Pico Moto Fest foi palco de casamento entre motards

Casamento MotardsA concentração anual de motards na Região ficou marcado por um acontecimento pouco vulgar: a celebração de um casamento. 

A união entre os dois aficionados por motos foi celebrada no âmbito do Pico Moto Fest 2018, com a presença dos familiares e dos amigos, e das centenas de motards presentes no evento.

A terceira edição do encontro anual decorreu entre 7 e 10 de Junho, na ilha do Pico, depois de já ter tido lugar em Santa Maria e Graciosa em anos anteriores.

Mais de cinco centenas de motares, num total de 350 motos, fizeram do Parque Florestal de Santa Luzia o centro regional dos motards nos Açores, com a presença de 30 grupos, entre eles quase uma dezena de representações oriundas do continente português.

O programa do evento contou com passeios temáticos, espectáculos de música e dança, cerimónias religiosas, trial, muita atividade e animação para envolver as centenas de motards e público em geral presente. A população do Pico não fico indiferente aos roncares dos motards pelas estradas picoenses. A passagem de testemunho foi feita no último dia do evento, sendo que a próxima ilha a acolher o encontro em 2019 será São Jorge.

Bandeiras Azuis na Ribeira Quente e Faial da Terra

bandeira azul rquenteAs Bandeiras Azul e de Praia acessível voltaram aos mastros da Praia do Fogo da Ribeira Quente. 

No caso do Faial da Terra foi a segunda vez que o Portinho daquela localidade recebeu também o galardão da Bandeira Azul da Europa.

 O acontecimento contou com a presença do Executivo camarário, liderado por Pedro Nuno Melo, Delegado de Saúde e respectivos Presidentes de Junta das referidas freguesias. 

Na ocasião, o autarca da Povoação realçou a importância da atribuição dos galardões como garantia de excelência da qualidade da água e dos equipamentos de apoio à praia da Ribeira Quente e ao Portinho do Faial, não esquecendo que no concelho existem outras zonas balneares que, não dispondo ainda de bandeira azul, são igualmente de grande valor. “Na Vila da Povoação temos duas praias, uma delas é a dos Pelames junto à qual estamos a construir duas piscinas que ficarão concluídas em breve, que serão, certamente, motivo de atracção para muitos veraneantes”, explicou.

Adolescente de 13 anos apanhado com droga em escola

PSP3A Polícia de Segurança Pública (PSP) da esquadra da Maia, concelho da Ribeira Grande, identificou no interior de um estabelecimento de ensino, um rapaz de 13 anos de idade, por posse de cerca de cinco doses de liamba.

A informação consta no relatório de actividade policial nos Açores, relativo ao fim-de-semana, que dá também conta da detenção de dois homens por violência doméstica, em Ponta Delgada, e da ocorrência de 37 acidentes de viação no arquipélago, dos quais resultaram três feridos graves, seis ligeiros e danos materiais.

União Europeia apoia jovens que pretendam viajar no espaço europeu

Bruxelas sancõesA União Europeia passa a apoiar, a partir de hoje, os jovens com 18 anos que pretendam viajar.

O apoio base para a viagem é de 255 euros, mas pode aumentar em certos casos, como o dos jovens da Madeira ou Açores, sendo que nesta primeira fase só vão ser seleccionados 15 mil jovens.

A medida, aprovada em Março deste ano no Parlamento Europeu, entra hoje em vigor com a apresentação de candidaturas dos jovens que façam 18 anos até 1 de Julho deste ano. 

As candidaturas podem ser submetidas por jovens que tenham nascido entre 2 de Julho de 1999 e 1 de Julho de 2000, ambas as datas incluídas no período. 

A candidatura tem de ser submetida pelo European Youth Portal até ao dia 26 de Junho. 

Os jovens podem viajar sozinhos ou acompanhados por um grupo com cinco elementos, no máximo. 

A duração da viagem pode variar entre um e 30 dias e pode incluir entre um a quatro países estrangeiros entre os 28 Estados-membros. 

A viagem tem de começar entre 9 de Julho e 30 de Setembro. 

As viagens serão feitas em segunda classe e, na maior parte dos casos, de comboio, sendo que há a possibilidade de fazer percursos alternativos de autocarro ou barco. 

Para os casos de ilhas como Açores ou Madeira os jovens têm a hipótese de viajar de avião. 

No processo de candidatura, os jovens terão de responder a cinco perguntas relacionadas com o Ano Europeu do Património Cultural 2018, as iniciativas da União Europeia para os jovens e as próximas eleições para o Parlamento Europeu. 

Além disso, vão ter de responder a uma pergunta adicional sobre quantos jovens pensam que se candidatarão a esta iniciativa. 

A resposta a estas perguntas permitirá a Bruxelas fazer a selecção. 

Cada Estado-membro terá direito a um número de passes de viagem consoante a percentagem da sua população no total da União Europeia. 

Ou seja, a selecção será feita por nacionalidades. No caso de haver menos candidaturas do que bilhetes disponíveis na quota de um Estado-membro, o excedente será redistribuído pelos países onde exista um excesso de candidaturas.

Consoante o número de candidaturas desta primeira chamada, Bruxelas abrirá uma nova ronda no Outono deste ano. 

Para já o orçamento é de apenas 12 milhões de euros pelo que não é possível oferecer a viagem a todos os jovens europeus com 18 anos. 

A Comissão Europeia estima que sejam 5,8 milhões por ano os jovens que atingem a maioridade. 

Se metade estiver interessado nesta iniciativa, e tendo em conta o valor do passe de viagem (255 euros), estima-se um custo de 750 milhões de euros por ano. 

No orçamento para o período entre 2021 e 2027, a Comissão propõe que sejam alocados 700 milhões de euros para esta iniciativa, dentro do programa Erasmus, o que permitirá financiar as viagens de 1,5 milhões de jovens europeus durante esse período. 

 

Todos os alunos vão a exame

alunosO Ministério da Educação (ME) enviou orientações às escolas a determinar a realização de provas finais e exames nacionais para todos os alunos, mesmo que ainda não tenham sido atribuídas notas internas, segundo um comunicado ontem divulgado. 

Na eventualidade de haver alunos cujas avaliações internas não tenham sido ainda formalmente atribuídas à data em que os exames ou outras provas nacionais se realizam, garante-se que estes alunos serão condicionalmente admitidos aos mesmos”, lê-se no comunicado do ME.

A tutela garante ainda que “o processo de matrículas para o ano lectivo 2018-2019 não sofrerá alterações, mantendo-se o calendário que resulta do despacho das matrículas” e que “acompanha de perto este processo, de modo a assegurar o direito dos alunos à avaliação e à realização das suas provas com a desejável tranquilidade”. Os sindicatos dos professores decretaram greve às avaliações de fim de ano do ensino básico e secundário, sendo que actualmente só está em curso a paralisação convocada pelo Sindicato de Todos os Professores (S.T.O.P.), a decorrer até 15 de Junho e com incidência nos conselhos de turma dos alunos em ano de provas finais e exames nacionais, pondo em causa a divulgação das avaliações internas atribuídas pelos docentes das turmas a tempo destas provas.