Governo prevê investimentos de 763 milhões de euros para 2019

Vasco Cordeiro3O Conselho do Governo, que se reuniu em Angra do Heroísmo, aprovou a Anteproposta de Plano para 2019, que prevê um montante global de cerca de 763 milhões de euros de investimento público, no sentido de continuar a potenciar o novo ciclo que se verifica na economia regional. 

Deste montante, explica o executivo em nota de imprensa, 511 milhões de euros representam o investimento directo a efectuar pelo Governo dos Açores, contemplado num conjunto de acções promovidas directamente pelos departamentos da administração regional, e as restantes verbas serão executadas por diversas entidades públicas.

Os valores inscritos representam um aumento de 5,5 milhões de euros no total do investimento público e um crescimento de 2,4 milhões de euros no investimento direto da Região para 2019. 

Ontem, em Ponta Delgada, na reunião do Conselho Regional de Concertação Estratégica foi apresentada e analisada a Anteproposta de Plano para 2019. A reunião deste órgão de consulta e concertação nos domínios das políticas económicas, sociais e ambientais, que integra representantes dos parceiros sociais da Região, decorreu na sequência do Conselho do Governo realizado Quinta-feira, que aprovou os referidos documentos. Nos termos do Estatuto Político-Administrativo da Região Autónoma dos Açores, estão a ser consultados, todos os Conselhos de Ilha, órgãos a quem compete emitir parecer sobre as matérias de interesse para cada uma das ilhas. No próximo mês, as propostas, depois de aprovadas em Conselho do Governo, serão entregues na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores para debate e votação em plenário.

Venda de cimento cai nos Açores

venda de cimento 2018

A venda de cimento nos Açores teve uma quebra nos primeiros cinco meses deste ano, de acordo com os dados divulgados agora pelo SREA.

De Janeiro a Maio foram vendidas 58.036 toneladas de cimento, quando no mesmo período do ano passado tinham sido 61.163 toneladas.

Janeiro, Abril e maio foram os meses em que se registaram aumentos de venda, mas Fevereiro e Março registaram fortes quebras.

 

Estabilidade das instituições financeiras favorece crescimento económico dos Açores

sergio avilaO Vice-presidente do Governo salientou, em Angra do Heroísmo, o contributo das instituições financeiras para o crescimento económico dos Açores, depois de ultrapassado um “tempo de turbulência” e de “incerteza”.

“Este momento que vivemos de estabilidade dá-nos perspectivas e confiança de reforço futuro do contributo, também das instituições financeiras, para o crescimento económico da Região, para a valorização das nossas empresas, para a efectiva criação de mais e melhor emprego”, afirmou Sérgio Ávila, que falava Terça-feira na inauguração de um balcão do Santander Totta.

“Sei que este é o maior balcão do Santander, em termos de volume, da Região”, disse o titular da pasta das Finanças Regionais, manifestando o desejo de que “essa responsabilidade se possa multiplicar, cada vez mais, não só através daquela que é a actividade do banco, mas, particularmente, pelo ajustamento a novos desafios” que os instrumentos financeiros criados e desenvolvidos pelo Governo dos Açores proporcionam.

De acordo com Sérgio Ávila, a inauguração das novas instalações tem um “simplismo associado”, já que o investimento desenvolveu-se ao mesmo tempo que decorria, nesta instituição financeira, a “integração de diferentes instituições”, acrescentando que esse processo foi “conseguido com enorme estabilidade por parte da manutenção do funcionamento do banco”.

“Com a cultura que trazia do Santander, ampliado à cultura que existia, desde os idos tempos do Banco Micaelense, do Banco Comercial dos Açores e, depois, do Banif, essa integração tem sido feita, nos Açores, de forma exemplar do ponto vista comercial e do ponto de vista do contributo para a dinâmica da nossa economia”, realçou o Vice-presidente do Governo.

“Esta inauguração é exactamente o exemplo disso, de pessoas que vêm de várias famílias bancárias, que passaram por várias situações e que estão unidas nesta nova dinâmica e nestes novos tempos. Novos tempos, com novas instalações”, frisou.

No que diz respeito ainda ao processo de integração desenvolvido pelo Santander Totta, Sérgio Ávila disse que se, num primeiro momento, houve uma abordagem objectiva sobre “situações que estavam a correr menos bem”, reconheceu que actualmente o banco, com a sua nova dimensão nos Açores, “tem correspondido e tem sido um referencial de estabilidade”, contribuindo, assim, para o desenvolvimento da Região.

Produzidas 505 toneladas de iogurtes nos Açores no ano passado

João ponte na yoçorO Secretário Regional da Agricultura e Florestas defendeu que os Açores têm todas as condições para crescer ao nível da produção de iogurtes, que, no último ano, atingiu 505 toneladas.

“Se associarmos a qualidade do produto, resultado da qualidade do leite produzido, ao aumento da procura pelos produtos dos Açores, cuja expectativa é crescer ainda mais, é de esperar que vamos continuar a assistir a um aumento da procura dos iogurtes dos Açores, salientou João Ponte.

“Na Região, ainda importamos muitos iogurtes. A nível nacional, a produção de iogurtes dos Açores representa 0,5% do consumo do país. Naturalmente é uma área de negócio em que temos todas as condições para crescer no futuro”, afirmou o titular da pasta da Agricultura à margem de uma visita à fábrica Yoçor, que produz iogurtes na ilha de São Miguel há 40 anos.

João Ponte referiu que, entre 2016 e 2017, esta empresa familiar obteve um crescimento de 11% ao nível da transformação de leite e, só nos primeiros quatro meses deste ano, voltou crescer mais 12%, comparativamente com igual período de 2017.

“Esta empresa é um bom exemplo, não só pelo crescimento alcançado, mas porque tem apostado na inovação e apresentou um projecto no âmbito do PRORURAL para ampliar a fábrica e aumentar a produção, cuja candidatura está a ser analisada”, afirmou.

Este projecto, que o governante espera que venha a ser aprovado brevemente, vai permitir a esta empresa aumentar a sua capacidade de resposta para abastecer o mercado local, reduzir as importações e aumentar as exportações.

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas frisou que a Yoçor é uma empresa que vai ao encontro da política defendida pelo Governo dos Açores, quanto à necessidade da indústria apostar mais em novos produtos e na inovação para ganhar novos clientes, tornando-se mais competitiva no mercado.

“O Governo tem disponibilizado apoios para a área da inovação. Está a decorrer um novo concurso para projectos ligados à inovação. No último concurso não se registou a entrada de qualquer projecto, mas neste novo aviso há indicadores positivos de que possam aparecer projectos”, disse João Ponte. Apesar do bom trabalho que está a ser feito nos Açores ao nível da produção de leite e da transformação, o governante salientou a importância de um maior esforço ao nível da inovação e na procura de novos mercados, para permitir que o leite seja melhor valorizado e se consiga pagar mais aos produtores.

Açorianos convidados a participar no Orçamento Participativo de Portugal

Pessoas na rua PDLO Orçamento do Estado para 2018 dotou o Orçamento Participativo de Portugal (OPP) com uma verba de cinco milhões de euros, dos quais 625 mil euros são para a execução de projectos da iniciativa de cidadãos nos Açores.

Este ano, e considerando que está em curso a primeira edição do Orçamento Participativo dos Açores (OP Açores), a Região dispõe de mais de 1,2 milhões de euros para execução de projectos de investimento público propostos por iniciativa cívica.

O OPP, tal como o OP Açores, não restringe a residência dos cidadãos proponentes, encontrando-se aberto a ideias de todo os cidadãos nacionais ou estrangeiros com residência legal em Portugal, com 18 ou mais anos, em todas as áreas da governação.

Assim, vão decorrer esta semana nos Açores dois Encontros Participativos que contam com a presença da Secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa, Graça Fonseca.

Os encontros, abertos a todos os interessados, vão decorrer amanhã, pelas 18h00, nos Serviços do Desenvolvimento Agrário de São Miguel, em Ponta Delgada, e a 20 de Abril, pelas 17h30, no Auditório do Ramo Grande, na Praia da Vitória.

As propostas podem ser submetidas até 24 de Abril, através do endereço electrónico https://opp.gov.pt ou nos encontros participativos, sendo que, depois de validadas, ficam disponíveis para consulta no sítio do OPP na internet, decorrendo, de 11 de Junho a 30 de Setembro, a fase de votação dos projectos.

Na primeira edição do OPP, que contemplou propostas nas áreas da Justiça e da Administração Interna, foram quatro os projectos açorianos vencedores, o que se traduziu num investimento público de 400 mil euros na Região.

Até ao momento, já foram submetidas online e apresentadas nos encontros participativos mais de 450 propostas por cidadãos de todo o país, das quais sete foram efectuadas por cidadãos residentes nos Açores, nas áreas da Cultura, Educação, Desporto e Juventude, Igualdade e Cidadania, Justiça e Saúde.

O Orçamento Participativo de Portugal visa reforçar a qualidade da Democracia, envolver os cidadãos nos processos de decisão e estimular a coesão económica e social, potenciando o surgimento de projectos que liguem pessoas de diferentes territórios.