Edit Template

O efeito Bolieiro

Três vitórias consecutivas depois, já é possível dizer que, nos Açores, existe um efeito Bolieiro.
Sem ainda chegar aos resultados arrebatadores do tempo de Mota Amaral, mesmo assim começa a ser evidente que o eleitorado gosta do feitio apaziguador do líder regional do PSD, vai aderindo, paulatinamente, à sua forma serena de governar e já se habituou às suas intervenções politicamente nada espalhafatosas.
O resultado das europeias do passado domingo provaram uma PSD de Bolieiro em crescendo e um PS a caminhar para o crepúsculo, precisando urgentemente de reflectir sobre a sua actuação enquanto oposição, papel para o qual ainda não arranjou um registo adequado, muito por culpa de protagonistas desgastados e desacreditados. Francisco César vai ter muito trabalho pela frente, sobretudo para criar uma equipa com outra credibilidade. Bem que poderá aproveitar o recém-eleito André Rodrigues, que foi uma agradável surpresa nestas eleições.
No passado domingo, os açorianos não só reforçaram a liderança de Bolieiro, como também disseram que não gostam que atrapalhem a sua governação.
Deram um aviso aos partidos da oposição, como quem vai dizendo que estão fartos de eleições e não querem mais crises políticas.
A forte abstenção que ainda nos envergonha, apesar da queda de seis por cento, é outro sinal de que os eleitores estão cada vez mais distantes dos partidos, continuando a encarar os assuntos europeus como um suplício a que não vale a pena dar atenção.
É pena darmos este triste espectáculo ao país e à Europa, nós que somos das regiões que mais beneficiam da solidariedade europeia.
Os 75% da abstenção açoriana, mesmo com o voto em mobilidade, estão em linha com a média abstencionista registada nos últimos vinte anos de quatro eleições europeias.
Temos uma média de 74% no cadastro, muito longe da média nacional (65%) e até mesmo da Madeira, que nos surpreende com os seus 58%.
Só há duas ilhas que destoam da nossa média vergonhosa: Flores e Corvo, abaixo da média regional.
Duas ilhas que, mais uma vez, no passado domingo, deram-nos uma lição de participação cívica, especialmente os corvinos, com os seus 37% de abstenção, um registo que nem em 1987 os Açores conseguiam.
O resultado mais glorioso de domingo foi a eleição dos três deputados açorianos, um registo histórico que premeia a coragem dos três jovens em se envolverem no mais alto grau da política europeia, dando-nos esperança, com o seu exemplo, de que há talentos nas novas gerações em que devemos apostar.
Agora, é preciso que não nos desiludem e que agarrem esta oportunidade para defender as nossas causas na maior casa da democracia europeia e, acima de tudo, que estejam em contacto permanente com a população açoriana, dando conta minuciosa do trabalho que estão a desenvolver em Bruxelas e Estrasburgo.
Todos eles, especialmente Paulo do Nascimento Cabral, pela sua reconhecida experiência e competência de anos nos corredores de Bruxelas, têm a obrigação de romper com os estigmas políticos dos partidos, que se fecham muito sobre si próprios, e passem a envolver a sociedade civil e os seus representantes na defesa das causas açorianas no Parlamento Europeu.
O desvio do foco europeu para leste, ignorando o Atlântico e as suas ilhas, é um risco cada vez maior na diplomacia europeia, pelo que, compete aos deputados portugueses, particularmente aos açorianos, fazer lembrar nas instituições da Europa que se deve manter vivo o espírito do artigo 349 do Tratado da União Europeia, em defesa das regiões ultraperiféricas.
É preciso lutar, desde logo, para que não aconteça à agricultura e aos transportes, o mesmo que aconteceu às pescas, com a perda do POSEI, criando-se, ao mesmo tempo, o instrumento de apoio necessário às acessibilidades na nossa região, de pessoas e bens.
Felizmente que os grupos das famílias democráticas continuam em maioria, apesar da subida avassaladora da extrema-direita, dando-nos, assim, esperança de que as políticas de coesão nas regiões mais desfavorecidas tenham continuidade.
Noutro plano, é preciso estudar uma fórmula que eleve a categoria das regiões ultraperiféricas, como a nossa, a círculo eleitoral europeu.
Francisco César alertou, na noite eleitoral, que é uma reivindicação muito difícil, porquanto os partidos nacionais não querem perder candidatos a favor das duas regiões autónomas.
É um receio que se compreende, mas é exactamente para isso que os partidos nos Açores e na Madeira têm a sua autonomia própria, para defesa dos cidadãos locais, pressionando as estruturas nacionais com vista a encontrarem soluções mais dignificantes para os povos dos arquipélagos.
Nota final para a Direcção Regional, do Governo dos Açores, que cometeu uma falha na noite eleitoral, ao começar a divulgar os resultados da região antes das 21 horas. Foi um lapso, certamente, mas foi uma ilegalidade que poderia ter consequências desastrosas para a imagem regional, felizmente corrigida a tempo, depois de a termos denunciado no painel de comentadores da noite das eleições na RTP-Açores.
Fechado, agora, mais este ciclo, é preciso começar a olhar para dentro, depois de uma pausa prolongada sem orçamento regional e sem governação que se visse.
Oxalá que Bolieiro e a sua equipa ganhem novo impulso com estes resultados obtidos no domingo, porque os Açores vão atravessar nos próximos meses etapas demolidoras no que toca à execução de investimentos do PRR e dos fundos comunitários à nossa disposição.
Se falharmos as metas, é mais um contratempo para as nossas vidas, que já não são tão boas como todos aspiram.
Se conseguirmos o esforço, então sairemos todos a ganhar e será mais uma prova de como a Europa tem a ver connosco e nos apoia no essencial.
Não podemos é continuar a dar falta de comparência, como aconteceu, mais uma vez, no passado domingo.
Continuar assim é continuarmos a nos envergonhar a todos.

Osvaldo Cabral
[email protected]

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores