Artigos

Empresários das Flores estão sem gás, iogurtes, batata e fruta, por causa do mau tempo

batasOs empresários do ramo alimentar da ilha das Flores registaram ontem uma ruptura em vários bens essenciais, que teve origem no mau tempo das últimas semanas, que impediu, por duas vezes, a operação do navio de transporte de mercadorias.
De acordo com a agência Lusa, Arlindo Lourenço, um proprietário de uma rede de supermercados na ilha, já não existem iogurtes nem fruta para venda aos habitantes locais, situação que considerou ser “aflitiva” e “horrível” para qualquer empresário. “Eu não tenho um iogurte nem uma peça de fruta para vender!”, lamentou Arlindo Lourenço, acrescentado que num período de dificuldades financeiras, esta ruptura de bens alimentares significa “elevar a crise ao quadrado.”
O empresário florentino recordou que o navio “Sete Cidades”, da transportadora Transinsular, devia ter feito escala na ilha no dia 9 de Maio, mas as más condições climatéricas obrigaram a empresa a “abortar” a operação.
“O navio rumou a São Miguel, para se abrigar e regressou às Flores esta semana, para nova tentativa falhada”, explicou Arlindo Lourenço, adiantando que a informação que dispõe, é de que o navio, que está a caminho do porto de Leixões, só irá tentar operar nas Flores na próxima terça-feira.
Preocupado com esta ruptura de bens essenciais está também José António Corvelo, proprietário de um restaurante na Fajãzinha, concelho das Lajes das Flores, que garante já não existir também gás butano na ilha.
“Foi uma corrida infernal ao gás! Já esgotou!”, disse o empresário, admitindo ter salvaguardado o seu negócio, ao adquirir gás em quantidade.
Segundo explicou o empresário, os florentinos “já não estavam habituados a este tipo de falhas” e quando tiveram conhecimento de que o navio não conseguia atracar no porto comercial da ilha, a corrida às prateleiras aumentou.
“Neste momento já não há batata, iogurtes nem fruta”, acrescentou José António Corvelo.
O presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz das Flores, Manuel Pereira, considerou, no entanto, tratar-se de uma “situação excepcional”, que resultou de um período prolongado de mau tempo, a que os habitantes locais “já não estavam habituados.”
No seu entender, o Governo Regional e a empresa Transinsular terão, contudo, tomado as “medidas correctas”, ao dar indicações ao navio para que regressasse a Leixões e voltasse às Flores na próxima semana.
 “Não havia garantias de que o navio pudesse operar. Entretanto, e a bordo seguiam produtos perecíveis, como carne e peixe com destino ao Continente”, recordou o autarca socialista.
Na sua opinião, situações como esta só seriam evitadas se fosse construído um novo molhe de protecção no porto das Lajes das Flores, no sentido de o tornar mais protegido das intempéries.
Recorde-se que a Secretária Regional da Economia disse na passada terça-feira ter informações de que “não existe, neste momento, qualquer risco de ruptura de stocks na ilha das Flores”, informação contrariada ontem por empresários.

II Encontro das Famílias dos Grupos de Educação Parental decorre sábado

 casalNo próximo dia 19 de Maio, às 10 horas, a Presidente do Instituto para o Desenvolvimento Social dos Açores (IDSA), Paula Ramos, fará uma intervenção sobre o projeto-piloto de educação parental, no âmbito do II Encontro das Famílias dos Grupos de Educação Parental, que decorrerá na Mata Dr. António Fraga, em São Miguel, estando previstas várias actividades ao longo do dia, as quais irão privilegiar a interacção entre pais e filhos.
No evento irão participar pais e crianças de nove grupos de educação parental, oriundos dos concelhos da Povoação, Nordeste, Ponta Delgada e da Ribeira Grande.
O encontro visa assinalar o Dia Internacional da Família, que se celebra hoje, bem como proporcionar um espaço de convívio, de actividades e de partilha das experiências vivenciadas nos grupos de educação parental.
Recorde-se que a educação parental é um projeto-piloto da Secretaria Regional do Trabalho e Solidariedade Social, promovido pelo IDSA, que foi implementado, em 2011, em todos os concelhos das ilha de São Miguel, abrangendo, nessa fase inicial, famílias com crianças dos 2 anos 13 anos.

Cd “Filarmónicas de Ponta Delgada” apresentado amanhã no Coliseu

Coliseu-MicaelenseÉ lançado amanhã, Feriado Municipal de Ponta Delgada, o CD “Filarmónicas de Ponta Delgada”.
O projeto, que reúne as prestações de todas as bandas filarmónicas no activo, em Ponta Delgada, é uma iniciativa municipal, concretizada com a comparticipação da ARDE através da Abordagem LEADER do Programa PRORURAL.
O CD Filarmónicas de Ponta Delgada vai ser lançado no Coliseu Micaelense, às 19h00, e é um ponto alto do programa das comemorações do Feriado Municipal de Ponta Delgada e da I Mostra de Cultura Popular de Ponta Delgada que está a decorrer até 17 de maio, próximo.
O CD “Filarmónicas de Ponta Delgada” é coordenado por Marco Torre e produzido pela empresa Globalpoint Music Lda. – Ponta Delgada. A edição conta com os registos musicais da Banda Lira das Sete Cidades (Sete Cidades), Banda Lira Nossa Senhora da Luz (Fenais da Luz), Banda União dos Amigos (Capelas), Filarmónica Fundação Brasileira (Mosteiros), Filarmónica Harmonia Mosteirense (Mosteiros), Filarmónica Lira de S. Roque (S. Roque), Filarmónica Lira Nossa Senhora da Estrela (Candelária), Filarmónica Lira Nossa Senhora da Oliveira (Fajã de Cima), Filarmónica Minerva (Ginetes), Filarmónica Nossa Senhora da Saúde (Arrifes) e Filarmónica Nossa Senhora das Neves (Relva).
O CD é acompanhado por uma mensagem da Presidente da Câmara que afirma que “promover, num registo discográfico, as filarmónicas do nosso concelho é uma iniciativa que pretende, no seu todo, elevar um dos mais expressivos símbolos da nossa cultura a todos quantos se envolvem na representação das nossas tradições, potenciando a identidade açoriana através da partilha de valores inequivocamente de raiz insular”.
A edição de CD “Filarmónicas de Ponta Delgada” não tem fins comerciais e insere-se em objectivos de divulgação desta tradição musical.
A iniciativa de lançamento deste trabalho está aberta a todos os interessados.

Concurso para reabilitar Sinagoga de Ponta Delgada deve ser lançado este ano garante Berta Cabral

BERTA CABRAL BISCOITOS SJ 1A presidente da Câmara de Ponta Delgada admitiu ontem que será lançado ainda este ano o concurso para as obras de reabilitação da Sinagoga da cidade de Ponta Delgada, o mais antigo templo judeu aberto em Portugal depois do liberalismo.
“O projecto está praticamente concluído. Já foi entregue a versão final de forma a serem pedidos os pareceres das entidades envolvidas. Se os pareceres forem rápidos o lançamento do concurso pode ser este ano”, afirmou Berta Cabral, em declarações à Lusa, após ter recebido, em audiência, o embaixador de Israel em Portugal, Ehud Gol.
Encomendado ao arquitecto Igor França, a recuperação do edifício localizado no centro histórico da cidade inclui a requalificação do espaço de culto e a criação de uma biblioteca, um museu e um espaço de interpretação do legado hebraico.
“Conseguir conciliar tudo isto num edifício já pré-existente é sempre complexo. Mas, o arquitecto tem feito as adaptações necessárias ao próprio projeto de forma a obedecer a todos os requisitos impostos pela legislação. Julgo que dentro de pouco tempo se os pareceres forem positivos estamos em condições de avançar com a candidatura e o concurso para a execução da obra”, salientou a autarca, embora sem avançar com datas para o arranque das obras.
Berta Cabral lembrou o protocolo assinado entre a Câmara e a Comunidade Judaica de Lisboa que permitiu a transferência da propriedade da Sinagoga para a autarquia e assim foram criadas “condições para avançar com o projeto” de reabilitação da Sinagoga, cujo interior está muito degradado.
Ao longo deste tempo tem sido encontrado no espaço algumas raridades, como milhares de papeis, livros documentos impressos, manuscritos, pergaminhos enrolados e pequenos livros de bolso que tem sido guardados.
O embaixador de Israel em Portugal, Ehud Gol, destacou “o riquíssimo” património hebraico existente na região, referindo-se ao caso concreto da Sinagoga de Ponta Delgada, que vai visitar novamente hoje, e onde já havia estado em duas anteriores deslocações a S. Miguel.
“Continuamos a fazer o máximo para restaurar essa Sinagoga que vai ser um lugar com muitas possibilidades para visitas, como um museu no futuro”, sublinhou.
O embaixador de Israel em Portugal referiu, por isso, que Ponta Delgada pode integrar a rede de cidades portuguesas com património judaico.
“É mais do que natural que Ponta Delgada faça parte desta rede de judiarias. Estou totalmente a favor disto”, frisou à Lusa.

Exercício militar envolve 450 efectivos a partir de 25 de Maio em S. Miguel

O exercício militar ‘AÇOR 12’, que decorre entre 25 de Maio e 1 de Junho na ilha de S. Miguel, vai envolver 450 militares e meios aéreos e navais, anunciou o Comando Operacional dos Açores (COA).
Este exercício combinado dos três ramos das Forças Armadas visa preparar o dispositivo militar disponível nos Açores para “uma intervenção de controlo e defesa de pontos e áreas sensíveis”, afirmou à Lusa o porta-voz do COA, tenente coronel António Nunes.
O ‘AÇOR 12’ integra também acções de treino de salvaguarda da vida humana, especialmente de apoio a intervenções de protecção civil em caso de catástrofe ou acidente grave.
O exercício, que mobilizará uma corveta da Marinha e duas aeronaves da Força Aérea, além de meios operacionais afectos ao Exército, vai desenvolver-se em vários pontos da ilha de S. Miguel.