Dois detidos por sequestro agravado e violação de turista idosa nas Flores

PJ1A Polícia Judiciária anunciou a detenção de dois homens pela “presumível prática dos crimes de violação, roubo e sequestro agravado”. A vítima foi uma mulher de 68 anos de idade, estrangeira, que pediu boleia para voltar ao hotel onde estava hospedada, mas acabou agredida sexualmente.

Segundo explica a PJ, em comunicado, os  factos ocorreram “há cerca de uma semana, na ilha das Flores, à noite, numa zona de mato, para onde os suspeitos levaram a vítima, contra a sua vontade, após se terem disponibilizado para lhe darem boleia até à unidade hoteleira onde estava hospedada, depois desta lhes ter pedido ajuda nesse sentido”.

A PJ refere que os suspeitos aproveitaram-se “das suas vulnerabilidades em razão da idade, de estar sozinha e ser estrangeira” e “frustraram-lhe as expectativas, levaram-na para um local ermo, roubaram-lhe o telemóvel e cento e vinte euros em dinheiro, tendo-a seguidamente abandonado”, voltando logo em seguida: “volvidos escassos minutos voltaram ali e, depois de a subjugarem com recurso à força física, vieram a infligir-lhe múltiplas agressões sexuais”.

Os detidos, de 27 e 31 anos de idade, são trabalhadores da construção civil e de uma autarquia. Foram presentes a  primeiro interrogatório judicial, para aplicação das medidas coactivas tidas por mais adequadas”.

 

Maria Frederica vence festival Caravela D’Ouro

Maria Frederica - caravela douro 2018Maria Frederica, com 7 anos e natural de Ponta Delgada, foi a grande vencedora da XXVII Gala Regional dos Pequenos Cantores Caravela D’Ouro, que decorreu, no sábado, no Gimnodesportivo da Vila da Povoação.

A menina arrecadou o 1º lugar, entre 11 participantes, com a canção “O Bichinho da Frederica”, da autoria de Ana Paula Andrade, ganhando um computador portátil e o “passaporte” para participar no Festival Internacional dos Pequenos Cantores da Figueira da Foz.

Em 2º lugar ficou Catarina Pacheco, de 9 anos, natural da Povoação, com a canção “Cata-ventos de memórias”, com letra e música de Francisco Doutel. A pequena cantora ganhou um tablet e vai fazer uma participação especial no Festival Baleia de Marfim, das Lajes do Pico.

Em 3º lugar ficou Marta Dâmaso, de 9 anos, das Furnas, que venceu com a letra e música “Sereia encantada”, de Mariana Ferreira, tendo arrecadado um tablet e um fim-de-semana no Furnas Boutique Hotel.

A “Melhor Letra” foi atribuída a Rafael Carvalho com o título “Ser irmão”, interpretada pelas irmãs Maria e Inês Leite, que ganharam uma máquina fotográfica. Já o troféu da “Melhor Música” foi para Lina Freitas com a canção “A amizade”, interpretada pela Vitória Pacheco que ganhou uma Rádio Leitor de CD’s. Os dois autores foram brindados com estadias de duas noites para duas pessoas no Terra Nostra Garden Hotel.

Por último, o galardão da “Canção Recomendada para Crianças” foi para Matilde Araújo Costa, de 8 anos, da Povoação, que ganhou com a canção “Caixinha de Música”, de Ana Paula Leite e Paulo Rodrigo Leite. A Matilde ganhou um tablet e um fim-de-semana para duas pessoas no Hotel do Mar.

Recorde-se que a Gala Regional dos Pequenos Cantores Caravela D’Ouro é o mais antigo festival do género dos Açores. Uma iniciativa da Câmara Municipal da Povoação e que este ano teve como cenário a “Dama e o Vagabundo”.

 

Manifestação em defesa da Cultura hoje junto ao Teatro Micaelense

teatro micaelense grandePonta Delgada está entre os locais do país onde irá decorrer esta sexta-feira uma concentração contra a “ineficaz resposta do programa de Estado de apoio às artes”.

Trata-se da acção “Cultura Acima de Zero”, promovida pelo sector artístico português, com apoio de divulgação pelo sindicato CENA-STE, Sindicato dos Trabalhadores de Espectáculos, do Audiovisual e dos Músicos.

Nos Açores, a manifestação é organizada por Cristina Cunha, dirigente da Associação Corredor. “Está em causa a continuidade de um serviço público - a Cultura. Por este motivo foi necessário incluir os Açores neste debate cultural, não só porque foi o primeiro ano em que as estruturas de actividade cultural dos Açores fizeram parte deste programa de candidaturas, mas também porque se reivindica a descentralização cultural, assunto com elevada pertinência nesta Região Autónoma devido à sua dispersão geográfica”, refere a responsável, em comunicado. 

Para Cristina Cunha, há “necessidade de consciencialização sobre o estado cultural actual e isso é responsabilidade de todos”.

A concentração em Ponta Delgada acontece esta sexta-feira, no Largo de São João, junto ao Teatro Micaelense, com início pelas 17 horas. Também irá decorrer em Coimbra, Lisboa, Porto e Funchal. 

Recorde-se que o primeiro ministro, António Costa, anunciou ontem um reforço de 2,2 milhões de euros no financiamento do programa de apoio às artes deste ano. 

Cristina Cunha considera, no entanto, que continua “a fazer todo o sentido” as iniciativas marcadas, alegando que “estes apoios até nem são suficientes e há um desconhecimento e uma desinformação no país sobre a cultura”.

 

Preocupações e desafios do sector da construção civil nos Açores em debate

construção civil“Em que situação se encontra o sector da construção nos Açores no presente momento? Que dificuldades enfrentam e que anseios têm os empresários do sector privado? Que desafios e oportunidades se colocam ao sector público e que análise faz o sector académico e científico do estado da arte? Por fim, que impacto a revolução tecnologia tem no sector e que alterações ao modelo (tal como o conhecemos) estas alterações poderão trazer?”

São estas algumas das questões a Ordem dos Engenheiros da Região Açores (OERA) quer debater no encontro “A construção civil nos Açores: o presente e as perspectivas para o futuro”, que terá lugar  a 13 de Abril, no Auditório da Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada, em Ponta Delgada.

Depois de já terem sido promovidos outros encontro sobre a agricultura e os transportes marítimos, este próximo encontro pretende “analisar e de discutir o presente e o futuro de mais um sector considerado estratégico para o desenvolvimento da Região Autónoma dos Açores”, refere a organização.

O debate “será um encontro entre os diversos agentes que actuam no sector e que trazem, no seu conjunto, quer através da presença nos painéis de discussão ou através da participação activa enquanto espectadores na plateia, um retrato plural e abrangente do sector”.

Segundo foi avançado em comunicado, o encontro contará “com o contributo técnico-científico e com o conhecimento aprofundado do terreno, partilhado por oito oradores (intervenientes no debate), por entre os quais se encontram representados agentes com responsabilidades no sector público, empresarial, académico e associativo”.

Uma nota de boas-vindas e de enquadramento é trazida pelo presidente do Conselho Directivo Regional, Paulo Moniz. Seguir-se-á a intervenção de fundo do especialista António Costa Aguiar, professor no departamento de Engenharia Civil e Arquitectura do Instituto Superior Técnico, cujo trabalho de investigação tem sido desenvolvido no âmbito da Gestão da Informação, Gestão de Projectos e Contratação e, particularmente aprofundado, na vertente das tecnologias de informação e BIM (Building Information Modeling). “É esta intervenção e apresentação que permitirá partilhar exemplos que espelham de que forma a tecnologia se encontra, hoje e cada vez mais no futuro, ao serviço da construção. O objectivo será analisar e discutir as alterações introduzidas pela tecnologia e até que ponto poderão vir a transformar, também o sector nos Açores e as formas de fazer negócio e sobreviver neste ambiente de elevada dinâmica e transformação tecnológica”, refere a OERA.

Com moderação do director-executivo do jornal Diário dos Açores, Osvaldo Cabral, o primeiro painel do debate contará com os contributos do diretor do Laboratório Regional de Engenharia Civil, Fernando Fernandes, do presidente da AICOPA, Pedro Marques, e com André Cabral e Marco Poim, a representar a Ordem dos Engenheiros para as Ilhas de São Miguel e Ilha Terceira. Também a Secretária dos Transporte e das Obras Públicas, Ana Cunha, intervirá no encontro, a par do presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, José Manuel Bolieiro, e de Fernando Santo, engenheiro civil “com vastíssima experiência no sector público e privado”, sendo ele ex-secretário de Estado da Administração Patrimonial e Equipamentos do Ministério da Justiça, ex-Bastonário da Ordem dos Engenheiros, integrando, no momento, a Administração Executiva da Caixa Económica Montepio Geral.

Todos os parques naturais dos Açores com veículos eléctricos até final do ano

Marta Guerreiro - veículos eléctricosA Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo assegurou ontem que todos os Parques Naturais dos Açores terão um veículo eléctrico até ao final deste ano, “com o objectivo de fomentar uma economia de baixo carbono nos Açores”.

“Este é apenas mais um pequeno passo, no quadro da estratégia de desenvolvimento sustentável que estamos a implementar nos Açores”, frisou Marta Guerreiro que falava depois de ter entregue a quinta viatura eléctrica, desta feita ao Parque Natural do Pico, recordando que as outras quatro já foram entregues aos Parques Naturais de Santa Maria, Flores, São Miguel e São Jorge.

A titular da pasta do Ambiente salientou que “o Governo dos Açores assume uma opção clara de investimento no reforço do corpo de Vigilantes da Natureza, bem como na sua capacitação e equipamento, sendo o momento ao qual assistimos hoje mais uma prova disso mesmo”.

“As ilhas do Faial e da Terceira irão também receber uma viatura eléctrica ainda este mês, seguindo-se o Corvo e a Graciosa, chegando-se, assim, a todas as ilhas do arquipélago”, assegurou.

“Com Serviços de Ambiente apoiados por um corpo de Vigilantes da Natureza empenhado e tecnicamente habilitado, a Região está, certamente, melhor preparada para enfrentar os novos problemas e desafios que a gestão e conservação da Natureza e a preservação da qualidade ambiental nos impõem”, salientou Marta Guerreiro.

A Secretária Regional reforçou a importância dos Vigilantes da Natureza “pelo seu papel determinante na criação de condições para a preservação dos recursos naturais, assente num paradigma de desenvolvimento equilibrado e sustentável”, para além de serem “os agentes que estão na primeira linha na detecção e resolução dos pequenos problemas ambientais que possam ocorrer nas nossas ilhas, ou os principais responsáveis por desenvolver acções de preservação, sensibilização e fiscalização”.

Marta Guerreiro destacou ainda uma portaria publicada ontem em Jornal Oficial, que regulamenta os uniformes dos Vigilantes da Natureza.

“Os tipos de uniforme e elementos identificativos e distintivos dos Vigilantes da Natureza foram aprovados em 2008, estando actualmente desajustados das necessidades efectivas destes profissionais, pelo que esta actualização do regulamento permite ajustá-los à evolução e exigências das suas funções, por via da introdução de melhorias na estética, conforto e qualidade dos fardamentos e da afirmação de uma imagem corporativa moderna e activa”, frisou a Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo.