Edit Template

Costa, o Ciclone Anti-Açores

Costa, Pedro Nuno e o inefável Galamba foram vergonhosos para as ilhas portuguesas.
Felizmente o resto do país não se pode queixar. Excepto da Educação. Da Saúde. Da Habitação. Ah, dos Transportes. Da Cultura. Da Defesa. Das Finanças. Pronto, e da Justiça. Mas é só.

«A geografia, para nós, vale outro tanto como a história, e não é debalde que as nossas recordações escritas inserem uns 50% de relatos de sismos e enchentes. Como as sereias temos uma dupla natureza: somos de carne e pedra. Os nossos ossos mergulham no mar.»
Vitorino Nemésio

Açores. Somos, enquanto região, do extremo mais ocidental ao mais oriental, maiores que Portugal Continental de norte a sul; responsáveis em larga medida pelo facto de o país possuir uma das maiores Zonas Económicas Exclusivas do planeta; possuidores da primeira cidade europeia no Atlântico, bem como primeira urbe nacional elevada pela UNESCO a Património Mundial da Humanidade; geo-estrategicamente relevantes vai para 6 séculos, antes por mar e ,desde o primeiro quartel do século passado, pelo ar; todavia o facto de sermos 9 ilhas longínquas (240 mil habitantes mais um milhão de almas na Diáspora) faz com que inevitavelmente padeçamos dos males do centralismo. E de que maneira. Nos últimos anos mais do que alguma vez na História da democracia.
O extraordinário consulado de António Costa levou o desprezo pelos cidadãos das ilhas a níveis inauditos. Quando fomos avassalados pelo Covid, Costa e o seu então escudeiro Pedro Nuno Santos decretaram que a TAP continuaria a voar entre Continente e Ilhas em nome da “coesão e continuidade territorial”. Nesta tonitruante demonstração de como ser forte com os fracos e fraco com os fortes (a mão estendida de Costa à Europa e as cartinhas piedosas a implorar cifrão não podem jamais ser esquecidas), o todo-poderoso primeiro-ministro do burgo desautorizava, liminar, um pedido expresso do seu comparsa Vasco Cordeiro, o então líder do Governo Regional. Note bem o caro leitor: há ilhas às quais a pandemia poderia nunca ter chegado, territórios como Corvo, Flores, Santa Maria, São Jorge, Graciosa – ilhas de baixíssima densidade populacional e parcos cuidados médicos. Mas nem sequer o rosa que une Costa e Cordeiro nos mesmos congressos e alegada ideologia lhes valeu. Curiosamente, quando o mesmo Estado veio distribuir apoios aos empresários para que garantissem o salário mínimo nacional durante aquela conjuntura económica particularmente tenebrosa, Açores e Madeira ficaram a ver navios. A decisão, presume-se, deve ter sido a uma 3ª feira e a Coesão Territorial só contará às segundas, quartas e sextas.
Onde nem sequer navios se viram foi nas Flores, ponto mais ocidental da Europa, ilha cujo porto foi arrasado pelo Furacão Lorenzo (em 2019) e na qual até hoje se aguardam os prometidos milhões destinados à sua reconstrução, deixando 3700 habitantes à míngua regular de víveres e combustíveis.
Se uns foram prometidos outros estavam elencados no Orçamento de Estado. Os contribuintes açorianos continuam a suportar os 10 milhões de euros em Obrigações do Serviço Público relativas a 2023, destinadas a assegurar as rotas aéreas que dão prejuízo (por serem para ilhas menos centrais e menos habitadas). Entretanto, o presente e condenado Orçamento empurra com a barriga, faz de conta que não se passou nada, e prescreve ‘mais’ 10 milhões para 2024. Mas, para solucionar as OSP relativas à CP (na casa dos dois mil milhões de euros – a que se acrescentam os quase 900 milhões em novos comboios encomendados pelo sereníssimo Galamba), já houve como.
Na TAP, este desgoverno capitaneado por Costa – que borregou mais vezes do que um comandante com acne no seu primeiro voo com destino ao Funchal – delapidou qualquer coisa como 3,2 mil milhões de euros. Curiosamente, mais 100 menos 200 euros, o equivalente à Dívida Pública dos Açores. Mas nunca conseguiu os 3 milhões (repito, por extenso, três) prescritos, assinados, fotografados e filmados com pompa e circunstância (dois ministros atrás) que deve à Universidade dos Açores. Já agora, duvido, mas se Costa porventura tiver curiosidade em saber como os Açores chegaram a esse valor de Dívida Pública, poderá sempre bater à porta de Carlos César e perguntar – agora que tem mais tempo livre e tudo. Afinal, o PS governou a Região durante 24 anos (!) até a geringonça se ter virado contra o geringonceiro.
A propósito, estou certo de que o facto de Madeira e Açores serem Regiões Autónomas geridas por cores que não combinam com o rosa não terá tido qualquer influência nas decisões de Sua Excelência o Primeiro-Ministro-Que-Já-Não-É. Deve ser mesmo, só pode, por um gritante azar dos Távoras que as mais elementares obrigações do Estado permanecem por cumprir, com esquadras de polícia, repartições públicas e cadeias em ruínas; as obras do Cais NATO – no porto de Ponta Delgada – a aguardar um mísero despacho desde 2017; a substituição dos cabos submarinos, do anel de comunicações inter-ilhas por efectuar; a discriminação dos cidadãos das ilhas no programa REGRESSAR ser flagrante, impedindo aos emigrantes açorianos e madeirenses que pretendam voltar ao país o acesso a um regime fiscal mais favorável bem como a uma linha de crédito para apoiar o investimento empresarial (uma medida, acrescente-se, tão inconcebivelmente separatista como obtusa, sobretudo tendo em conta o elevadíssimo número de emigrantes oriundos dos dois arquipélagos); etc.
Em suma, e em relação aos compromissos assumidos e/ou devidos para com as Regiões Autónomas, o comportamento dos governos socialistas poderia ser resumido em duas palavras e com aquela pompa de Rodrigues dos Santos: “falharam… TODOS”.
Talvez o caso mais gritante de má-fé, puro desdém e premeditação, seja o que Costa tentou fazer com a Lei do Mar, colocando nas mãos da sua maioria absoluta no Parlamento a retirada pura e simples aos Açores e à Madeira dos poderes de gestão partilhada dos respectivos mares. Repito, partilhada. O mesmíssimo se preparava relativamente à Lei do Espaço, desde que se começou a falar da ilha de Santa Maria como possibilidade para o lançamento de foguetões. E estou seguríssimo de que – se o governo não tivesse caído e fosse entretanto descoberto petróleo nas ilhas – Costa lembrar-se-ia de imediato da Lei do Subsolo – que provavelmente obrigaria os meus pais a perfurar o quintal, embalar o crude, e enviá-lo posteriormente em Correio Azul, a expensas próprias, directamente para o Terreiro do Paço (ou para o Chefe de Gabinete, o que fosse mais prático a Lisboa).
Perante tudo isto, e só por curiosidade mórbida, o que fizeram agora mesmo os figurões do PS-Açores? Sim, ainda os mesmíssimos ilustres que foram forçados a abandonar o poder na Região. Simples. Cheirando-lhes a trufa em Pedro Nuno Santos, declararam o seu apoio ao previsível novo líder do PS-Pai. Afinal, o que são os interesses do povo que os elegeu ou mesmo o sabor a fel das humilhações passadas perante um futurozinho acautelado?
A primeira memória da minha vida é de dia 1 de Janeiro de 1980. Tinha 3 anos. A casa onde vivia com os meus pais foi arrasada pelo terramoto. Morreram dezenas de pessoas, houve milhares de desalojados. Vivemos durante largos meses numa tenda. A Autonomia tinha meros 4 anos quando a tragédia sucedeu. A reconstrução de Angra do Heroísmo (cidade duas vezes capital do Reino), apenas 3 anos volvidos elevada pela UNESCO a Património Mundial da Humanidade, foi seguramente o primeiro grande desafio do então imberbe Governo Regional. A forma extraordinária como a solidariedade, organização e entreajuda funcionaram, permanece um orgulhoso testemunho de Açorianidade. Acredito que integro uma geração que cresceu com essa honra e esses princípios. Ser tratado como um cidadão de segunda é, portanto e logicamente, insultuoso e inadmissível.
Costa e os inefáveis Pedro Nuno e Galamba foram simplesmente vergonhosos para as ilhas portuguesas. Encontro um fraco consolo quando penso nos meus muitos amigos continentais. É que felizmente o resto do país não se pode queixar. Excepto, claro, da Educação. Bom, e da Saúde. Da Habitação, também, sim. Ah, dos Transportes. Da Cultura. Da Defesa. Das Finanças. Pronto, e da Justiça. Mas é só.

Luís Filipe Borges (Argumentista e Comediante)

Edit Template
Notícias Recentes
Cardoso Jorge, Presidente da Casa do Povo: “Há falta de creches; só no Pico da Pedra temos 60 famílias em lista de espera”
10 artesãos homenageados no Dia da Freguesia dos Arrifes
Prisão preventiva para suspeito do crime de tráfico de estupefacientes na Ribeira Grande
Já arrancaram os voos da SATA de Toronto e Boston para Funchal
Exposição “Fringe” na ilha de São Jorge
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores