Edit Template

Queijos dos Açores premiados com Medalhas de Ouro, Prata e Bronze

Os queijos das 3 cooperativas: açorianas, CALF, Unileite e Uniqueijo, distribuídos pela Lactaçores, foram galardoados no 14º Concurso Nacional de Queijos Tradicionais Portugueses de Cura Prolongada, organizado pelo CNEMA e pela Qualifica.
Estas distinções resultam de uma prova cega de diversas amostras, em representação de várias regiões do país.
O Queijo Velho São Miguel, 9M de cura recebeu a distinção Melhor dos Melhores.
O seu longo período de cura, mínimo de 9 meses, confere-lhe um paladar diferenciador e uma garantia de qualidade superior que o coloca na montra dos queijos especiais.
Da mesma ilha de São Miguel, é reconhecido o queijo prato Nova Açores Alho e Salsa com medalha de ouro e o Nova Açores Amanteigado com prata.
O queijo Famoso recebeu a medalha de bronze.
Por vários anos consecutivos o Queijo São Jorge DOP 4, 7, 12 e 24M de cura, voltam a ser distinguidos com medalha de ouro, comprovando a singularidade da marca e da excelência do queijo DOP.
Da ilha do Faial, o Queijo prato Ilha Azul curado é distinguido com prata, o Capelinhos e Moledo, marcas conhecidas pelos faialenses recebem medalha de bronze.
Segundo José Carlos Serrão, Director-Geral da LactAçores, “essas conquistas reflectem o esforço dedicado da nossa equipa e dos produtores, que trabalham incansavelmente para elevar a qualidade dos produtos dos Açores, proporcionando uma experiência única e excepcional para todos os consumidores.”
Desde o início do povoamento dos Açores, com a vinda de lavradores do norte da Europa, que se produz este excelente queijo.
É um queijo tradicional concebido para os verdadeiros apreciadores de queijos.
Conhecido por muitos como o “queijo de casca preta”, é um produto obtido do leite de vaca, submetido a normalização de matéria gorda e a tratamento de pasteurização.
Fabricado por processo descontínuo, em cuba aberta, apresenta-se como um queijo curado de pasta semidura. A textura firme, a cor amarelada com olhos pequenos e irregulares disseminados na massa de consistência firme concebem um aroma e sabor forte e limpo.
Com um sabor inigualável, é ideal para petiscar, para adicionar a saladas, massas, gratinados…, sendo a criatividade o limite!
O Queijo São Jorge DOP, reconhecido a nível nacional e internacional, é produzido em exclusivo na ilha de São Jorge desde a sua descoberta, em meados do século XV.
Feito a partir de leite de vaca cru, coalho e sal, este queijo tem um aroma forte e sabor ligeiramente picante.
A cura mínima é de 3 meses, sendo a cura máxima de 36 meses, entre outras edições especiais.
As características distintas do Queijo São Jorge DOP resultam das condições climatéricas da ilha, que originam pastagens de culturas variadas, que resultam num queijo de excelência.
Excelência é a palavra que melhor caracteriza o Queijo São Jorge DOP, ideal para partilhar grandes momentos.
O queijo Prato Ilha Azul é produzido com leite da Ilha do Faial o qual fornece o sabor e características próprias a cada queijo.
O Queijo Curado Ilha Azul é um queijo curado de pasta semidura, com o formato cilíndrico de cor amarelada.
Produzido a partir de uma receita tradicional e com o formato clássico de queijo prato, o Queijo Curado Ilha Azul é perfeito para qualquer momento de convívio e para partilhar com quem mais gosta.
“Os prémios que recebemos são a demonstração do resultado do esforço persistente e do orgulho que as nossas equipas, colaboradores e produtores colocam em evidencia e promovem a qualidade excepcional dos nossos queijos.
Eles são produzidos com a matéria-prima de primeira qualidade que a natureza dos Açores gentilmente nos oferece, não apenas para o deleite dos consumidores locais, mas também para aqueles além das nossas fronteiras”, afirma José Carlos Serrão.

Edit Template
Notícias Recentes
Produtores e Industriais das pescas criticam Lotaçor por praticar preços superiores à congénere madeirense
Menos pescado e menos valor descarregados em Maio nos portos dos Açores
Insolvências subiram 117% em Ponta Delgada nos primeiros 5 meses deste ano
O melhor do nacional de surf é já depois de amanhã na Ribeira Grande
Bolieiro diz que incêndio deve ser encarado como oportunidade para tornar HDES numa “referência”no país
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores