Edit Template

Açores batem recorde nacional dereceitas do turismo e P. Delgada é o município com maior crescimento

Após 2 meses em aceleração, o crescimento dos proveitos totais e de aposento no turismo nacional abrandou para crescimentos de 3,4% e 2,8%, respectivamente (+20,1% e +21,1%, em março, pela mesma ordem), revela o INE.
Os proveitos totais atingiram 508,8 milhões de euros e os proveitos de aposento ascenderam a 383,7 milhões de euros.
A Grande Lisboa foi a região que mais contribuiu para a globalidade dos proveitos (34,0% dos proveitos totais e 36,4% dos proveitos de aposento), seguida do Algarve (21,9% e 20,0%, respetivamente) e do Norte (16,4% e 17,0%, pela mesma ordem).
Depois de mais de 3 anos sem registo de variações negativas, os proveitos totais e de aposento apresentaram decréscimos em algumas regiões, sendo mais expressivos nas regiões do Alentejo (-6,4% e -6,6%, respectivamente) e do Algarve (-6,1% e -4,4%, pela mesma ordem).
Os maiores aumentos ocorreram na RA Açores (+15,3% nos proveitos totais e +18,2% nos de aposento), na RA Madeira (+11,6% e +10,6%, respectivamente) e no Oeste e Vale do Tejo (+10,2% e +6,4%, pela mesma ordem).
Em Abril, registaram-se crescimentos dos proveitos nos três segmentos de alojamento.
Na hotelaria, os proveitos totais e de aposento (pesos de 86,9% e 85,1% no total do alojamento turístico, respectivamente) aumentaram 3,1% e 2,6%, pela mesma ordem.
Nos estabelecimentos de alojamento local, registaram-se aumentos de 6,7% nos proveitos totais e 5,3% nos proveitos de aposento (quotas de 9,4% e 11,2%, respectivamente).
No turismo no espaço rural e de habitação (representatividade de 3,7% nos proveitos totais e de 3,8% nos de aposento), os aumentos foram 2,9% e 1,3%, respectivamente.
No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) atingiu 62,7 euros em Abril, registando um decréscimo em termos homólogos (-0,5%, após +14,5% em Março).
Os valores de RevPAR mais elevados foram registados na Grande Lisboa (111,7 euros) e na RA Madeira (81,6 euros).

Os maiores crescimentos
nas Regiões Autónomas

Os maiores crescimentos ocorreram nas Regiões Autónomas da Madeira (+9,3%) e dos Açores (+6,2%), enquanto os maiores decréscimos se verificaram no Centro (-7,7%) e no Alentejo (-7,2%).
No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 109,3 euros (+4,3%, após +11,4% em Março).
A Grande Lisboa destacou-se com o valor mais elevado de ADR (148,9 euros), seguida do Alentejo (106,2 euros) e da RA Madeira (104,5 euros).
Todas as regiões registaram crescimentos neste indicador, com excepção da Península de Setúbal (-3,3%). Os maiores aumentos ocorreram nas Regiões Autónomas dos Açores (+8,7%) e da Madeira (+8,1%).
Do total de 6,6 milhões de dormidas (-4,2%) nos estabelecimentos de alojamento turístico, 61,8% concentraram-se nos 10 municípios com maior número de dormidas em abril.

Ponta Delgada destaca-se
no maior crescimento

O município de Lisboa concentrou 20,9% do total de dormidas, atingindo 1,4 milhões (+1,0%, após +8,8% em março).
As dormidas de residentes cresceram 2,4%, contrariando a trajetória de decréscimo dos últimos 3 meses, tendo as dormidas de não residentes apresentado um crescimento mais modesto (+0,7%).
Entre os principais, Lisboa foi o único município em que as dormidas de residentes evoluíram mais favoravelmente do
Entre os 10 principais municípios, Ponta Delgada destacou-se com o maior crescimento (+7,3%), para o qual contribuíram as evoluções positivas das dormidas de residentes (+0,9%) e, sobretudo, as de não residentes (+13,3%), contrariando a trajectória do total das dormidas em Portugal em ambos os mercados.

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores