Autatlantis celebra 30 anos

AutatlantisFundada em 1988 por Horácio Franco e Luís Cogumbreiro, a empresa de rent-a-car Autatlantis está a comemorar 30 anos de actividade ao serviço dos Açores, através da dinamização do aluguer de viaturas sem condutor e no suporte à promoção turística do arquipélago.

Para assinalar a data, segundo foi adiantado em comunicado, a empresa irá organizar um evento corporate que pretende, numa primeira instância, enaltecer o percurso do empresário Horácio Franco, reconhecendo o seu legado na continuidade de um negócio que, nos dias de hoje, já contempla mais de quatro áreas empresariais, não só ligadas ao ramo automóvel, mas também ao turismo e à hotelaria, e, numa segunda instância, apresentar as linhas estratégicas da sua acção no mercado envolvente com vista à sua articulada projecção num sector altamente concorrencial.

O evento contará com a presença, na qualidade de oradores, de Luís Cogumbreiro, sócio-gerente da empresa, e de Raquel Franco, que já vinha assumindo a gestão da empresa, e terá como convidados parceiros de negócio, clientes, colaboradores que, no seu todo, são o resultado do sucesso que a empresa tem vindo a trilhar e que, em consequência, lhe tem garantido a distinção com o galardão PME Excelência, organização promovida pelo IAPMEI em parceria com bancos portugueses.

Recorde-se que a Autatlantis - Automóveis de Aluguer S/Condutor, Lda. com sede em Ponta Delgada, iniciou a sua actividade a 18 de Abril de 1988. O desenvolvimento acentuado da empresa, ao longo destas três décadas, assentou na valorização permanente dos seus recursos técnicos e humanos, reflectindo-se no forte e sustentado crescimento da sua estrutura e negócios. 

Ao proporcionar aos clientes o acesso a condições ímpares no binómio de preço e qualidade e, ao mesmo tempo, ao disponibilizar um serviço rápido e profissional, privilegiando a excelência no atendimento e na segurança, a Autatlantis apresenta, em 2018, uma rede de pontos de venda em todas as ilhas do Açores e já reúne uma frota diversificada de cerca de 800 viaturas.

 

Caminhada pelo autismo na Lagoa

lagoaNo âmbito da consciencialização do autismo, a Câmara Municipal de Lagoa irá realizar, este Sábado, uma caminhada aberta à comunidade com concentração, pelas 16h00, na Praça de Nossa Senhora da Graça até ao jardim do Convento dos Franciscanos. 

 Conforme se pode ler na nota enviada pela autarquia, “o propósito desta iniciativa é despertar as atenções da comunidade para a realidade do autismo, num mês que se apela à sua consciencialização”.

Para a autarquia da Lagoa é fundamental não deixar passar despercebida esta data numa altura em que se fala tanto de inclusão e integração social e de uma sociedade que se quer justa e igualitária.

A caminhada servirá também para estimular e incentivar as pessoas a estilos de vida saudáveis. 

 De relembrar que no próximo dia 28 de Abril, pelas 18h00, e ainda no âmbito desta temática, será inaugurada a exposição de fotografia intitulada “O meu Olhar”, seguindo-se de várias intervenções alusivas ao autismo. A mãe Elisangela Sousa; a terapeuta Joana Melo; a socióloga Piedade Lalanda, e a pediatra Ana Luísa Rodrigues falarão sobre o autismo em diferentes abordagens, numa iniciativa que irá decorrer no Cine Teatro Lagoense Francisco D´Amaral Almeida.

Sindicato saúda aumento de efectivos policiais para os Açores, mas quer número “real”

pspO Sindicato Nacional de Polícia (Sinapol) manifestou ontem satisfação pelo anúncio feito pelo Ministro da Administração Interna sobre o aumento de 40 efectivos policiais para os Açores.

O Sindicato refere que o número “vai ao encontro das revindicações feitas”  junto do Governo Regional e do Ministério da Administração Interna, mas  alertou para a necessidade deste aumento ser “real”.

“Importa salientar que o número anunciado deverá ser real, isto é, deverá ter em atenção o número de pedidos de deslocação para o continente, dos pedidos de pré e aposentação que se encontram em curso, relembrando que o efectivo nos Açores está há largos anos deficitário e anualmente mais envelhecido”, refere o Sinapol, num comunicado enviado aos órgãos de comunicação social.

O Sindicato aponta que os problemas que assolam actualmente a Polícia de Segurança Pública “são transversais nos Açores, mas acrescidos da realidade geográfica e cultural dos Açores”.

Segundo o Sinapol, além da falta de efectivos da PSP, “que leva diariamente ao fecho das esquadras e ao acréscimo do trabalho extra”, junta-se “a falta dos Serviços de Apoio na Doença (SAD), que em muitas ilhas são inexistentes” e “ao esquecimento por parte dos Serviços Sociais daqueles que aqui residem”. “A título de exemplo, os aposentados nesta área têm sido esquecidos, e são estas as situações que carecem de resolução imediata já que se arrastam há largos anos”, acrescentou a estrutura sindical.

Recorde-se que o Ministro Eduardo Cabrita, depois de um encontro com o Presidente do Governo Regional em Ponta Delgada, destacou o papel da região autónoma no contributo para “uma das maiores vantagens competitivas que Portugal tem”, que é a de ser “um dos países mais seguros do mundo”.

“A segurança está associada àquilo que é o sucesso do turismo na Região Autónoma dos Açores”, disse o Ministro, reforçando que, no caso da PSP, há actualmente 400 agentes “em formação, e uma parcela que se aproximará de 10% desse efectivo”, cerca de 40, será colocada nos Açores.

O governante afirmou ainda como “prioritária” uma nova esquadra no município da Ribeira Grande, embora tal dependa nesta fase de um plano da autarquia, prosseguiu.

Os “trabalhos em curso” no município do Nordeste, “acções de requalificação de esquadras em várias ilhas” e o “equacionar de uma localização permanente para a PSP na ilha do Corvo” foram outros dos temas abordados na reunião com o chefe do Executivo açoriano, o socialista Vasco Cordeiro.

Ponta Delgada e Ribeira Grande entre os 50 municípios portugueses com melhor transparência

Ponta delgada 2No conjunto dos 308 municípios portugueses, Ponta Delgada está entre os 50 municípios com melhor Índice de Transparência Municipal (ITM).

O relatório do Índice de Transparência Municipal 2017, divulgado ontem, coloca Ponta Delgada no 41.º lugar no ranking, com 71,84 pontos. 

 A média dos 308 municípios portugueses está nos 51 pontos de avaliação, sendo o ranking liderado pelos municípios de Alfândega da Fé e Vila do Bispo. 

O Índice de Transparência Municipal foi elaborado pela Transparência e Integridade, em colaboração com a Unidade de Investigação em Governança, Competitividade e Políticas Públicas da Universidade de Aveiro.

Trata-se de uma avaliação anual da informação de interesse público disponibilizada pelos 308 municípios portugueses nos seus websites oficiais, em sete áreas distintas: A - Informação sobre a organização, composição social e funcionamento do Município (18 indicadores); B - Planos e Relatórios (13 indicadores); C - Impostos, Taxas, Tarifas, Preços e Regulamentos (5 Indicadores); D - Relação com a sociedade (8 indicadores); E - Transparência na Contratação Pública (10 Indicadores); F - Transparência Económico Financeira (12 indicadores); e G - Transparência na área do urbanismo (10 indicadores). 

No que concerne à Transparência Económico Financeira Ponta Delgada obteve a pontuação máxima de 100 pontos. Na Transparência na Contratação Pública Ponta Delgada também obteve uma pontuação acima da média, de 85,71 pontos. 

Nas áreas da Informação sobre a organização, composição social e funcionamento do Município e da Transparência na área do urbanismo Ponta Delgada obteve 71,43 pontos; nos Planos e Relatórios 64,29 pontos e Impostos, Taxas, Tarifas, Preços e Regulamentos 50 pontos.

Também a Câmara da Ribeira Grande obteve, no ano de 2017, a pontuação máxima (100 pontos) no indicador de transparência económico-financeira, 

No cômputo geral, a Ribeira Grande teve um desempenho muito positivo, conseguindo resultados aceitáveis, bons ou muito bons nas diferentes sete áreas avaliadas, sendo de realçar ainda os 86 pontos conseguidos no indicador impostos, taxas, tarifas, preços e regulamentos. Este desempenho permitiu que a autarquia subisse 45 lugares no ranking nacional em comparação com o ano de 2016, ascendendo da 104.ª posição para a 59.ª, cotando-se como o quarto município mais transparente dos Açores e o segundo melhor na ilha de São Miguel.

Este ano não foram alterados os 76 indicadores de interesse público procurados nos portais municipais, mas a equipa do Índice estipulou critérios mais estritos para considerar cada indicador como estando cumprido. O objectivo é incentivar os municípios a melhorar a qualidade da informação prestada aos cidadãos. 

A Transparência e Integridade, Associação Cívica é o capítulo português da rede global de ONG anti-corrupção Transparency International, presente em mais de 100 países.

 

PJ detém homem por tráfico de droga

PJ cracháA Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Ponta Delgada, com a colaboração da Directoria do Norte, no âmbito de uma investigação em curso, localizou e deteve um homem, de 27 anos de idade, por suspeitas de prática do crime de tráfico de estupefacientes.

A detenção ocorreu na cidade do Porto e o suspeito tinha ligações a outros seis indivíduos que foram detidos no passado mês de Março, na ilha Terceira, na posse de pólen de haxixe e MDMA.

O detido, empregado de restauração e já referenciado, foi presente a primeiro interrogatório judicial, para aplicação das medidas coactivas tidas por adequadas.