Edit Template

A urgência do Orçamento

Perderam-se vários meses, por culpa dos partidos, na resolução de vários problemas que as famílias e empresas açorianas enfrentam.
Desta vez houve bom senso na aprovação do Plano e Orçamento para o corrente ano, que já vai tarde (tirando a pobreza franciscana das intervenções dos deputados).
O julgamento pertence a cada cidadão eleitor, mas fica provado que, sendo os documentos praticamente os mesmos que tinham sido chumbados, tratou-se de muita irresponsabilidade.
Agora é preciso recuperar o tempo perdido.
Neste hiato houve muitas consequências económicas que serão difíceis de recuperar, mas há outras que aguardam a urgência deste Orçamento.
Um deles é o pagamento de muitas dívidas em atraso, como ainda esta semana vieram alertar os empresários de construção civil dos Açores, alguns deles com a corda ao pescoço devido ao atraso no cumprimento de facturas há muito reclamadas.
Nenhuma economia funciona com este mecanismo irresponsável dos sucessivos governos dos Açores em avolumar o atraso no pagamento a fornecedores, para esconder ou empurrar para a frente dívidas futuras.
Neste aspecto, é de aplaudir, finalmente, a aprovação de um despacho, por parte do Governo da República, autorizando a transformação de 75 milhões de euros do sector da Saúde em dívida financeira, o que poderá contribuir para aliviar muitos fornecedores, mas não resolve o problema.
É, de facto, uma boa notícia retomar esta opção que já tinha sido seguida em 2021.
Devia haver um plano a dois anos para eliminar toda a dívida em atraso por parte do governo, sendo o mínimo que se pode exigir, se a Região quer mesmo equilibrar as suas contas sem penalizar os fornecedores.
Neste sentido, esta medida, concretizando-se, é um bom sinal.
Fica a faltar liquidar o que resta dos pagamentos em atraso, que não será coisa pouca.
Esperamos que com a situação atual do HDES a situação não volte a agravar-se.
Neste aspecto, é justo reconhecer, também, a atitude do Governo da República em apoiar os prejuízos no HDES em 85%, facilitando assim a recuperação hercúlea que vai ser necessário para pôr a unidade hospitalar a funcionar em pleno.
Ficamos a aguardar o cumprimento da República, porque gato escaldado de água fria tem medo.
Basta recordar, noutros tempos, as promessas de ajuda aos estragos provocados pelo Furacão Lorenzo, à Universidade e a cadeia da bagacina.
Estaremos atentos.

Osvaldo Cabral
[email protected]

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores