Edit Template

O Labirinto dos Espíritos

meio após a morte do autor, voltei à grande ficção espanhola contemporânea, e propus-me encerrar a leitura da tetralogia, O Cemitério dos Livros Esquecidos, iniciada em 2001, pelo catalão Carlos Ruiz Zafón. Depois de A Sombra do Vento, O Jogo do Anjo e O Prisioneiro do Céu, Zafón brinda-nos com O Labirinto dos Espíritos, e encerra com chave de ouro uma das mais lidas e traduzidas sagas literárias hodiernas.
Neste tomo, o enredo revisita os locais mais recônditos e, de alguma forma, mais tenebrosos da cidade de Barcelona, e tem como ponto de partida a Guerra Civil espanhola, e a ascensão do “Generalíssimo” Franco, a Chefe do Estado-Maior.
Como mote à narrativa, e numa mescla entre realidade e ficção, Zafón serve-nos uma Barcelona impiedosamente bombardeada pela aviação italiana – ao serviço do Exército Nacionalista espanhol –, em março de 1939,e, partindo daí, corporiza um extraordinário enredo sustentado em personagens fantásticas e por um discurso cáustico e profundamente crítico sobre a sociedade política que sustinha o antigo Regime franquista.
Segundo crê o autor, nesse período histórico, “A meritocracia e o clima mediterrâneo são necessariamente incompatíveis (…)”, e, pela sua mão, são trazidos à montra atual toda a corrupção, nepotismo, opressão e amiguismo político, vividos à época. São expostas, ainda, todas as atrocidades que se cometiam, impunemente, em prol do “bem nacional”, com especial incidência para os crimes praticados pelos responsáveis pelo sistema judicial, conferindo o autor particular ênfase àqueles perpetrados nas entranhas da Cadeia de Montjuïc, o cárcere de quase todos os opositores políticos ao regime ditatorial do caudilho espanhol.
Neste romance, Zafón presenteou os seus leitores com aquele ambiente mágico de verdadeiro mistério e aventura que marcara, de forma indelével, os três volumes que lhe antecederam. Tal como nos outros, também aqui são criadas expetativas e lançados engodos aos leitores mais incautos, assim como são vários os momentos de dramatismo, sem esquecer, ainda, aquela comicidade fina já distintiva da sua narrativa, especialmente repercutida pela personagem de Firmín Romero de Torres, o autodenominado “assessor bibliográfico da Livraria Sempere”, e inveterado apreciador de Sugus.
Em O Labirinto dos Espíritos, estamos diante de uma trama riquíssima, apurada, pujante e perfeitamente coerente. É uma narrativa que, paulatinamente, vai desfiando outras pequenas narrativas e, à medida que desenvolve, vai encorpando e ganhando cada vez mais forma e sentido. Embora surjam novas personagens (algumas das quais personagens tipo, arrisco), muitas das que aqui encontramos são já nossas conhecidas dos romances que integram este ciclo. Não obstante, e tal como nos é recordado numa nota anterior ao texto, esta é “uma história fechada, independente e válida por si só”.
Autor consensual, Carlos Ruiz Zafón afirmava-se, a cada obra lançada, como um sério candidato a sucedâneo europeu de Gabriel García Márquez, no que à qualidade descritiva concerne. Se com o desenrolar de algumas das narrativas de Gabo é verdadeiramente possível “sentir na pele” o calor tórrido da pequena aldeia de Macondo, ao ler Zafón não será menos provável perceber na teza carícia da névoa densa e fria que, por muitas vezes, se abate sobre as Ramblas barcelonesas.


Telmo R. Nunes
Carlos Ruiz Záfon, O Labirinto dos Espíritos, Planeta, 2016

Edit Template
Notícias Recentes
Governo activa regime de apoio á emergência climática
Alexandre Gaudêncio destaca importância do XX Concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia
Câmara da Lagoa apresenta ópera “Suor Angelica”
Carreiras dos farmacêuticos no Parlamento
República financia captação de águana Praia da Vitória
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores