Edit Template

Esperanças

Há duas formas de esperar: esperar sentado ou esperar caminhando.
Esperar sentado significa aguardarmos passiva e comodamente que a sorte e o acaso levem outros (mais capazes do que nós?) a alcançar os mesmos objetivos dos nossos anseios, isto é, não confiamos em nós próprios e nas nossas possibilidades de contribuir para chegar onde desejaríamos chegar.
Esperar caminhando significa o nosso reconhecimento de que para chegar onde desejaríamos chegar, torna-se necessário pôr pés ao caminho e cumprir a nossa parte, mesmo que no final de contas não consigamos atingir total ou parcialmente os objetivos em que depositamos as nossas esperanças.
Nos Açores, como no país e no mundo, estamos sendo cada vez mais induzidos a esperar sentados, e cada vez somos mais pressionados aberta ou subliminarmente para entregar os nossos anseios, o objeto das nossas esperanças, aceitando até mesmo a sua eventual reconfiguração, às capacidades exclusivas de uns poucos indivíduos, cada vez mais poderosos e menos escrupulosos.
E atentem a onde isso nos tem vindo a conduzir:
A escalada da fome, da pobreza e do tráfico humano; o recrudescimento da violência, da indústria do armamento, da(s) guerra(s), da sua absoluta crueldade e desumanização (como espelha da pior forma a aterrorizadora invasão bélica da Palestina); o surto mundial de migrações descontroladas em busca do direito à vida, com centenas de vítimas diárias e fronteiras vedadas à sua entrada; a restauração da guerra fria e o choque mundial de interesses e conflitos de toda a natureza entre países, povos, culturas, religiões e etnias; a degeneração acelerada da civilização judaico-cristã, renegando valores, incluindo os da própria democracia, tolerando e reabrindo portas múltiplas à extrema-direita, e abrindo feridas cada vez mais profundas nos direitos individuais e coletivos, especialmente de quem trabalha ou já trabalhou, ou, por via das privatizações e do culto do liberalismo económico, na prestação apropriada dos serviços públicos e no respeito pelos direitos dos cidadãos, como são exemplos instantes o da habitação ou o da saúde.
Confiantes que estão na falta de resposta ou na distração acomodada daqueles que esperam sentados, os autoassumidos guardiões do templo da liberdade e dos direitos humanos não esperam sentados para os irem paulatinamente violentando ou a poucando, em nome de interesses bem diversos.
2024 vem aí. Em Portugal, com o novo ano, virão três atos eleitorais e os 50 anos da Revolução Portuguesa de Abril de 1974. Todos estes eventos, não sendo únicas, constituem boas oportunidades para exprimirmos de forma ativa a nossa esperança na recuperação de valores e no alcance dos objetivos porque genuinamente ansiamos, onde se incluem os valores da liberdade e os direitos sociais, retirando, dessa forma, o ouro às mãos do bandido que deles, ilegitimamente e graças à nossa passividade, se têm vindo a apropriar.
Com esperança ativa, inspirados pela passagem dos 50 anos da revolução, pugnemos por um novo ano com menos guerra e sofrimento dos inocentes, menos nublado e menos injusto para os que precisam e merecem a paz, a justiça social e uma vida melhor, mais digna e com melhores rendimentos.

Por Mário Abrantes

Edit Template
Notícias Recentes
Cardoso Jorge, Presidente da Casa do Povo: “Há falta de creches; só no Pico da Pedra temos 60 famílias em lista de espera”
10 artesãos homenageados no Dia da Freguesia dos Arrifes
Prisão preventiva para suspeito do crime de tráfico de estupefacientes na Ribeira Grande
Já arrancaram os voos da SATA de Toronto e Boston para Funchal
Exposição “Fringe” na ilha de São Jorge
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores