Edit Template

VOZ, PALAVRA E TEMPO: Um Hino de Paz

Verdade, Pensamento e Liberdade

O Verdadeiro Pensamento é Culminância da ação e a ação é fonte para o pensamento. Há interação entre ambas as dimensões, ora prevalecendo mais uma do que outra. Só o marxismo, como realidade histórico, se apoderou do pensamento pensado e forçou todos, enquanto realidade histórica, a uma alienação perigosa e letal. O mesmo aconteceu com nazismo, o outro extremo, letal, que o Século XX conheceu dolorosamente. O pensamento é um perigo inevitável, sendo certo que uma coisa é o pensamento outra é a expressão do pensamento. Mas basta olhar o mundo e vemos como há que ligar Pensamento, Liberdade e Segurança, tudo na Verdade. A Verdade é sempre a Luz da Liberdade. Em todas as áreas, há que Regressar à Busca da Verdade, para Haver Futuro. E os Gigantes do Pensamento foram – e são -, sempre, Pessoas de Visão e de Coragem, são Pessoas de Princípios, de Valores, de Causas.
Ponta Delgada, 03 de janeiro de 2024

ESTUDAR RELIGIÕES OU VIVER UMA RELIGIÃO?
EM CERTOS CASOS O “OU” PODE SER INCLUSIVO

Uma coisa é estudar religiões, em ecumenismo, outra é viver uma religião. No meu caso estudo, mas vivo na religião em que fui batizado, crismado e contraí matrimónio: em cristo, cristianismo e catolicismo. No pleno respeito por todos, em ecumenismo. S. João Paulo II era Papa e convidou os líderes de todas as religiões, mas o modo foi muito bem formulado: “juntos para rezar” e não “rezar juntos”, diversidade e unidade. Tudo muito bem meditado, à luz da razão humana e da fé, que, antes, respeita a pessoa na sua religião ou na ausência dela.
Cristo É “Espírito de contradição”, está no Evangelho, amando tudo e todos nas suas diferenças e diversidade, Mas na unidade do Espírito Santo. Além disso, uma coisa é conhecer as religiões como culturas – quando são aceites nesse plano – outra coisa, que faz a absoluta diferença, é a Religião como vivência. Façamos o caminho. QUEM ESTÁ NO CAMINHO ESTÁ NA VERDADE, EM BUSCA E ENCONTRO. Ser numa Religião é Viver, na plenitude do nosso Ser, essa Religião. Cristo é o Deus-Pessoa que, encarnando, entrou, para sempre, na História da Humanidade. Podemos conhecer em termos intelectuais várias religiões, em ecumenismo, mas Quem descobre Cristo encontra o Caminho para Deus, que é o SENHOR da Vida, do Universo, da História, da Humanidade. O Cristo que experimentou a Condição Humana, que chorou perante uma Jerusalém que não O quis reconhecer. Por isso estamos como estamos em 2024. E mais me apetecia escrever. Muitas pessoas que se converteram ao Cristianismo encontraram em Cristo a Luz do Mundo, que nos dirige e fala do Reino de Deus, do Pai. Cristo trouxe-nos esta Boa Nova, somos Pessoas, somos Filhos de Deus Pai, uma Prerrogativa que ficou ao acesso de Todos. Quem se sente no Caminho da Verdade, vive-a, com Amor, um Amor que vem de Cristo.
Ponta Delgada, 02 de janeiro de 2024

O Tempo ou o Relógio?

Deus é o SENHOR do Tempo. Muita gente entra numa histeria de pressismo, com a expressão, acéfala, de “horas são horas”, é uma mentalidade funcionarista que tritura a disponibilidade de uns para com os outros ao despachar, indelicadamente, olhando para o relógio. Os Sábios sabem conciliar Vida e Tempo, e trabalho. Santo Agostinho tem extraordinárias e profundas reflexões sobre “O que é o Tempo?” e afirmava que sabia o que é o tempo, mas se lhe perguntassem o que é o tempo não saberia responder.
Tenho procurado refletir muito sobre o Tempo, em si mesmo, e tendo em conta as realidades e circunstâncias da vida.
As Grandes Figuras, os Sábios, sabem fazer tempo. Conheci alguns. Eram Professores Geniais. Pelo contrário, os medíocres não têm a Sabedoria da vida, nem do Tempo.
O nosso Tempo está a precisar de Figuras de Referência, de Sábios, em todos os setores da vida humana.
Nem todas as opiniões se equivalem. A verdadeira Opinião exige uma sólida reflexão, e fundamentação, que é trabalho árduo. É preciso ter Cuidado com o Tempo e a Atenção que damos, ou não damos, uns aos outros. Quando falo com alguém, e olho para o Relógio, peço, imediatamente, desculpas e apresento as razões. É sinal de respeito absoluto pelo outro com quem estou a conversar.
Santo Agostinho fala no “Mestre Interior”, que se educa e educa com Tempo, com vagar. Diz aquela fórmula: “Mais vale perder um minuto na vida do que a vida num minuto” ou aquele provérbio que diz: “Devagar, que tenho pressa”. De-Vagar. É preciso vagar. É preciso “dar tempo ao tempo”. O melhor do Tempo está dentro de nós. Temos dentro de nós um Relógio especial que mostra a pessoa que somos na delicadeza, na atenção, nas atitudes, no modo como realmente escutamos os outros, na valoração do que os outros dizem, etc.
O Relógio conta o Tempo, mas o Tempo que nos marca como essência são as vivências que não só se deram num determinado tempo, mas também as que se deram num determinado lugar, os sentimentos, as razões, o Coração e o Tempo. Tempo, esse estranho que não nos pede licença para avançar, mas triste de quem se torna escravo do Tempo cronológico. O tempo não é uma carruagem que não pára. O que está mais dentro de nós da nossa vida toda?
Tempo é Dinheiro ou é Ser? A nossa Escolha fará, na existência, e co-existência, a nossa Essência, e a Pessoa que somos, ou não somos.
E diz o ditado: “Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”. Mas o Hoje o Tempo em Essência. E na nossa vida há prioridades ou, antes, primazias? Na minha vida Quem É Primeiro, Está Primeiro. Ser e Estar no Tempo é também uma Arte, Escolhas na e para a Vida. Não é uma questão de prioridades, mas de Primazia, em que procuro ver, em cada momento, em cada tempo, em cada circunstância, por onde passa o essencial da Vida, da minha Vida na Vida.
Quando o Relógio é uma Prisão, então há que refletir, severamente, sobre que Tempo vivemos e como queremos viver o nosso Tempo, sendo certo que só Deus é SENHOR da Vida, da nossa Vida, o mesmo é dizer, do Nascer, – Nascimento -, no nosso viver, e da morte. Este dia 01 de janeiro de 2024 está a chegar ao fim. Mas ele permanece, ou não, de que forma, como, com que fisionomia? O que está mais próximo de nós, na nossa interioridade, este dia 01 de janeiro de 2024 ou outro/s dias do nosso passado? Tudo passa, só a luz permanece. E quantas pessoas, circunstâncias, tempos, lugares, coisas, não permanecem como fenómenos de luz na nossa Consciência, na nossa mente, no nosso Espírito. No dia de hoje o que nos ligou mais ao passado e nos projeta para o futuro que desejamos? Não será o presente um tempo de colheitas que vêm do passado e, até, do futuro que, em princípio, ainda não vivemos? Mas, não serão as possibilidades modos de ser que vivemos em ante-visão?
Tudo na dinâmica do Tempo, da Vida, da Morte. Tudo e Todos “à conta de Deus”, na Sábia Expressão que vem dos nossos antepassados. Ou não será?, na bela expressão das pessoas em muitas saudações do dia a dia.
Como diziam os Filósofos da Época Clássica Grega, “viver é aprender a morrer”. Onde vemos essa Evidência de Luz?
O que nos ficou, como Essência, como ser, deste primeiro dia de janeiro de 2024? Estivemos onde queríamos? Estivemos com quem precisa(va) de nós? Estamos em Paz com a nossa Consciência Moral? Como vemos a ação do Divino Espírito Santo nas nossas Vidas?
Ponta Delgada, 01 de janeiro de 2024

Os Meus Votos de Bom Ano Novo

Desejo a todos um Ano Novo de 2024 com bom apetite, saúde e paz, com boas ações, porque pode ser o último da nossa História. Semear em boa terra para termos boas colheitas.
Ponta Delgada, 01 de janeiro de 2024,

A VOZ, A PALAVRA, O CÂNTICO
Cântico sacramental:

BENDITA E LOUVADA SEJA
É o Nosso Rei,
É o Nosso Pai,
É a Nossa Redenção
Foi Instituído em Pão.
É, É, É, na Voz de Luz, de Rouxinol, da minha amada Mãe, Leontina Maria Oliveira Medeiros.
Só Deus sabe com que Alegria, agora, cantei, em Louvor a Deus, este Cântico, junto e com a minha amada Mãe, que me leva, sempre, à Nascente do Ser.
A PALAVRA É UM DOM DE DEUS. Que Grande Alegria, Que tremenda Responsabilidade é a Fala, a Responsabilidade de Falar. Se tivermos consciência disso agradecemos, sem cessar, a Deus que nos dá e pode tirar o Dom da Fala, de Falar com vocábulos. Mas se Deus quiser podemos sempre regressar à Fala. Que Mistério é o Som da Fala. O Dom que é pedido no Batismo. Fui Batizado com sete dias, após o Nascimento, naquele dia e mês de junho daquele ano.
Falamos com os cinco sentidos. No olhar falam os nossos cinco sentidos. E tudo é Luz. E tudo é Ser. É, É, É, o Verbo da Criação.
Ponta Delgada, 30 de dezembro de 2023

Nota: Todos estes textos, da minha autoria, foram escritos, e publicados, originalmente, nas respetivas datas, na minha Página do Facebook.

Emanuel Oliveira Medeiros
Professor Universitário*

*Doutorado e Agregado em Educação e na Especialidade de Filosofia
da Educação

Edit Template
Notícias Recentes
Governo activa regime de apoio á emergência climática
Alexandre Gaudêncio destaca importância do XX Concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia
Câmara da Lagoa apresenta ópera “Suor Angelica”
Carreiras dos farmacêuticos no Parlamento
República financia captação de águana Praia da Vitória
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores