Edit Template

Projeções: as próximas eleições de 4 de fevereiro

A expetativa é muita sobre o que acontecerá nas próximas eleições – que são especiais. É a 1.ª vez da história da autonomia política dos Açores que foram provocadas eleições antecipadas por dissolução e por inexistência de maioria parlamentar. É a 1.ª vez que esse resultado advém dum governo minoritário e que detinha a maioria parlamentar através de acordos partidários. É a 1.ª que acontece e na existência de um governo de coligação de três partidos políticos. E é a 1.ª vez que a queda do Governo da República e a subsequente dissolução da Assembleia da República levam, direta ou indiretamente, à dissolução da Assembleia Legislativa dos Açores. Assim como é a 1.ª vez que o parlamento regional está num registo multicolor partidário e suficientemente forte para fazer cair o governo regional.
Em toda a linha o acontecimento é único. E as previsões são também únicas. Assim como são únicos outros pormenores que percebemos na análise do quadro infra. Cada ilha, independentemente da população e do número de eleitores, possui dois deputados, modelo de excelência em virtude de a democracia ter de se ajeitar à natureza arquipelágica da região; de outro modo as ilhas de pequena dimensão populacional perderiam qualquer sentido prático da autonomia representativa. Mas isso tem outras consequências: o PPM, no Corvo, aproveita-se dessa realidade para, a troco da autonomia, divulgar os ideais da monarquia, seja através da própria designação, seja através da defesa na comunicação social privilegiada. Antes do PPM, o Corvo vivia diferente situação: com facilidade os governantes obtinham fáceis vitórias: bastaria oferecer um ou dois projetos emblemáticos, de pouco valor pecuniário, mas muito significativo para as necessidades da população, e eis que o que desse mais tinha a vela acesa. Ainda acontece, embora o PPM tenha conquistado o seu nicho: o Corvo nunca teve um serviço de desporto na ilha por desnecessário e por suficiente o professor de educação física assegurar essas mínimas funções; mas o PPM, agora no Governo, ofereceu um inteiro serviço de desporto – que nada adianta aos corvinos naquilo que são as suas necessidades reais e traduz apenas mais um custo de um dirigente sem pasta para o erário público.
A realidade que este quadro ilustrativo mostra expõe pontos essenciais que merecem atenção redobrada dos cidadãos. Governos de maioria de um único partido – que é toda a história política dos Açores desde 1976 até 1996 e de 2000 até 2020 assim nos têm mantido – têm sido assegurados por via dessa realidade. Em ilhas mais pequenas os governos com facilidade encanta-as com meia dúzia de bagatelas, e assim o povo, esquecendo, na amargura da vida insular, a necessidade de projetos estruturais que permitam poupanças de longa data, acabam por ceder aos seus caprichos e necessidades e que são a manutenção no poder. Este quadro mostra bem a fragilidade do sistema de governo regional: como este não tem modos de controlo estritamente político por falta de um terceiro órgão regional que tenha especificamente essa função, os governos perpetuam-se no poder; adquirem hábitos “de que quero, posso e mando”. Não é raro e até é frequente ouvir os políticos afirmarem que têm a legitimidade do povo; ora, quem seja legítimo não tem necessidade de o afirmar; quando o afirmam estão a dar orientações à navegação: “meus senhores, sou eu que estou no governo, logo, eu faço o que quiser, tanto mais que está no programa do governo, que tanto cobre ir à lua, como a marte, tanto faz”. Quando na Europa mais evoluída, em termos políticos, estes têm governos de coligação, por algum motivo assim é: porque é pela maioria hodierna – composta por minorias – que melhor se governa, porque mais difícil e mais fácil detetar a corrupção.
Se o PSD, CDS e PPM tivessem sido escorreitos no seu governo não teriam caído; quiseram o governo só para si, para distribuir merendas aqui e ali, naturalmente que à primeira oportunidade quem os mantinha em maioria liquidou-os. E liquidou-os muito bem, e o PSD não soube prever isso. As previsões apontam para um parlamento colorido; não com acordos de incidência; mas com governo de várias matizes políticas. Um privado pode mudar a forma de fazer política; um governo não, porque todos sabem quais as necessidades imediatas e estruturais. É suficiente cumprir a função pública e não a função pessoal. O Governo caiu pelo seu próprio mérito.

Edit Template
Notícias Recentes
Cardoso Jorge, Presidente da Casa do Povo: “Há falta de creches; só no Pico da Pedra temos 60 famílias em lista de espera”
10 artesãos homenageados no Dia da Freguesia dos Arrifes
Prisão preventiva para suspeito do crime de tráfico de estupefacientes na Ribeira Grande
Já arrancaram os voos da SATA de Toronto e Boston para Funchal
Exposição “Fringe” na ilha de São Jorge
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores