferência de Imprensa de apresentação do programa das comemorações do 25 de Abril, que decorreu na Galeria Arco 8, promovida pela Comissão respectiva.
A iniciativa, segundo José Manuel Bolieiro, serve para lembrar uma data que “nunca poderá  passar despercebida”, porque assinala a liberdade em Portugal, mas também a Autonomia dos Açores e o verdadeiro exercício da cidadania.
“Como democrata que sou nunca poderia deixar de me associar ao grande dia da celebração da Liberdade, da Autonomia e da cidadania. A Câmara de Ponta Delgada, como sempre o fez, apoia uma vez mais as comemorações do 25 de abril na cidade, precisamente para que esta data nunca passe despercebida, nunca seja esquecida”, sustentou.
Pela primeira vez, as comemorações do 25 de Abril em Ponta Delgada não se realizam no seu já tradicional palco – as Portas da Cidade – porque coincidem com o SATA Rallye Açores.
No entanto, para o Presidente da Câmara, “não é o local onde se comemora, mas sim o simbolismo desta data que importa acima de tudo manter, seja nas Portas da Cidade, seja na Galeria Arco 8 (local onde este ano se comemora o 25 de Abril em Ponta Delgada)”.
Contrariamente, ao que tem acontecido todos os anos, as comemorações do 25 de Abril acontecem, em 2013, na véspera do feriado (24 de abril) a partir das 22 horas, com  o Café Concerto “Origens” (contra-baixo e viola da terra), ao que se segue a actuação do actor Nelsion Cabral com “Europa ou a maioria de nós”.

PSP deteve 24 pessoas em São Miguel no último fim-de-semana

PSP3Foram detidas, neste fim-de-semana, 23 pessoas, três mulheres e 21 homens, na ilha de São Miguel, segundo anunciou o Comando Regional dos Açores da Polícia de Segurança pública (PSP), o relatório de actividade policial.
Na última sexta-feira, em Ponta Delgada foi detido, um homem, de 35 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com uma TAS de 2.02 g/l, e ainda outro indivíduo, de 27 anos de idade, por conduzir sem habilitação legal.
Já no sábado, ainda em Ponta Delgada, foram detidos, dois homens, de 26 e 30 anos de idade, por condução de um ciclomotor e um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com as TAS de 1.93 e 1.31 g/l, respectivamente. A PSP prendeu mais dois indivíduos, de 25 e 26 anos de idade, por condução de veículo automóvel, sem habilitação legal.
No passado domingo, a força policial deteve seis homens, de 22, 26, 35, 37, 39 e 43 anos de idade, por condução de um ciclomotor e um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com as TAS de 1.28, 1.63, 1.26, 1.28, 1.90 e 1.67 g/l, respectivamente. Foi também detido por desobediência, um homem, de 34 anos, após ter sido interceptado a conduzir um veículo automóvel apreendido.
No mesmo dia, a esquadra de Ponta Delgada deteve também uma mulher, de 21 anos de idade, por resistência e coacção sob Agente de Autoridade, no exercício das suas funções. o mesmo dia, foi detido, um homem, de 33 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com uma TAS de 1.54 g/l.
Nas Furnas, na passada sexta-feira, foram realizadas duas operações de fiscalização rodoviária, nas quais foram fiscalizados 47 veículos, detidos três homens, nomeadamente por condução ilegal, condução sob a influência de álcool, com uma TAS de 1.21 g/l e por co-autoria, ou seja, consentindo que o primeiro detido conduzisse sem estar habilitado para o efeito.
Foi também detido, um homem, de 28 anos de idade, por condução de veículo automóvel, sem habilitação legal.
Nas Capelas, foi detido, um homem, de 41 anos de idade, por condução perigosa de um veículo automóvel. A PSP prendeu ainda duas mulheres. Uma de 39 anos de idade, por tentativa de agressão a um Agente de Autoridade no exercício das suas funções, com o auxilio de X-acto e outra, de 28 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com uma TAS de 1.58 g/l.
Em Vila Franca do Campo, foi detido por desobediência, um homem, maior de idade, após ter sido interceptado a conduzir um veículo automóvel apreendido.
As autoridades, no âmbito de actuação da Esquadra de Rabo de Peixe, prendeu um homem, maior de idade, por injúrias a Agente de Autoridade no exercício das suas funções.
Já na freguesia da Maia, foi detido, um homem, de 33 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com uma TAS de 1.74 g/l.
Na Ribeira Grande, foram detidos, dois homens, de 22 e 26 anos de idade, por furto em interior de supermercado, de artigos no valor de 300 euros.
Relativamente à Divisão Policial da Horta, a Esquadra de Santa Cruz das Flores, no âmbito da detecção e repressão do consumo e tráfico de produtos estupefacientes, deteve um homem, de 39 anos de idade, por posse de 70 doses de Haxixe.
O mesmo relatório policial apontou a ocorrência de 18 acidentes de viação, dos quais resultaram um morto, um ferido grave, 11 feridos ligeiros e danos materiais.

8500 doses de droga apreendidas na quinta-feira

apreensão drogaA Divisão Policial de Ponta Delgada, através da Esquadra de Investigação Criminal, na sequência da assumida estratégia de combate ao tráfico de droga em Ponta Delgada, no dia 18 de Abril de 2013, em Ponta Delgada, procedeu à detenção de dois homens e duas mulheres, por suspeitas de tráfico de droga, tendo sido apreendidas aproximadamente 8500 doses de Haxixe.
Segundo um comunicado da força policial, os detidos constituíam uma aparente rede de tráfico de droga, sendo liderados por um empresário.
Esta rede, que se suspeita é responsável pela distribuição de placas de haxixe a pequenos traficantes por toda a ilha que, por sua vez, as vendiam aos vários consumidores de S. Miguel.
Os detidos foram ontem presentes no Tribunal Judicial de Ponta Delgada para primeiro interrogatório judicial e aplicação das respectivas medidas de coacção.

ASISM promove encontro para debater ensino dos surdos na região

asismA Comissão de Pais e Encarregados de Educação da ASISM (Associação de Surdos da Ilha de São Miguel) organizou sábado um encontro,  às 17h00, na sede daquela Associação.
Inserido nas comemorações do Dia Nacional da Educação do Surdo, que se comemora na terça-feira, participarão neste encontro, intitulado “Conversa Aberta”, pais e encarregados de educação de alunos surdos.
Em declarações ao nosso jornal, Cidália Jesus, intérprete na mesma associação, adianta que o “objectivo principal deste encontro é analisar exaustivamente a situação do ensino dos surdos na região, e de forma particular, da ilha de São Miguel, onde está localizada a Escola de Referência para a Educação de alunos surdos”.

Psicólogos têm papel “particularmente significativo” em tempos de crise

ordem dos psicologosDesde de Outubro de 2012 que os Açores contam com uma delegação da Ordem dos Psicólogos. Suzana Caldeiras, Maria José Correia e Ana Silva  são as representantes açorianas da organização. A nível nacional, a Ordem comemora três anos de existência e para assinalar a data, a delegação regional promove hoje o Dia Aberto à Comunidade.
Em entrevista ao Diário dos Açores, as representantes dos psicólogos açorianos salientaram que, em tempos de crise, os psicólogos são um recurso “particularmente significativo”.

Numa altura em que crise é a palavra de ordem, o papel desempenhado pelos psicólogos junto da comunidade torna-se mais importante?
O papel do psicólogo, embora distinto em função do contexto e da problemática, visa sempre contribuir para o bem-estar da pessoa, sendo um recurso particularmente significativo em situações de crise, já que nestas situações mais facilmente emergem sentimentos de falta de controlo, de desânimo e tristeza, níveis excessivos de ansiedade, e mesmo incapacidade de gerir o quotidiano.

De que modo a actual crise financeira tem afectado os psicólogos açorianos?
A crise financeira afecta os psicólogos açorianos na mesma medida em que afecta as pessoas em geral, ou seja, em termos de pressão externa os psicólogos, enquanto pessoas, estão sujeitos às mesmas condições que os restantes membros da comunidade. No entanto, pela sua formação, estarão mais preparados para lidar com os contextos adversos que a crise traz para as suas vidas.

Em relação a anos anteriores, a procura destes profissionais de saúde, por parte da população, tem aumentado nos Açores?
A população dos Açores parece estar mais informada sobre a actividade e o papel dos psicólogos, e por isso mais sintonizada com a utilização deste recurso, seja no contexto educativo, no da clínica e saúde, ou no do trabalho e organizações.

Neste momento, quais são as preocupações dos psicólogos, na região?
As preocupações dos psicólogos nos Açores são as comuns às dos psicólogos de outros pontos do país e passam pela sua contribuição para o bem-estar e a promoção da qualidade de vida das pessoas e das comunidades.

E quais as suas principais necessidades?
A velocidade e a pluralidade das transformações sociais, económicas, culturais e as diferentes exigências que estas transformações vão colocando sucessivamente às pessoas, requerem que os psicólogos sejam profissionais atentos e conhecedores de modo a que a relação de ajuda que estabelecem seja profícua. Neste sentido, a formação continuada afigura-se um aspecto sempre central nesta classe de profissionais.

Hoje, a Delegação Regional dos Açores da Ordem dos Psicólogos promove o Dia Aberto à Comunidade. Qual o objectivo desta iniciativa?
O Dia Aberto à Comunidade pretende celebrar o terceiro aniversário da Ordem dos Psicólogos Portugueses e tem como objectivo dar a conhecer o papel do psicólogo nas três grandes áreas de intervenção psicológica: educação, clínica e saúde, e organizações, bem como aproximar a população deste importante recurso nos tempos actuais.

Que temáticas serão abordadas?
Para além de momentos culturais, que contam com a participação de Zeca Medeiros e da Orquestra de Jazz da Escola de Música de Rabo de Peixe, pretende-se dar a conhecer a intervenção psicológica em três contextos diferenciados, educação, clínica e saúde, e organizações, num formato de conversa informal conduzida por Rui Goulart com as psicólogas Filomena Vilaça, Célia Carvalho e Cristina Canto Tavares. Para além de se caracterizar o trabalho desenvolvido em cada um destes contextos, visa-se explorar a articulação com outras áreas de trabalho, e também a distinção em relação às mesmas.

A Ordem dos Psicólogos está a comemorar este mês de Abril o seu terceiro aniversário. Relativamente à Delegação dos Açores, que balanço fazem deste período de funcionamento?
A Delegação dos Açores só se constituiu a 30 de Outubro de 2012. No entanto, o balanço destes seis meses é muito positivo. Já temos instalações que permitem um adequado funcionamento dos serviços regionais, já foram desenvolvidas acções em diferentes ilhas com os psicólogos no âmbito do fortalecimento de relações de proximidade, e também já foram realizadas acções voltadas para a comunidade, como a Doação de Sangue, que ocorreu na Horta no dia 27 de Março, e agora, no próximo dia 18, o Dia Aberto à Comunidade, em Ponta Delgada. Para além disso, já foi encetado um conjunto de contactos institucionais que visam apresentar a delegação e representar a Ordem no Arquipélago.

Qual tem sido a principal missão da Delegação Regional junto dos psicólogos açorianos?
A principal missão da Delegação Regional tem sido, e é, a de afirmar os psicólogos nos Açores. Assim, a Delegação tem trabalhado no sentido de criar condições promotoras do desenvolvimento profissional da classe e de dar visibilidade às boas práticas que existem na Região no âmbito da psicologia.

Que expectativas têm para o futuro?
Esta direcção deseja continuar a trabalhar empenhadamente, até ao final do seu mandato, com vista a aumentar e melhorar a presença e a importância social dos psicólogos nos diferentes contextos que podem beneficiar da sua intervenção.