Edit Template

Prevenir, prevenir, prevenir

“Apesar da memória viva da COVID-19 (e dos seus mais de 13 milhões de mortes), a maioria dos países não está preparada para uma nova pandemia. Esta é a realidade cruel, em jeito de conclusão, dizem os autores deste artigo.”

Os dados para análise da semana: preparar o pior…

Esta semana alguém publicou uma lista completa das directrizes do CDC para se EVITAR uma próxima pandemia: uma tabela em branco.
Quando a pandemia COVID19 ainda está viva, um pouco por todo o mundo ocidental o facilitismo, face ao “inevitável Futuro”, instala-se. “Preparar o pior, esperar o melhor”. Regra básica da prevenção, mais uma vez esquecida.

A Ciência da semana: “FALHAS INTERNACIONAIS E VERDADES DESCONFORTÁVEIS, sobre o H5N1”

Este artigo, publicado no “The Lancet” desta semana, é o que vos trago hoje, para análise.
Se se perguntar a alguém de Saúde Pública se nos devemos preocupar com a gripe H5N1, essa pessoa dirá que, de facto, “sim, devemos preocupar-nos”. Há muito que uma pandemia de Gripe está no topo da lista de ameaças globais à Saúde, e a “gripe das aves” representa uma preocupação particularmente séria.
O H5N1 infectou mais de 800 pessoas desde que foi identificado (em 1996), com uma taxa de mortalidade superior a 50%. Desde 2020 tornou-se endémico nas populações de aves, desencadeando uma pandemia animal sem precedentes, afectando ainda (pelo menos) 26 espécies de mamíferos.
No entanto, embora os acontecimentos dos últimos 3 meses nos EUA possam (ou, esperamos, que não possam…) assinalar o início de uma pandemia global, no mínimo são uma lembrança (premente e indesejável) dos caprichos de uma gripe zoonótica, e da nossa contínua complacência colectiva perante tal.
Um surto sem precedentes de “Gripe das aves”/A (H5N1), altamente patogénica (a primeira infecção documentada em vacas leiteiras) foi relatado em 25 de Março de 2024, no Texas, no Kansas e no Novo México, aumentando o potencial de transmissão a pessoas.
Até agora, estão confirmados 3 casos humanos nos EUA, todos trabalhadores agrícolas, sendo que a terceira pessoa apresenta sintomas respiratórios.
Apesar dos apelos a uma maior vigilância, a resposta dos EUA tem sido lenta, e muitos outros casos passaram (provavelmente) despercebidos.
Tem havido resistência por parte da indústria pecuária americana, à volta dos testes e da prevenção, motivada pela falta de sensibilização (ou compreensão) sobre a mudança de práticas, e pelo medo de restrições comerciais, e perda de produtos. O “Departamento de Agricultura dos Estados Unidos” (USDA) e o “Centro de Controle e Prevenção de Doenças” (CDC) dos Estados Unidos estão a incentivar os produtores de laticínios a fornecer equipamentos de proteção individual e a oferecer serviços de lavandaria aos seus funcionários, mas o USDA foi acusado de ser lento a partilhar dados cruciais sobre a sequência do vírus, complicando o nosso conhecimento acerca do surto.
No Canadá, foram implementados sistemas de alerta precoce para detectar o H5N1 no leite.
O Reino Unido afirma que intensificou a sua resposta ao surto dos EUA mas, de acordo com um relatório do mês passado, ainda não está a testar as vacas, para detectar o vírus.
São necessárias medidas urgentes para conter este surto, incluindo:
melhores testes, vigilância e notificação de animais e produtos alimentares infectados;
vacinação das populações animais;
troca transparente de informação;
desenvolvimento e armazenamento de vacinas humanas;
e, promoção de medidas de protecção nos trabalhadores agrícolas.
Todos os países devem desenvolver a capacidade de testar, detectar e notificar infecções, casos e mortes acima dos níveis esperados, e partilhar esta informação. Os países que necessitam de assistência externa para reforçar a sua capacidade têm de ser apoiados.
Apesar da memória viva da COVID-19 (e dos seus mais de 13 milhões de mortes), a maioria dos países não está preparada para uma nova pandemia. Esta é a realidade cruel, em jeito de conclusão, dizem os autores deste artigo.

A Homenagem da semana: esperar (e desejar) o melhor

Estima-se que entre 15 a 20% de todos os cancros, em todo o mundo, tenham origem em agentes infecciosos, como o HPV, o Epstein-Barr ou os vírus da hepatite. Vários estudos têm investigado uma possível ligação entre o SARS-CoV-2 e o cancro, desde uma relação entre o aumento de cancros em fase avançada e a interrupção na prestação de cuidados médicos, até à possível activação de células cancerígenas latentes, pelo vírus. Num estudo no “The Lancet Oncology” (https://www.thelancet.com/pdfs/journals/lanonc/PIIS1470-2045(23)00293-0.pdf), foi analisado um registo nacional de cancro dos Estados Unidos, e identificado um aumento significativo nos diagnósticos de cancro em estadio avançado, desde o final de 2020; a causa seria a interrupção na prestação dos cuidados de saúde, causada pela pandemia COVID-19, que levou a atrasos no diagnóstico e tratamento do cancro. O estudo sugere ainda que o SARS-CoV-2 pode desempenhar um papel na aceleração da progressão da doença, em alguns casos. Por outro lado, num artigo no “American Journal of Surgery” (https://www.americanjournalofsurgery.com/article/S0002-9610(23)00496-8/abstract), frisa-se o papel do atraso significativo nos diagnósticos e tratamentos cirúrgicos (resultado da pandemia de COVID-19), na gestão de cancros em estadios avançados. Um outro artigo, na “Breast Cancer Research” (https://breast-cancer-research.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13058-020-01360-0), avaliou a possibilidade de o SARS-CoV-2 poder activar células adormecidas do cancro da mama, contribuindo para a sua reactivação e progressão metastática. Por fim, um artigo (https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC10202899/?s=09#) avaliou os mecanismos potenciais pelos quais o SARS-CoV-2 poderia agravar vários tipos de cancro (como o cancro do pulmão, colorretal, pancreático e oral), colocando a hipótese de que o vírus pode alterar a capacidade do organismo em “destruir” tumores, e causar inflamação sistémica, que facilitaria a progressão da doença.
Numa altura em que o negacionismo se tornou num paladino anti-vacinas, estas investigações são fundamentais para se perceber a realidade deste mundo pós-COVID-19. E destruir boatos perigosos, repetidos insistentemente por gente incauta.

Mário Freitas*

*Médico consultor (graduado) em Saúde Pública,
competência médica de Gestão de Unidades de Saúde

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores