CGTP-IN/Açores promove Marcha contra o Empobrecimento

manifestação corAs Uniões de Sindicatos de São Miguel e Santa Maria, de Angra do Heroísmo e da Horta juntam-se, hoje, à Semana de Luta promovida em todo o país pelas CGTP-IN, sob a forma de Marcha contra o Empobrecimento.
Nos Açores, as uniões de sindicatos irão promover uma marcha de dirigentes, delegados e activistas sindicais, em Ponta Delgada, ao longo da Avenida Marginal, até às Portas do Mar, com concentração no Forte de S. Brás, pelas 15h00 horas, em Angra do Heroísmo, na Praça Velha, uma concentração às 14h30 e na Horta, na Praça da República, junto ao Mercado Municipal, pelas 10h00.
Segundo avançaram em comunicado, a Semana de Luta está a percorrer todo o país desde o dia 6.
“Não podemos assistir, passivamente, à implementação de políticas que destroem o país e que, consequentemente, esmagam quem vive do seu trabalho, o que, inevitavelmente, tem fortes impactos na Região Açores, que tem registado um aumento vertiginoso do desemprego, com todos os gravíssimos problemas sociais que ele encerra”, refere a comissão coordenadora da CGTP-IN Açores, em comunicado de imprensa.
A estrutura sindical sublinha ainda ser possível “inverter o rumo traçado para Portugal”. Para isso salientam a necessidade de romper com o programa das Troicas, exigir que o BCE conceda empréstimo aos países nas mesmas condições que faz ao sector financeiro (juro de 0,75%) e de aumentar a produção nacional. A CGTP-IN aponta ainda a necessidade de por “um ponto final nos processos de privatização”, “facilitar o acesso ao crédito, reduzir os custos de energia, transportes e comunicações para as famílias e empresas” e “taxar todas as transacções financeiras em 0, 25%”.
“Com a espiral recessiva, aumentou o défice e a dívida pública, o investimento e a produção industrial continuam em queda, provocando o definhamento do mercado interno e a falência de milhares de empresas, atirando para a miséria muitas famílias”, acrescenta ainda a força sindical no comunicado.

500 doses de haxixe e 5 mil euros apreendidos em Água de Pau

apreensão Água de PauA Polícia de Segurança Pública dos Açores apreendeu, esta quarta-feira, na Vila de Água de Pau, no concelho da Lagoa, uma mala-cofre que continha no seu interior 500 doses de haxixe e 5.045 euros em notas do BCE. A PSP deteve um homem de 23 anos suspeito de traficar estupefaciente, que será presente a tribunal para a aplicação de medidas de coação julgadas adequadas.
Segundo avança a força policial em comunicado, a operação decorreu no âmbito de uma investigação em curso, dando cumprimento a um Mandato de Busca Domiciliária, emitido pela Autoridade Judiciária de Vila Franca do Campo.
Já no relatório de actividade diária da polícia, a PSP anunciou a detenção, nesta terça-feira, de um homem de 26 anos, na Ribeira Grande, por conduzir um ciclomotor, sem estar habilitado para tal.
Em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, na sequência de uma investigação relacionada com inquéritos em curso, a Esquadra de Investigação Criminal apreendeu a um homem, de 55 anos de idade, um telemóvel, a uma mulher de 43 anos um fio de metal e uma cruz em metal dourada e, a uma mulher de 58 anos, a PSP apreendeu uma mesa em madeira, um carrinho de chá em madeira, bem como dois quadros com gravuras .
Por outro lado, na Horta, na ilha do Faial, um indivíduo de 23 anos foi detido pelas autoridades após ser sido interveniente num acidente de viação com fuga. O homem conduzia um automóvel sob a influência de álcool, com uma taxa de alcoolémia de 1.88 g/l.
O mesmo relatório refere ainda que em Madalena do Pico, foi realizada uma operação de fiscalização rodoviária, tendo sido fiscalizados 45 veículos e detectadas cinco infracções de natureza contraordenacional.
Esta terça-feira, dia 9 de Abril, ocorreram 8 acidentes de viação, dos quais resultaram apenas um ferido ligeiro e danos materiais.

PPM propõe estudo sobre achados arqueológicos nas ilhas Terceira e Corvo

paulo estevãoO deputado do PPM na Assembleia Legislativa dos Açores, propôs esta terça-feira, em projecto de resolução, que o Governo Regional promova um estudo interdisciplinar para datar achados arqueológicos na região. “É necessário fazer um trabalho arqueológico que permita datar aquelas estruturas”, salientou Paulo Estêvão, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo, na Terceira, referindo-se a achados arqueológicos realizados na Grota do Medo e no Monte Brasil, naquela ilha, e na ilha do Corvo. O parlamentar monárquico falava de interpretações avançadas por arqueólogos da Associação Portuguesa de Investigação Arqueológica (APIA) que sugerem que algumas estruturas rochosas nesses locais antecedem o povoamento português.
Paulo Estêvão salientou que o tipo de estudo exigido não é dispendioso, acrescentando que se trata de “verificar uma estrutura que corresponda ao período daquela construção e que os materiais encontrados sejam passíveis de ser datados”. O deputado disse que as estruturas podem ter interesse turístico, mesmo que não se venha a comprovar que são anteriores ao povoamento português.

Formações para inquilinos de habitações sociais do concelho da Ribeira Grande

Câmara Municipal da Ribeira GrandeA Câmara Municipal da Ribeira Grande em parceria com o Núcleo de Acção Social da Ribeira Grande tem promovido várias sessões destinada a beneficiários de RSI residentes em habitações camarárias. A primeira sessão ocorreu no dia 1 de Março e incidiu sobre os inquilinos beneficiários de RSI do Loteamento de Santana, em que a metodologia utilizada nesta sessão foi o World Coffee. A Divisão de Acção Social da CMRG disponibilizou os recursos humanos necessários e colaborou nesta sessão com a temática relações de vizinhança.
A próxima sessão realizar-se-á no dia 24 de Abril, na junta de freguesia da Ribeira Seca e destina-se aos inquilinos beneficiários de RSI do bairro das Cavalhadas e Quietação e incidirá sobre a conservação e manutenção das habitações camarárias, pagamento das rendas sociais, reciclagem, poupança de energia e água.

30 trabalhadores da construção vão ficar desempregados na Graciosa este mês

construção civilMais 30 trabalhadores da construção civil ficarão desempregados na Graciosa até ao final de Abril, alertou o presidente do Conselho de Ilha, que pediu ajuda ao Governo Regional para desbloquear junto da banca financiamento para a adega cooperativa.
Carlos Brum falava aos jornalistas em Santa Cruz da Graciosa, na segunda-feira à noite, no final de uma reunião do Conselho de Ilha com o Governo dos Açores.
Segundo Carlos Brum, a construção civil na ilha está parada e até ao final deste mês, cerca de 30 pessoas que trabalham no sector irão para o desemprego, sublinhando que é um número que tem impacto na Graciosa, onde vivem menos de quatro mil pessoas.
Parte destes desempregados, afirmou, poderiam ser “absorvidos” pelo sector agrícola, chamando a atenção para a importância de se concretizar o projecto da adega cooperativa da Graciosa.
O projecto está aprovado e o financiamento público de 700 mil euros desbloqueado. Porém, disse, compete à própria adega financiar 300 mil euros do projecto, mas a banca tem recusado o crédito, pelo que o Conselho de Ilha pediu ao Governo Regional ajuda para desbloquear a situação junto dos bancos.
O presidente do Governo açoriano, Vasco Cordeiro, também em declarações aos jornalistas no final da reunião, sublinhou que a adega cooperativa tem uma “importância fundamental na economia da ilha” e que o executivo que lidera está a “acompanhar a situação para ajudar esta entidade a poder concretizar este projeto”.
Segundo Carlos Brum, a adega cooperativa da Graciosa gera um volume de negócios anual de 120 a 150 mil euros, “mas isso liberta fundos que não são suficientes para uma instituição bancária, nos actuais tempos, emprestar” os 300 mil euros.
A adega cooperativa, explicou, é fundamental para funcionar como “central de comercialização e exportação dos produtos da Graciosa”, lembrando que nos últimos anos houve uma diversificação na produção da ilha, até como forma de captar fundos comunitários. Neste contexto, aumentaram, por exemplo, as estufas, os pomares ou a produção de mel, afirmou.
O outro assunto que dominou a reunião do Governo dos Açores com o Conselho de Ilha foi a construção de um matadouro na Graciosa, tendo o Executivo assegurado que a obra ficará concluída nesta legislatura, que termina em 2016. O objectivo é que o projeto seja financiado pelo próximo orçamento europeu plurianual, que entrará em vigor em 2016.
O Governo dos Açores reuniu-se com o Conselho de Ilha no âmbito da visita estatutária que está a realizar nesta ilha.