Mais de mil jovens açorianos visitaram o navio Viana do Castelo que termina amanhã missão nos Açores

visitas no NRP viana do casteloO NRP Viana do Castelo foi visitado por 1145 jovens da Região Autónoma dos Açores, que quiseram ver de perto o navio que se encontra em missão na Zona Marítima dos Açores até amanhã.

O navio acolheu jovens de diversas escolas e colégios que assistiram a palestras e a exercícios nas áreas de saúde, combate à poluição no mar e segurança marítima, bem como visitas guiadas pelo seu interior e exterior.

Estas visitas tiveram o objectivo de dar a conhecer a actividade e a importância da Marinha Portuguesa no contexto internacional, nacional e na Região Autónoma dos Açores, bem como os principais locais do navio, com uma breve explicação sobre aspectos relacionados com a navegação e a vida a bordo. De realçar que durante todas as visitas foram possíveis “momentos de familiaridade entre os jovens e os militares da guarnição, o que permitiu uma partilha de experiências enriquecedora, motivante e desafiante”, conforme dá conta a Autoridade Marítima, que adianta que  “a partilha de saberes foi provocada pelo interesse demonstrado pelos jovens no que toca às missões do navio e às suas características, bem como uma permanente curiosidade em saber e conhecer a vida a bordo de uma Unidade Naval da Marinha Portuguesa”.

Os alunos tiveram, ainda, a oportunidade de conhecer as oportunidades de ingresso na Marinha Portuguesa. Na área da saúde foi possível observar procedimentos e material utilizado numa situação de primeiros socorros e apoio a vitimas em caso de acidentes.

O NRP Viana do Castelo está presentemente a terminar a sua comissão e irá ser substituído pelo NRP António Enes que vai assegurar o dispositivo de busca e salvamento da Marinha na região dos Açores, tendo também como objectivo a fiscalização nos espaços marítimos do arquipélago. Simultaneamente efectua a presença junto das comunidades das ilhas, apoia os órgãos de protecção civil regional em caso de calamidade ou catástrofe natural e assegura o apoio permanente à Autoridade Marítima Local.

Constituída a ALA - Associação do Alojamento Local dos Açores

Alojamento local - placaCom o objectivo de agregar e unificar a actividade de Alojamento Local nos Açores, foi fundada a 21 Setembro 2017 a ALA - Associação do Alojamento Local dos Açores, cujos órgãos sociais tomaram posse a 17 de Janeiro do corrente ano. 

Conforme se pode ler na nota enviada à comunicação, a criação desta associação “justifica-se pela necessidade de defender os interesses, deste novo sector do mercado turístico do Açores, junto das entidades públicas e privadas, assim como, incentivar um ambiente de concorrência leal e de transparência entre todos os agentes do mercado, em particular os do Alojamento Local (AL)”.

A mesma nota dá conta que a “ALA pretende apoiar a profissionalização e o aumento da competitividade dos seus associados através da troca de experiências, acções de informação e de formação, eventos, publicações, apoio jurídico e contabilístico, para além de servir de plataforma unificadora na negociação de vantagens e benefícios comerciais.

Reforçar a relevância e importância que actualmente o Alojamento Local já detém em todas as ilhas, criando e cimentando as bases para que a actividade possa melhorar, crescer e demonstrar-se como alternativa inovadora e credível no mercado turístico da região, sempre num contexto de sustentabilidade económica, ambiental e social”. 

Para os promotores, a ALA “será uma voz proactiva na discussão e implementação de políticas referentes ao AL, procurando sensibilizar para a uniformização dos critérios de aplicação da legislação em vigor e na legalização das unidades que exercem a actividade à margem da legalidade”.

Aviões para cada ilha era pêta

A notícia que publicámos na edição de domingo, 1 de Abril, sobre a decisão da SATA comprar um avião para cada ilha, por instrução do Governo Regional, era a nossa mentira do primeiro de Abril.

Cumpriu-se, assim, mais uma tradição de muitos anos, em que a imprensa regional, nomeadamente o “Diário dos Açores”, publica todos os anos a brincadeira do Dia das Pêtas.

Apesar do exagero da notícia, houve muitos leitores que acreditaram,a julgar pelo número de mensagens que recebemos a insurgirem-se contra a (falsa) decisão da SATA.

PSP detém dois suspeitos de tráfico de droga em Angra

PSP3A Polícia de Segurança Pública (PSP) deteve dois indivíduos pelo crime de tráfico de estupefaciente em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira.

Segundo adiantou ontem a PSP, no comunicado de actividade policial, das detenções resultou a apreensão de 95 doses de haxixe, a par de “valores monetários, entendidos como proventos da referida actividade ilícita”.

Os detidos foram presentes à Autoridade Judiciária competente para primeiro interrogatório judicial.

“Com mais esta acção, a Divisão Policial de Angra do Heroísmo pretende dar continuidade à estratégia de prevenção e combate à criminalidade, promovendo assim o aumento do sentimento de segurança da população”, salienta a PSP, no mesmo comunicado.

Já na ilha de São Miguel, na segunda-feira foram detidos três condutores alcoolizados, com idades entre os 34 e os 47 anos, que apresentavam taxas de álcool no sangue de 1.36, 1.46 e 1.54 g/l. A PSP interceptou também um jovem, menor de idade, a conduzir um veículo sem habilitação legal.

Quanto à sinistralidade rodoviária, ainda na segunda-feira, a PSP dá conta da ocorrência de 14 acidentes de viação nos Açores, dos quais resultaram dois feridos ligeiros e danos materiais.

Remoção do “Mestre Simão” deverá ficar concluída no final de Maio

mestre simão encalhadoA Autoridade Marítima comunicou ontem a aprovação do plano de remoção do navio “Mestre Simão” do porto da Madalena, apresentado no passado dia 29 de Março. 

O plano foi apresentado por Brand Marine Consultants, em nome do Clube de P&I ao qual pertence a Atlânticoline, S.A., tendo sido colocado à consideração da Câmara Municipal da Madalena, da Portos dos Açores, S.A. e das direcções regionais dos Assuntos do Mar e do Ambiente. Segundo refere a Atlânticoline, em comunicado, “todas estas entidades emitiram pareceres favoráveis à sua implementação”. 

De recordar que, na sequência da impossibilidade de concretizar o plano primeiramente aprovado, este plano, da responsabilidade da empresa Resolve Salvage & Fire, afigurou-se como a segunda melhor proposta apresentada inicialmente. Esta empresa foi, de resto, a responsável pelo plano de remoção de combustível e óleos do navio. 

Segundo a Atilânticoline, segue-se agora “um período negocial” para finalização dos termos contratuais entre as partes, que deverá ficar concluído “muito em breve”. 

“Assim, estima-se que os trabalhos no local arranquem ainda no mês de Abril, de modo a que possam estar concluídos no final de Maio próximo”, refere a empresa, ressalvando que “o avanço dos trabalhos de remoção do navio estará, naturalmente, sujeito às condições de tempo e de mar”.