Produção de energia está a baixar

electricidade 3A produção de energia nos Açores está a baixar este ano 0,09% em relação ao ano passado.

De acordo com o SREA (ver gráfico), a produção de energia desde Janeiro até Setembro deste ano regista 594.337 MWh, quando no mesmo período do ano passado registava 602.021 MWh.

Apenas no mês de Março foi registado um ligeiro aumento da produção, enquanto que nos restantes meses do ano registam-se quedas de produção.

Apesar de tudo, a energia geotérmica está crescer, atingindo neste momento os 140.275 MWh, quando no ano anterior registava 106.938 MWh.

 

Estabilidade orçamental permite reforçar o rendimento disponível das famílias e do trabalho em 2018

sergio avila11O Vice-presidente do Governo entregou ontem, na Horta, à Presidente da Assembleia Legislativa, Ana Luís, as propostas de Orçamento e de Plano Anual para 2018. 

Segundo o Executivo, os documentos  “espelham” a “estabilidade orçamental”, transmitindo “confiança aos investidores”, e permitem “reforçar o rendimento disponível das famílias e do trabalho” num “novo ciclo de desenvolvimento da Região”.

Sérgio Ávila salientou que este novo ciclo assenta “claramente na consolidação do crescimento económico e na competitividade das empresas, no reforço da criação de emprego, particularmente de melhor emprego, mais bem remunerado, mais qualificado e mais estável, e ainda num reforço dos apoios sociais”.

 “O Orçamento para o próximo ano tem um valor de 1.292 milhões de euros, sendo 503 milhões de investimento directo e 753 milhões de investimento global”, revelou o Vice-presidente em declarações aos jornalistas, destacando que “tem exactamente o mesmo montante” do ano em curso, o que “assegura confiança aos investidores e aos agentes económicos” por reflectir a “estabilidade orçamental na Região”.

 Sérgio Ávila apontou também, enquanto aspeto essencial, o “aumento muito significativo do rendimento das famílias”, quer por via “da redução do IRS, imposto sobre os rendimentos do trabalho, quer por via do descongelamento das progressões da carreira na Administração Pública”. São duas medidas, frisou, que vão “permitir reforçar em 28 milhões o rendimento dos açorianos”.

O titular da pasta das Finanças Públicas salientou, por outro lado, que as propostas de Plano e Orçamento para 2018 traduzem “um reforço significativo da autonomia financeira da Região”, tendo em conta que “as receitas próprias este ano superam as despesas de funcionamento da Administração Regional, incluindo as dos sectores da Saúde e da Educação”. 

O Vice-presidente sublinhou ainda “a continuação do esforço de redução das despesas de funcionamento da Administração Regional, tendo em conta que, excepto os efeitos do descongelamento de progressão na carreira, todas as outras componentes de funcionamento têm uma redução” em 2018 face ao ano corrente.

 Outro aspecto salientado por Sérgio Ávila é “a redução muito clara da dependência de factores externos à Região”.

 Isto porque, apesar da redução de 53 milhões de fundos comunitários, o Orçamento se mantém “exactamente no mesmo valor do ano anterior, ou seja, de 2017”.  A prioridade do investimento é direccionada para as famílias e empresas, nas componentes de rendimento disponível e apoio, verificando-se também um incremento de 45 milhões de euros nas receitas próprias da Região.

POSEI destina cerca de 940 mil euros à produção de banana

bananasO Secretário Regional da Agricultura e Florestas anunciou ontem que o apoio do POSEI aos produtores de banana nos Açores será pago em Junho, registando um reforço superior a 30% da verba inicial prevista.

João Ponte salientou que a dotação global do POSEI para a produção de banana em 2016 ascende a cerca de 940 mil euros, ou seja, mais 240 mil euros do que o valor inicialmente orçamentado.

“É uma importante ajuda porque os custos de produção de banana são muito significativos e, sem essa ajuda, não seria possível manter a produção com a escala que já se verifica na Região”, afirmou João Ponte no final de uma visita à cooperativa Frutaçor, em Vila Franca do Campo.

O Secretário Regional afirmou que as cooperativas devem fazer um esforço no sentido de continuarem a organizar a produção, de modo a que possa haver banana nos períodos do ano em que ela é mais escassa e atinge os melhores valores em termos de mercado.

João Ponte revelou ainda que o Governo dos Açores vai financiar, no âmbito dos programas de apoio ao sector cooperativo na agricultura, a instalação de duas câmaras de maturação de banana na Cooperativa Frutaçor. 

A produção de banana nos Açores tem maior expressão nas ilhas de São Miguel, Terceira e Pico.

SATA melhorou as contas mas ainda apresenta prejuízos

sata2O Grupo SATA apresentou “melhorias significativas” no desempenho económico de 2016 face ao ano anterior. Apesar dos resultados operacionais e líquidos ainda apresentarem valores negativos, a melhoria verificada representa uma aproximação a uma “operação sustentável”.

É de referir o regresso do Grupo a níveis de EBITDA positivos (1,7 milhões de euros positivos em 2016 face a 8,8 milhões de euros negativos em 2015).

 Esta melhoria decorreu essencialmente do forte crescimento do número de passageiros em 16%, do número de voos em 14% e, consequentemente, das receitas operacionais em 13%, as quais atingiram 202 milhões de euros em 2016.

 Para este aumento de receita contribuiu o aumento de vendas de passagens da Sata Internacional – Azores Airlines em cerca de 26%.

 Nas rotas liberalizadas (S. Miguel e Terceira) verificou-se um aumento de 37%, enquanto nas rotas de obrigações de serviço público o incremento da venda de passagens foi de 29%. 

O mercado norte-americano verificou também um aumento da venda de passagens, registando um acréscimo de 26% nas rotas dos Estados Unidos da América e 12% nas rotas do Canadá.

 Importa destacar igualmente a redução dos custos com combustível em 4%. 

 Dada a evolução operacional positiva da actividade operacional da SATA em 2016, os resultados operacionais e líquidos, embora negativos, apresentaram uma melhoria significativa de 8 milhões de euros face aos de 2015.

 Destaca-se igualmente a manutenção do valor de dívida líquida bancária face a 2015, a qual se situa nos 154 milhões de Euros.

 “Esta recuperação da actividade operacional do Grupo SATA em 2016 permite olhar com confiança renovada para o futuro”, anunciou a SATA ontem.

Novo Banco dos Açores obtém lucro no 1º trimestre

Novo banco dos açoresO Novo Banco dos Açores fechou o primeiro trimestre deste ano com um resultado positivo de 733 milhões de euros, que compara com um resultado homólogo negativo de -765 milhões de euros.

Segundo as nossas fontes, a Redução dos Custos Operativos ( -8,7%) e, principalmente, nos custos com o pessoal (- 9,9%) e melhoria nas imparidades contribuíram para o resultado agora apurado.

Recorde-se que o Novo Banco dos Açores encerrou o exercício de 2016 com um resultado líquido positivo de cerca de 1,7 milhões de euros, apesar do “contexto extremamente difícil”, tendo captado mais de 2.200 novos clientes. 

No exercício de 2016 o banco destaca que os depósitos à ordem tiveram um crescimento relativamente a 2015 de 14,6%, passando de 63,2 para 72,4 milhões de euros, enquanto os depósitos a prazo passaram de 275,4 para 278,5 milhões de euros, a que corresponde um crescimento de mais 1,1%. 

No que respeita ao crédito, registou-se um decréscimo de 0,2% relativamente ao ano de 2015, passando o crédito concedido de 377,4 para 376,5 milhões de euros. 

No exercício de 2016, foi entregue aos cofres da Região Autónoma dos Açores cerca de cinco milhões de euros de impostos.