Edit Template

Açores protegidos no pacote de gás e hidrogénioda União Europeia

A eurodeputada do PSD, Maria da Graça Carvalho, viu alcançar o acordo interinstitucional que protege a condição das Regiões Ultraperiféricas (RUP) na revisão da directiva sobre as regras comuns para os mercados internos do gás natural e gases renováveis e do hidrogénio, o que considera “uma oportunidade para os Açores”. O objectivo principal da revisão desta legislação é apoiar a descarbonização do sector energético, aumentando a produção de gases renováveis e de hidrogénio.Maria da Graça Carvalho, Vice-coordenadora do Grupo do Partido Popular Europeu (PPE) na Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia (ITRE), do Parlamento Europeu, que trabalhou e articulou posições com a equipa de negociadores, no decorrer das “longas e difíceis negociações” deste documento, comumente conhecido como o “Pacote de Gás e Hidrogénio”, relembra que “as especificidades de regiões como os Açores não estavam inicialmente salvaguardadas na proposta, a qual, avançando, colocaria em risco o potencial de desenvolvimento do sector na Região”.“A derrogação alcançada para as RUP a vários artigos da directiva, na correcta acepção do artigo 349.º do TFUE – que conseguimos influenciar junto dos nossos colegas responsáveis pelo documento – desbloqueia uma série de restrições que diminuiriam a atractividade do sector nos Açores, por parte das empresas, bem como colocariam vários entraves à sua capacidade de investimento. Situação que está ultrapassada”, assegura a eurodeputada.Recorde-se que a UE tem o objectivo de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em, pelo menos, 55% até 2030. Com vista a alcançar essa meta e, em paralelo, contribuir para a competitividade, o crescimento e o emprego, “o sistema energético deve ser alvo de uma grande reforma”. Impõem-se a diminuição da utilização de combustíveis fósseis, incluindo de gás fóssil, “pelo que é necessário preparar a transição, que é naturalmente ambiciosa, mas possível, para gases hipocarbónicos e renováveis, em especial o biometano e o hidrogénio, uma vez que o gás fóssil representa neste momento cerca de 95% dos combustíveis gasosos consumidos na União”, alertou a social democrata.“Enquanto colegisladores tentámos aprimorar os princípios da actual directiva de gás e estender o seu escopo para abranger as redes de hidrogénio, incentivando o desenvolvimento das infraestruturas e regulamentando o seu mercado a nível europeu. Uma oportunidade.”, defende Maria da Graça Carvalho.

Edit Template
Notícias Recentes
Gastamos mais nos transportes e menos em restaurantes e alojamento - Famílias açorianas têm despesa média anual de 19.400 Euros
Navio ‘Laura’ vai trazer 300 viaturas de Lisboa
PJ faz buscas na escola Antero de Quental
Região conta com mais 94 licenciados em enfermagem a partir de hoje
Novo concurso para reabilitar ruas nas Capelas
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores