Edit Template

Cinzas ou Ressurreição?

Os da minha geração recordam-se, certamente, dos tempos em que a Quarta-Feira de Cinzas, sinalizava o início da Quaresma com cortes abruptos nas alegrias carnavalescas, impondo jejuns e abstinências de carne. Só o pagamento de “bulas” dispensava essas imposições, embora nem todos os fiéis tivessem disponibilidade de as adquirir.
Felizmente esse estratagema há muito acabou. Permanece, no entanto, a cultura religiosa dos Novíssimos (morte, juízo, purgatório, inferno e paraíso) que diaboliza a diversão e a sexualidade nas suas mais puras manifestações, atemoriza os menos esclarecidos e menospreza conceitos e propostas evangélicas que defendem a solidariedade, a caridade, a paz e a dignidade humana.
Esta inversão de valores subsistiu na pregação e na praxis da Igreja durante séculos.
Ainda hoje, a Quaresma resume-se a um grande cerimonial litúrgico com uma importante componente cénica e imagética, baseada mais na penitência corporal do que para na renovação e transformação pessoal e social de hábitos, mentalidades e comportamentos. O kairos, tempo propício à bíblica metanoia (conversão e transformação pessoal e coletiva) não impõe sofrimentos de pendor corporal, nem privações que afetam permanentemente os mais débeis, carenciados e excluídos, como se lê no Antigo Testamento: Eu quero devoção e não sacrifícios,conhecimento de Deus mais que holocaustos.(Oseias 6.6)
Sem pretender fazer juízos de valor sobre manifestações da piedade popular, habitualmente consideradas como património cultural e identitário, o importante é perceber as motivações pessoais e coletivas que as mantém.
As Romaria quaresmais são um bom exemplo de como, passados os tempos da cristandade, é possível determinadas práticas religiosas manterem o seu dinamismo pastoral atuando como processos alteração de comportamentos (metanoia) pessoais e coletivos que a Igreja Católica propõe para o tempo quaresmal.
O antigo cerimonial da Quaresma e da Semana Santa envolvia a participação das irmandades franciscanas masculinas dos terceiros, a maioria das quais extintas, cujos membros com os respetivos hábitos participavam ativamente na realização de procissões, suportando despesas e organizando os cortejos. Esse dinamismo decorria do acompanhamento e importância que o clero atribuía aos membros dessas instituições canónicas.
A Irmandade do Senhor Santo Cristo é em tudo semelhante àquelas irmandades, embora, desde a sua criação, fosse incumbida de realizar os festejos externos da Festa e de organizar as Procissões. Recentemente, para além disso, assumiu propósitos de intervenção sócio-caritativa, distribuindo todo o ano cabazes por dezenas de famílias carenciadas, a expensas das largas dezenas dos respetivos membros. Atitude de saudar, pois traduz, nestes tempos de dificuldade, a verdadeira mensagem bíblica que impele os fiéis a repartirem os bens e a atenuarem as gritantes carências das periferias humanas.
Esta motivação deveria igualmente mobilizar os crentes e as comunidades a olharem à sua volta e a compreenderem os sofrimentos e carências humanas de tantos cidadãos dignos do nosso respeito e dedicação.
Neste sentido o Papa Francisco, na sua mensagem aos fiéis propõe que “a Quaresma seja também tempo de decisões comunitárias, de pequenas e grandes opções contracorrente, capazes de modificar a vida quotidiana das pessoas e a vida de toda uma coletividade: os hábitos nas compras, o cuidado com a criação, a inclusão de quem não é visto ou é desprezado”. E continua: “O primeiro passo é querer ver a realidade. Também hoje o grito de tantos irmãos e irmãs oprimidos chega ao céu”. Num tom ainda mais incisivo Francisco pergunta: “o grito desses nossos irmãos e irmãs “chega também a nós? Mexe conosco? Comove-nos? Há muitos fatores que nos afastam uns dos outros, negando a fraternidade que originariamente nos une”.
Nos últimos tempos, temos ouvido agentes políticos pronunciarem-se sobre várias questões sociais, relacionadas com a pobreza e as migrações massivas, contradizendo direitos humanos e princípios evangélicos, com a maior displicência, sem que as autoridades religiosas e até políticas os contraditem.
De nenhum modo se pode permitir que a liberdade de expressão possa afrontar princípios fundamentais. Seria permitir, sem impunidade, a aprovação tácita de ideologias que colocam em causa os direitos à vida, à justiça e à fraternidade o que nos parece perigoso, tendo em conta exemplos da história contemporânea. A democracia e a dignidade humana não podem correr esse risco.
O próprio episcopado, o clero e demais organismos eclesiásticos, seguidores da mensagem evangélica não podem desconhecer ou ignorar ideologias “que assentam a sua mensagem política no ódio e na divisão que odeia o Outro e ataca os outros em função da sua pele e da sua origem, que defende a pena de morte ou a castração química, numa clara violação da defesa intransigente da vida, incluindo aos que falham gravemente, sem possibilidade de perdão”.1 Têm de denunciá-las, esclarecendo os fiéis e homens de boa vontade, como o fazem os papas nas suas Encíclicas e mensagens públicas dirigidas “aos homens de boa vontade”.
É fácil e útil apelar, sem mais, ao dever de votar. Mas importa salvaguardar, no momento da escolha livre, princípios sobre os quais não se pode transigir para salvaguarda da dignidade humana e da democracia.
Este é um tempo favorável (kairos) à renovação das mentalidades e de assumir novas formas de agir.
Ao nosso lado há famintos e carenciados escondidos das portas para dentro, com vergonha de mostrar pratos vazios. São nossos vizinhos, têm a mesma fé que nós e carecem da renúncia quaresmal que fazemos chegar a povos distantes…
Enquanto a Quaresma se limitar a reeditar solenes rituais litúrgicos e esquecer “o grito de tantos irmãos e irmãs oprimidos”, como diz o Papa, a Ressurreição do Justo não passará de uma memória insignificante que não gera nem vida nova nem nem comunidade. Ficaremos presos ao inevitável destino final, traduzido na velha máxima: “és pó e em pó te hás-de tornar.”

1https://setemargens.com/em-defesa-da-vida-porque-se-calam-os-bispos-sobre-o-chega/?

José Gabriel Ávila*

*Jornalista c.p.239 A
http://escritemdia.blogspot.com

Edit Template
Notícias Recentes
“Estamos Preocupados; É preciso maior promoção do destino Açores”
Ilídia Quadrado nega ter sido convidada para portos dos açores
Açores já têm um guia para contratar Estrangeiros
Polícia Marítima detecta irregularidades em barcos de pesca em S. Miguel
Ribeira Grande assinala Dia Municipal do Bombeiro
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores