Edit Template

Poder incerto

José Manuel Bolieiro foi indigitado pelo Representante da República para formar governo. A notícia óbvia, devido à maioria relativa conquistada pela AD nas eleições de 4 de março, não merece qualquer contestação, nem causa surpresa. A surpresa adveio de líderes da oposição que criticaram Bolieiro de não os ter contatado, contrariando as juras de diálogo democrático com outros partidos parlamentares, visando assegurar a desejada estabilidade política e governativa.
Perante os resultados eleitorais, torna-se evidente que a AD, mesmo que o não reconheça publicamente, terá de lançar a corda ao Chega para salvar-se de uma permanente instabilidade. Não me admira, pois, que não vingando a pretensão de uma vice-presidência parlamentar, outro cargo no sistema autonómico lhe seja concedido. É preço de quem visa manter-se no poder.
Cientes disso, José Pacheco/Ventura conseguirão alguns dos seus intentos, sem desistirem de reivindicar em próximo orçamento medidas que satisfaçam o insustentável e perigoso social-populismo que pretende destruir os fundamentos da democracia liberal e do estado social.
Quando em 2020 Bolieiro integrou o Chega como parceiro da maioria absoluta, muitas interrogações se levantaram, mesmo na direita parlamentar. O IL, estabelecendo acordo direto com o líder do PSD quis delimitar-se da linha vermelha do Chega para além da qual o sistema democrático corre perigo.
Contrariando a atitude do PSD-Açores várias figuras nacionais do partido vieram a público demarcar-se da decisão, chamando a atenção para os perigos que isso representava.
Já em 2016, José Pacheco Pereira na sua conceituada análise política afirmava1 que o “Chega para a “luta de classes”, tem aliados poderosos na “Europa”, mas nada tem a dar ao país que não seja servir os poderosos e punir os fracos e institucionalizar, com as fórmulas dos think tanks mais reaccionários, uma ideia de “liberalismo” que envergonharia Adam Smith. Não gostam da liberdade, gostam da autoridade e do poder.”
Assim não entenderam os dirigentes açorianos do PSD. Será que Pacheco Pereira sobre eles faria também este juízo?: “é difícil reconhecer qualquer identidade social-democrata, mas sim uma mescla de gente da Maçonaria, jovens de uma direita radical feita nos blogues e redes sociais muito ignorante e agressiva, que, como já o escrevi, acha que o Papa é do MRPP…” Não o afirmo.
O certo é que, desde 2020, avolumou-se a instabilidade dentro do governo e na coligação, de tal sorte que Mota Amaral viu-se forçado a vir a público reclamar mais autoridade na Presidência de Bolieiro. O apelo foi ouvido, mas os parceiros da maioria não recuaram e as propostas de Plano e Orçamento para 2024 não receberam o voto favorável e o governo caiu.
Agora, não vale a pena proclamar aos quatro ventos que “o não, é não”. O mal está feito. O PSD de Bolieiro, ontem certamente aconselhado por antigos dirigentes, vê-se, novamente, nos braços de Ventura e de Pacheco. Por quanto tempo?
Há, no entanto, outras condicionantes que desgastaram o bom funcionamento do Executivo e que, claramente foram referidas na noite eleitoral. A mais importante foi a menção, a despropósito, à ilha de São Miguel, quando referiu a necessidade de “coesão com as nove ilhas” e o “desenvolvimento coeso em toda a Região”.
Diga-se a propósito que nunca foi bem explicado por que razão a Vice-Presidência abarcou competências tão dispares como a gestão do Aeroporto das Lajes, o setor da habitação, da solidariedade e dos assuntos sociais. As questões relativas à utilização da Base das Lajes pelos norte-americanos, deveriam ter estado na alçada da Subsecretaria da Presidência, enquanto a Secretaria dos Turismo, Mobilidade e Infraestruturas ficou responsável pela gestão dos restantes aeroportos da Região e da companhia aérea regional. Não faz sentido.
Recentemente, Artur Lima anunciou que o plano de combate à pobreza desenvolvido pela Universidade de Coimbra, iria ser apresentado após a tomada de posse do executivo, sinal de que o líder do CDS irá manter as mesmas competências. Será? Ou Bolieiro, para conseguir uma legislatura sem sobressaltos, irá submeter-se às “imposições” dos dois parceiros minoritários (CDS e PPM) com pretensos equilíbrios que não traduzem nem a dimensão de círculos eleitorais, nem votos e só afetam a credibilidade do poder executivo nas respostas às populações das periferias insulares?
Neste início de uma nova legislatura o que os açorianos aguardam do novo executivo é uma nova visão sobre o nosso futuro, face à instabilidade e às constantes mutações que ocorrem na Europa e no mundo.
Os permanentes conflitos tomam proporções à escala global de consequências imprevisíveis seja no âmbito sócio-económico seja no domínio ambiental e planetário.
Ouve-se dizer que os tempos que aí vêm não serão fáceis e afetarão a vida de todos nós. Todavia, raros são os nossos políticos, comentadores, académicos e investigadores que apontam caminhos e soluções para que, quando essas situações emergiem estejamos preparados para as enfrentar.
Governar é sobretudo isso: Preparar o futuro, tendo a noção dos meios humanos e financeiros que se deve dispor para fazer frente ao devir. Em todas as áreas: económica, social, ambiental, cultural e até militar. Sobre a segurança não estamos demasiado otimistas de que, na vastidão do Atlântico, estamos protegidos pelo escudo poderoso dos EUA e da NATO, quando tal pode não acontecer se a Presidência americana voltar ao populismo nacionalista e trumpista?
Oxalá me engane, mas há que ter a noção de que os Açores são hoje mais vulneráveis com o eclodir da invasão russa da Polónia e da guerra no Médio Oriente.
São Imensos e intrincados os temas para os deputados eleitos e o próximo governo colocar na sua agenda, na certeza de que neste mundo globalizado nada do que se passe de oriente a ocidente nos é indiferente.
Saibam os eleitos e dirigentes ser responsáveis pela missão que o povo lhes confiou!

1 http://abrupto.blogspot.com/

José Gabriel Ávila*

*Jornalista c.p.239 A
http://escritemdia.blogspot.com

Edit Template
Notícias Recentes
Câmara de Ponta Delgada investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Padre açoriano ordenado no Canadá celebra missa nova nas Feteiras
Trabalhadores de terra da SATA decretam greve em Agosto e Setembro
“Tarifa Açores” mantém-se em 2024 e já beneficiou cerca de 1 milhão de passageiros
Oferta de casas para arrendar desceu 12% em Ponta Delgada no último ano
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores