Artigos

Governo activa fundos para compensar pescadores pelo mau tempo

pescadoresO Governo dos Açores anunciou esta quinta-feira que decidiu activar o FundoPesca para apoiar os pescadores que têm visto a sua actividade limitada por causa do mau tempo dos últimos meses, segundo avançou a agência Lusa.
“A Secretaria Regional dos Recursos Naturais decidiu activar o FundoPesca na sequência das condições climatéricas adversas ocorridas nos últimos meses, que têm impedido os pescadores de exercer em pleno a sua actividade”, divulgou o Governo Regional num comunicado.
De acordo com o mesmo texto, a Secretaria Regional dos Recursos Naturais, que tutela as pescas, vai por isso “proceder à convocação do Conselho Administrativo do FundoPesca para avaliar a situação e decidir de acordo com o regulamento deste fundo de compensação salarial” os apoios a activar.
A Federação de Pescas dos Açores (FPA) tinha anunciado que ia pedir ao Governo Regional um reforço do FundoPesca, sublinhando que por causa do mau tempo, há pescadores “a passar dificuldades enormes”, segundo disse à agência Lusa José António Fernandes, presidente da FPA.
O dirigente da federação afirmou que “há famílias inteiras a passar fome” porque os pescadores não têm podido sair para o mar.
“Já tenho alguma idade e julgo que este é um dos piores invernos de que tenho memória”, frisou José António Fernandes.
Desde que foi accionado há cerca de um mês que os pescadores beneficiários do FundoPesca estão a receber um valor mensal que tem como referência cerca de 50 por cento do salário mínimo regional açoriano, ou seja, cerca de 250 euros.
Mau tempo, preservação de recursos, interdição de pesca por motivos de saúde pública ou defesa do ambiente e impossibilidade do exercício da faina ditada por condicionantes decorrentes do carácter migratório das espécies são algumas das condições previstas para accionar o FundoPesca, criado em 2002.

Bolieiro defende “pensamento livre e crítico para o futuro do centro histórico da cidade”

Ponta delgadaO actual presidente da autarquia de Ponta Delgada defendeu esta quinta-feira que o futuro do centro histórico de Ponta Delgada não pode ser apenas pensado pela governança local e com “meros objectivos eleitorais”. “Deve, sim, contar com a participação de todos e ter um verdadeiro sentido estratégico de médio prazo”, salientou.
Segundo avança a câmara municipal em comunicado de imprensa, José Manuel Bolieiro falava no encerramento do workshop sobre “A Cidade, o centro e a(s) História(s): visões, perspectivas e análises entre gerações”, organizado pela autarquia para assinalar o Dia Nacional dos Centros Históricos.
José Manuel Bolieiro defendeu um “pensamento livre e crítico” para o futuro do centro histórico da cidade e agradeceu aos oradores da iniciativa, António Soares de Sousa, Rui Sabino de Sousa, Teresa Tiago e José de Almeida Mello, a participação no evento que quer ver repetida.
Bolieiro desafiou os oradores a continuarem a ter um “pensamento crítico e construtivo” sobre o centro histórico de Ponta Delgada, reforçando a ideia de que os objectivos que o Poder Local quer assumir para o presente e para o futuro não podem ser feitos de forma unilateral.
O workshop, moderado por Luís Almeida, decorreu na Academia das Artes dos Açores e contou com participação de algumas dezenas de munícipes, tendo debatido o que se pretende para Ponta Delgada em termos de futuro, nomeadamente no que respeita à integração do novo no antigo, ao centro histórico como centro de um futuro sustentado, à cidade em constante mutação e à inteligência competitiva que se pretende para a maior urbe açoriana.
No debate, ficou clara a necessidade de serem encontradas alternativas para trazer mais pessoas à cidade e torná-la mais viva; transformar o comércio tradicional numa marca de valor da cidade; unir forças com vista à reabilitação urbana, mesmo que seja necessário trazer as experiências que resultaram noutras cidades.
A criação de mais serviços na cidade, precisamente para dar mais vida a Ponta Delgada, foi uma das ideias defendidas ao longo do debate, o que, aliás, é também preconizado por José Manuel Bolieiro.

PSP apreende material de construção roubado no Nordeste

psp4O Comando Regional dos Açores da Polícia de Segurança Pública (PSP), através no âmbito de actuação da Esquadra do Nordeste, apreendeu na passada quarta-feira, dia 27 de Março, 120 blocos de cimento e 28 taipais em madeira. A apreensão deu-se na sequência de uma investigação por furto naquele concelho.
De acordo com o relatório de actividade diária da PSP, na Ribeira Grande, foi realizada uma operação de fiscalização rodoviária, na qual foram fiscalizados seis veículos e detectadas três infracções de natureza contraordenacional, nomeadamente por condução de veículo automóvel sem fazer uso do cinto.
Na ilha de Santa Maria, foi realizada uma operação de fiscalização rodoviária, na qual foram fiscalizados 15 veículos e detectada uma infracção de natureza contraordenacional, nomeadamente por pneus lisos.
Já no âmbito da Divisão Policial da Horta, na ilha do Faial as autoridades efectuaram uma acção de sensibilização “Comércio Seguro”, onde foram entregues aos comerciantes da ilha panfletos com conselhos de segurança. Uma iniciativa inserida na operação “Páscoa em Segurança” que se realizou ainda nas Lajes das Flores.
Ainda no Faial, foi realizada uma operação de fiscalização rodoviária, na qual foram fiscalizados 19 veículos e detido um homem, de 45 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool.
Nas Lajes do Pico, foi igualmente realizada uma operação de fiscalização rodoviária, tendo a força policial fiscalizado onze veículos e detectado uma infracção de natureza contraordenacional por falta de inspecção periódica obrigatória do veículo.
Em Angra do Heroísmo, foram fiscalizados 33 veículos e detectadas 22 infracções de natureza contraordenacional, nomeadamente por falta de inspecção periódica obrigatória do veículo, desobediência a sinalização vertical, estacionamentos irregulares, falta de seguro e falta de documentos.
No âmbito da Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial, a PSP efectuou uma operação de fiscalização em estabelecimentos tendo sido detectadas três infracções de natureza contraordenacional, nomeadamente, abertura de estabelecimento por explorador sem comprovativo de ter efectuado a declaração prévia, responsabilizando-se que o estabelecimento cumpre todos os requisitos, não afixação junto à entrada de estabelecimento do tipo e da lotação do mesmo e por não possuir livro de reclamações no estabelecimento.
O relatório da PSP refere ainda que na passada quarta-feira ocorreram seis acidentes de viação nos Açores, dos quais resultaram apenas danos materiais.

Pico terá viaturas SIV, anunciou Governo Regional

secretário saude - viaturas sivO Secretário Regional da Saúde anunciou na última quinta-feira que a acção das viaturas SIV (Suporte Imediato de Vida) vai ser alargada à ilha do Pico, tendo em conta “os dados estatísticos e a evolução do próprio serviço”, e que o serviço vai estar disponível 24 horas em S. Miguel, Terceira e Faial.
De acordo com o Gabinete de apoio à Comunicação Social, Luís Cabral afirmou que “foram já dadas indicações ao Serviço Regional de Protecção Civil e Bombeiros para dar início ao processo de aquisição da viatura e à formação de pessoal para a implementação do serviço naquela ilha”.
O Secretário Regional da Saúde assistiu ontem, em Angra do Heroísmo, a um balanço da acção desenvolvida pelas viaturas SIV no seu primeiro ano de atividade, constatando que existem benefícios para as pessoas e para o Serviço Regional de Saúde.
Nas três ilhas onde já funcionam, as SIV atenderam 3.352 situações nestes primeiros 12 meses de atividade, tendo sido possível, na maioria dos casos, medicar e estabilizar os doentes antes de chegar ao hospital.
Segundo Luís Cabral, isto permite reduzir o volume de trabalho nas urgências dos hospitais, uma vez que os doentes vêm já estabilizados, reduzindo também o tempo de internamento porque se diminuem os danos, uma vez que há um atendimento mais rápido, e consequentemente “consegue-se um menor grau de morbilidade”.
Estas viaturas também permitem que alguns diagnósticos, como o do enfarte agudo do miocárdio, sejam feitos na casa do doente, podendo os exames ser transmitidos, em tempo real, para o hospital e para o médico de prevenção, o que reduz “significativamente o tempo de ativação dos meios necessários para a intervenção hospitalar”.

Campanha contra o abandono de animais em Santa Maria

cão“Tolerância zero ao abandono de animais em Santa Maria” é como se intitula a campanha de sensibilização que a associação Amigos dos Açores e o Clube dos Amigos e Defensores do Património-Cultural e Natural de Santa Maria estão a promover, em parceria com outras entidades.
Em comunicado de imprensa, a organização avança que “o abandono de animais, que ainda acontecem em Santa Maria, são actos cruéis e degradantes, que devem ser veementemente combatidos sem complacências, pois daí decorrem graves consequências como o sofrimento dos próprios animais vitimados por essa irresponsabilidade, a má imagem que dá à ilha e ao seu povo”. A organização denuncia ainda os “graves perigos que poderão advir para a saúde pública e segurança de pessoas”.