Edit Template

Duas notas negativas do pós-4 de fevereiro

Mesmo sagrando-se como a terceira força política em 4 ilhas (Flores, Faial, S. Jorge e Corvo), a CDU voltou a não conseguir eleger deputados à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, desta vez por apenas cerca de 80 votos (menos ainda que em 2020). S. Miguel e Terceira, enquanto ilhas de maior peso eleitoral, foram as ilhas mais responsáveis pelo indesejado resultado, o qual se revelará por certo prejudicial aos Açores e aos açorianos por acentuar o enfraquecimento da presença das esquerdas no parlamento, enquanto, paralelamente, se assiste a um reforço eleitoral das direitas e particularmente da extrema-direita.
Com esta falha eleitoral, perderá em particular quem trabalha e produz ou já trabalhou e produziu, precisamente aqueles a quem a mensagem da CDU mais se dirigia, mas a quem, pelos vistos, não conseguiu chegar nas condições necessárias nas duas maiores ilhas açorianas. Deste facto, sem dúvida, a direção da CDU (e do seu maior partido, o PCP) tirará as respetivas ilações e fará por analisar as posições e comportamentos que estão ao seu alcance corrigir, para que melhore a difusão da sua mensagem política.
Não devemos, entretanto, ignorar que o facto de não ter representação parlamentar implica a existência de outros fatores externos negativos para esta organização política, como por exemplo a falta de cobertura mediática das ações que a CDU e o PCP continuamente desenvolvem nas diversas ilhas, as quais, sem essa cobertura, se tornam relativamente mais dispersas e menos relevantes em particular nas ilhas maiores. Nada disto impede, nem impedirá, no entanto que, mesmo com dificuldades acrescidas pela frente, a intervenção social, política e económica da CDU e do PCP se continue a processar em prol da justiça social, do desenvolvimento e da melhoria das condições de vida dos trabalhadores e dos açorianos em geral, no quadro da Autonomia Regional.
Uma outra observação negativa a propósito dos resultados eleitorais do passado domingo, prende-se com a forma como a extrema-direita interpretou e utilizou os seus resultados acrescidos nos Açores.
Antes mesmo das contas eleitorais fechadas e, usufruindo para o efeito de um tempo de antena incompreensivelmente alargado da parte da televisão pública, o líder absoluto da extrema-direita parlamentar no país, desrespeitando de forma despudorada a autonomia regional, traçou antecipadamente por sua exclusiva lavra, as orientações políticas do seu partido na Região, como, mais grave ainda, enviou em simultâneo recados ameaçadores e imperativos à coligação das direitas liderada pelo PSD-A (que entretanto já se adivinhava vencedora sem maioria absoluta), exigindo a participação do seu partido no futuro governo açoriano, como condição para garantir a estabilidade deste.
Mais negativo ainda, já depois dos resultados fechados, foi assistir à intervenção final de José Pacheco que, entre muita conversa lateral, tanto se furtou a falar sobre as garantias (falhadas) que tinha dado em campanha, de que o seu partido iria chegar aos dois dígitos de percentagem, como fugiu a pronunciar-se de forma clara a propósito das estratégias futuras, pelos vistos antecipadamente já traçadas pelo seu líder nacional.
É caso para parafrasear as suas próprias palavras, na noite eleitoral, mas dirigindo-as ao mesmo que as pronunciou: “Isto é só o princípio, Sr. José Pacheco, habitue-se!…”

Mário Abrantes

Edit Template
Notícias Recentes
Cardoso Jorge, Presidente da Casa do Povo: “Há falta de creches; só no Pico da Pedra temos 60 famílias em lista de espera”
10 artesãos homenageados no Dia da Freguesia dos Arrifes
Prisão preventiva para suspeito do crime de tráfico de estupefacientes na Ribeira Grande
Já arrancaram os voos da SATA de Toronto e Boston para Funchal
Exposição “Fringe” na ilha de São Jorge
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores