Edit Template

Insolvências subiram 117% em Ponta Delgada nos primeiros 5 meses deste ano

As insolvências requeridas por terceiros nos primeiros cinco meses deste ano subiram no país 68% (mais 157 pedidos) e as enquanto as declarações de insolvência apresentadas pelas próprias empresas aumentaram 91% (mais 213 declarações), face ao mesmo período de 2023, indica a Crédito y Caución, empresa que oferece soluções de gestão de clientes.
Já as constituições de empresas tiveram quebras, em Maio, e até Maio.
“No que toca a encerramentos com plano de insolvência o aumento é de 117%, com mais 14 pedidos que em 2023 e um total de 26 pedidos até final de Maio 2024. No período em análise foi declarada a insolvência de 993 empresas, menos 20 processos de encerramento que em igual período de 2023”, acrescentou a organização. Porto (473) e Lisboa (427) foram os distritos que apresentaram valores de insolvências mais elevados, representando aumentos de 23% em Lisboa e de 52% no distrito do Porto.
“Com aumentos destacam-se, ainda, os seguintes distritos: Guarda (+467%); Ponta Delgada (+117%); Castelo Branco (+100%); Santarém (+74%); Braga (+44%); Viseu (+22%); Angra do Heroísmo (+20%); Faro (+16%); Beja (+13%); Portalegre (+11%); Bragança (+10%); Évora (+7,1%) e Aveiro (+5,1%). Os distritos que apresentam decréscimos nas insolvências nos primeiros cinco meses deste ano são: Horta (-50%); Madeira (-28%); Leiria (-27%); Viana do Castelo (-13%); Coimbra (-10%) e Setúbal (-1%)”, descreve a Crédito y Caución.
Por actividade verificaram aumentos nas seguintes áreas: Electricidade, Gás, Água (+150%); Indústria Transformadora (+61%); Comércio a Retalho (+25%); Transportes (+24%); Hotelaria e Restauração (+24%); Comércio de Veículos (+20%); Outros Serviços (18%); Construção e Obras Públicas (+6,8%) e Comércio por Grosso (+1,8%).
“A Indústria Extractiva e a Agricultura, Caça e Pesca são os únicos sectores de atividade que apresentam decréscimos nas insolvências, com variações de -33% e -7,4%, respectivamente face aos cinco primeiros meses de 2023”, disse a Crédito y Caución.

Constituições de empresas
apresenta quebra

Já quanto às constituições estas tiveram uma quebra de 17%, em Maio, face ao período homólogo, com menos 747 novas empresas constituídas para um total 3.831 constituições.
Até Maio verifica-se também uma quebra na constituição de empresas. “Nos cinco primeiros meses de 2024 foram criadas 23.168 novas empresas, menos 781 que em igual período de 2023, o que traduz uma variação de -3,3%”, salientou a Crédito y Caución.
O número de constituições mais elevado aconteceu em Lisboa, com 7.185 empresas (-11% face a 2023), seguido pelo distrito do Porto, com 3.976 empresas (+0,6% face a 2023).
“Também com variação negativa destacam-se os seguintes distritos: Vila Real (-12%); Santarém (-7%); Beja (-6,1%); Portalegre (-5,2%); Coimbra (-4,8%); Setúbal (-4,7%); Évora (-2,7%); Leiria (-2,2%) e Faro (-1,8%). Com acréscimo na constituição de novas empresas evidenciam-se os distritos de: Horta (+132%); Angra do Heroísmo (+35%); Castelo Branco (+16%); Guarda (+13%); Madeira (+8,3%); Bragança (+6,7%); Viana do Castelo (+5,6%); Aveiro (+4,7%); Braga (+3,6%); Viseu (+3,3%) e Ponta Delgada (+1,1%)”, acrescentou a Crédito y Caución.
Com variação positiva na constituição de novas empresas até maio surgem os seguintes sectores: Telecomunicações (+67%); Indústria Extrativa (+43%); Construção e Obras Públicas (+8%); Comércio a Retalho (+2,2%) e Comércio de Veículos (+1,9%). Os setores com variação negativa são: Transportes (-25%); Eletricidade, Gás, Água (-14%); Comércio por Grosso (-11%); Agricultura, Caça e Pesca (-5%); Indústria Transformação (-4,7%); Hotelaria e Restauração (-4,6%) e Outros Serviços (-0,1%).

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores