Edit Template

Chega defende eleições com voto em braille

O Chega quer fazer cumprir a lei eleitoral para permitir que nas próximas eleições legislativas regionais seja possível o voto em braille, tornando também estas eleições acessíveis a todos, tal como já acontece nas europeias, legislativas nacionais e presidenciais.
O cabeça-de-lista do Chega pelo círculo eleitoral de São Miguel às próximas eleições regionais, José Pacheco, esteve ontem reunido com a Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Delegação dos Açores da ACAPO – Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal, Ana Catarina Gomes, de quem ouviu a reivindicação de os invisuais poderem exercer o seu direito de voto, num sistema de escrita reconhecido.
“Não é uma recompensa, é um direito”, referiu Ana Catarina Gomes, tendo recebido da parte do Chega, a intenção de sensibilizar a Comissão Nacional de Eleições para que todas as eleições passem a disponibilizar boletins de voto em braille, tal como já acontece para as eleições para a Assembleia da República, Presidência da República e Parlamento Europeu.
Na reunião, José Pacheco deu também a conhecer a intenção do Chega de criar o Provedor do Cidadão com Deficiência que estará “em constante ligação com as Associações de pessoas com deficiência, para alertar a sociedade para as dificuldades com que estas pessoas de debatem. Será também um alerta para o Governo Regional, que deveria fazer esse trabalho, mas que não tem tido este cuidado”. José Pacheco comprometeu-se em apresentar na Assembleia Legislativa Regional este diploma, que cria o Provedor do Cidadão com Deficiência, pedindo o contributo de todas as Associações para acrescentar e melhorar a legislação.
Na reunião foi também transmitido ao Chega a importância de se incluir a reabilitação funcional nos protocolos de deslocação de doentes inter-ilhas e continente, para que sejam os doentes a deslocar-se à ACAPO e não a Associação a deslocar-se a todas as ilhas, evitando dispersão dos poucos recursos humanos de que dispõe.
Outro alerta da ACAPO foi no sentido de aliviar a burocracia associada aos produtos de apoio prescritos pelo Serviço Regional de Saúde para melhorar e facilitar a vida de cegos e amblíopes, pedindo também mais abertura por parte dos prescritores face às necessidades dos invisuais, que vão muito além de lentes e óculos.

Edit Template
Notícias Recentes
Câmara de Ponta Delgada investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Padre açoriano ordenado no Canadá celebra missa nova nas Feteiras
Trabalhadores de terra da SATA decretam greve em Agosto e Setembro
“Tarifa Açores” mantém-se em 2024 e já beneficiou cerca de 1 milhão de passageiros
Oferta de casas para arrendar desceu 12% em Ponta Delgada no último ano
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores