Edit Template

Sinais de alerta

Com toda a gente focada nas eleições e nos respectivos resultados, ainda ninguém se deu ao trabalho de olhar para os sinais da economia regional e dos cenários que as instituições em Portugal e na União Europeia estão a traçar para os próximos tempos.
O abrandamento da economia no país, previsto para este ano pelo Banco de Portugal, mais o abrandamento previsto para a Zona Euro, vão chegar também aos Açores, se é que já não nos está a bater à porta.
A queda do turismo em Dezembro e a subida do desemprego no último trimestre de 2023 são sinais evidentes de que a economia açoriana poderá estar em fase de abrandamento.
Olhando para os números agora divulgados pelo SREA e pelo INE, o panorama do emprego/desemprego já não está a ficar tão risonho como nos trimestres anteriores, com mais desempregados e uma taxa mais elevada no último trimestre.
A redução de voos da Ryanair poderá estar associada à queda do turismo em Dezembro e não é por acaso que os empresários do sector já lançaram um alerta para a enorme quebra de reservas nesta época baixa.
Analisando a população empregada por sectores de actividade, ainda não é certo que haja redução directa de empregados na hotelaria e restauração, mas houve noutros segmentos conexos que poderão estar na origem da subida de 6.700 desempregados em Dezembro de 2022 para 8.700 em Dezembro de 2023.
O caso dos Transportes é o que mais ressalta do quadro do desemprego, com uma redução de pessoal, homóloga, da ordem dos 15%, seguindo-se outra redução alta, de 11%, nas Actividades Administrativas e dos Serviços de Apoio.
Há ainda quebras expressivas na Agricultura e Pescas (-6%) e na Educação (-10%).
Vamos aguardar pelo próximo trimestre para ajuizar se a trajectória se mantém, mas a previsão geral de quem conhece relativamente bem a nossa economia é de que as dinâmicas económicas vão causando os seus impactos paulatinamente.
A dinâmica com que vínhamos na recuperação da pandemia pode estar a abrandar em força.
A falta de competitividade do nosso sector económico, nas suas mais variadas componentes, é um problema crónico que tem de ser olhado com mais atenção pelos poderes regionais.
O caso da Ryanair é paradigmático da nossa regressão de competitividade, quando o seu CEO foi claro: “Os Açores têm taxas caras e preferimos voar para outros destinos europeus mais baratos”.
A nossa Região andou durante muito tempo com pezinhos de lã relativamente à ANA, vendida a preços de saldo à VINCI, que agora nos suga o couro e cabelo, sem investir nos aeroportos que dispõe na região e aplicando taxas que retira qualquer competitividade relativamente a aeroportos europeus.
Os indicadores nacionais também não ajudam, com a população empregada a cair 0.7% em cadeia no 4º trimestre e a taxa de desemprego também a aumentar para 6.6%.
Como avisam as instituições financeiras em Portugal, a robustez do mercado de trabalho deverá continuar a ser um factor de suporte ao crescimento económico em 2024, mas com menos vigor.
Acresce a tudo isso a perda de rendimento dos trabalhadores, em que o salário médio mensal líquido dos trabalhadores por conta de outrem, em Portugal, subiu, no ano passado, 30 euros, para 1.041 euros, o que corresponde a um aumento de 2,97%, face ao vencimento médio de 1.011 euros de 2022, mas o problema é que o aumento é todo comido pela inflação média do ano, tal como acontece nos Açores.
Finalmente, para agravar ainda mais estes sinais, é pensar no prolongamento da crise política nos Açores.
Se não tivermos governo nos próximos meses e se formos obrigados a novas eleições, temos o caldo todo entornado, o que é o mais certo, já que as principais forças políticas na região estão aser telecomandadas pelos líderes em Lisboa, devido às eleições nacionais, pondo o interesse dos Açores e dos açorianos para trás.
Será um ano perdido, com o desperdício da bazuca do PRR, atrasos na aplicação de fundos, funcionamento em duodécimos e tudo a andar para trás.
É o que se chama entrar num novo ano com o pé esquerdo.
Alguém assumirá responsabilidades?

Osvaldo Cabral
[email protected]

Edit Template
Notícias Recentes
Câmara de Ponta Delgada investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Padre açoriano ordenado no Canadá celebra missa nova nas Feteiras
Trabalhadores de terra da SATA decretam greve em Agosto e Setembro
“Tarifa Açores” mantém-se em 2024 e já beneficiou cerca de 1 milhão de passageiros
Oferta de casas para arrendar desceu 12% em Ponta Delgada no último ano
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores